quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

A dor e a alegria após uma “revolução”

Começo por aquilo que é o mais importante: espero que a lesão do Rúben Neves (entorse no joelho direito com suspeita de lesão no ligamento lateral interno) não seja grave. Conforme o José Rodrigues disse aqui, o jovem médio de 17 anos estava a fazer um belo jogo e não merecia tamanho infortúnio, o qual, ainda por cima, chegou numa altura em que, fruto do seu bom momento, Rúben Neves estaria às portas da titularidade (em discussão directa com Casemiro).


A lesão de Rúben Neves

Antes deste FC Porto x Shakhtar Donetsk, escrevi que Lopetegui poderia aproveitar este jogo para “testar (contra um adversário difícil) soluções alternativas nos diferentes sectores da equipa – defesa, meio-campo e ataque –, mas sem fazer uma "revolução" e dentro do sistema habitual (4-3-3), para não descaracterizar a equipa”.

Pois bem, Lopetegui decidiu fazer mesmo uma revolução e do onze que, previsivelmente, no próximo domingo deverá alinhar de início contra o SL Benfica, só Maicon e Alex Sandro foram titulares.

Ora, perante tamanha revolução na equipa, não se poderia esperar uma grande exibição colectiva que, de facto, esteve longe de ser brilhante.

Mas houve quem aproveitasse este jogo para brilhar: Evandro, Aboubakar e, principalmente, Ricardo.

Ricardo Pereira

Não é fácil enfrentar um jogo quando se tem menos ritmo, frente a um adversário jogou com os principais jogadores. Acho por exemplo que o Ricardo Pereira fez um jogo muito interessante, numa posição que não é a dele e na qual acho que pode evoluir. Tinha pela frente um adversário muito difícil como Bernard. Evandro também esteve bem, assim como Aboubakar.”
declarações de Julen Lopetegui no final do jogo

Em contraponto, Quintero, Quaresma e Adrián López desperdiçaram mais esta oportunidade que lhes foi dada por Lopetegui e, por aquilo que (não) fizeram, ficaram mais longe de discutir um lugar no onze titular do FC Porto.

Num jogo que parecia ir ficar marcado pela dor de Rúben Neves e depois de Indi ter enviado uma bola à trave, o FC Porto marcou mesmo, através de um extraordinário remate de Aboubakar.

Aboubakar

Mais do que os 500 mil euros pelo empate (1-1), o golaço de Aboubakar garantiu que, após 8 jogos (dois no Play-off e seis na Fase de Grupos) na Liga dos Campeões 2014/2015, o FC Porto continua sem perder (6 vitórias e 2 empates). Nada mau.

49 comentários:

Franco Baresi disse...

Discordo. Neste jogo, Quaresma foi (juntamente com Ricardo - bom entendimento desta dupla) dos melhores do FC Porto.

Filipe Machado disse...

Concordo. O Quaresma fez uma óptima exibição.

Nightwish disse...

Ora bem, foi um festival de lenha, já que estamos na época dela. Por bondade do Shaktar, só mandaram um para o estaleiro. Além disso, houve uma data de decisões inquinadas do árbitro que fez uma das arbitragens mais tendenciosas que alguma vez vi.
Grande jogo do Ricardo, que atacou e defendeu muito bem. Ponto negativo para o Alex, que só a defender é que esteve bem. A atacar, era menos um. Os meus pêsames para o Kelvin, com as bolas que recebeu era difícil tirar um coelho da cartola. Quintero, apesar de tudo, fez grandes passes.

meirelesportuense disse...

O que é lamentável é escutar coisas do estilo: "-O Porto hoje perdeu a oportunidade de repetir a sua melhor fase da Champions..."
Ou: "-Hoje o Porto teve que repartir com o Shakhtar a fatia do Milhão de Euros que estava em disputa..."
Quem disse isto, disse também que: "o Sporting conseguiu o que pretendia este ano, estar na fase inicial da Champions."
É lamentável.
Quanto ao Rúben Neves eu receei -devido às imagens televisivas- que ele tivesse fracturado a tíbia, mas espero que seja apenas um susto ou uma lesão recuperável em poucos dias...
O Porto fez um jogo razoável, dominou, rematou mais, teve as despesas do desafio e foi infeliz, quando o Rúben saiu, o meio campo perdeu o seu equilíbrio.Ricardo Pereira e Evandro estiveram muito bem.Aboubakar também. No fim-de-semana acho que o Campaña pode ter a sua oportunidade.

Joaquim Fernandes disse...

Não vimos o mesmo jogo, com certeza. Aliás, depois da exibição de hoje, os fãs do F. C. Quaresma, tão pouco pacientes (para não dizer inconvenientes), com alguns dos nossos jogadores, se não acham que, ele está a tapar um dos mais promissores alas do F. C. do Porto, o Ricardo, precisamente, então não têm cura.

JON disse...

