domingo, 9 de novembro de 2014

Lopetegui voltou a inventar

Onze inicial do FC Porto em San Mamés

Na passada quarta-feira, o FC Porto foi a Bilbao disputar um importante jogo da Liga dos Campeões e apresentou-se no habitual 4-3-3, com o seguinte onze:
Fabiano
Danilo, Maicon, Martins Indi, Alex Sandro
Casemiro, Herrera, Óliver
Brahimi, Jackson, Tello

Ou seja, em San Mamés, Lopetegui optou pelo habitual modelo de jogo, com um onze inicial constituído pelos jogadores que mais vezes foram chamados a interpretar este modelo.

A muito boa exibição do FC Porto em Bilbao (uma das melhores, senão a melhor exibição da época) foi alicerçada em vários aspectos mas, indiscutivelmente, um dos pontos mais fortes esteve no trio do meio-campo, constituído por Casemiro (na posição 6), Herrera (como médio de transição) e Óliver (como médio mais ofensivo, a jogar entre linhas).
Este trio, para além de três boas exibições individuais, jogou muitíssimo bem em conjunto, ao ponto do Athletic ter parecido uma equipa menor (nota: hoje, o "fraquinho" Athletic Bilbao foi ao Mestalla impor um empate a zero ao Valência).

Ora, depois do jogo da passada quarta-feira, quando se pensava que, finalmente, mais até do que estabilizar um onze, havia um modelo de jogo consolidado, Lopetegui decidiu voltar a inventar.

De facto, com a excepção do Tello (que foi o pior jogador do FC Porto contra o Athletic e, além disso, devido a problemas físicos, ficou fora dos 18 convocados), contra o Estoril, Lopetegui poderia ter repetido o onze de Bilbao (eventualmente com Quaresma em vez de Tello).

Mas não, Lopetegui decidiu mudar o que estava bem e apostar num meio-campo com apenas dois jogadores - Casemiro e Herrera - pedindo ao médio mexicano para fazer parte do papel que foi de Óliver em Bilbao.

Obviamente, não sei o que pensou a generalidade dos adeptos portistas, mas eu, quando olhei para o onze inicial que o FC Porto apresentou na Amoreira (com apenas dois médios), fiquei perplexo ao ver três médios ofensivos - Óliver, Quintero e Evandro - como suplentes (e já nem falo no Rúben Neves, um 4º médio que também foi suplente).

Por que razão Óliver (que fez um enorme jogo em Bilbao) não repetiu hoje a presença no onze inicial?
Estava em condições para estar no banco de suplentes, mas não para jogar de início?

E Quintero, também não estava em condições de jogar mais de 30 minutos contra o Estoril?

Na eventualidade de quer Óliver, quer Quintero não estarem em condições de jogar de início, poderia, perfeitamente, ter jogado Evandro (no lugar que foi de Óliver em Bilbao), mantendo-se um meio-campo a três, com Casemiro e Herrera nas suas posições habituais, mantendo-se as rotinas (dentro do possível) e mantendo-se o modelo de jogo habitual (que já deu provas).

Ao colocar Adrian Lopez de início e ao alterar o habitual modelo de jogo, Lopetegui deu um enorme tiro (de canhão!) nos pés porque, para além de ter mexido no modelo e rotinas da equipa, voltou a apostar num jogador - Adrian Lopez - que está numa forma péssima e, nos looooooongos minutos que esteve em campo (pareceram-me uma eternidade), foi uma absoluta nulidade.

Lopetegui no Estoril x FC Porto
Mais. Se as coisas não estavam a correr bem (e não estavam), por que razão Lopetegui não aproveitou o intervalo para substituir Adrian Lopez por Quintero ou Óliver, pondo, na 2ª parte, a equipa a jogar no modelo habitual?

Contudo, Lopetegui deve ter gostado do que viu na 1ª parte (devemos ter visto um jogo diferente...) e apenas mexeu aos 60 minutos, não para reconstruir o modelo habitual, mas para inventar ainda mais, passando o meio-campo a ser constituído por Herrera e... Quintero!
O coitado do Herrera passou a ter de correr por três e, ainda por cima, sem poder fazer faltas, porque já tinha um cartão amarelo.

Como seria de esperar, a "equipa" azul-e-branca ficou completamente partida e, por exemplo, Jackson passou a jogar não sei muito bem aonde (cheguei a vê-lo junto à linha... lateral).
Aliás, mais do que uma EQUIPA, o FC Porto transformou-se numa anarquia colectiva e, tendo o Estoril vários jogadores rápidos, correu o enorme risco de ser derrotado, algo que esteve quase para acontecer, não fosse um golo marcado por um dos jogadores (Óliver) que "não estavam em condições" de jogar de início...

As invenções de Lopetegui custaram ao FC Porto mais dois pontos e eu estou farto.
Farto das invenções de Lopetegui.
Farto de um treinador que parece ser incapaz de apreender com os erros.
Farto de um treinador que, depois de fazer o mais difícil (ver jogo de Bilbao), consegue estragar tudo no jogo seguinte.
Farto de perder pontos de forma estúpida.


P.S. Sobre a arbitragem de Artur Soares Dias, direi o que penso noutro artigo.

121 comentários:

João disse...

Não há ninguém naquela estrutura que meta travão no espanhol? Que quando ele aparece a dizer que vai jogar 4-4-2 à Amoreira com o Adrián e o Quaresma lhe dê um tabefe e o mande fazer outro 11 antes de fazer as malas? Dois pontos de borla, à conta da brincadeira e TODA a gente sabia como esta história ia correr mal apareceu o 11 inicial na televisão. Quando TOOODA a gente sabe o que vai acontecer menos o buraco do treinador algo de muito grave se passa.

Casmurrice é o Casemiro, casmurrice era o duplo pivô do outro, isso é casmurrice.

Isto hoje foi burric, com todas as letras. Até tenho defendido a rotatividade, mas há limites. De Leiria para baixo já estamos mais que vacinados para as paragens cerebrais da equipa em campo. E vai inventar? Até para a Champions pode brincar agora. Mas não, tinha que brincar contra o Estoril, porque é um estádio onde normalmente varremos e tudo.

Estou completamente desolado, não é possível ter aos comandos alguém tão.. burro.

Nuno Fonseca disse...

Desta vez concordo. Desta vez a culpa não foi dos jogadores como já foi noutros jogos.
Quintero ao que parece estava com problemas. Mas não colocar Oliver é inexplicável. O Porto acaba por ter azar porque o penalti do Tozé aparece quase por milagre quando o Estoril defendia dentro da área. E porque mesmo depois do 2-1 podia perfeitamente ter dado a volta.
Adrian Lopez foi uma péssima escolha. É um grande problema tendo em conta o que custou. Tem algumas qualidades, mas parece completamente desmotivado e perdido em campo.
Fabiano leu muito mal o lance do penalti. Ser Tozé a marca-lo custa. Oxalá tenha sucesso contra os nossos rivais também. ele merece.

rbn disse...

Penso que não há nada que apontar a ninguém...hoje não houveram abébias da defesa, e por mais que criassem jogadas - e não foram poucas - o último passe sempre falhava: nunca o passe ia na direção certa ou nunca tinha ninguém no local certo pra rematar...

Falar em rematar, TANTA CERIMONIA!!! Só na 2ª parte, Quaresma e Quintero podiam ter rematado quase dentro da pequena área, mas não...preferiram fazer o último passe...

Herrera tava muito bem no jogo - até parecia aquele Herrera do Mundial do Brasil - e Lopetegui o "matou" tirando Casemiro e fazendo o mexicano recuar no terreno...ainda assim, deu conta do recado, mas já não foi ao ataque com aquela intensidade toda...

Quintero - entrou muito mal no jogo - e Aboubakar nada acrescentaram...

Foi tiro ao boneco toda a 2ª parte, jogo de sentido único onde os caras com uma eficácia tremenda, das poucas vezes que iam lá na nossa área, criavam perigo...

É impressionante a eficácia dos adversários contra o FCP...

Herrera pelos vistos caminha a passos largos pra voltar a ser aquele Herrera da seleção mexicana...finalmente...

Rezemos todos para que Adrian Lopez desabroche e volte a ser aquele Adrian Lopez do patético de Madrid...todos sabemos que ele joga muito mais do que (não) vem jogando...

Próximo jogo DIA 30!!! Tempo é o que não vai faltar a Lopetegui, porque depois das seleções, é a Taça de Portugal, portanto o FCP terá praticamente 2 semanas pra peparar o jogo com o Rio Ave e depois o da Champions...

OFF-TOPIC: 4 golos legítimos mal anulados a adversários do fifica neste campeonato...onde anda a "liga da verdade" do gosmento rui santos?

João disse...

Tem-nos adiantado de muito o tempo para preparar. Hoje tinha mais um dia e menos não sei quantas horas de vôo que este miserável Estoril - convém dizê-lo, uma equipa a léguas da da época passada - e foi o que se viu, rotações de puto a jogar Football Manager quando vai jogar para a Taça com o Reguengos, só que em vez do Reguengos era o estádio onde nós sempre, mas sempre, mas sempre damos abébias ou nos vemos à rasca, e em vez de ser para a Taça era para a única competição que interessa é onde já não tínhamos margem para errar.

Qualquer puto a jogar Football Manager metia o 11 mais forte, o nosso "puto" não, tinha que ir inventar.

agostinhop disse...

Por uma razão ou outra. Por que o SLB está de lua de mel como os Àrbtitros, porque está visto que com o Sr. Basco não vamos lá, este ano o FCP parece condenado a deixar escapar o campeonato para uma equipa pouco mais que banal. Somando-se a isso a infantilidade com que se sofrem golos e está avista o que vai aocntecer em Maio.

miguel.ca disse...

Que desapontamento!!! Numa altura em que parecia que o Lopes tinha finalmente percebido o que de mal estava a fazer, voltou a borrar a pintura toda!
Que desilusão!

meirelesportuense disse...

Concordo que o problema esteve novamente no meio campo. Herrera recuou e ficou praticamente sozinho contra todos os que se movimentaram nessa área...Até ali eram Casemiro e Herrera e mais ninguém...Brahimi e Quaresma pelas alas a entrarem para as zonas de remate e definição, mais à frente Jackson e Adrián Lopez. Depois, mais uma vez as arbitragens!!!....Como é possível o Soares Dias não marcar os penalties sobre o Danilo e Brahimi no mesmo lance e ainda fazer de conta no lance que deu o golo do empate ao Porto já no prolongamento?...Ele não marcaria nunca falta - o comentador veio com a história de que em lance de presumível golo o penaltie pode ser ignorado e dada a vantagem (apontem por favor, Luís Freitas Lobo) - o que nos safou foi que o Óliver desfeiteou-o e foi até ao fim. Continuo a pensar que o meio campo tem que ser mais estruturado e consistente. Mais uma semana de constrição e angústia.

Luís Vieira disse...

