segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

A sorte grande de uma equipa banal

“… vendo a banalidade que é este SL Benfica, eu ainda quero acreditar que é possível e, por isso, jogadores e adeptos não podem baixar os braços

Foi assim que eu terminei o artigo que escrevi acerca do FC Porto x SL Benfica (0-2) e iniciei o artigo que escrevi após o SL Benfica x SC Braga (1-2), em que os bracarenses eliminaram os encarnados da Taça de Portugal.

Não sei se “banal” é o adjectivo que melhor caracteriza este SL Benfica versão 2014/2015, mas ontem, ao ver o Sporting x SL Benfica foi, mais uma vez, a palavra que me veio à cabeça.

Chegados aos 75 minutos de jogo, os encarnados de Lisboa tinham feito 3 (três!) remates, nenhum enquadrado com a baliza de Rui Patrício.

Ao minuto 80, o SL Benfica conquistou, finalmente, o seu 1º canto (nessa altura o Sporting já tinha 10!).

E ao minuto 94 (a 28 segundos de se esgotar o tempo de descontos dado por Jorge Sousa), após um balão de Pizzi (feito à sorte, de costas para a baliza do Sporting), beneficiando de um ressalto na área leonina, no 4º remate e primeiro (e único!) enquadrado com a baliza, o SL Benfica marcou e conseguiu empatar.

A BOLA (o jornal semioficial do SL Benfica) chamou-lhe sorte grande. Eu nem sei muito bem o que lhe hei-de chamar. Sei que, tal como no Dragão, o SL Benfica jogou em Alvalade como jogam as equipas pequenas, em termos ofensivos foi de uma nulidade quase total, mas conseguiu sair de mais um confronto com um rival directo sem perder.

Aqueles que, em anos anteriores, elogiavam o “futebol atacante e entusiasmante” das equipas de JJ (em contraponto com o “futebol monótono” das equipas de Vítor Pereira…), o que dirão deste SL Benfica que, no Dragão, jogou da mesma forma que o Boavista – autocarro de dois andares à frente da baliza – e agora, em Alvalade, repetiu a receita, com um quarteto defensivo em que os laterais praticamente não subiram no terreno, mais dois médios defensivos – André Almeida e Samaris – que raramente passaram do meio campo.

Aliás, sempre que o Sporting acelerava o jogo, o SL Benfica transformava-se em benfiquinha e adoptava a mesma estratégia de queimar tempo tão habitual (e que costuma ser severamente criticada por jornalistas e comentadores) nas equipas de mentalidade e categoria pequenina.

Foi assim na 1ª parte, com Eliseu, Jonas e Jardel a caírem e ficarem no relvado, para acalmar o jogo… e continuou na 2ª parte (até ao minuto 86), em que esse papel triste foi desempenhado por Artur.

Ao minuto 62, foi quase cómico, quando a transmissão televisiva mostrou um Jonas esbaforido, aos gritos (penso com o Eliseu), a dizer: “Calma, calma, calma!”.

Nos jogos contra o Sporting, contra o FC Porto e na fase de grupos da Liga dos Campeões, independentemente de ter conseguido alguns resultados positivos, este SL Benfica 2014/2015 mostrou aquilo que é: uma equipa banal!

E o jogo de ontem comprovou aquilo que toda a gente sabe (incluindo os benfiquistas, embora não o confessem em público): não fora as arbitragens que o catapultaram para o 1º lugar e, nesta altura, este benfiquinha nunca seria líder do campeonato português.

13 comentários:

Costa disse...

«não fora as arbitragens que o catapultaram para o 1º lugar e, nesta altura, este benfiquinha nunca seria líder do campeonato português»

Pois isso é tudo verdade e muito lindo de se escrever e ler, mas o que vai ficar para a história poderá ser outra coisa muito diferente...

E se tal acontecer muita da culpa será nossa, por (in)ação e omissão.

Paulo Sérgio Portugal Malheiro disse...

O Futebol Clube do Porto se não for campeão, é porque nos jogos a DOER, no campeonato claudicou!
Contra o SCP, contra o benfica....
Já para não falar no romantismo do nosso Mister, que ainda não conhece a realidade do futebol Português e dos nossos apitadeiros!
Já agora, ninguém... mas ninguém falou duma suposta ilegalidade no charuto do Jardel... é que Maxi, está na jogada e para mim é um elemento da mesma....
Mas, a estrelinha está a acompanhar a equipa do Catedrático...
Sem jogar um charuto, empatou....
Está a ser pragmático! :P

André Pinto disse...