Pelos vistos há um jogador no plantel que também corre 13km por jogo e sabe acertar passes e fazer recepções, para além de estar quase sempre bem posicionado... Pena é que nem para o banco vá nos últimos jogos...

Noé Rocha disse...

Não fosse a necessidade de valorizar o Danilo e o Ricardo provavelmente teria mais oportunidades. Gosto bastante deste jogador, acho mesmo que o FC Porto só teria a ganhar em coloca-lo no lado direito da defesa.

DC disse...

Ainda gostava que me apontassem uma única acção positiva do Quaresma no jogo.
Realmente há quem fique rendido a trivelas.

HULK ONZE MILHAS disse...

O que mais me impressionou no jogo de ontem foi ouvir os assobios dirigidos à nossa Equipa, num jogo daqueles e naquelas condições !!!
Ontem era dia para festejar porque chegar ao último jogo com o 1.º lugar no bolso não é para qualquer um!
A contragosto tenho que dar razão a PdC quando ele distingue sócios de adepos.
Qualquer dia vou ter que me chatear com o vizinho que está sentado 2 filas atrás...

Luís Vieira disse...

DC, há pouco de positivo a apontar na exibição do Quaresma. Fartou-se de perder lances, desperdiçou bolas paradas de forma exasperante (principalmente os últimos dois cantos) e não conseguiu desequilibrar ou ter um impacto relevante no jogo. Enfim, teve um dia mau, como, por vezes, lhe acontece (para o bem e para o mal, é um jogador de "engate", se as coisas lhe correm mal desde início entra numa espiral de auto-destruição).

Joaquim Fernandes, inconveniente é vir "tirar de esforço" depois de uma má exibição do Quaresma. É um ajuste de contas desnecessário. Quanto ao Ricardo, convém não esquecer que para além do Quaresma, há Brahimi, Tello e Adrián. Por isso, não é só o maléfico cigano que o está a "tapar".

Nuno Fonseca disse...

Quaresma esteve bem em construir condições para fazer boas jogadas. só que depois optava sempre pelas triveladas para tentar marcar um golo bonito. Portanto, para mim Quaresma esteve mal no jogo. Custa-me ver Ricardo a defesa direito, porque o miúdo tem um potencial incrível como extremo. É daqueles que tem poucos malabarismos, mas é muito competente e incisivo. Mas quem sabe se não poderá sair dali o novo Bosingwa :)
Evandro esteve muito bem. Quintero mais apagado do que é costume, ainda assim com pomenores deliciosos.

Nuno Fonseca disse...

O JON é aquele que diz que já está farto desta discussão. No entanto...

DC disse...

Luis, só discordo do "por vezes". Eu diria que por vezes, muito poucas, é que tem um dia bom.
E eu nem iria isolar Quaresma ao falar deste jogo, mas chegar aqui e ler que foi dos melhores, por amor de Deus. Há jogadores que têm desculpa para tudo mesmo.

Franco Baresi disse...

Caro DC,
Eu não vi nenhum resumo do jogo. Vi o jogo, ao vivo, a 10m do relvado. Não tive acesso a "replays". A minha opinião baseia-se num todo contínuo, e não em momentos. P. ex., só me lembro de uma "trivela". Poderá estar aí a diferença de percepção.

DC disse...

Impressionante como tem tido tão poucas oportunidades tendo tanta qualidade.
Quanto ao que falamos ontem, conseguiram mesmo elogiá-lo lol. Há coisas incríveis!

JON disse...

Porra, não é inexplicável que o Evandro tenha tão poucos minutos?
Aliás, ontem não me surpreendeu a sua qualidade, surpreendeu-me que tenha feito 90 minutos a um bom nível e tenha corrido tanto para alguém que estava sem jogar há meses!

DC disse...

Completamente. Até porque há jogos em que só falta ao Herrera andar com a língua de fora. Ter um jogador tão bom como o Evandro e não o usar é inexplicável. E se o despacharmos em Janeiro vai acabar por fazer falta.

DC disse...

Baresi, admito que se tenham percepções diferentes dos jogos, mas também acho que há limites. Ontem, o Quaresma foi totalmente inócuo ou, pior, serviu para estragar jogadas essencialmente. Decidiu sempre ou quase sempre mal, não fez um cruzamento com sentido, não fez nada. Há uma jogada em que senta o defesa, tem 3 jogadores do Porto na área e faz a porcaria da trivela directamente ao redes. E a estupidez é mesmo esta, é que os jogadores do Porto estavam exactamente do lado oposto ao efeito da trivela. Se ele pensasse um bocadinho no que faz, se olhasse para a área antes de fazer o cruzamento, se pudesse, uma vez na vida, fazer um cruzamento sem ter que meter a trivela ao barulho, teria criado uma situação perigosíssima. Assim, foi só o Quaresma de sempre.

Luís Vieira disse...