Quando vi a constituição inicial das equipas, comentei: "isto vai correr mal". Dito e feito. Perdoem-me o acinte, mas o Lopetegui é burro ou come palha? Está demonstrado à saciedade que: 1. Quando inventa dá asneira; 2. O 4x4x2 com Adrián em jogos de maior exigência não resulta (o Estoril não é o BATE, como não o era o Sporting). Não foi difícil adivinhar que o Porto ia sentir novamente muitas dificuldades para ter um bom desempenho neste esquema. A primeira parte foi confrangedora: o meio-campo constantemente em inferioridade (por vezes havia 5 jogadores do Estoril para o Herrera e o Casemiro); o Adrián, qual corpo estranho, atrapalhava o Jackson; a defesa aos papéis nos contra-ataques do Estoril. Cenas já vistas anteriormente. Valeu mais um coelho da cartola tirado pelo Brahimi. Na segunda parte a coisa melhorou um pouco, mas continuou a ser insuficiente. Desta feita as substituições não tiveram grande impacto, exceptuando o Óliver, que ainda foi a tempo de impedir a primeira derrota no campeonato. Questiono-me (assim como a maioria dos observadores, acredito) como teria sido o jogo com o rotineiro 4x3x3, com pequenas mudanças nos intérpretes, como sugere o José Correia. Até prova em contrário, grito aos sete ventos: a rotatividade e a invenção são uma treta de um teimoso. De resto, não foi pela arbitragem que empatámos (o Fabiano foi um anjinho e o penálti aceita-se, muito embora tivesse sido um jogador do Nacional na mesma circunstância e teria levado amarelo por simulação). Palavra final para o Adrián: não me parece justo crucificá-lo, porque está a ser verdadeiramente "queimado" pelo Lopetegui; quando o põe é neste esquema mal trabalhado e fica associado a fracos desempenhos da equipa. Seria muito mais aconselhável se hoje o tivesse posto no lugar do Tello, por exemplo. Mas não, tem de entrar a martelo, nem que para isso saia mais prejudicado do que beneficiado (assim como a equipa). Apre teimoso!

José Correia disse...

"Quintero ao que parece estava com problemas"

Se o Quintero estava com problemas e não estava em condições de jogar, então não devia sequer ter ido para o banco e deveria ter sido chamado outro jogador.
Mas, espera aí, o Quintero esteve vários minutos a aquecer e entrou ao minuto 60...

José Correia disse...

"O Porto acaba por ter azar porque o penalti do Tozé aparece quase por milagre quando o Estoril defendia dentro da área"

Antes do lance do penalti, o Estoril já tinha tido a melhor oportunidade da 2ª parte, com Sebá a falhar, completamente isolado, na cara de Fabiano.

Zefansa disse...

Quando tudo parecia estar a entrar nos eixos apareceu novamente o lado mau e egocêntrico de Flopetegui... Inacreditável.

slb joga pior do que jogamos neste jogo mas continua a ser levado ao colo.

Só não digo que estamos afastados do titulo porque a equipa tem muita qualidade, mas com este imbecil vai ser muito difícil...

José Correia disse...

"Adrian Lopez foi uma péssima escolha. É um grande problema tendo em conta o que custou."

O que custou 60% do seu passe;
O que custa o seu elevado salário mensal;
E o que custa, à equipa, as suas más exibições.

Adrian Lopez terá de melhorar IMENSO para, eventualmente, justificar a sua contratação.

José Correia disse...

"A primeira parte foi confrangedora: o meio-campo constantemente em inferioridade (por vezes havia 5 jogadores do Estoril para o Herrera e o Casemiro)"

Pois é, caro Luís, mas o Lopetegui deve ter visto outra 1ª parte e, quiçá, outro jogo.

José Correia disse...

"Palavra final para o Adrián: não me parece justo crucificá-lo, porque está a ser verdadeiramente "queimado" pelo Lopetegui; quando o põe é neste esquema mal trabalhado e fica associado a fracos desempenhos da equipa."

É verdade mas, mesmo neste esquema, o Adrián Lopez tem, obrigatoriamente, de jogar muito mais.

Ele não só esteve mal a finalizar (houve duas ou três situações onde poderia (deveria!) ter feito melhor), como foi incapaz de jogar e tabelar, com um mínimo de qualidade, com os seus companheiros mais avançados.

Jose Norton disse...

Boa Noite
Não concordo com a opinião do José Correia. Julgo que a opinião foi escrita a quente. Talvez com mais umas horas em cima a opinião poderia ser eventualmente menos critica.
Eu acredito no trabalho que esta a ser feito. Eu acredito em Lopetegui.
Cumprimentos
José Norton

Aires disse...

Concordo Inteiramente com o artigo. De princípio a fim.

"As invenções de Lopetegui custaram ao FC Porto mais dois pontos e eu estou farto.
Farto das invenções de Lopetegui.
Farto de um treinador que parece ser incapaz de apreender com os erros.
Farto de um treinador que, depois de fazer o mais difícil (ver jogo de Bilbao), consegue estragar tudo no jogo seguinte.
Farto de perder pontos de forma estúpida."

É exactamente o que sinto. SEM TIRAR NEM PÔR. Quando o jogo acabou quase que tinha um ataque de raiva.

Aires disse...

Concordo inteiramente com o artigo. SEM TIRAR NEM PÔR.
Quando acabou o jogo quase que tinha um ataque de raiva.

rbn disse...

Pra memória futura...

Nas capas d'O Jogo e dos dois lixos lisboenses dizem GOLO MAL ANULADO AO ISPÓRTI!!!

N'O Jogo diz FORA DE JOGO MAL ASSINALADO AO NACIONAL...os dois lixos lisboenses não dizem ABSOLUTAMENTE NADA!!!

É por isso que se eu mandasse, PROIBIA A ENTRADA DESSES MERDAS EM QUALQUER INSTALAÇÃO DE PROPRIEDADE DO FCP!!!

DC disse...

Parece que afinal os críticos do Lopetegui, que tanto levaram no post do jogo com o Bilbao, se calhar até tinham alguns motivos para as críticas...

Já agora, parece-me incrível que não se perceba que o Herrera se destacou ontem e parecia o Herrera do México, exactamente porque o Porto parecia a equipa do México. A organização do Porto foi medíocre, permitiu que o jogo fosse de transição constante, bola cá bola lá, e isso para o Herrera é fantástico porque ele gosta é de andar a correr com a bola. Agora em jogos organizados, que penso eu é o que queremos para a equipa, não aparece "o Herrera do México". E ainda bem que não.
Quanto mais "Herrera do México" tivermos, mais empates e derrotas teremos certamente. E ele chegará ao final do jogo sempre cheio de Kms nas pernas. Ele e os outros jogadores do Porto em desvantagens numéricas na transição defensiva. Agora se calhar vamos ganhar tantos títulos como a selecção mexicana...

P.S. Mesmo assim, revejam lá o jogo e os melhores momentos e, principalmente na 1a parte digam-me lá quantas vezes os defesas estiveram em igualdade numérica contra avançados e médios do Estoril e o "Herrera do México" nem na imagem aparecia. Uma das vezes até o Jackson teve que vir fazer de trinco enquanto o "Herrera do México" descansava.

JON disse...

Parece que agora já não é tão estranho a série de comentários que fui fazendo ao nosso treinador, mas isto adivinhava-se porque o Lopetegui ainda não percebeu que o jogo joga-se no CENTRO do terreno. É aí que os jogos se ganham e não apostar nunca em Evandro é criminoso.

Depois, não sei que jogo viram mas o Herrera jogou a passo a primeira parte toda e na segunda, por culpa do treinador, também não esteve bem. A partir do momento em que tirou Casemiro, a equipa morreu. É obra!
Sem querer novamente falar na qualidade ou falta dela do Herrera, mas sou só eu que vejo que ele estava esgotado por jogar sempre 90min todas as partidas? Se não houvesse alternativas no banco ainda percebia...

E o Quaresma roubar a bola ao Brahimi no livre frontal? Vergonhoso. Parabéns aos que lhe deram estatuto para fazer isto. Eu não fui de certeza!

JON disse...

Jogadas de transição defensiva rápida, o Herrera nunca, nunca, nunca está atrás da linha da bola.

José Correia disse...

O DC e o JON parecem o presidente e o vice-presidente do clube de fãs anti-Herrera.

Num jogo em que tanto havia para falar acerca das opções de Lopetegui (modelo de jogo, onze inicial, substituições, etc.), mais uma vez dedicam o essencial dos seus comentários a malhar no Herrera.

É pena, porque já demonstraram capacidade para comentários muito mais interessantes e pertinentes.

Alberto Silva disse...

Deves ter algum Fetiche com o Herrera só pode...

JON disse...

José, eu no meu comentário (abaixo) não malhei no Herrera. Pareceu-me óbvio que ele estava desgastado e pareceu-me óbvio que o Lopetegui deu cabo do meio-campo (ainda mais) quando tirou o Casemiro e recuou o Herrera.

Alberto Silva disse...

Nem mais José...ainda por cima é dos únicos que consegue unir as pontas num meio campo a dois de ontem...o único que liga o jogo...se ele tivesse o que eles queriam...mais acerto no ultimo momento ( passe/remate), só digo que não estaria no Porto tanto tempo...

José Correia disse...

"Eu acredito no trabalho que esta a ser feito. Eu acredito em Lopetegui."

Apesar dos pontos que já foram perdidos, muitos deles de forma inglória, eu acredito que, com este plantel, se Lopetegui deixar de inventar e consolidar o que de bom foi feito nestes primeiros meses, ainda vamos a tempo de ganhar este campeonato.

Bruno Pinto disse...

E depois do melhor jogo da época, o que faz o treinador do FC Porto? Muda o sistema táctico... Inacreditável. Já se estava à espera que, em inferioridade no meio-campo, a coisa tinha tudo para correr mal. Não se compreende a mudança depois da exibição em Bilbau.

PS: Detesto aquela espécie de adeptos que, a favor ou contra o treinador e consoante se ganha ou perde, passam a vida a dizer 'eu avisei', 'vejam como eu tenho razão', 'eu sempre disse'... Gostam de parecer mais inteligentes que os outros.

DC disse...

O facto de "malharmos" no Herrera é apenas resposta ao clube de fãs do Herrera.
Falei dele porque li aqui que tinha jogado bem. E isso sim, demonstra uma falta de capacidade gritante para analisar um jogo. Não perceber as falhas de posicionamento dele e a lentidão na transição defensiva é preocupante. Isso sim parece ser uma análise com base apenas em fanatismo. Aliás já comento na brincadeira com amigos que "vou ao RP ler que o Herrera foi o melhor em campo outra vez". É que há sempre uma desculpa qualquer para elogiar a mediocridade.

JON disse...

Caro Bruno, não preciso parecer mais inteligente que muitos, porque infelizmente o Lopetegui dá-me razão. Quanto aos seus comentários, fico feliz de não ter escrito mas um testamento cheio de extensas análises ao nível do visaodemercado.

Bruno Pinto disse...

E no mercado de inverno acho que precisámos de 2 jogadores: um número 6 a sério (já que não se aposta em Rúben e Campaña nem se sabe o que vale) e um central que saiba jogar futebol; a equipa ía melhorar muitíssimo, mesmo com as invenções do Lopetegui.

DC disse...

Jon desgastado ou não a transição defensiva dele foi sempre esta. Basta rever o jogo em casa com o lille e são evidentes os 'atrasos' dele.

Alberto é uma questão de ler os textos e comentários do RP para se perceber que se eu falo muito do Herrera é para responder. Não sou nunca eu a lançar o tema.

