quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Empate justo num estádio maldito


O FC Porto até começou bem o jogo em St. Jakob-Park, com domínio de bola e jogando em toda a largura do terreno nos primeiros minutos. Porém, aos 11 minutos, no único remate que fez à baliza de Fabiano, o Basileia marcou por Dérlis. Frei desmarca o extremo que aguentou a carga de Alex Sandro e bateu o guarda-redes portista que em minha opinião poderia ter-se feito melhor ao lance (quando voltará Helton a ter uma oportunidade?).

A partir daí só deu Porto. No entanto, até ao fim da primeira parte a equipa voltou a demonstrar enormes dificuldades para chegar à baliza adversária. Há muita posse mas em terrenos recuados e sem progressão. Todo o ataque que parece prometedor é interrompido voluntariamente pelos nossos jogadores que optam por diagonais para trás e volta tudo à estaca zero. Passe para a esquerda, devolução para o meio e passe para a direita para nova devolução aos centrais. A equipa não possui jogo interior nem futebol vertical, é demasiado lenta nas transições, ninguém arrisca e ficamos reféns de jogadas de inspiração de Óliver ou Brahimi (sendo que este último esteve muitos furos abaixo do que é capaz de fazer).

Até ao intervalo nota para uma grande penalidade por assinalar contra o Basileia por falta de Samuel sobre Jackson. O colombiano é agarrado e impedido de rematar à baliza de tal forma que até fica sem a braçadeira de capitão. Um lance escandaloso que trouxe à memória a arbitragem do jogo da final da Taça das Taças em 1984 contra a Juventus, neste mesmo estádio.

Na segunda parte a equipa entrou determinada a mudar o rumo dos acontecimentos e logo aos 47’ Casemiro marca numa recarga a um cabeceamento de Maicon. Era o golo merecido. O árbitro validou, deixou a equipa festejar e passados 2 minutos (!) anulou o golo por fora-de-jogo. Marcano e Jackson estão em fora-de-jogo posicional mas não tocam na bola nem interferem no lance. O guarda-redes viu a bola partir e aninhar-se nas redes. Voltava o fantasma de 1984 a pairar no relvado daquele estádio.


A equipa não baixou os braços e continuou a lutar pelo golo. Tello e Jackson não conseguiram finalizar 2 excelentes passes de Óliver e, mais tarde, Quaresma atirou à figura. Mas aos 78’ Danilo fugiu pela direita, foi à linha, e centrou tendo Samuel cortado o lance com a mão. Desta vez o árbitro não vacilou e apontou para a marca de penalty que Danilo finalizou com mestria para o 1-1. Impunha-se um cartão amarelo para o sarrafeiro do Basileia, que seria o segundo e daria expulsão, mas o árbitro voltou a ser benevolente para com a equipa suíça. Clattenburg fez uma má arbitragem e esteve péssimo no critério disciplinar, favorecendo os suíços.

O FC Porto devia ter vencido este jogo porque tem muito melhor equipa mas isso não aconteceu por vários motivos: a equipa foi perdulária nos momentos decisivos, demorou sempre demasiado tempo a chegar à baliza contrária e sofreu um golo porque a defesa foi lenta a reagir. Houve jogadores que não estiveram bem, lembro-me por exemplo de Herrera, de Brahimi e de Tello. Os dois primeiros porque estiveram desinspirados e o último, como já vem sendo habitual, porque não dá o máximo em cada lance que disputa.

Espera-se que no Dragão o FC Porto confirme a sua superioridade e passe à próxima eliminatória.

Uma nota final para destacar os milhares de portugueses, além dos Super Dragões, que estiveram no St. Jakob-Park a apoiar o FC Porto. Foi bem audível na transmissão televisiva o apoio prestado à equipa, principalmente nos minutos finais.

fotos: maisfutebol

60 comentários:

lee disse...