Ponto prévio: o Evandro fez uma boa exibição, principalmente com bola, e merece mais tempo de jogo. Mas nós vemos aquilo que queremos ver, porque o Evandro também denotou falhas no posicionamento defensivo ou não tivéssemos assistido a um autêntico passador no meio-campo. Vamos culpar apenas o Marcano e o Quintero por isso, eximindo o brasileiro de culpas?

Luís Vieira disse...

DC, ontem decididamente não foi dos melhores. Quanto ao resto, é uma discórdia já antiga, longamente esmiuçada :)

Luís Vieira disse...

Hulk, completamente de acordo...excepto na distinção entre sócios e adeptos. De experiência própria lhe digo: há sócios assobiadores e adeptos indefectíveis. Vai da maneira de ser e estar de cada um. E já me insurgi no estádio à conta disso, inclusive ontem.

Luís Vieira disse...

Foi um jogo muito morno (a condizer com o tempo), em ritmo de treino, face à posição (confortável) das duas equipas no grupo. Estava curioso para ver a resposta dos menos utilizados e se houve alguns que confirmaram as boas indicações deixadas nos minutos que tiveram até agora (a saber: Ricardo, Rúben Neves - até se lesionar -, Evandro e Aboubakar), outros houve que não aproveitaram mais uma oportunidade, de que é exemplo máximo o Adrián. Começa a ser difícil defendê-lo, está um jogador apático, amorfo, incapaz de criar um desequilíbrio. Apenas certinho no passe e pouco mais. Longe vão os tempos em que protagonizava grandes arrancadas, culminadas com um potente remate para o fundo das redes. Bem sei que não havendo continuidade, a confiança esfuma-se, mas um jogador do seu potencial gabarito não se pode deixar abater tão facilmente. É caso para dizer: que ponha os olhos no Ricardo que dá o litro sempre que joga, mesmo fora da posição de raiz. O Fernández, por seu turno, continua azarado: 3º jogo sem vencer e algum nervosismo patente nas suas acções. Quanto aos "velhos", o Maicon esteve desastrado e o Alex Sandro em modo sonâmbulo (a pensar no Salvio certamente). Discordo do José Correia na avaliação do Quintero: embora tenha estado displicente nalguns lances - o jogo a isso convidava - também esteve bem noutros, com o seu habitual futebol perfumado. Não acho que tenha estado no mesmo saco do Quaresma e do Adrián. Nota final para o Aboubakar, não só pelo golo fantástico que incendiou o Dragão, mas também pela entrega e pelo trabalho que deu à defensiva do Shakhtar. Ou muito me engano, ou temos um verdadeiro substituto em formação para o Jackson. Feitas as contas, foi uma excelente prestação na fase de grupos da Champions - ou o "regresso ao normal", Mourinho dixit. Venha agora o Basileia :)

Joaquim Fernandes disse...

Caro Nuno Fonseca,
Eu não "tiro de esforço" de uma (ou mais) má exibição de qualquer jogador que vista o nosso Manto Sagrado (pedi emprestada esta feliz expressão ao Miguel, do Tomo II). A minha animosidade vira-se, essencialmente, para os que, assobiam a equipa assobiam um jogador nosso em particular (Herrera à uns tempos, Adrian mais recentemente) e ver um jogador que pode fazer todo o tipo de asneiras dentro do campo (ontem, aquela entrada estapafúrdia sobre o Bernard só não deu vermelho porque...), e no pasa nada. Se tiver disponibilidade para ver o video do nosso jogo de Andebol contra o carnide, no Dragãozinho, terá um exemplo daquilo que eu considero ser um comportamento de verdadeiros adeptos nos jogos do seu clube.
Só isto. Porque, para mim, todos, mas mesmo todos, os nossos jogadores são merecedores do nosso apoio incondicional. Para lhes bater, a eles e ao F C do Porto, já existem energúmenos de sobra nos pasquins e nas tv's.
Saudações Portistas

DC disse...

Sobre posicionamentos não falo porque vi o jogo numa stream enquanto via também o Barça. Como tal, não estive com atenção que me permitisse perceber quem estava ou não bem posicionado.

Luís Vieira disse...

O Joaquim Fernandes provavelmente queria dirigir-me o seu anterior comentário. Nesse pressuposto, aqui fica a réplica: se a sua animosidade é contra os assobiadores, então estamos juntos nessa cruzada. Não pode é criticar os assobios ao Herrera e ao Adrián e depois eventualmente tolerá-los se forem dirigidos ao Quaresma (pelas asneiras estapafúrdias). Quanto ao comportamento dos adeptos no Dragão Caixa, estou familiarizado e também recomendo.

JON disse...

Só pode estar a brincar, Luís... O Evandro esteve excelente para quem nunca joga e entra num jogo de CL. Enquanto houve Rúben, a equipa esteve bem. Depois naturalmente piorou. Mais: Quintero, quem defendo muito, esteve horrível. Não correu, simplesmente. É natural que quando só 2 correm no meio, haja mais espaço.