Mas também é engraçado ver que o Herrera não pode ser criticado mas o Adrian já virou patinho feio. Há adeptos do Porto que devem ter alergia à qualidade.

JON disse...

Eu já nem discuto mais isso, porque não vale a pena.
Ou seja: independentemente da qualidade do Herrera, é ou não é verdade que ele ontem pelo menos na segunda parte estoirou? É ou não é verdade que também estoirou porque o Lopetegui continuou a achar, depois do descalabro da primeira parte, que é possível jogar sem meio campo?

O Porto jogou o tempo todo com um sistema de 4-2-4 em que os extremos e o 2º avançado não jogam no meio. Isto implica que seja muito mais fácil (do que o costume) meter bolas no meio e sair a jogar. É incrível como ele não vê isso!

Acaso ele acha que o meio campo serve apenas para transição ofensiva? Para fazer girar a bola entre extremos?

Alberto Silva disse...

Mas é a tua opinião e respeitamos...podemos é não concordar...num jogo onde jogas com 2 médios criticar Herrera é absurdo...se o Porto estaria a jogar num jogo de posse de passes mais curtos etc...até podia perceber se o Herrera não encaixasse...mas neste ultimo jogo, acho que é mesmo fetiche..falar que ele estava adiantado em transição defensiva, ele era o único médio que faz também a transição ofensiva é normal que depois possa estar á frente...mas fez muitos passes de rotura...mas não viram esses, apenas se calhar um lance onde falhou...acho estranho gostarem do Josue e não gostarem do Herrera...e virem falar de Gostar Qualidade...

RS disse...

Até dá a sensação que na falta de dificuldades impostas pelos adversários, é o próprio Lopetegui que decide criá-las para equilibrar a balança.... Eu sou apreciador (e defensor) do basco mas, desta vez, tenho de admitir que errou ao mudar o esquema táctico (mais do que mudar o 11 inicial). Perdemos infantilmente 2 pontos que estavam mais do que acessíveis e não podemos continuar a fazê-lo quando está visto que o nosso rival continua a jogar em modo "verdade desportiva" com a complacência da comunicação social.
Ainda assim, no meio de alguma desilusão, deu-me especial gozo o melão dos locutores da TSF quando ao minuto 43 já faziam o balanço da "justíssima" vitória do "Estoril de Couceiro", com menos 48 horas de descanso, enaltecendo o facto de dali em diante deixar de haver equipas sem derrotas na Liga. Ooooops... parece que não....

José Correia disse...

«Uma pancada sobre Brahimi lançou o pânico no banco do FC Porto logo ao segundo minuto de jogo. O argelino ficou muito tempo a queixar-se e Óliver saltou imediatamente para o aquecimento.»
in O JOGO, 10-11-2014

Ou seja, não sei se Óliver estava em condições de jogar 90 minutos mas, pelos vistos, estava em condições de jogar 88 minutos…

DC disse...

Eu critico Herrera em questões objectivas. Não estou a criticar o Herrera pela táctica ridícula nem pelas substituições ridículas. Estou a criticar que, além disso, ele esteve mal na transição defensiva. É uma questão de reverem o jogo com olhos de ver e olharem para os contra-ataques do Estoril e depois verem onde ele estava.
E essa de ser o único médio é conversa porque até o Jackson apareceu a vir recuperar enquanto ele olhava para a jogada. São várias as jogadas em que ele está a "olhar" para o jogador do Estoril e não recua. Não é fetiche, é atenção ao jogo.

Aliás até posso dizer que com bola até foi dos melhores jogos do Herrera (apesar de não me lembrar de nenhum passe de ruptura como o Alberto diz), agora sem bola foi mau.
E gostar de Josué e não gostar de Herrera é estranho? Se um tem qualidade técnica, de passe, inteligência, entendimento dos ritmos do jogo acima da média e o outro é só transição, transição e pouco mais, qual é a incongruência? Também gosto muito do Oliver e do Evandro. Também é incongruente com não achar o Herrera jogador para uma equipa que se quer grande?

DC disse...

JON, essa é outra coisa. A rotatividade chega a todos menos a ele. E logo ele que tem no banco um Evandro muito melhor que ele.
Segredos que só Lopetegui pode explicar.

Alberto Silva disse...

Vamos ficar atentos á carreira de um e outro...e não venha falar de oportunidades...que o que não faltou ao Josué foi oportunidades e boa imprensa...
Pois não se lembra de passes de rotura...é normal...reveja o jogo então...passes para Quaresma e Brahimi na lateral esquerda já dentro da área...e outro passe para Jakson onde este podia ter simulado o remate e ficaria na cara do golo...entre outros...mas vocês fazem me lembrar o MST sobre o Moutinho...mas o tempo dirá...

Nuno Fonseca disse...

O Julen disse que o Quintero teve uma gastroenterite e não podia jogar os 90 minutos. se é verdade ou não, não sei. e Oliver também se falou durante a semana que estava em dúvida tal como Tello. De qualquer forma, há ainda Evandro, que não percebi porque desapareceu do mapa. mostrou ser um jogador útil, sempre que entrou.

Nuno Fonseca disse...

Isso é verdade. O Benfica anda desde o inicio do campeonato a jogar pior do que o Porto. Então nesta jornada foi "escandaloso". Mesmo com o Porto a fazer um jogo sofrível, o Benfica fez um jogo muito pior. É que não joga nada mesmo.

José Correia disse...

"O Julen disse que o Quintero teve uma gastroenterite e não podia jogar os 90 minutos. se é verdade ou não, não sei."

E nem sequer podia ter entrado ao intervalo?
Estava assim tão mal, que só dava para jogar 30 minutos?

José Correia disse...

"Oliver também se falou durante a semana que estava em dúvida..."

Conforme já sublinhei noutro comentário, o Óliver saltou do banco para aquecer logo ao 2º minuto, o que significa que estava em condições de, pelo menos, jogar 88 minutos.

José Correia disse...

"De qualquer forma, há ainda Evandro, que não percebi porque desapareceu do mapa. mostrou ser um jogador útil, sempre que entrou"

Pois, não percebeu o Nuno Fonseca e, suponho, não percebeu mais nenhum adepto portista.
Mas, como ontem, era dia de Lopetegui dar a titularidade a Adrian Lopez e de alterar o habitual 4-3-3 para uma espécie de 4-2-4, o Evandro não podia jogar...

Nuno Fonseca disse...

DC, estou com o José Correia. Num comentário de ressaca ao empate (quase derrota) em Estoril, a sua primeira reacção é falar do Herrera? Já não escreveu suficientemente sobre ele? Ou não sabe dizer mais nada?

DC disse...

O Alberto sabe o que é um passe de ruptura? É que lateralizar o jogo para mim não é ruptura nenhuma...

Nuno, mais uma vez, o meu comentário foi na sequência do que li aqui sobre o Herrera do México e sobre o facto de ele correr muito.
Quanto ao que eu sei ou não dizer, se quiser dou-lhe a minha password para começar a escrever os comentários por mim. Se há coisa que eu adoro é quando aparecem os saudosistas do lápis azul. Você também deve ter sido um dos que achava que o Tactical Porto era um blog de anti-portistas que só sabiam dizer mal do Lopetegui e do Herrera, não era?

DC disse...

Claro Alberto, a carreira é que define tudo. Nunca tivemos nenhum bom jogador mal aproveitado nem nunca vimos flops como Rojos e companhia a saírem para clubes de topo. Isso é impensável no futebol moderno onde os empresários e outros que tais não têm influência nenhuma nas transferências.

JON disse...

Perguntas para Lopetegui:

- saída de bola: está melhor, mas urge ainda perguntar: porque estão os centrais proíbidos de sair com bola controlada em progressão (mal recebem, soltam de imediato, estão proíbidos de "sair a jogar")? Se é por não terem qualidade de passe, porque fomos buscar um central por 8M que não tem qualidade de passe?

- jogo interior: porque desconsidera tanto esta zona do terreno? porque é que acha possível jogar-se com 2 médios e 4 homens na frente sem explorarem o espaço interior (nem o JJ faz isso no seu modelo)?

- porque é que tem de haver tanta rotatividade e depois alguns têm de jogar sempre, nomeadamente Herrera e Danilo, os quais começam a revelar fadiga?

- porque é que Evandro não conta para nada?

- porque é que Quaresma que parecia domado teve a moral de roubar a bola a Brahimi em zona frontal para bater um livre?

Já agora um elogio: falou muito bem nos jogos do Benfica no final ontem. Melhor se falasse tendo ganho, o que legitimaria o discurso.

PS: mais uma segunda-feira muito difícil de viver. Acordei uma hora antes do despertador a pensar que perdemos mais 2 pontos.

Alberto Silva disse...

Nem conheci esse blog...e esse o ponto de critica do texto...as invenções de Lopetegui...mas que querem transformar novamente no Herrera quando se perde...quando ele foi o que ainda uniu as pontas numa tática absurda...o único jogador que consegui colar a defesa ao ataque...se foi dos únicos que se salvou nesta tática absurda porque estão a falar mal do homem...quando se ganhou ao Bilbau não se falou do homem...só quando se perde?...Eu também preferia ver no Benfica jogadores certinhos, passes para ali, passe para acolá...etc..etc...mas vejo lá o Enzo Perez a pegar na bola e a quebrar linhas...sim porque passar para trás e pro lado até eu o fazia com muita qualidade, mas quando tinha de pegar na bola e levá la para a frente tá quieto, passa ao colega que ele consegue...o Herrera é estereotipo de jogador, pode é não se enquadrar no teu modelo de jogo ( como Zlatan não enquadrou no jogo do Barça) mas dizer que não tem qualidade na minha opinião é ridículo...mas prontos, aguardaremos os tempos que ai vêm...

José Correia disse...

DC disse:
"A rotatividade chega a todos menos a ele [Herrera]. E logo ele [Herrera] que tem no banco um Evandro muito melhor que ele."

JON disse:
"porque é que tem de haver tanta rotatividade e depois alguns têm de jogar sempre, nomeadamente Herrera e Danilo..."


Caros DC e JON (vocês não são a mesma pessoa, pois não?... ;-) ),

A vossa obsessão em relação ao Herrera é tal, que nem repararam no facto deste internacional mexicano já ter sido suplente em TRÊS jogos do campeonato - Paços Ferreira, Moreirense e Nacional.

DC disse...

Lá está, eu é que sou fanático mas para o Alberto o Herrera é que foi o único bom ontem..E uniu as pontas e não sei mais o quê. Eu é que sou distraído e o via sempre mal posicionado.
Que mais eu posso dizer? Sou um fanático ou fetichista.

E Enzo comparado com Herrera?

DC disse...

José, se houver dúvidas...
http://www.zerozero.pt/team_players.php?active=99&pos=0&pais=0&epoca_stats_id=144&id=9&menu=&o=

José Correia disse...

Não, caro DC, nenhum dos frequentadores habituais da caixa de comentários do RP tem qualquer dúvida acerca do que pensam o DC e o JON.
Eu quase diria que, antes de ler os vossos comentários, só pelo nome do autor, já sei que algures, vai haver uma critica explicita ou implícita ao... Herrera.

José Correia disse...

Quanto às vossas afirmações, de que a rotatividade imposta por Lopetegui chega a todos menos ao Herrera, que tem de jogar sempre, os factos provam o contrário.