O empate não é justo, é completamente injusto !!!! O Basileia não fez mal a ninguém futebolisticamente, no entanto fisicamente... foi a circo que foi, e o principal palhaço foi o árbitro, mas nada a que não estejamos habituados.

Tiago Stuve Figueiredo disse...

Justo??

João disse...

Ao contrário dos anti e aziados de serviço, e alguns portistas que alinham na conversa, não achei este Basileia tão fraco como querem pintar. Não é nenhum portento, longe disso, mas é uma equipa bem organizada, que hoje teve - muitas (!) - dificuldades na saída com bola, mas por mérito nosso também, porra podemos dar algum valor à equipa quando merece. Vi a equipa a fazer pressão alta, a fechar espaços em bloco, vi os centrais a limparem (quase tudo) os laterais a controlarem a sua ala, o Casemiro a varrer mais ou menos dentro das leis uma série de lances no nosso meio campo defensivo, o Óliver e o Brahimi a apoiarem bastante bem.. E apesar de tudo, contra um adversário significativamente mais cotado que a quase totalidade das equipas da Liga, não tivemos tantos problemas como mostramos contra os Marítimos e Boavistas desta vida em criar situações de perigo, com lances estudados, com boas combinações. Não vou dizer que me encheram as medidas mas controlar um jogo de início ao fim (vou descontar aquele lance do golo porque sinceramente são 15 ou 16 segundos num jogo de 90 minutos) nuns oitavos da Champions, não é assim tão mau. Nem o adversário, para lá estar e oriundo do grupo de onde veio, é tão miserável quanto já querem fazer crer.

Dito isto, e se é para divergir, que seja em tudo: achei uma má arbitragem, mas não vi nada de escandaloso. Os vermelhos que podiam ser mostrados nunca seriam directos mas sempre por acumulações que o árbitro não quis fazer porque evitou o 1º amarelo à maior parte dos jogadores (salvo o Alex Sandro), o Samuel não tem forma de tirar o braço ali portanto aceito que não tenha visto cartão e vá, acho que algum dos 5 árbitros teria obrigação de ver a falta sobre o Jackson mas quando faz aquele movimento de segurar a banda filarmónica toda inclinado para trás pode induzir em erro, bem mais grave a falta por assinalar sobre o Brahimi na ala em que o defesa já o vem a agarrar quase desde a fase de grupos. Sinceramente, entre este e os Duarte Gomes, Manuel Motas, Capelas, Baptistas e Machados desta vida, tenho a certeza que a lampionagem não ia com a vantagem com que vai. Pelo menos os foras-de-jogo foram bem tirados.

José Correia disse...

João disse:
"Os vermelhos que podiam ser mostrados nunca seriam directos mas sempre por acumulações que o árbitro não quis fazer porque evitou o 1º amarelo à maior parte dos jogadores (salvo o Alex Sandro)"

Há, pelo menos, um lance que poderia, perfeitamente, ter sido um vermelho directo: o cartão amarelo mostrado a Walter Samuel aos 46', numa entrada por trás, em que atingiu Jackson, sem qualquer hipótese de jogar a bola.

E em termos de acumulações de amarelos, o Marek Suchý viu um cartão amarelo aos 62', mas já antes poderia (devia!) ter visto um cartão amarelo em duas ocasiões. Numa delas atingiu o Brahimi na zona do calcanhar, que o deixou a mancar, pouco antes do golo anulado ao Casemiro.

José Correia disse...

João disse:
"o Samuel não tem forma de tirar o braço ali portanto aceito que não tenha visto cartão"

O Walter Samuel poderia (devia!) ter visto o cartão amarelo em 4 (quatro!) ocasiões.

5': Entrada brutal sobre o Herrera.
30': Penalty escandaloso (que o árbitro não assinalou) sobre Jackson.
46': Entrada por trás sobre Jackson (aqui viu o cartão).
78': Corte com a mão a um cruzamento do Danilo (no penalty assinalado).

José Correia disse...