Enfim... vale tudo para defender Herrera.

O Evandro é um excelente jogador. Sabe o que o jogo precisa e dá-o sempre. Joga simples, não complica. Devia ser opção mais vezes. Defensivamente então, dos médios ofensivos, só Oliver se lhe compara...

littbarski disse...

O Quaresma fez um jogo ao nível da equipa: fraquinho. Mas sempre fez um bocadinho mais pela vida do que o Adrián e fez seguramente menos asneiras do que o Maicon. Preocupa-me muito mais a exibição do Maicon, que pode ser titular no domingo, do que a do Quaresma, que não vai ser titular quase de certeza (joga Brahimi e Tello, a não ser que Lopetegui resolva inventar).

José Correia disse...

O Herrera não jogou.

Neste artigo, não há qualquer referência, directa ou indirecta, ao Herrera.

Nos comentários ninguém "puxou" o tema Herrera.

Mas o JON, de forma explicita ou subliminar, não resiste a atacar um dos seus odiozinhos de estimação...

JON disse...

José, não é odiózinho nenhum. É tão simples quanto isto: o Evandro não joga porque está tapado com o Herrera.

Mais: li em vários sítios referências ao Herrera, o Tribunal do Dragão até faz destaque sobre a "falta" que o mexicano fez ontem.

Eu quero apenas destacar isto: o Evandro é assim tão mais fraco que o Herrera que não deva ter mais minutos, estando o Herrera sempre como 1ª opção, mesmo tendo em conta desgaste das selecções?

Luís Vieira disse...

Bem visto littbarski, também achei a exibição do Maicon preocupante. Naquele registo, perdeu o lugar para o Marcano.

Luís Vieira disse...

Não estou a brincar JON. Falo muito a sério quando digo que o Evandro, apesar do bom jogo que fez, também contribuiu para o deficiente controlo do meio-campo defensivo. O maior responsável é o Quintero, como bem referiu, porque é pouco mais do que inexistente nesse capítulo (viu-se logo a diferença quando entrou o Óliver), mas o Evandro também é carrasco (em menor medida, obviamente), porque, a dada altura da segunda parte, as bolas lançadas pelo Shakhtar (pelo chão, note-se) cruzavam o nosso meio-campo à vontade, sem ninguém que as interceptasse. E referiu-se bem à posição do Evandro - médio-ofensivo - daí que o termo de comparação deva ser o Óliver e o Quintero e não o Herrera como capciosamente fez acima. Em todo o caso, se em futuras aparições o Evandro acrescentar maior capacidade defensiva ao seu excelente jogo de pés, não me escandalizaria nada que aparecesse mais vezes a titular. E por favor, não me venha com argumentos da treta como "vale tudo para defender o Herrera". Estamos apenas e só a falar do Evandro.

José Correia disse...

"o Evandro não joga porque está tapado com o Herrera"

Caro JON, o Evandro está tapado mas é pelo Óliver.

Por aquilo que vimos até agora, eu diria que o Lopetegui idealiza um meio-campo a três, com:
1 Nº6: Casemiro, Rúben, Campaña
1 Nº8: Herrera, Rúben
1 Nº10: Óliver, Quintero, Evandro, Otávio

O Evandro também pode jogar a 8?
Concerteza (tal como o Herrera já jogou a 6) mas, se analisar a carreira de Evandro, verifica que ele é um médio ofensivo, que nos últimos anos (Estoril e Estrela Vermelha) jogou, essencialmente, a 10.

Mas eu tenciono escrever um artigo sobre o Evandro e, por isso, não queria adiantar muito, para não ficar sem tema.

JON disse...

José, discordo. Acho que o Evandro tem perfil para fazer facilmente o que é pedido ao Herrera, isto é, dar sempre linha de passe no meio-campo, aparecer na área (ontem ia marcando de cabeça), e depois tapar o meio-campo sem bola.

Pessoalmente acho isso do médio-ofensivo uma treta. Não existem hoje em dia porque um médio tem de saber descer e defender (daí os problemas do Quintero para jogar).

De resto, o Herrera no nosso modelo até é mais "10" que "8", porque é-lhe pedido muito mais que apareça na área, logo mais adiantado, do que ao Oliver.

Ou seja: parece-me claro que Evandro pode e deve ser o substituto do Herrera.

PS: o Rúben não é, nem nunca será, 8 ou box-to-box, como preferirem, pela mesma razão que Busquets, ou William Carvalho, ou Lahm, ou até Matic, nunca serão. É um jogador que tem de estar sempre de frente para o jogo, não sabe jogar entre-linhas, nem de costas, porque têm dificuldade em executar sem espaço.
Parece-me que Lopetegui depois do jogo de Alvalade desistiu de tentar que Rúben seja 8 e quando o miúdo entrou depois disso com Casemiro em campo foi para sempre para jogar lado a lado com o brasileiro.

DC disse...