Ou será que eu me enganei e não é verdade que o Herrera foi suplente em TRÊS jogos do campeonato (Paços Ferreira, Moreirense e Nacional)?

JON disse...

José, e quase sempre entrou para "salvar" a coisa. Sendo que quando é preciso alterar alguma coisa, até o Brahimi já foi substituído, sendo que o Herrera não.

Novamente, independentemente de ele ser ou não bom jogador, não é estranho que tenha tantos minutos quando todos os outros vão rodando? Isto quando há Evandro especialmente e mesmo Ruben.

PS: a sério que não quero continuar a discutir Herrera. Fiz uma série de comentários pertinentes acima, mas as pessoas optam por entrar em diatribes sobre o jogador A ou B. Muito pior que os intérpretes é o facto de o treinador achar que pode jogar sem meio-campo forte, como foi ontem o caso!!!

DC disse...

Facto é Herrera ter mais 1000 minutos que o evandro e ter mais minutos que qualquer médio do porto.

E eu sou contra a rotação. Acho estranho é alguns rodarem tanto e o evandro jogar tão pouco.

José Correia disse...

JON disse:
"Sendo que quando é preciso alterar alguma coisa, até o Brahimi já foi substituído, sendo que o Herrera não"

Mais uma afirmação acerca do Herrera que é falsa.

Para além dos TRÊS jogos em que foi suplente, o Herrera também já foi substituído em vários jogos.
Por exemplo, contra o Marítimo (ao minuto 57) e contra o SC Braga (ao intervalo).

Bruno Guedes disse...

Boa tarde Sr. José Correia.
Realmente, o nosso clube está perdido. Imaginem um dia que JNPC não esteja a presidente. Vai ser bonito, estivemos 19 anos sem ganhar, eu acho que vamos bater esse record, mas pronto.
Ganhamos em Bilbau meia dúzia de comentários, empatamos ( para mim foi uma derrota) chovem comentárioa atrás de comentários.
Na minha opinião foi o 1º jogo da época em que o treinador leu mal o jogo do 1º ao último minuto, desta vez a responsabilidade é dele e unicamente dele.
Nem coloco aqui o factor surpresa ( começar com 2 avançados de inicio), deveria e tinha obrigação de ao intervalo ter reestruturado a equipa e ter colocado os elementos que devia.
Esteve mal, custou 2 pontos e pior que isso dá moral ao clube do regime, estavamos a 1 ficamos a 3. É o fim do mundo? Não é mas perdemos até agora 4 pontos que não deveriamos ter perdido ( 2 em casa com o Boavista e agora estes ). Em guimarães era impossivel ganhar.
Contas feitas, estes 4 pontos têm de ser ganhos noutros campos ( Braga, Madeira ) locais onde as vezes um ponto acaba por ser bom.
Não vou bater no treinador nem nos jogadores conforme muitos o fazem, já disse aqui que para muitos sócios/ adeptos, o treniador deveria de assinar com uma clausula que era: se perder ou empatar vai embora.
Relativamente ao Jogador Adrían ( não o conhecia quando veio para o FCPORTO conhecia o 11 do Atlético e pouco mais) , respeito o profissional, não foi ele que quis vir para o FCPORTO, alguém o comprou, alguém o meteu cá. Não sei se vai dar muitas alegrias ao FCPORTO, por aquilo que vejo é um jogador sem confiança, que se tiver a baliza aberta prefere passar a chutar. Não sei como isso se resolve, (psicologo talvez) mas por muito que mandem vir com ele ( ontem, mais uma vez foi horrivel o coro de assobios quando ele saiu) é colocando a jogar que se vai tirar as dúvidas.
Ontem tal como hoje estou triste, estou desampontado, cuasta imenso vir trabalhar e vai demorar algum tempo até esquecer este empate ( o do Boavista ainda está cá dentro) mas acredito nesta equipa e no treinador. Acredito que vamos fazer uma grande época, mas isso sou eu.
Bruno Miguel Guedes - 28061

JON disse...

Resumindo José, o José acha que faz sentido o Herrera ter os minutos todos que tem e o Evandro, por exemplo, ter tão poucos?

PS: ontem até podiam ter entrados os 2 de início, que faria todo o sentido!

DC disse...

E já agora recordo que, por exemplo, num jogo em que a bluegosfera toda criticou Herrera, este blog o elogiou, ou num jogo em que Herrera faz a assistência para o golo do Bilbao, aqui se elogiou a eficácia de passe dele.
Portanto, eu até posso ser muito chato nas críticas, mas há quem ande constantemente a fazer elogios, mesmo os mais improváveis possíveis.
E as minhas críticas, facilmente eu sustento com vídeos ou imagens dos lances. Aliás já o fiz depois do jogo com o SPorting em Alvalade onde ficou evidente (para quem quis ver) o quanto o Herrera compromete a transição defensiva do Porto. Mas se não tiverem visto, eu coloco de novo. Isto é Herrera defensivamente. Sempre!

http://lateral-esquerdo.blogspot.pt/2014/09/classico-de-alvalade-o-primeiro-quarto.html

Nuno Fonseca disse...

LOL. Você pode dizer o que quiser. Até porque como diz sempre o mesmo, tudo o que possa dizer no futuro, já o disse. já não há volta a dar.
Você fala tanto no tactical porto que até me dá vontade que contratem quem o escreve pra treinar o clube. pois se é assim tão fácil!! De certeza que tem coisas muito certas em teoria, mas se lá disser pra eu me atirar de uma ponte, eu não me atiro.

Nuno Fonseca disse...

aqui subscrevo e realço a negrito e itálico:

"E o Quaresma roubar a bola ao Brahimi no livre frontal? Vergonhoso. Parabéns aos que lhe deram estatuto para fazer isto. Eu não fui de certeza!"

João disse...

Mais surreal que o Lopetegui só o clube anti-Herrera. Um dos melhores ontem, como aliás tem sido em vários jogos recentes (por contraponto com o início da época, em que esteve francamente mal em alguns) ia ser substituído pelo Evandro que nunca fez boi de relevante sempre que entrou.

Eu até tenho estado atento ao posicionamento do Herrera, sugiro a façam o mesmo. É bluff, está onde deve estar quase sempre, não aparece nas transições defensivas porque recuperar 2as bolas à saída da área adversária nos cantos (o que lhe é pedido porque está SEMPRE lá) e aparecer 3segs depois em cima do Sebá ou do Tozé no nosso meio campo é fisicamente impossível.

Mas para os génios que criticam o Herrera ele tem que ser 8, 10, 6, 2o avançado, enfim deve estar na posição onde não está quando convém criticar.
Não admira que fossem os admiradores do Defour, curiosamente nada conhecido pelo passe para trás e lateralizaçoes de meio metro, naaaada disso, esse é que era cada passe de ruptura que eu até me apagava.

DC disse...

O Evandro não fez nada de relevante quando entrou. Aqui podemos comprovar isso mesmo:

http://lateral-esquerdo.blogspot.pt/2014/08/transicao-ofensiva-exemplar-do-fc-porto.html

E o Herrera compromete na transição defensiva porque lhe pedem para estar na área adversária. Raios, então o homem anda a falhar em tudo. Porque ele está sempre relativamente perto da bola, só não está perto o suficiente para fazer contenção ou cobertura decente.
Mas, mais uma vez, esta sequência de imagens demonstra tudo. Se você atento diz coisas destas imagino quando anda desatento.

http://lateral-esquerdo.blogspot.pt/2014/09/classico-de-alvalade-o-primeiro-quarto.html

Mas realmente eu vou-me deixar disto. Não vale a pena discutir convicções. Eu até pedia ao João para provar com imagens/videos essa particularidade táctica à qual esteve atento. Mas tenho a certeza que nunca o fará.

JON disse...

Resumindo, do que leio, ninguém quer que a equipa se apresente partida como tem estado em muitos jogos, ontem em particular, parecendo um jogo de andebol.

Curiosamente, todos parecem enaltecer o especialista em corridas desenfreadas de bola cá, bola lá, o Herrera.

Espetacular!

João disse...

Aliás, façam isso. Vejam esse post imbecil sobre o jogo com o Sporting (não confundir com qualquer jogo recente) e a imbecil descrição que acompanha cada imagem. Mas vejam mesmo. E contem quantas vezes é pedido que o Herrera, num meio campo com Rúben Neves e Casemiro (portanto o elemento destacadamente mais adiantado) esteja

- atrás do Rúben Neves numa bola que este perde no NOSSO meio campo (porque sim).

- à frente do Nani (que lhe levava uns 5 ou 6 metros de avanço) no mesmo lance.

- No meio de 6 jogadores do Porto, que não conseguem tirar a bola ao Nani, 5ª imagem, nem sequer estou a gozar. Porque nitidamente ali era do Herrera. Porque quem está ali a comer sono não é nenhum dos 3 defesas e 2 trincos que estão em cima do Nani feitos retardados, com o João Mário todo aberto, é o Herrera que está praticamente na meia lua da nossa área quando é o médio mais avançado mas não está a "defender que chegue"

- 6ª imagem, 7 jogadores do Porto vs. 5 jogadores do Sporting. Adivinhem lá de quem continua a ser a culpa.

- 7ª imagem exactamente, Herrera não está a fazer de central como devia, nas suas funções de médio mais adiantado. Em contrapartida, toda a restante equipa está excelentemente posicionada, fora o facto de também não estarem a marcar a ponta de um corno.

(estive quase a desistir quando voltam a pedir que o Herrera esteja atrás de uma bola perdida pelo Rúben no nosso meio campo (12ª) porque começa a ser atraso a mais, mas fiz um esforço)

- na ala, a marcar o Carrilo (epá porque sim) e claro, mais uma vez, atrás do Rúben. Porque, mais uma vez, sim. 14ª imagem

- 15ª imagem, 8 atrás da linha da bola, mas neste caso MAL, porque para o limitado que lhe estava a pedir que estivesse atrás da linha do Fabiano nas 14 imagens prévias, como para o DC, o Herrera nunca está onde eles acham que devia estar. E onde é que o Herrera devia estar? Não interessa! Se o central perde a bola atrás, o Herrera está muito adiantado. Se o Jackson não tem linhas de passe o Herrera está muito recuado. Se eles entram pela ala é porque o Herrera não fez a dobra, se eles entram pelo meio é porque Herrera não foi trinco. Se não há ninguém entre linhas, é porque o Herrera não foi #10.

E no meio disto o gajo é que se anda a cansar quando ia ali ao nosso meio campo passar atrás e ao lado, recuperava umas bolas com os olhinhos e arriscava rigorosamente nada na frente, tipo a nódoa preferida do Ferguson que este defeso ninguém lhe pegava nem dado, e os DCs desta vida iam elogiar o fantástico sentido posicional do Herrera, fiel herdeiro da Defourice.

João disse...

Tem razão, não gostei nada de ver 10 jogadores nossos no meio campo adversário a massacrar e a criar oportunidades, eventualmente concedendo um ou outro contra-ataque quando já deviam estar a golear pelas oportunidades criadas.

Tive saudades dos jogos disputados olhos nos olhos na Amoreira, com o Estoril a conseguir ascendente de jogo, a jogar no nosso meio campo e a ter mais oportunidades de golo, nós a marcarmos num chouriço do James ou do Atsu. Isso é que era futebol, bons tempos!

a pessoa disse...