João disse:
"achei uma má arbitragem, mas não vi nada de escandaloso"

Num jogo em que ficou um penalty claríssimo por assinalar (só faltou o Walter Samuel arrancar o braço ao Jackson);

Num jogo em que o FC Basel deveria ter ficado a jogar com menos um ainda na 1ª parte e terminado o jogo a jogar com 9;

Atendendo a que dupla de centrais do FC Basel - Walter Samuel e Marek Suchý - deveria ter ficado impedida de participar no jogo da 2ª mão;

Num jogo em que os jogadores do FC Basel bateram em tudo o que mexia e, em termos de cartões amarelos, o jogo termina com um 5-4;

Parece-me pacífico dizer que o FC Porto tem fortes razões de queixa da arbitragem do senhor Mark Clattenburg.

José Correia disse...

João disse:
"Sinceramente, entre este e os Duarte Gomes, Manuel Motas, Capelas, Baptistas e Machados desta vida, tenho a certeza que a lampionagem não ia com a vantagem com que vai"

Concerteza.
Mas não é por o campeonato português estar a ser viciado, semana sim, semana sim, pelo andor encarnado, que vamos deixar de dizer que a arbitragem do senhor Mark Clattenburg foi má, com nítido prejuízo para o FC Porto.

José Correia disse...

João disse:
"...não achei este Basileia tão fraco como querem pintar. Não é nenhum portento, longe disso, mas é uma equipa bem organizada..."

De acordo.
Mas, no campeonato português, este FC Basel não poderia aspirar a melhor do que o 5º lugar.

Na minha opinião, este FC Basel não tem um único jogador com categoria para integrar o lote habitual de 18 convocados do FC Porto.

José Correia disse...

O FC Porto não fez um jogo brilhante, mas foi nitidamente superior ao FC Basel e merecia ter ganho.

O próprio treinador do FC Basel o reconhece:

"O FC Porto foi super, super, super superior a partir dos vinte minutos. Até lá, conseguimos ser equilibrados e sempre que conseguimos dar três ou quatro passes consecutivos encontrámos soluções na frente.
Tenho a certeza que foi o nosso pior jogo de toda a época. Continuamos vivos depois deste mau jogo, é verdade que continuamos vivos, mas o FC Porto foi muito superior. Não é que tenha criado um número de situações claras de golo, mas foi superior depois do vigésimo minuto. (...)
Felizmente esta eliminatória ainda não está resolvida e a minha grande alegria é essa. O FC Porto podia ter resolvido a eliminatória, porque foi claramente superior. A minha equipa não conseguiu encontrar-se e não teve a personalidade que costuma ter. Esperamos que isso aconteça no Dragão."
Paulo Sousa, em declarações feitas no final do jogo

DC disse...

Não me parece justo o empate porque o Basel não merecia, de todo, marcar qualquer golo.

O Porto está muito bem na reacção à perda, menos bem no controlo da profundidade (como se viu no golo) e ainda com muito para afinar em organização ofensiva.
O Oliver esteve soberbo, como habitual, o Jackson bem em quase tudo menos na finalização e o Tello foi o nosso jogador mais perigoso, o único a conseguir criar desmarcações perigosas para a defesa deles na 1a parte.
Casemiro foi horrível, mau em tudo, não se entende como tira o lugar ao Ruben. Brahimi também esteve muito apagado e Herrera passou completamente ao lado do jogo. No lance do golo, é ver o médio do Basel completamente sozinho a fazer o passe que quer, com o tempo que quer, porque os "intensos" esqueceram-se de o pressionar.

Nuno Nunes disse...

Refiro-me no título deste artigo à justeza do empate dadas as circunstâncias do jogo, naturalmente. Sofrer um golo no único remate à baliza, não ter tido o penalty sobre o Jackson e ver um golo anulado 2 minutos depois são muitos azares para o mesmo jogo.
É óbvio que o FC Porto fez mais do que o suficiente para vencer o jogo!

José Correia disse...

DC disse:
"O Porto está muito bem na reacção à perda, menos bem no controlo da profundidade (como se viu no golo)..."