Dizer que Evandro não é 8 mas é 10 é como dizer que Quaresma é extremo direito mas não é esquerdo.
Os jogadores têm que responder ao que o jogo lhes pede e não a 1 papel com números. Aliás já tive essa discussão aqui quando houve para aí uma opinião ridícula de que o Herrera não podia estar atrás da linha da bola porque era o médio mais ofensivo.
Evandro é 6, 7, 8, 9 ou 10 de acordo com os momentos do jogo, de acordo com o posicionamento dos colegas e do adversário. Irá ter momentos mais adiantado no terreno e outros mais recuado.

Aliás, dizer que Herrera é 8 quando ele já jogou praticamente a 2º avançado em vários jogos (mais uma das desculpas que usaram para ele não vir atrás) é completamente redutor. Até poderia dizer que o Evandro tem limitações a defender como tem o Quintero (opinião com a qual eu não concordaria) agora dizer que ele é um 10 e não um 8?

Você não viu gente como Fabregas a jogar a 6, 8, 10 e falso 9?
Não viu Deco a jogar na ponta dum losango no Porto e depois a ter mais preocupações defensivas no suporte ao Ronaldinho?
Não viu Iniesta a jogar a falso extremo, médio centro, 2º avançado?
Não viu Lahm a lateral, pivot defensivo ou interior?
Não vê Messi que no papel é extremo direito a vir começar as jogadas à posição 6 e finalizá-las à posição 9?

Não acha que, mesmo se fosse verdade que Evandro jogou preferencialmente mais adiantado no terreno durante a carreira, teve que responder constantemente a momentos do jogo em que teve que recuar no terreno e fazer outros papéis? Que diferença traz isso em relação à posição 8? Que outros conhecimentos ou capacidades são precisas? Eu diria que nenhuma.

pancas disse...

Jose,
Estava para escrever um comentario do mesmo genero deste seu, mas com algumas diferencas:

Concordo que Evandro esta tapado por Oliver, mas da seguinte maneira:

No 6: Casemiro, Rubens, Campana, Marcano
No 8: Oliver, Rubens, Evandro
No 10: Herrera, Quintero, Adrian

O No 10 que o Lopetegui tem em mente e quase um segundo avancado. E um medio que esta muitas vezes de perfil com o ponta de lanca, que esta muitas vezes a frente da linha da bola ou dentro da area a espera de cruzamentos / passes de rotura (os golos do Herrera sao assim). E tambem um medio que tem poucas preocupacoes defensivas e que nao recua ao terco defensivo. Herrera ganha o lugar porque Quintero quer jogar mais como o 10 normal a criar jogo para outros em vez deste "semi-segundo-avancado".
Alias, este estilo de 10 e muito similar ao que Paulo Fonseca pedia ao Lucho no ano passado.

O No 8 e que equilibra tudo, porque aparece em ambas as areas, constroi, finaliza e vai para tras da linha da bola para defender quando a bola esta no adversario. Dai os totais de Kms comecarem a tender para o Oliver, e neste jogo para o Evandro.

O No 6 esta la para dar seguranca defensiva e para a primeira fase de construcao. Nao entra no ultimo terco do terreno.

O facto de Rubens ser segunda escolha para 6 e 8 sera a maior razao para Evandro nem sequer ir para o banco - torna-se desnecessario na mente de Lopetegui.

PS: Todo este comentario explica a minha percepcao sobre o pensamento de Lopetegui e nao a minha concordancia ou falta dela.

José Lopes disse...

O RubenS Junior ja foi embora ha muito tempo... :)

Nuno Fonseca disse...

DC disse:"Aliás já tive essa discussão aqui quando houve para aí uma opinião ridícula de que o Herrera não podia estar atrás da linha da bola porque era o médio mais ofensivo."

Bem, completamente desonesto este comentário. O que se disse foi que, sendo Herrera o homem mais adiantado num determinado jogo, que no momento em que Ruben Neves está a perder a bola enquanto lançava o ataque, não tem obrigação de estar atrás da linha da bola, ao contrário do que indicavam uma imagens comentadas.
Tal como disse tudo depende dos momentos do jogo.

Luís Vieira disse...

O JON acha "isso do médio-ofensivo" uma treta, mas anteriormente disse que "defensivamente então, dos médios ofensivos, só Oliver se lhe compara...". Em que é que ficamos? É evidente que um médio-ofensivo não se preocupa apenas com tarefas atacantes. Isso do 10 à moda antiga já não existe, pelo menos no futebol top (no Brasileirão não é bem assim). Mas por comodidade de expressão não vem mal ao mundo em fazer a distinção entre médio-defensivo (ou pivot), médio-centro (interior ou box-to-box) e médio-ofensivo, enquanto vértice mais adiantado do meio-campo. Ora, nos diversos momentos do jogo, quem passa mais tempo adiantado no terreno, com o Herrera em campo, são o Óliver e o Quintero (mais notório com este). Aliás, para fazer do Herrera um 10 (impressionante!), o JON refere-se a uma única acção típica do mexicano, que é aparecer na 2ª linha de tiro dentro da área (o Lucho fazia isto mesmo com o Anderson ou o Diego - era 10?). Se isto faz dele o médio mais ofensivo do tridente, à frente do Óliver, vou ali e venho já. Face ao exposto, concordo consigo: o Evandro pode fazer a posição do Herrera, mas não tão bem quanto faria a posição do Óliver (que se adequa mais às suas características).

