quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Chicago PD e a seleção do Bentinho

«Não tem nada a ver com o equipamento ser vermelho. A minha cor preferida ser o azul - do céu, do mar, do F. C. Porto - não faz de mim um touro que marra sempre contra o vermelho, da mesma maneira que amar o Porto e odiar o centralismo não me impede de achar Lisboa uma cidade muito bela.

Não tem a ver com o vermelho, mas a Seleção cada vez me diz menos. Quando começou o jogo com a Albânia, eu ia a meio do 2.° episódio do Chicago PD e não interrompi a gravação. Não perdi nada. Mais tarde, aos 52 minutos de jogo, se estivesse no relvado de Aveiro, fazia como o Pepe e dava os parabéns ao Balaj pelo magnífico golo que marcou. Não é de agora. O primeiro responsável pelo meu divórcio da Seleção foi o pateta do Luís Filipe Scolari, que hostilizou a nação portista ao não convocar Vítor Baía e perdeu o jogo inaugural do Euro 2004 por teimar em não usar como espinha dorsal da Seleção o Porto de José Mourinho, que acabara de ganhar a Champions com dez portugueses em campo.

A incompetência de Scolari, evidenciada pela proeza de com um equipa de luxo perder em casa a final do Euro contra a Grécia, foi no entretanto confirmada por um percurso imaculado de organizador de derrotas - foi despedido do Chelsea, atirou com o Palmeiras para a 2.ª divisão, proporcionou ao Brasil a suprema humilhação de levar 7-1 da Alemanha no seu Mundial - com a exceção do título de campeão nacional do Uzbequistão, ao comando do prestigiado Bunyodkor.

Após a tragédia Scolari (que deixou o nome associado a fraudes fiscais e às trafulhices do BPN) e o mal-entendido Carlos Queiroz, esperava-se que Paulo Bento conseguisse duas coisas: o apuramento para o Euro 2012 e reconciliação de toda a nação com a Seleção. Teve êxito na primeira, falhou a segunda.

Bentinho (assim era conhecido quando debutou aos 13 anos no Académico de Alvalade) não conseguiu despir o benfiquismo fanático da adolescência, nem ultrapassar o reconhecimento por o Sporting lhe ter dado os únicos quatro títulos (duas Taças de Portugal e duas Supertaças) do seu currículo como treinador, que não chega a encher uma página A4.

Em vez de fazer mais amigos e gerar consensos, Bentinho está sempre a arranjar inimigos, a fomentar divisões e a armar zaragatas. Divide, em vez de somar. Na gestão dos jogadores, é forte com os fracos e fraco com os fortes, dando a ideia de que quem manda não é ele mas Ronaldo. Na gestão da convocatória, dá a ideia de não ser o selecionador mas tão-só o zelador dos interesses de Jorge Mendes.

No discurso, irrita com frases arrogantes debitadas no irritante ritmo do Espanhol que lhe ficou da passagem por Oviedo. Na hora dos lenços brancos, Bentinho não compreende que é preferível sair pelo seu próprio pé do que ser empurrado - que é muito melhor que as pessoas se interroguem sobre os motivos que nos levaram a sair, do que perguntarem, impacientemente, por que é que que ainda não demos a vaga.

Bentinho não merece ter um salário de 1,5 milhões de euros por ano, o que equivale a receber em três meses e meio mais do que a média dos portugueses ganham em 35 anos de trabalho. Se persistir em não querer perceber que estamos fartos dele, não resta outra solução ao presidente da FPF senão despedi-lo - e pedir-nos desculpa pelo equívoco (que custará três milhões) de lhe renovar o contrato após a tragicomédia brasileira. A ver se daqui em diante todos nós, portugueses, podemos olhar a Seleção como Nacional e uma coisa nossa.»
Jorge Fiel
JN, 10-09-2014


Subscrevo, quase a 100%, esta crónica do jornalista Jorge Fiel (subdiretor do JN).
E só não o faço a 100% porque, à hora em que a “seleção do Bentinho” estava a defrontar os “briosos” albaneses, eu estava entretido a ver outro programa, que não o 2° episódio do Chicago PD…

Nota: Os destaques no texto a negrito são da minha responsabilidade.

17 comentários:

Barba azul disse...

Pois no meu caso, caro José Correia, a razão de não ser de 100% a possibilidade de ser eu a subscrever aquela crónica, é porque a gravação que eu via àquela hora era dum episódio do "Sherlock"... : )

rbn disse...

O incompetente Scolari venceu tudo o que um treinador podia vencer...foi campeão estadual, nacional, continental e mundial, para além de vencer 4 Copas do Brasil, com e sem equipes de luxo...