Golo do Benfica é ilegal. Maxi está fora de jogo e interfere na jogada, ao estorvar Tobias, que se dirigia para Jardel. Na altura pareceu-me logo. Só assim.

O Benfica, se for campeão, sê-lo-à ajudado pela arbitragem e beneficiando do subaproveitamento de um FCP de luxo, que claudicou em momentos chave. Focarmo-nos apenas em uma das premissas é asneira.

José Correia disse...

"Golo do Benfica é ilegal. Maxi está fora de jogo e interfere na jogada, ao estorvar Tobias, que se dirigia para Jardel"

Já algum jornal desportivo, ou canal de televisão, chamou à atenção para esta situação?

Pedro disse...

Benfica quando queima tempo não é anti-jogo, é estratégia. Quando não faz remates à baliza não é jogar mal, é táctica. Quando tem sorte, não é sorte, é capacidade de sofrimento.

João disse...

Por um lado, o grande Catedrático, figura de proa da organização defensiva e projecção ofensiva, melhor treinador português a seguir ao Mourinho, precisa de estacionar 3 autocarros contra uma equipa com 1/3 do orçamento. Folgo em saber.

Depois este Sporting.. enfim, fez-me lembrar o Porto na incapacidade de criar lances de perigo, andar ali à volta do arbusto, meia dúzia de cruzamentos sem destinatário, muito escoamento pelas alas sem nunca conseguirem queimar a última linha (só me recordo de um lance do Carrillo e em fora-de-jogo), foi preciso o Samaris isolar o João Mário senão este tinha sido o derby marroquino mais secante dos últimos largos anos.

O frustrante disto tudo, e que diz muito sobre o nosso treinador e arbitragens da época, é que há ali jogadores que nem para engraxarem as botas à equipa B do Porto serviam. Cédric, Adrien, Eliseu, Artur, Ola John.. enfim.

Tiago Stuve Figueiredo disse...

O jorge coroado no jogo fê lo.

Ricardo Rodrigues disse...

Muito de soslaio...

http://i.imgur.com/FIFOXJf.jpg

Paulo Sérgio Portugal Malheiro disse...

Este JJ lá fora levava cabazadas...com esta postura à Arouca!

meirelesportuense disse...

Desculpem há quatro ilegalidades num único golo: Quando a bola é endossada para a área existe um jogador encarnado em fora de jogo, depois o Jonas toca por três vezes com os braços na bola -quando a tenta dominar pela primeira vez, duas no ressalto que se lhe segue- , e em último lugar, Maxi sai da posição de claro fora de jogo para disputar a bola que acaba nos pés de Jardel...Era a hora de dar tudo por tudo.

DA disse...

Por vezes até acredito... Mas quando penso o quão macia é a nossa equipa... e o desconhecimento que o nosso treinador revela de alguns adversários... (para não referir o andor que carrega os outros), lá se vai a fé toda.

Para mais não temos um calendário fácil (mais do que braga ou luz, penso no bessa onde não ganhamos desde 2003/2004 e os pauliteiros nos fazem a vida negra.

José Correia disse...

"O frustrante disto tudo, e que diz muito sobre o nosso treinador e arbitragens da época..."

Quanto ao treinador, penso que temos de ter calma.
O treinador é novo, o plantel sofreu uma pequena revolução (o plantel 2014/2015 integrou 16 jogadores novos - 17 se contarmos com Hernâni) e uma equipa nova não se constrói com um estalar de dedos.

Apesar da (natural) irregularidade de algumas exibições, penso não haver qualquer dúvida que o FC Porto é a melhor equipa portuguesa e se não fossem fatores externos (leia-se arbitragens), ocuparia, nesta altura, o 1º lugar do campeonato.

Tezcatlipoca disse...

E ninguém fala de mais um lançamento lateral ilegal de Maxi, que acontece antes do lance do golo? Ele não só não lançou a bola com pés juntos, como um dos pés colocou-o bem depois da linha!