DC, substancialmente de acordo, mas repito: os treinadores não deixaram de usar os nomes das posições para defini-las. Por isso, se gente mais avalizada tecnicamente o faz, porque não fazê-lo também? A posição não define rigidamente o que o jogador faz em campo, apenas reúne um conjunto de características típicas. Acontece que o Evandro, na minha humilde opinião, até agora demonstrou grande capacidade para jogar a "10", mas menor capacidade para desempenhar tarefas defensivas que, no modelo do Lopetegui, são mais cometidas ao Herrera do que propriamente ao Óliver/Quintero (que não estão, logicamente, dispensados delas, muito longe disso). Acho que é mais por aqui que o Evandro não venha jogando tanto, embora eu conceda perfeitamente que ele pudesse evoluir nesse sentido se tivesse mais tempo/oportunidades/continuidade.

Pancas, acho que está a avaliar mal a concepção do Lopetegui para as posições 8 e 10. Nada a ver com o Paulo Fonseca, mas mesmo nada. O que o Herrera faz em campo este ano, nem de perto nem de longe se assemelha ao que o Lucho fazia no ano passado. Essa descrição encaixa bem no 10 do ano passado. Neste ano, é um enorme equívoco e desvirtua à partida a percepção sobre o modelo do Lopetegui, principalmente o seguinte trecho: "tem poucas preocupações defensivas e não recua ao terço defensivo".

meirelesportuense disse...

Felizmente o Rúben Neves teve uma entorse de média gravidade sem mais complicações.É uma boa notícia para todos e principalmente para o jogador.
Entrando na polémica Evandro, devo dizer que ele me parece um jogador "redondo" isto é, um jogador consistente, muito constante na sua produção futebolística.

meirelesportuense disse...

Evandro faz-me recordar um outro jogador brasileiro que passou pelo Porto e foi desaproveitado: -Ibson!

pancas disse...

Luis,
Realmente estamos inteiramente em desacordo.
Voce acha que quando o Herrera e o Oliver estao ambos em campo, o Oliver joga em zonas mais adiantadas?
E acha que a funcao que o Herrera cumpre tem muitos deveres defensivos e que recua ate ao terco defensivo?


Entao deixo-lhe um desafio apos rever os jogos:
- encontre situacoes em que o Herrera recua ate ao terco defensivo (durante o aquecimento nao vale!!!)
- encontre situacoes em que o Herrera se posiciona atras da linha da bola quando a perdemos (fazer isso em pelo menos 60% das situacoes sera o minimo para achar que "tem preocupacoes defensivas")
- Agora faca o mesmo para o Oliver - ja percebeu que o Oliver passa muito mais tempo atras da linha da bola quando nao a temos e que ele recua muito mais atras do que o Herrera?
- Agora faca a mesma analise tendo em vista a grande area adversaria (e imediacoes) - nao encontra o Herrera a entrar nessa zona muito mais vezes que o Oliver?
- Se pudesse por uma %, quando temos a posse de bola, quem acha que teria um maior numero para a estatistica de "posicionado a frente da linha da bola" - Oliver ou Herrera?
- explique porque e que nos ultimos jogos o Herrera tem sido substituido pelo Quintero e nao se notam diferencas no posicionamento do Oliver apos essas substituicoes?

JON disse...

Eu sinceramente acho que, sem qualquer tipo de crítica, as pessoas se deixam aturdir pelos comentários de nabos totais como o Freitas Lobo e se prendem a pre-definições relativamente ao jogador A ou B. Luís, claramente o Herrera é o jogador mais adiantado do nosso meio-campo e não é por ele ser mais encorpado que o Herrera que faz com que tenha maior "perfil" defensivo.

PS: isso de usar as minhas frases fora do contexto para contra-argumentar não lhe fica nada bem. O Luís percebeu muito bem que quando falei em médio ofensivo não era no contexto de um 10. O Porto joga com 2 médios ofensivos, mas o espaço para um 10 que não corra não existe. Desses 2 médios ofensivos, o Herrera é claramente o mais adiantado. O Evandro pode e deve ser o substituto dele, assim queira Lopetegui.

DC disse...

"até agora demonstrou grande capacidade para jogar a "10", mas menor capacidade para desempenhar tarefas defensivas que, no modelo do Lopetegui, são mais cometidas ao Herrera do que propriamente ao Óliver/Quintero"

Luís, defensivamente Oliver é o melhor médio do Porto a grande distância. Desse é que dificilmente alguém pode dizer que está mal posicionado. E olhe que ele faz isso sendo provavelmente o médio do Porto com mais presença ofensiva.