Inteiramente de acordo.

Aliás, a jogada do golo do FC Basel era uma jogada conhecida:

«Um desequilíbrio previsto, quase ponto por ponto, nesta antevisão à equipa suíça feita por Nuno Travassos: «Se o extremo direito faz uma diagonal para dentro, a criar uma linha de passe no corredor central, a tendência será o lateral esquerdo acompanhar o movimento, ou então ser o central mais próximo a subir ligeiramente. Seja qual for a solução, isso vai criar, nem que seja por frações de segundo, um desposicionamento da defesa contrária. Ou na ala, ou no eixo defensivo.»
in http://www.maisfutebol.iol.pt/basileia-fc-porto/lusofona/os-numeros-que-confirmam-uma-oportunidade-perdida

JON disse...

Eu acho incrível como muita gente diz que (todos) os jogadores do Basel não cabiam no Porto e isto com base em terem visto, muito provavelmente, apenas um jogo...

Os tipos criaram o que criaram, conseguiram o que conseguiram, com o Real e o Liverpool com base em serem fracos.

Meus amigos, o Porto ontem esteve longe de ser perfeito mas fez um grande jogo. Estou muito contente com o Lopetegui, que não é perfeito, mas tem evidenciado uma ideia de futebol muito boa e uma explanação dessa ideia bastante positiva.
O Basel simplesmente não respirou e não é por ser "fraco" como dizem, é porque o Porto foi absolutamente imperial na reacção à perda de bola. Isso é trabalho do Lopetegui!

Estou muito desejoso de ver o Porto jogar com o SCP e mais ainda com o Benfica, oxalá em 2 jogos seguidos em Abril. Acredito que vamos provar claramente a muitos iluminados, portistas e outros, que somos a melhor equipa portuguesa e só não seremos campeões se o peso das arbitragens for (muito) mais forte que nós.

José Correia disse...

DC disse:
"o Tello foi o nosso jogador mais perigoso, o único a conseguir criar desmarcações perigosas para a defesa deles na 1a parte"

O Tello esteve melhor do que tem estado nas últimas semanas (pior era difícil) mas, na minha opinião, esteve longe de estar bem.

Por exemplo, houve três ataques do FC Porto interrompidos/anulados, por o Tello ter sido apanhado em posição de fora-de-jogo.

De resto, de um jogador como o Tello, que tem medo de meter o pé e praticamente não defende, espera-se que seja um trunfo em termos ofensivos, contribuindo com golos ou assistências para golo.

Tirando os lances de bola parada, há quantos jogos o Tello não marca um golo ou faz uma assistência para golo?

João disse...

José Correia, salvo a entrada do Samuel sobre o Jackson então, concorda comigo quando digo que boa parte das expulsões foram evitadas quando se evitaram os primeiros amarelos tanta vez.

José Correia disse...

JON, na sua opinião, quais eram os jogadores deste FC Basel que têm categoria para ser titulares do FC Porto?

José Correia disse...

JON disse:
"O Basel simplesmente não respirou e não é por ser "fraco" como dizem, é porque o Porto foi absolutamente imperial na reacção à perda de bola"

Estamos de acordo que este FC Porto de Lopetegui foi (é) muito forte na reacção à perda de bola.

Já agora, um jogador com as características do Herrera (tão criticado pelo JON e por outros), é ou não uma peça importante, no facto do FC Porto ser muito forte na reacção à perda de bola?

JON disse...

José, não sei, só vi um jogo do Basel... Aí é que está. O que sei e são factos é que eles jogam muito organizados como se provou ao quase nunca se desorganizarem com a pressão do Porto. Julgo que Paulo Sousa deverá ser mesmo bom treinador e isso conta muito no futebol actual.
Por outro lado, mais factual ainda, fizeram excelentes jogos com Real e Liverpool, equipas com muito mais qualidade individual que o nosso clube, mas que não são tão organizados como nós! Mérito para Lopetegui...