Depois sou eu que trago o VP à baila...

Oh João, então e o que é melhor, ganhar como nessa altura, em que acabámos o campeonato com uma percentagem de pontos ganhos de 87% ou desperdiçar pontos como este ano em que temos 73% à décima jornada?

I rest my case.

a pessoa disse...

Este comentário é de tal forma uma idiotice tão grande, considerando o horrível jogo que fizemos ontem, que até já me arrependi de ter respondido!

87% vs. 73% e vem falar no VP?

É por estes adeptos que ele realmente foi profético quando disse que saía para que alguns adeptos vissem o que era outro futebol...

JON

Pedro ramos disse...

Que os adeptos gostem de Herrera nao tenho nenhum problema, parece ser bom profissional e esforça-se ao máximo para fazer o que o treinador lhe pede.

O que me provoca confusao é um treinador que diz ser adepto de um jogo de posse, e que supostamente quer implementar esse modelo, ter como trave mestra no seu meio-campo Herrera em vez de Oliver, Quintero ou Evandro, que lhe oferecem muito mais soluçoes dentro desse modelo. Mas se calhar tem muito haver com a forma como Lope nao olha para o meio-campo e para o jogo interior.

lee disse...

vergonhoso ?? mas o brahimi tem 100% de eficácia nos livres é ? quantos golos marcou de bola parada ? se calhar o Quaresma nos treinos até mete as bolas no 7, já pensaste nisso ?

isso é perseguição ao jogador.... e para além do mais o quaresma até acertou na baliza, faltou força e colocação, mas até acertou

DC disse...

Obrigado por confirmar o que eu já suspeitava João. Não tem a mínima noção do que deve ser a organização duma equipa. Assim entendo os seus comentários, são coerentes com o seu entendimento do jogo.

Nuno Fonseca disse...

cada campeonato é um campeonato. não se pode comparar os pontos assim dessa forma. as equipas são diferentes. Mas o profético do VP queria o Herrera na sua equipa e farta-se de o elogiar. E agora?

Luís Vieira disse...

Relativamente à finalização, concordo em absoluto, tem de melhorar, até porque o remate é(era) um dos pontos fortes do seu jogo. Relativamente às tabelas, atribuo mais a culpa ao Lopetegui. Este sistema é um flop e o Adrián não sabe o que fazer ali, assim como os parceiros de sector. Neste caso, é mais vítima do que réu.

Nuno Fonseca disse...

Mas elucide-nos DC!! Num meio campo com Casemiro Ruben e Herrera, o Herrera tem que estar atrás da linha da bola?

João disse...

Não sou eu que trago o VP à baila, a equipa vai estar sempre "partida" e esteve sempre "partida"com todos os outros treinadores.

Já enjoa a conversa da equipa partida. Olhe, na Taça fomos arrumados pelo Sporting com razões de queixa da arbitragem, não pelo Braga nem pela Académica e na Champions estamos conversados. Depois pode querer misturar más opções de 11 (que eu critico) com má projecção táctica da equipa, mas eu não confundo e não cola.

João disse...

Eu também imaginei que houvesse pouca margem para argumentar.

Continue com os seus blogs de imagem estática a achar que o médio mais adiantado no terreno deve ser o último reduto defensivo da equipa, percebem muito da bola vocês.

João disse...

Isso é o percentual de pontos conquistados na Champions ou as odds de ser varrido das Taças por equipas menores?

Ou são as perspectivas de empregabilidade do vitalício comentador RTP?

JON disse...

Sim, ganharam. Tem argumentos demasiado fortes. O Porto empatou 4 jogos em 10 para o campeonato e a culpa é do VP...

Olha, boa noite abelha!

Luís Vieira disse...

Herrera, também conhecido por anti-cristo. A bíblia da bola, o lateral esquerdo, (pausa para rir), di-lo e prova-o (?). As fiéis ovelhas bebem a cartilha dos pastores adoradores do jj, a última coca-cola do deserto, e debitam-na, qual reflexo condicionado, jogo sim, jogo sim. Ganhe-se, empate-se, perca-se, jogue-se bem ou mal. Se alguém tem a veleidade de dizer que o Herrera esteve bem, é contrariado e acusado de ignorante (não entende o jogo - ou a teoria do pensamento único sobre o mesmo). Pelo meio, dá-se uma bicada no Quaresma e está cumprido o ritual semanal de escárnio e maldizer. É como espetar mais uma agulha num boneco de voodoo. Do foro psicológico.

João disse...

Não, a culpa é da equipa estar "partida". Saudades do tempo da equipa coesa, que só abria para levar a eventual cabazada da Académica ou para ir perder a Nicósia.

Não há argumentação nem discussão possível quando não consegue sequer reconhecer que num empate contra um Estoril miserável em que até se deu ao luxo de escalonar mal o 11 e mexer pior, o Lopetegui conseguiu uma coisa que não vi em 2 anos de futebol de posse de refinado quilate - fechar sobre o adversário no seu meio campo e estar ali 7, 8, 10 minutos sem deixar respirar, a explorar brechas pelas alas e pelo meio, com o centrais sobre a linha de meio campo. Isso era o que eu achava que era futebol de posse. Isso era o que eu via o Barcelona do Pep fazer. Mas pelos vistos há outro futebol de posse qualquer que só ensinam nos blogs do futebol parado. E das setinhas.

PortoMaravilha disse...

Viva,

O Porto recuperou o presti'gio internacional que, com os treinadores anteriores, se tinha esvaecido.
O Porto ainda não perdeu um jogo no campeonato e tem demonstrado poder de recuperação quando em desvantagem no placard.
O Porto tem sido penalizado pelas arbitragens, levando a que a minha pessoa, embora não tendo conhecido Ramsés II, mas tendo uns anitos, criticou pela primeira vez, em pu'blico, uma arbitragem, aquando o jogo em Guimarães e, como uma vez é nunca, acrescento que nunca tinha visto um duplo penalti numa mesma jogada não ser assinalado.

Lopétegui fala que houve falta de efica'cia... eu pergunto houve ou ha'? Qual a percentagem remates-golos? Ver todos os estorilistas nos seus 18 metros durante largos minutos e não ver a bola entrar na baliza talvez demonstre falta de maturidade?

Gosto do futebol que o Porto esta' a contruir, a praticar um futebol coletivo, solida'rio mesmo se ainda erros...

E Viva o Porto!

Nuno PortoMaravilha

DC disse...

É tão idiota dizer que o Herrera por, no papel, ser o médio mais ofensivo não deve estar naquelas posições que não merece sequer tempo perdido a contradizer.
Um jogador deve posicionar-se em função da bola, dos colegas e do adversário de forma a cumprir os princípios defensivos. Isto implica que muitas vezes até possa ser o médio ofensivo aquele que está numa linha mais recuada no terreno, dependendo do desenrolar do jogo.
Agora o incrível é que vocês nem sequer percebem que não é uma questão de estar mais ou menos adiantado no terreno, é a questão de que o Herrera está completamente fora da jogada!

E foi o meu último post sobre isto porque sinceramente não tenho vontade de discutir mais com quem demonstra tamanha ignorância e incompreensão do jogo. Continuem a falar mal dos blogs que vos podem ensinar alguma coisa e continuem a dizer disparates sobre ele. O futebol tem aquela piada de toda a gente falar dele como se soubesse do que está a falar. É bom para nos rirmos um bocadinho. E tudo o que foge desse "conhecimento" é culpa dos árbitros, claramente.

Bruno Pinto disse...

Oi?

Bruno Guedes disse...

Bom dia.
Só um aparte. O 11 fente ao Estoril foi o mesmo que entrou contra o Bate Borisov.
Bruno Miguel Guedes - 28061

José Correia disse...

O BATE Borisov é igual ao Estoril?

Jogar na Amoreira é a mesma coisa que jogar no Estádio do Dragão?

José Correia disse...

E, já agora, contra o BATE Borisov o Óliver estava lesionado (no ombro), e não podia dar o seu contributo à equipa.

João disse...

Revejam o 2o golo do mítico Académica 3 - 0 Porto, Taça 2012/13, essa máquina infalível do futebol de posse, e particularmente o posicionamento do pequeno génio belga.

Só para termo de comparação.

DC disse...

Tal como disse o JON, volta sempre ao mesmo.
Obsessão pura!

P.S. Não tenho a certeza se esse jogador que está à entrada da área é o Defour mas sim, obviamente também ficou "a gravar" em vez de estar no sítio onde devia estar. Mas afinal, não entendo. É que se concorda que nesse lance o Defour falha o posicionamento, terá obrigatoriamente que concordar que o Herrera falhou os dele. Os princípios são iguais. Consegue ser coerente? Ou há regras diferentes para o Defour e para o Herrera?

Nuno Fonseca disse...

Acho que o Luis Vieira resumiu bem esta discussão:

<>

No entanto no comentário seguinte já se chamam idiotas e ignorantes aqueles que não pensam assim.
A comparação do Defour é interessante, porque tenho a certeza pelo que me lembro dele que fazia muito pior que aquilo que o Herrera é acusado. No entanto não apareciam imagens estáticas destas. E isso é ponto fulcral aqui, porque se trata quase de uma "perseguição" ao jogador. Tudo é culpa dele. Ninguém está a dizer que faz tudo bem. Mas nem 8 nem 80.
Então essa de ser responsável por um dos dois trincos fazer mal o passe quando estava a construir jogo é de bradar aos céus.

Alberto Silva disse...

Em 90min...é normal arranjarem alguns lances de mau posionamento etc etc, mas não encontram muitos mais onde esteve bem?; baixar para receber, fazer o pique e ir buscar a bola á frente para a entregar ao Brahimi ou outro para ele fazer o 1 para 1...Eu até vi o Herrera a fazer um "cabrito"; um lance onde se perde mais uma vez a bola estupidamente e o Casemiro tenta fazer falta sobre kuka ( ou faz) e só não pode ser vermelho( caso marcasse falta) porque o Herrera conseguiu chegar ( Veja DC). Eu também gosto de futebol organizado e sei muito bem o que é organização defensiva, mas o Herrera com o seu estilo pode ser muito importante numa equipa como o Porto, porque quebra linhas. O JJ o rei da tática também gosta muito de organização mas tem 4 jogadores que quebram o gelo ( talisca, enzo, salvio e guaitan), porque os jogadores amarradinhos são também fáceis de anular....que diga o VP que tinha o HULK...você pode não gostar do Herrera, mas tar sempre a encontrar lances de defeito é estranho, veja a bola com calma. Olhe que ele também faz muitas coisas boas...mesmo muitas...agora se ele tivesse mais qualidade no ultimo terço do terreno ui ui...mas ai nem o Moutinho tinha, e não deixava de ser Grande jogador...nós não estamos em 1º lugar, não é por causa deste ou aquele jogador, mas sim por culpa própria ( treinador etc) e 3ºs...

João disse...

Estou a ser coerente, são ambos apanhados em falso por erros dos seus companheiros mais recuados (apesar de o Herrera ser em fase de construção) e depois acabam por não acompanhar um jogador que não é a sua marcação por "definição" (Adrien/Fernando, João Mário/Casemiro) quando um colega de equipa sai na dobra, em ambos os casos com vários jogadores disponíveis para o fazerem por eles, que também não fazem e alguém aparece solto. Simples.