Nuno, desonesto? Passo a citar:

"No meio de 6 jogadores do Porto, que não conseguem tirar a bola ao Nani, 5ª imagem, nem sequer estou a gozar. Porque nitidamente ali era do Herrera. Porque quem está ali a comer sono não é nenhum dos 3 defesas e 2 trincos que estão em cima do Nani feitos retardados, com o João Mário todo aberto, é o Herrera que está praticamente na meia lua da nossa área quando é o médio mais avançado mas não está a "defender que chegue""

Aqui, pelos vistos, assume-se que o "médio mais avançado" tem que defender menos que os tais defesas e trincos. Curiosamente, nesta discussão diz-se que Evandro não pode jogar por ser ainda mais avançado que Herrera. Estranho...


Olhe esta foi sua:
"Mas elucide-nos DC!! Num meio campo com Casemiro Ruben e Herrera, o Herrera tem que estar atrás da linha da bola? "

E nem vou citar mais porque depois começam a falar de marcações ao homem no meio-campo portanto já é cair na brincadeira pura.

Pancas, subscrevo. Oliver é de longe o médio mais rigoroso defensivamente no Porto.

Luís Vieira disse...

Pancas, vou tentar responder ao seu extenso inquérito. Sim, o Óliver, em posse, é o jogador com mais expensas atacantes. Se reparar, é ele quem se aproxima mais dos extremos para dar apoio nos desequilíbrios pelas alas, é ele quem faz de placa giratória para virar o centro de jogo e é ele quem se abeira do Jackson nas tímidas incursões pelo meio (com bola, atenção, é disto que se está a falar). O único momento do jogo em que o Herrera está mais adiantado é precisamente quando aparece para finalizar nas imediações (remates de meia distância) ou no interior da área (aproximação aos cruzamentos). Com bola, há-de notar que o Herrera muitas vezes até está em cunha - ou próximo disso - com o Casemiro e dá seguimento à construção com uma lateralização no nosso meio-campo defensivo para um dos laterais/alas, com o Óliver ou o Quintero mais destacados no meio-campo ofensivo, preparados para dar apoio na ala contrária. Por outro lado, a função do Herrera acarreta, sim, bastantes deveres defensivos, principalmente em organização. O pancas está a focar-se na transição e, nesse caso, reconheço que o Herrera por vezes está desposicionado quando faz o tal papel que o pancas denomina de "semi-segundo-avançado" - eu prefiro box-to-box. Em transição, de facto, o Óliver tem mais facilidade em recuperar a posição/reagir à perda porque não está nas imediações da área à espera do remate de ressaca. Isto não invalida que o Herrera não tenha de ser mais lesto a reagir a esse momento. Mas voltemos à organização, que é o momento em que melhor se aquilata as ideias do treinador. Quem é o jogador que mais vezes se vê na pressão na saída de bola adversária, depois do Jackson? O Óliver, claro está. O Herrera está numa segunda linha e, por isso, é vê-lo muitas vezes a disputar bolas próximo do Casemiro. Assim sendo, se quiser ver, encontra várias situações em que o Herrera recua até ao terço defensivo e se posiciona atrás da linha da bola, principalmente em organização, pelo que a seguinte asserção: "o Óliver passa muito mais tempo atrás da linha da bola quando não a temos e recua muito mais atrás do que o Herrera" é falsa. É redutora porque se foca na transição defensiva e mesmo aí peca por exagero. Quanto à percentagem que me pede, muito naturalmente não consigo fazer esse cálculo (nem o pancas), por isso não me vou aventurar em missões impossíveis, mas acredito que o Óliver ganharia a estatística, desprezando o único movimento que me consegue encontrar para fazer do Herrera um 10. Relativamente à última pergunta, só lhe posso dizer que é uma mentira pegada: o Quintero só substituiu directamente o Herrera no jogo com o Rio Ave, em 21 jogos oficiais! Sendo que, nesse jogo, o Rúben Neves, antes, entrou para o lugar do Brahimi e não foi para jogar a extremo-esquerdo. Mais: com o Shakhtar sabe quem substituiu o Quintero? O Óliver.

Luís Vieira disse...

JON, não é o meu caso, como pode atestar no comentário acima. Não estou aturdido por quem quer que seja. Esta é a minha perspectiva e baseio-a apenas no visionamento dos jogos. Senão diria, para imitar o tom do comentador referido e em estilo livre, que o Herrera é um "fundista mexicano com profusas orelhas sob a forma de jogador de futebol" :) Quanto ao seu post script, não vejo porque me fica mal demonstrar que até o JON, que não é partidário da nomenclatura das posições, as usa por comodidade de expressão. Não quis diminuí-lo, apenas fazer ver que é normal associar um conjunto de características a uma posição. E, diga-se o que se disser, o Evandro (que também é encorpado), o Óliver e o Quintero são jogadores que encaixam mais directamente no que se entende por médio-ofensivo, ao passo que o Herrera é mais um box-to-box. Isto não quer dizer que não possam ser convertidos para jogarem de outra forma/noutra posição, mas, até prova em contrário, é assim que mais se destacam/sentem confortáveis.