Volto a repetir que nenhum treinador profissional que se preza ia aceitar (e acatar) qualquer papinha feita, seja de Mourinho, Guardiola, Alex Ferguson ou Mário Zagallo, porque aí não era preciso ir buscar ninguém pra treinar a equipe de luxo, bastava contratar o professor Neca ou um chimpanzé para treinar a equipe de luxo, desde que seguisse à letra a papinha feita do Zé Mourinho, era tão certo Portugal ser campeão que nem precisavam os adversários se darem ao luxo de jogarem contra as quinas...

E se Portugal vencesse em 2004, certeza absoluta que nunca iam dizer que o mérito era de Scolari: "Scolari venceu mas os méritos são de Mourinho que entregou a equipa pronta e campeã européia", "Mourinho é que foi o mentor, o responsável", enfim a lenga-lenga de sempre...

Como perdeu, a culpa é dele...

Antonio Silva disse...

rbn, se ele tivesse perdido em casa contra uma Itália, França ou Alemanha, pronto... o que é que um gajo pode dizer.

Mas não, perdeu contra a Grécia, em casa. DUAS VEZES. Que puta de incompetência.

meirelesportuense disse...

Eu concordo a 100% com o Jorge Fiel.
O papel do Scolari na minha total aversão à Selecção Nacional foi crucial. Vacinou-me.
Hoje não sinto nada, fiquei anestesiado, nem vejo os jogos e se vejo, nada me dizem. Portanto, tudo o que o Bento fez e tudo o que a Selecção não fez, passa-me ao lado e é tão bom sentir que não me afecta...Até cheguei a rir-me com as asneiras dos nossos jogadores...Gostei do cumprimento do Pepe ao Albanense. Foi de Portista.
Vieirinha na Selecção? -É um remake do caso Baía. Não entra Quaresma entra Vieirinha. Andam a gozar connosco.

Bluesky disse...

100% de acordo, e até digo mais... 100% de acordo!

Ricardo Fonseca disse...

Nunca simpatizei muito com o Paulito, e acho mesmo que o seu reinado chegou, ou devia chegar, ao fim. Mas....sinceramente ,houve tempos em que me dava muito mais gozo ver jogos desta seleção do que jogos do FCP. Cheguei mesmo a pensar que PB seria ate um bom treinador para nós. Acho que os episódios mais recentes e o divórcio que os portistas sentem com a seleção ,pelos temas ja referidos, nos podem a estar a toldar o discernimento. Mas claro...essa é apenas uma opiniao :)

Jorge Fiel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Fiel disse...

É exatamente o mesmo que eu penso. Andam a gozar connosco

Jorge Fiel disse...

O meu amigo tem a certeza absoluta de que é Portista?

Jorge Fiel disse...

Não nos esqueçamos que o palhaço do Scolari que não convocou o Baia, que acabava de ser eleito o melhor guarda redrado mundo, ainda teve o desplante de chamar o Bruno Vale !

condor disse...

No país da treta no país do faz de conta no país onde um qualquer tono costa pode vir a ser primeiro ministro vocês querem um seleccionador e uma selecção a sério?
Bê-se mesmo que bocês não são de cá!

meirelesportuense disse...

Fiquei Vacinado e agora vai ser difícil voltar ao ponto de partida.
-Deu-me um gozo do caraças -se calhar nem isso- esta derrota com a Albânia, o tal País dos tamancos e das barbas grandes...Hi, hi, hi, hi, ha, ha, ha, ha, ho, ho, ho, ho....E a carantonha do Bentinho só p'ra eles?...Até a risca-ao-meio desapareceu!

miguel.ca disse...

RBN, já te disse anteriormente, não vale a pena andares a perder tempo a defender o indefensável. O Scolari foi, é e será sempre visto e apreciado pela nação Portista como a única, verdadeira e genuína BOSTA!

Antonio disse...

eu sempre achei que a forma como o C. Queiros foi afastado (independentemente de culpas proprias) não augurava nada de bom...

Justiceiro Azul disse...

Se eu quisesse escrever o que sinto em relação à selecção actualmente, seria sem tirar nem pôr o que disse o Jorge Fiel. Obrigado!
Por acaso estava a jantar à hora do jogo, nem me lembrava desse jogo!

ALBINO disse...

Neste caso, além de me sentir humilhado na minha condição de portista, senti um atentado contra a minha inteligência. Comparável, talvez, ao afastamento da equipa médica que "causou" o fracasso da selecção no Mundial do Brasil.

José Lopes disse...

Tambem duvido do portismo do rbn. Nao porque nao acredite que torca pelo Porto, mas porque parece nao querer saber do repetido desrespeito do Scolari pelo Porto. Opta por defender o Scolari, passando por cima da afronta de que fomos alvo. Sao opcoes, mas demonstram nao perceber bem o que e' o clube.