A diferença é que o Herrera não é considerado um prodígio vivo do posicionamento e da leitura dos momentos do jogo como o Defour. A diferença é que O Herrera tem ali dois médios de características mais defensivas atrás de si. E a diferença, principal, é que o Herrera nunca teve a margem de erro para falhar, para fazer autênticas maratonas de péssimas exibições e jogos completamente inconsequentes sem recriminações, que o Defour teve. Isto apesar de normalmente ser bem mais interventivo e arriscar muito mais que o belga.

Basicamente nenhum deles erra de forma muito clamorosa, mas só um é considerado responsável único por todas as falhas da equipa.

DC disse...

Mas o João acha que se marca H-H no meio-campo???!!!
Isto é pior do que eu pensava!!

João disse...

Epá eu digo por definição e até meto "definição" entre aspas, não tente escapar numa technicality. Por proximidade, pelo que quiser. É irrelevante para o comentário. (não que não se possa marcar homem a homem no meio campo, o que acontece centenas de vezes, não com todos os elementos, obviamente).

Bruno Pinto disse...

Luis Vieira, o mais cómico é que aquela malta acha que percebe imenso de futebol.. Pessoal que diz que o Jesus é melhor que o Mourinho, que o Nani é o melhor da liga portuguesa desde o Deco... De ir às lágrimas.

Bruno Guedes disse...

Eu acho que são iguais.
Nunca disse que esta tática é boa, apenas comparei 2 jogos em que as equipas são similares.
Não acho este estoril mais forte que o das últimas épocas, muito pelo contrário.
A Amoreira não é a pedreira nem a luz nem Alvalade. Penso que tem as mesmas dimensões que o Dragão e pelo que vi na televisão o FCPORTO jogava em casa.
Independentemente de ter disponivel A ou B o 11 era o mesmo.

Luís Vieira disse...

É verdade DC, é bom rirmo-nos de quem demonstra tamanho complexo de superioridade técnico-táctico-futebolístico. A restante turba é ignorante, desconhecedora e não compreende o jogo (porque nos contraria e não alinha no unanimismo). Pois fique sabendo que embora discorde de si (e do lateral esquerdo) em algumas matérias, concordo noutras, e prezo ambas as opiniões. Não conte é comigo para me arvorar em titular da verdade científica sobre o jogo, apelidando de néscios os que comigo debatem. A propósito, como sei que lê outras opiniões na blogosfera, o Tribunal do Dragão e o Porta 19 fazem elogios retumbantes ao Herrera (não é inédito). Como vê, não são só os “maluquinhos” do RP a atribuírem mérito quando ele existe. Há outros obtusos a fazerem o mesmo.

DC disse...

Complexo tem quem tão mal fala daquele que, muito provavelmente, é o melhor blog de futebol português. Um dos poucos onde se pode tentar evoluir e aprender. E eu continuo a ser um ignorante mas hoje sou muito menos porque já li muita coisa lá e noutros blogs do género.
E quando lá vou, mesmo que discorde, não vou insultar nem arranjar confusões com os autores. Vou tentar argumentar e evoluir. Já tive discussões em que os autores mudaram de opinião, portanto eles não são fundamentalistas de nada.
Mas são gente com estudos e com trabalho de campo na área do futebol que sabem muito mais que qualquer adepto comum.
E que fazem um favor enorme, porque eles não precisam daquilo para nada, ao analisar os jogos das nossas equipas.
Felizmente alguns percebem e agradecem, outros revoltam-se porque eles criticam este ou aquele da sua equipa.

Quanto ao RP, Tribunal, etc são blogs de adeptos, gente fora do futebol, gente com a opinião de adepto. Também valiosa nalguns casos mas, sem qualquer desprezo para os autores, obviamente muito menos valiosa do que a dos autores do LE.
Daí eu dizer que toda a gente fala de futebol como se percebesse muito. Eu não tenho problema nenhum em considerar-me ignorante a falar sobre futebol. Sou muito ignorante à beira dos autores do LE, já aprendi muito muito só a ver aquelas "imagens estáticas". Infelizmente, outros consideram um insulto dizer que são ignorantes num campo que, objectivamente, não dominam.

DC disse...

E só para demonstrar que não é só no Porto e com Herrera que isto acontece, reparem em JM e Adrien nesta jogada. Sempre à frente da linha da bola, sempre a demorar a chegar à zona da bola (ah e tal mas eles são os médios mais adiantados...). Depois reparem onde a bola entra e o que acontece e percebam a importância de estar bem posicionado e de ser rápido na transição e não estar só a olhar para os colegas.

https://www.youtube.com/watch?v=OtgfnfbZQj0#t=28

Nuno Fonseca disse...

Discordar de si é ser ignorante, é o que se depreende. Não podemos ambos dominar um assunto e discordar sobre ele? Só há uma verdade a discutir futebol? Antes era o tactical porto, agora é o lateral esquerdo. É uma religião. É fundamentalismo. É científico e indiscutível. Permita que continue a ser ignorante.Como disse um dia Thomas Gray :Ignorance is bliss

DC disse...

Uma religião baseia-se em dogmas, a discussão que pode encontrar no LE baseia-se em argumentos e explicações várias. Você até pode não querer olhar para eles ou pode querer dizer que discorda sem sequer os analisar. Mas você é o dogmático nesse caso.
Não há nada de fundamentalista ou dogmático em estudar e entender o futebol.

Aliás, até você se confunde todo. Ou é religião ou é científico.
Mas enfim, tal como disse, a matéria está aí. Quem quiser olha para ela, quem não quiser não olha.

João disse...

E porque é que a responsabilidade aí é do Adrien quando o William está a marcar o Seri com os olhinhos desde o início da jogada, vem fechar desnecessariamente à posição do Sarr, depois perde os papéis e deixa o Minhoca completamente aberto para assistir o Hurtado entre as linhas? Não há nenhum momento em todo o lance em que o facto de o Adrien estar adiantado em relação à linha da bola condicione a manobra defensiva da equipa. Podia e devia estar mais perto do Seri no final, é certo. Como o Nani podia e devia ter ficado com o Minhoca. Como o William podia e devia ter dobrado o Nani. Como o Paulo Oliveira podia e devia ter fechado melhor.

Olhar para a jogada toda e escolher o Adrien para recriminar é picuinhice, da mesma forma que o seria com o Herrera. Aos 9 segundos de jogo o Minhoca tem uma auto-estrada no meio campo do Sporting, cortesia do Nani. Aos 34 segundos o Seri e o Hurtado têm a entrada da área toda para eles, com um abraço do William. Casas bem maiores onde a bola, feliz ou infelizmente, não entrou. É esse o problema do futebol por fotografias - é que as peças estão em movimento, não estão estáticas nem podem estar permanentemente bem colocadas relativamente a todas as variáveis de jogo, dos adversários, dos colegas de equipa, dos colegas dos adversários.. É uma adaptação permanente. Que acontece em movimento, não é estática. Nem é individual, é colectiva.

Luís Vieira disse...

O DC confunde “falar mal” com criticar factualmente o método das análises efectuadas no blog em apreço. É chover no molhado, mas vamos a isso: recorrer a estatísticas parciais para provar uma conclusão pré-definida antes da recolha da amostra, sonegando aquelas que desvirtuariam a “conclusão” apresentada como verdade indesmentível; valer-se de imagens truncadas do jogo para demonstrar deficiências, não relevando outras que provariam virtudes; escrever postas de pescada à “adepto ignorante”, sem qualquer base que as sustente; enfim, um conjunto de comportamentos que nos obrigam a filtrar a opinião produzida por aquelas bandas, sejam os autores treinadores ou professores catedráticos. Não se está a “falar mal”, está-se a criticar argumentativamente os críticos. Não são inatacáveis (não confundir com insultos). Por outro lado, o DC assume-se como ignorante do jogo, mas não se comporta como tal, bastando atentar na superioridade com que vilipendia quem ousa pensar fora da caixa (do lateral esquerdo, sempre a referência e a prova inequívoca da verdade sobre o futebol). Há muita literatura e muita opinião avalizada (de treinadores, por exemplo), que têm perspectivas diferentes. Aprende-se com todos, não apenas com uns carolas da opinião cibernética, com aparência de mestres do jogo. Por isso, o seu “objectivamente” é muito relativo e um “complexo” certamente não existe: apenas não engulo acriticamente o que me querem enfiar pelos olhos. Em suma, o seu dogma de que o Herrera não vale um chavelho atormenta-o e quer prová-lo a todos ao fim e ao cabo, de forma radical. Como alguém disse outrora, o Vítor Pereira é apreciador do mexicano. É ignorante? Não percebe nada de bola? “Objectivamente” não domina a área de que fala? Mistérios insondáveis.

DC disse...

João, já lhe disse e repito: o Sporting (e todas as equipas de topo, já agora) não marca H-H no meio-campo. E se lhe dão um vídeo e não o entende, não critique "o futebol por fotografias". Você tem um vídeo aí mas claramente não faz ideia do que se passa nele. Eu bem tento mas parece que é impossível...

Luís, críticas factuais? Quais? Acusar de ser dogmático e fundamentalista? Isso são factos? É que não é por usar muitas palavras caras que ganha razão ou apresenta um facto. Quer criticar factualmente, então proponha uma organização defensiva para o Porto alternativa aquela e diga porque é que o Herrera está bem posicionado. Isso seria um facto.
Você "fala mal", ponto final. Ainda não o vi a usar argumento nenhum que não o de que o LE é muito fundamentalista e egocêntrico etc... Análise da jogada, argumento contra a posição do LE?? Zero, nada.
Se não engole acriticamente, contraponha. Porque até agora só vejo dizer que não, porque não. Mais uma vez, só vejo um dogmático aqui. O meu "dogma" de que o Herrera está mal posicionado não é um dogma porque está sustentado, o seu de que ele cumpre com o que deve não está. Dogmático? Só você mesmo!

Quanto ao VP ser apreciador do mexicano é mais um argumento da treta. Elogiou-o uma vez tal como já elogiou esta época o fantástico Bebé. Crer que isso significa o que quer que seja só mesmo em desespero de causa.

João disse...

Retribuo DC, se não consegue perceber uma simples construção semântica, muito menos refutar o que é dito na sua pretensa área de experimentar, considere não alcunhar tão facilmente os seus interlocutores.

E pense mais por si, não é por um vídeo ou um post lhe dizerem que a responsabilidade pela fome no Mundo é de determinado jogador num lance onde estão outros 10 ou 11 que passa a ser verdade universal.

Tiago Silva disse...