DC, estamos praticamente de acordo. Só não diria "a grande distância".

JON disse...

A conclusão desta discussão toda é apenas uma, a meu ver: o Evandro é um excelente jogador. Deve ser mais vezes opção porque traz muita coisa à equipa, inclusive uma coisa que a muitos outros falha: experiência.

Jogou na Sérvia, salvo erro, em ambientes terríveis do ponto de vista de pressão dos adeptos... Isso não é de somenos.

pancas disse...

Luis,
nao o vou convencer mas deixo-o com duas ultimas ideas:

1- Jogo com o Nacional - Herrera substitui Quintero.
Jogo com a Academica - Danilo sai lesionado. Substituido por Quintero. Herrera vai para defesa direito. Quintero vai para a posicao do Herrera.
Nao ha outros casos que eu me lembre do Herrera ser substituido. Nao falei do Shakhtar porque nao achei que esse jogo fosse importante ja que jogaram as reservas. Mas ja que o trouxe a baila, sim, o Oliver substitui o Quintero, tomou a sua posicao de 8 e o Evandro imediatamente avancou no terreno a fazer o que o Quintero nao foi capaz de fazer.
(isto para que nao achasse que eu estava a mentir como disse)

2- Voce continua a querer chamar o Herrera (ou a posicao que ele ocupa) de box-to-box. Ora, box-to-box significa area-a-area, portanto sera esperado que esse jogador apareca em ambas as areas. Excepto em bolas paradas defensivas ou em situacoes em que Herrera esta a jogar noutra posicao (defesa direito ou trinco a subsituir Casemiro) nao ha UMA UNICA situacao em que o Herrera vem ate a nossa grande area ou mesmo a meia-lua, por isso por favor nao o chame de box-to-box!!!
Se quer um box-to-box verdadeiro entao olhe para o Oliver. Esse sim ve-se em varias situacoes na grande area adversaria mas TAMBEM na nossa grande area a ajudar os defesas.

Luís Vieira disse...

Pancas, o Herrera já foi substituído 6 vezes desde o início da época, por jogadores tão díspares como Casemiro, Aboubakar, Tello, Adrián e Rúben Neves (a que se acrescenta o Quintero no supracitado exemplo). Por outro lado, o Herrera já foi suplente utilizado por 3 vezes, substituindo o Evandro, o Quaresma e o Quintero (no tal reverso da medalha). Assim sendo, não é verdade que "nos últimos jogos o Herrera tem sido substituído pelo Quintero". Aconteceu uma única vez, sendo que o Herrera em 66,6% das vezes substituiu outros jogadores que não o Quintero. Colar o Quintero ao Herrera a partir de premissas destas é muito frágil. O jogo com a Académica não serve para ilustrar grande coisa, porque o Herrera continuou em campo numa posição que lhe é estranha, mas vem a propósito - acha que o Lopetegui o poria ali se não lhe reconhesse capacidades defensivas, que ele efectivamente desempenha, muito embora o pancas se esforce por negar? No que toca ao jogo com o Shakhtar, se acha que o Óliver não se adiantou mais no terreno que o Evandro (em organização, veja-se logo a pressão que fez, muito próximo do Aboubakar, criando embaraços e roubando bolas à defensiva ucraniana, com o Evandro a ver, numa 2ª linha), então vimos jogos diferentes. Relativamente ao segundo ponto, presumo que saiba que o box-to-box tem um raio de acção alargado, mas que não tem de constantemente fazer cortes na linha de golo e de seguida aparecer na outra área a facturar. Não seja rígido ao ponto de fazer uma tradução literal do inglês, porque o box-to-box ocupa o espaço entre o meio campo-defensivo e o meio-campo ofensivo num movimento harmónico. Em suma, percorre as posições de 6, 8 e 10 no mesmo jogo, sendo eminentemente responsável pelo transporte/condução de bola entre sectores. O Herrera faz isto. A sua aversão - "UMA ÚNICA" - ao mexicano não lhe permite ver que ele já defendeu, sim, se não dentro da área, nas suas imediações (meia-lua, como diz), principalmente em organização. O Óliver também o faz, sobretudo em transição, mas não deixa de ser, por isso, o nosso médio mais ofensivo, por ter tarefas, com bola, que o Herrera não tem.

Nuno Fonseca disse...

DC, estava-me a referir a Herrera ter de estar atrás da linha da bola no momento em que o Porto está a atacar, no momento em que perde a bola. Em algumas imagens era isso que era exigido.