sábado, 20 de dezembro de 2014

8 segundos

«Os últimos seis minutos foram de grande emoção, com um constante ping-pong no marcador: os azuis e brancos conseguiam vantagem e os lisboetas respondiam sempre. Até que se chegou ao último minuto e Ricardo Moreira, na conversão de um livre de sete metros, pôs de novo os Dragões na frente (29-28), com apenas 12 segundos por jogar.
Depois de uma verdadeira rábula protagonizada pela equipa de arbitragem, o FC Porto ficou reduzido a apenas cinco jogadores para os últimos oito segundos, com Obradovic a ser sancionado e, aparentemente, também Edgar Landim, apesar do tempo estar parado. No último lance de ataque do Sporting, Alexis Hernandez originou um livre de sete metros e foi expulso, deixando nas mãos de Rui Silva e de Alfredo Quintana a decisão: ou se ia para prolongamento (e o FC Porto apenas poderia apresentar três jogadores de campo nos primeiros dois minutos) ou a Supertaça ia para o Dragão.»
in www.fcporto.pt

FC Porto vence Supertaça de Andebol (fonte: www.fcporto.pt)


No passado mês de Outubro, na sequência do jogo ABC x FC Porto, publiquei um artigo intitulado ‘Andebol de nove?’, onde escrevi o seguinte:

«O FC Porto venceu (26-23), mas a arbitragem dos senhores Tiago Monteiro e António Trinca de Lisboa, não pode ser branqueada, nem passar impune.
Não há que ter medo das palavras. Aquilo a que se assistiu no sábado, no pavilhão Flávio Sá Leite, (felizmente, o Porto Canal transmitiu o jogo em direto e todo o país pôde ver), foi a uma arbitragem vergonhosa da dupla lisboeta, que até parecia trazer alguma “encomenda” nesta sua deslocação a Braga. (…)»


No início de Dezembro, a propósito do FC Porto x SL Benfica (28 - 24), escrevi um artigo que intitulei ‘O 8º jogador’, onde escrevi o seguinte:

«O FC Porto venceu um jogo em que esteve a perder desde os segundos iniciais até ao minuto 41; em que teve mais jogadores excluídos pela dupla de arbitragem (chegou a ter dois em simultâneo); em que beneficiou apenas de um livre de 7 metros (contra sete que beneficiaram o SLB); mas em que contou, sempre, com o “8º jogador”.»


Hoje, em Águas Santas (Maia), a equipa de andebol do FC Porto voltou a ganhar (16ª vitória em 16 jogos oficiais disputados, esta época, a nível interno) e conquistou a 6ª Supertaça do seu historial. Contudo, o que se viu neste jogo, particularmente aqueles vergonhosos últimos 8 segundos, veio apenas confirmar algo que, para mim, cada vez é mais óbvio:

- o FC Porto tem a melhor equipa de andebol de Portugal;

- tudo indica, que os dragões irão ganhar (folgadamente) a fase regular do campeonato (disputada em poule, a duas voltas, todos contra todos);

- sendo a fase final do campeonato disputada num sistema de play-off, mesmo beneficiando do factor casa (se, como tudo indica, terminar a fase regular em 1º), o FC Porto terá de ser muito superior aos seus adversários (ABC, Sporting ou SL Benfica) para conseguir ganhar o heptacampeonato.


P.S. Quem não viu, sugiro que veja os últimos 12 segundos deste FC Porto x Sporting, disputado no pavilhão municipal de Águas Santas.

4 comentários:

Soren disse...

Muito bem Zé.
Mais uma pouca vergonha. Gostei da celebração do Alfredo Quintana após mais uma roubalheira indecente:

https://www.youtube.com/watch?v=Rul3bbUPuxw

Foram os árbitros, foi a mesa, foi tudo.
Se nos deixamos dormir, esperam-nos dias muito dificeis.

Filipe Ferreira disse...

Caro José Correia.
O pior é quando os jogos não são transmitidos e aí pode haver ainda mais roubalheira.
Como aconteceu em Águas Santas contra a equipa local na 4ª feira ficamos também com 2 jogadores excluídos em simultâneo.
Mas é como sempre, seja onde for, seja em que modalidade for, o FC Porto defronta tudo e todos e saíra por cima.
Grande campanha no andebol 16 vitórias seguidas em território nacional, a contar ainda com a presença |única equipa portuguesa| na taça EHF.

Pedro ramos disse...

Off-Topic:
Quantos jogos o Benfica conseguiu ganhar esta época de forma limpa? Um? Dois? É cada vez mais dificil nao dar crédito a certos rumores.

Luis Pereira disse...

Vi os últimos 6 minutos e, neste período, foi um jogo sempre muito equilibrado (como terá sido o jogo todo).
Nesses últimos segundos foi realmente de emoção, apreensão e era o tudo ou nada para o FCP.
Ficamos com o tudo!