O Luis Vieira para falar com tal conhecimento de causa sobre o blogue em apreço é porque o segue atentamente. E faz muito bem, deixe-me que lhe diga, pois lá aprende-se imenso. Desta parte já discordará, é certo, mas permanece por explicar, então, a razão pela qual o frequenta se dele considera nada extrair. Registo ainda um certo recalcamento quando dele fala. Desconheço a razão mas espero que não seja a típica inveja sobre quem sabe.
Quanto aos seus argumentos, pese embora o esforço que fiz para os tentar extrair do seu comentário, confesso que tal se tornou inexequível. Em boa verdade, também não seria fácil, para si, fazê-lo, sobretudo quando se trata de Herrera. Se quer uma ajuda, e sem qualquer engulho lhe digo, sempre poderá socorrer-se do voluntarismo, da abnegação e da humildade para elogiar o jogador em causa. Mas, certamente saberá, que isso conta 0 no futebol jogado a top. Falando agora uma linguagem corrente, Herrera é um cepo. Tem uma qualidade técnica de passe sofrível, muito sofrível para um jogador da sua posição. É confrangedor assistir-se à forma como ele, ganhando espaço e queimando linhas em progressão com bola, quase sempre opta pela pior decisão a cavalo de um mau passe. É assustador ver a forma como, através de frequentes passes deficientes, expõe a equipa e a deixa completamente desequilibrada (golo do Bilbau, recorda-se?). Isto já para não falar da sua enorme dificuldade em sair de zonas de pressão. Quanto aos seus deficientes posicionamentos eu não preciso do Lateral Esquerdo para os atestar. E não preciso porque vejo os jogos ao vivo e a cores e, como sabe, lá não se vêm imagens paradas. Convido-o a fazer o mesmo, sendo certo que tal convite de nada servirá se não conseguir ver o que está vendo.

Luís Vieira disse...

Precisamente DC: críticas factuais ao MÉTODO de análise utilizado pelo LE, como referi no comentário anterior e noutros passados. Se o DC não percebeu, releia. Se ainda assim, está com dificuldades, troco por miúdos, sinteticamente: 1. Estatísticas parciais; 2. Imagens truncadas; 3. Opiniões sem base científica. Não vejo aqui nenhuma acusação de dogmatismo, egocentrismo e fundamentalismo, apenas FACTOS de discórdia, demonstrados e argumentados. Quer rebater ou vai usar manobras de diversão, confundindo alhos com bugalhos? Não é por fazer uma birra e dizer "ponto final" que transforma argumentos em "falar mal". A quem eu acuso de ser dogmático é a si, porque claramente, faça chuva ou faça sol, o Herrera não presta, não serve, não tem ponta por onde se lhe pegue. É capaz de encontrar algum aspecto positivo no jogador? Sem pensar muito, a resposta é óbvia: não. Até porque isso poria em causa muita escrita. Isto é ser dogmático. É fazer finca-pé, de forma radical, sem reconhecer mérito quando existe. Eu, pelo contrário, estou livre de dogmas: tanto critico, como elogio o jogador. Não parto de uma premissa preconcebida para avaliar o seu desempenho, "sustentado" em meia-dúzia de imagens. Relativamente aos desafios que me propõe, tenho a dizer o seguinte: o Herrera posiciona-se de acordo com as instruções do treinador. A organização defensiva da equipa contempla, na primeira linha, um médio de contenção (Casemiro/Rúben Neves) que faz as coberturas, menos pressionante, e, na segunda linha, um médio de pressão que faz um trabalho de sapa, pressionando de forma mais acutilante o portador da bola. É isto que o Lopetegui pede ao Herrera e que ele cumpre (daí que seja um jogador que corre muitos kms por jogo). O problema está no terceiro homem do meio-campo, que joga mais adiantado. Se ele é o Óliver, a coisa compõe-se e funciona, devido às suas características (agressividade/intensidade, não se escandalize com o termo), ajudando na pressão. Se é o Quintero, não há organização defensiva que resista e é ver os outros médios a correrem como "tolinhos", como o DC costuma caricaturizar. Se joga o Adrián, em 4x4x2, nem preciso dizer o que acontece. A propósito, como explica o DC a quantidade de intercepções e de bolas recuperadas do Herrera? É porque está a "filmar" ou a "comer sono"? As fotografias e os vídeos que refere, convenientemente, não retratam esses "pormenores". Por isso, dizer que o Herrera se posiciona sempre mal, como o DC fez, é mentiroso e desonesto. Obviamente que há vezes em que o Herrera se posiciona mal e não aborda bem os lances: mas isso é ele e todos (o DC falou no exemplo do João Mário e do Adrien, mas podia falar do William e do Enzo). Todos falham e houvesse quem se dedicasse a reunir imagens das suas falhas e teríamos tantos "frames" como os do Herrera. Não me vou dar ao trabalho de fazer montagens elogiosas: basta estar atento aos jogos e conferir as estatísticas, há la matéria prima. Tem aqui o contraponto (já feito, diga-se, em comentários em posts anteriores, mas o DC prefere fechar os olhos ou fazer-se de esquecido, quiçá, sendo que "zero ou nada" é manifestamente exagerado e revela memória curta). Desespero de causa? Estamos a falar de futebol, o desespero não entra aqui. Contudo, o que desespera é ver que o Vítor Pereira afinal só serve como argumento de autoridade quando está do nosso lado. Isto é elucidativo da capacidade camaleónica do DC. Por último: não faço distinção entre palavras caras e baratas, nem as uso em função da razão que me dão (?), antes para me expressar. Se existem, são para serem usadas, independentemente do grau de riqueza. Qualquer dúvida, basta consultar o dicionário.

DC disse...

Ok o LE tem imagens truncadas mas o Luís usa as estatísticas como argumento.
Eu até lhe podia explicar o porquê de analisar futebol com base em estatísticas ser errado, mas sinceramente não tenho paciência. Mas refira-se que não tenho contraponto nenhum. Ter um contraponto seria o Luís pegar nas estatísticas e elaborar um argumento. Dizer que há estatísticas não é nada, tal como não foi nada, foi zero o que escreveu até agora. E eu estou cansado de o ver a escrever tanto e a não dizer absolutamente nada. E, como tal, vou desistir e dedicar-me a coisas mais úteis.

Quanto ao João, é exactamente por pensar por mim que eu falo de futebol com base em análises factuais e cuidadas. Se pensasse pela cabeça dos outros seria mais um da grande maioria que bate palminhas a tudo o que se faz no Porto e a todo e qualquer jogador que tenha a camisola do Porto vestida, sem questionar se a merece vestir.

Luís Vieira disse...

Tiago Silva, atentamente não diria, mas com alguma regularidade, sim, ou não falaria naqueles termos, sem saber do que falo ou com desconhecimento de causa. Agora surpreenda-se: não discordo, não; considero que aí se aprende algo e faço-o com muito gosto. Mas não tome as dores do blogue, não se melindre com a crítica que lhe é feita e perdoe-me se o magoo ou entristeço, mas não o tenho como referência. Frequento-o e de lá extraio matéria para reflectir, apenas não o endeuso, como com alguns parece acontecer. De inveja não padeço, penso pela minha cabeça e tenho outras referências (maiores), por isso dispenso a sugestão insidiosa. O blogue em apreço é mais um dos pontos de passagem da rotineira viagem pela blogosfera, mas se quiser aprender a sério vou directamente às fontes, não me detenho em apeadeiros. Como vê, o seu registo de recalcamento é enviesado, caso contrário não assumiria a utilidade e a pertinência do LE. Espero que consiga discernir a ironia da literalidade ou o traçado psicológico que tenta fazer, qual psicólogo falhado, pecará sempre por defeito. A inexequibilidade da percepção dos argumentos é natural: à partida se vê que não conseguiu distinguir a crítica aos métodos do blogue da "defesa" do Herrera. É que esta última não existiu: foi feita em comentários anteriores, em posts anteriores (de tão requentado tema). Se quiser vasculhar esteja à vontade, o historial é longo e tem com que se entreter. Agora dificilmente a encontrará no supracitado comentário, por muito esforço que faça. Poderá sempre tentar o impossível. De resto, agradeço o voluntarismo, mas declino educadamente a ajuda. Como certamente reparou, não me guio pelas ideias feitas dos outros. Em todo o caso, apesar das limitações do Herrera, diria que "cepo" é um termo um bocado desmesurado. O mexicano, não sendo genial, é um razoável jogador (aguentou a pancada?). Debruçando-me sobre a sua opinião: diria que a qualidade técnica de passe é antes mediana (já o vi fazer grandes passes, curtos e longos, a variar o flanco com qualidade e a conseguir passes de ruptura, como também já o vi perder bolas estupidamente, de forma despropositada, como o lance que refere). Não acho que o rácio negativo seja assim tão esmagador, que permita apelidá-la de sofrível, mas lá está, é uma questão de perspectiva (como já se disse aqui, entre ver o copo meio cheio ou meio vazio). Quanto aos deficientes posicionamentos, folgo em saber que pensa pela sua própria cabeça e defende a sua opinião com base no visionamento dos jogos. Agradeço o convite, mas é desnecessário, por redundante (já o faço). Nas mesmas condições, consigo registar posicionamentos deficientes e posicionamentos acertados do Herrera. Mais uma vez, na balança do deve e do haver não acho que haja um desequilíbrio assim tão gritante que faça do Herrera o tal cepo a que secamente o reduz. Para o nosso futebol, que não é de top, chega e sobra. Naturalmente, não estou à espera de ver o Herrera acabar no Real Madrid. E "vi claramente visto", como dizia o poeta. Se não é do seu agrado, siga em frente, sem engulhos.

Luís Vieira disse...

O DC quer debater e argumentar com factos, mas quando os factos não são do seu agrado, torce o nariz e desiste. As estatísticas são um de muitos instrumentos de análise do futebol, que, pasme-se, os clubes de top que tanto preza usam recorrentemente para melhorarem a sua performance. Obviamente que não é o único instrumento, nem o mais importante, e se nos basearmos apenas nele, as ilações serão erradas. É preciso integrá-lo com o visionamento dos jogos e dos treinos e as montagens de vídeo (a propósito, no LE a melhor peça de desconstrução do Herrera que vi foi o vídeo satírico que por lá apareceu). Nunca me ouvirá dizer que a estatística é a única forma de analisar o futebol, mas jamais direi que não serve para analisá-lo. Isto que o DC defende, sim, é uma enormidade que contraria equipas técnicas de alto gabarito. É pena que não perca o seu tempo a explicar-nos a razão de proferir tamanha bestialidade, mas cada um sabe como gerir o seu tempo e porquê. Por outro lado, não preciso de recorrer a estatística para argumentar (quer que traga para aqui o índice Castrol do Mundial? Punha o Herrera nos píncaros e não é certamente por aí que vejo as suas qualidades), embora já o tenha feito amiudadamente, inclusive noutros debates proveitosos com o DC. Por isso, dizer que o que escrevi equivale “a zero ou nada”, tanto se me dá como se me deu, mas traz um dado novo para a conversa: a grande maioria das opiniões do DC, na sua linha de raciocínio, equivalem a zero ou nada porque não se baseeiam no que quer que seja de científico. 95% das vezes, opina sem se referir a um estudo, uma tese, uma estatística, uma montagem de vídeo, a literatura especializada. Pela sua ordem de ideias, o DC debita convicções desfasadas da realidade académica e prática do fenómeno desportivo-futebolístico. O DC, afinal, é mais um dos “adeptos ignorantes” que pululam na internet. Mas com uma diferença: o lateral esquerdo dá chancela de qualidade às suas opiniões. É todo um mundo que separa os iluminados dos que vivem no mundo das trevas. Perante isto, só tenho uma sugestão a fazer: alargue os horizontes e não diminua quem consigo dialoga, apenas porque pensa de maneira diferente.

João disse...

Se o Herrera tem uma capacidade de passe sofrível, como se justificam as estatísticas de passes acertados que regularmente o João Gonçalves publica aí? Não são certamente de menor grau de dificuldade, porque ele alterna o passe curto e longo diversas vezes ao longo do jogo. Não são "para trás" à Mago Belga do Posicionamento.

Devem ser todos para a canhota e à queima mas o certo é que chegam lá e não conheço muitos médios de passe certinho e aprumado com os mesmos números que ele.

Algo trapalhão, sem sombra de dúvida. O resto da caracterização morre logo nos números.

DC disse...

"Ter um contraponto seria o Luís pegar nas estatísticas e elaborar um argumento. Dizer que há estatísticas não é nada, tal como não foi nada, foi zero o que escreveu até agora."

Quais estatísticas, o que dizem essas estatísticas, o argumento explicado por essas estatísticas, o porquê das estatístics sustentarem esse argumento, nada.
Zero, zerinho. Muitas palavras para mais uma vez não ter dito absolutamente nada!

P.S. já que, de repente, começou a falar de realidade académica, de ir directamente à fonte, elucide-me quais são as suas fontes. Por acaso até estou curioso agora para ver que fontes é que lhe permitem escrever tanto sem dizer nada. Tem a certeza que não pegou nalgum programa político e pensou que era um manual de futebol?

pancas disse...

Tambem quero, tambem quero... :D
Mas ja estou farto do Herrera... nao querem falar do Quaresma? E que eu ouvi umas barbaridades brilhantes na Bluegosfera:

- Que o Quaresma fez um grande jogo porque "meteu a bola na area" desde o principio do jogo
- Que o Aboubakar foi terrivel quando falhou aquela cabecada, porque nao conseguiu "corresponder" ao cruzamento do Quaresma
- Que a "pega" com o Brahimi no livre nao foi nada porque umas vezes marca um, outras marca outro

Ora, gostava de ouvir as vossas opinioes, mas a minha e que:

- Se e para "meter a bola na area" entao podiamos pedir ao Fabiano para chutar desde o nosso meio-campo... ja que a definicao de cruzamento para o Quaresma e diferente do que e para o Brahimi ou o Tello (para eles, um cruzamento e um passe, direccionado para um colega liberto), entao escusamos de perder tempo e vai logo do guarda redes...
- Nao sabia que era o receptor que se tinha de adaptar a receber a bola em vez de ser o cruzador a passar a bola para o sitio certo!!!
- Ja agora da-se tambem oportunidade ao apanha-bolas, nao? Eu ate ouvi dizer que ha um apanha-bolas no Dragao que da voltas ao estadio e anda mais de 10 Km por jogo - Sera que ele vai tirar o lugar ao Herrera???

pancas disse...

Nao falando de jogadores, para nao dizerem que eu estou sempre a rachar...

Ainda gostava de perceber porque e que toda a gente acha que este jogo foi tao diferente dos outros e que as nossas tacticas foram tao diferentes...
So porque o medio ofensivo jogou uns metros mais a frente?

Porque o que eu vi foi na mesma:

- os centrais com medo de ter a bola nos pes
- os medios so servem para passar a bola para os flancos
- os laterais e os extremos sempre colados as faixas laterais
- o meio campo ofensivo deserto de gente e de ideias
- zero jogo interior
- zero pressao organizada
- cantos e mais cantos desperdicados
- poucas oportunidades claras de golos
- a diferenca a vir de jogadas individuais (normalmente o Brahimi)
- andar com o credo na boca o jogo todo
- falar de arbitros quando nao se ganha
- falar de lesoes invisiveis em jogadores que deviam ter sido titulares e entraram como suplentes

Em que e que isto foi diferente de outros jogos?

PS: Estou com o Jorge Vassalo do Porto Universal - O Adrian teve um muito melhor jogo do que o pintam - mas para perceber isso e preciso rever o jogo a frio, perceber o jogo dele sem bola e, mais que tudo, perceber de futebol!!! Tivesse ele um modelo de jogo decente para seguir e era um dos nossos melhores jogadores, garantido.

Luís Vieira disse...

Acha que vou perder tempo a fazer um trabalho para quem notoriamente está desinteressado no tema em análise? Para quem se está a marimbar para a estatística e para as conclusões que dela emanam (a não ser que sejam estatísticas parciais que sustentam uma crítica ao Quaresma - a coerência é uma coisa complicada, não é DC?)? Não vou dar “pérolas a porcos”, se me permite a expressão. Quem nada diz é o DC, escuda-se sempre na mesma expressão limitada - “zero” -, sem debater ou rebater o que lhe é apresentado. É confrangedor assistir a tamanha pobreza franciscana. Quanto às fontes, o rol é extenso, pessoal e intransmissível (embora disponível a todos, se para isso houver vontade). Não partilharei consigo, não me apetece facilitar-lhe a vida, mas fico satisfeito por lhe ter aguçado a curiosidade. Pode ser que no futuro haja outras citações, para além do blog da praxe. Já agora: política e futebol são realidades distintas, difíceis de confundir. Numa biblioteca ou numa livraria ocupam secções diferentes. Atreva-se a experimentar.

DC disse...

Ahaha pancas até me admira não terem elogiado o facto do Quaresma ter optado sempre pela trivela em todos os centros
E gostava de testar esse apanha-bolas no lugar do Herrera, mesmo. :D

Luís, tão previsível. Quando lhe pedem para dizer algo mais do que nada, volta a sair... nada. Desconversa, foge e fica pelo ZERO. Acabou de provar o que vale.

DC disse...

Também gostava de perceber o que de tão mal fez o Adrian comparativamente com outros jogadores em campo. Na 1a parte aliás pareceu-me dos jogadores mais intervenientes e que mais procuraram a bola.
A mim parece-me que vamos ter mais um "caso Danilo". Ou seja, um jogador que vai passar a ser mal-amado por causa do preço e não dos seus desempenhos.

Luís Vieira disse...

DC, não é por repetir muitas vezes a mesma coisa que ela se torna verdade. Parafraseando-o e porque deve estar a pensar de si quando fala: desconverse, fuja, não diga nada, fique pelo zero, enfim, continue a bater com a cabeça contra a parede à vontade que não serei eu a por-lhe a mão. Essa do "acabou de provar o que vale" diz tudo sobre a atitude do DC nesta conversa: está mais preocupado em medir espingardas do que em debater, rebater, contrapor. Maior prova de incapacidade não podia haver. Requiem para o ignorante conhecedor.

Pancas, eu sei que gosta e também quer, mas não vou dar azo à sua paranóia com os suspeitos do costume. Em todo o caso, saúdo-o: a sua intervenção arrancou-me sorrisos (no bom sentido). No seio de uma discussão estéril, o seu humor foi uma lufada de ar fresco e teve francamente piada :)

Luís Vieira disse...

Pancas, não acha que houve diferenças do jogo com o Bilbau para o jogo com o Estoril? Pergunto porque não o vi comentar aquele jogo e estou curioso para perceber como justifica a diferença de produção. É inegável que a táctica foi diversa: temos jogado maioritariamente em 4x3x3 e com o Estoril alinhámos em 4x4x2, com 2 médios, em vez de 3. O Adrián não foi nem nunca será um médio-ofensivo, jogou antes como segundo avançado.

pancas disse...

Luis,
Eu sei que o Adrian jogou como segundo avancado num 4-4-2 e nao no 4-3-3 normal (e devo dizer que achei que o Adrian se movimentou melhor que o Jackson nesse sistema). Eu estava a tentar contextualizar e nao me expressei da melhor maneira...

Mas o facto e que o modelo de jogo que esta por detras do modo de jogar, seja em 4-4-2, 4-3-3 ou outro e seja com que jogadores for, nao mudou, e isso foi o que eu estava a tentar descrever. Nao achou que as diferentes vertentes que eu listei (terriveis na minha opiniao) que temos visto em jogos anteriores (inclusive no de Bilbao) se viram do mesmo modo neste jogo?

Porque se em ambos os jogos fomos relativamente dominadores, tambem ambos os jogos poderiam ter acabado da mesma maneira - a diferenca foi que em vez de ter o guarda redes do Bilbao feito um erro, houve um erro do Fabiano a fazer penalti. De resto, foi uma jogada individual do Brahimi que valeu por tudo.

Que a troca de sistema e de protagonistas possa ter tido alguma influencia, eu aceito. Mas nao consigo deixar de pensar que o gigantesco problema esta no modelo de jogo e como tal no treinador. Continuo a nao ver progresso.

Luís Vieira disse...

Nesse caso, quanto ao Adrián e ao sistema táctico estamos esclarecidos. Relativamente às características do modelo, concordo em parte, como já tenho vindo a comentar, mas discordo noutra. Isto porque se tem verificado que com determinados intérpretes as coisas funcionam de maneira diferente. Exemplos: com Óliver e Quintero em campo há maior aproveitamento do jogo interior; em Bilbau assistimos a pressão organizada, com 2 e 3 jogadores em cima dos adversários; os extremos (principalmente Tello e Brahimi) procuram mais vezes zonas interiores, não se fixando apenas nas alas, tabelando em apoios nas penetrações pela área; há mais oportunidades de golo (designadamente em Bilbau, para um jogo fora de casa na Champions). Enfim, são alguns sinais que me levam a questionar se o modelo é assim tão limitado ou se é influenciado pelos seus intérpretes (influindo aqui a rotatividade de jogadores e de tácticas). O que é certo é que quando houve alguma estabilização, notou-se melhoria, culminando com uma boa exibição em Bilbau (não apenas dominadora, como controladora, o Atlético praticamente não existiu). É isso que queremos para o Porto e é isso que o Lopetegui não tem conseguido estabilizar.

Bruno Pinto disse...

Na minha opinião, o Adrián é um excelente jogador, embora até agora ainda não tenha demonstrado quase nada. O grande problema - para ele - é que é inequívoco que a equipa funciona melhor em 433 e nesse sistema ele não tem lugar. Por outro lado em 442, a equipa funciona mal, como se viu com Sporting e Estoril. Fica normalmente em inferioridade no meio-campo, facto potenciado pelas ideias de Lopetegui de abrir demais a equipa e a encostar aos flancos. É um suicídio, com o modelo de jogo de Lopetegui, jogar em 442. Se em 433 a equipa ainda se desequilibra bastante, muito mais isso sucede em 442.

Para mim, o FC Porto deveria jogar a maioria das vezes com Óliver e Quintero. São os médios mais criativos, a equipa fica com mais ideias e, concordando com o Luís Vieira, aproveita melhor o espaço interior. Quando é que Lopetegui irá perceber isto? Para mim, Herrera é muito limitado sempre que com a bola nos pés, mas, sem entrar em fundamentalismos ignorantes, reconheço que aquilo que dá a jogo o possa tornar útil em alguns jogos, pela capacidade de pressão e de progressão a conduzir a bola. Mas por princípio não teria lugar no onze. É uma lástima que Lopetegui não saiba ainda aproveitar tudo o que tem à disposição. Com as pedras bem arrumadas no campo e com maior aproveitamento do espaço interior, que por sua vez conduziria a possíveis situações de desequilíbrio nas alas, que é o que ele pretende, o FC Porto seria imparável a nível nacional e seria campeão tranquilamente.