Por exemplo, o extremo esquerdo dos tipos, o tal albanês, simplesmente não jogou... Até pode ser excelente, mas quantas vezes teve bola? 0! Mérito de quem? Do nosso clube. Até podiam lá ter Messi, se Messi receber no jogo inteiro 0 bolas em condições, se calhar deixa de ser um extraterrestre...

DC disse...

José, normalmente a culpa do fora-de-jogo é da temporização do passe e não do jogador que se desmarca.

DC disse...

José, se o Herrera é forte na reacção à perda explique-me o que aconteceu no golo do Basel sff.

Quem quiser estar com um bocadinho de atenção, repare o que faz Herrera sem bola. Se quiserem digo-vos já: anda a passo pelo relvado. Aliás, ainda ontem eu e o JON fomos falando sobre isso.

DC disse...

Quanto ao resto do jogo do Tello, o que posso dizer é que pensou sempre na equipa, não teve perdas de bola estúpidas, tentou sempre explorar o jogo interior e teve algumas jogadas bastante interessantes como, por exemplo, uma jogada em que atrai os defesas, temporiza e depois solta no Quaresma já dentro da área que fica no 1x1. O que eu espero do Tello e de qualquer um é isto, privilegiar o colectivo e tomar boas decisões. Depois o remate que entra ou vai ao poste já é uma coisa muito fortuita.

DC disse...

Já agora, transcrevo a opinião do Porta19, que apesar de não concordar sempre, considero que é sempre uma opinião bastante moderada e ponderada:

"Tello. Gostei da motinha hoje, apesar de parecer estar quase de tenda montada (calma, sem piadas) para lá da linha defensiva do Basileia. É verdade que foi apanhado várias vezes em fora-de-jogo, mas apareceu sempre em zona perigosa com a velocidade que tantas vezes lhe é pedido que aplique e que raramente o consegue fazer. Pareceu mais solto, mais interessado em agir de uma forma prática e não teve um único daqueles AVCs que tantas vezes lhe deram em solos lusos. Espero que continue assim. Espero mesmo."

"(-) O meio-campo excepto Oliver. Lentos, desinspirados e incapazes de trocar a bola a um ritmo que lhes permitisse fazer com que o adversário corresse atrás da bola. O que aconteceu foi quase sempre o contrário, com o brasileiro a tentar vários passes longos direitinhos para fora ou para o guarda-redes contrário (há lá dois passes que tivesse ele Sir Bobby como treinador e ia a correr até Zurique para aprender) e a perder muitas bolas por idiotices de excesso de confiança, somado ao mexicano que continua a apagar-se em jogos grandes e a não conseguir engrenar na roda dentada da equipa, baixando-lhe o nível e o controlo em posse quando não pode baixar e prendendo-se em demasia com a bola nos pés, sem conseguir encontrar a medida certa para quando passar e quando temporizar o ritmo de jogo. Não fosse o dinamismo de Óliver, que não estando brilhante como noutros jogos foi o único a mostrar como tirar a bola aos suíços e fazê-la rodar entre os colegas, pondo-os a correr. Mais. Ainda mais. Porra que os gajos eram rápidos!"

Zé_Lucas disse...

Uma das oportunidades do Helton, só para relembrar ao autor deste post : http://expresso.sapo.pt/comentario--um-frango-de-helton-coloca-fc-porto-na-rota-dos-adversarios-mais-fortes=f771547

JON disse...

Quanto ao Herrera, a questão não é simples. Nada me move contra o Herrera, parece ser bom profissional. O que acho é que ele é muito limitado a executar e a ler o jogo. Eu gosto muito de ver jogar Evandro. É um jogador que tem o jogo na cabeça, ao contrário de Herrera. Herrera de facto tem uma passada muito larga, recupera rápido, o problema é que muitas vez não é agressivo ao ocupar o espaço (veja-se o tempo que deu ao tipo que fez o passe para o golo do Basileia, por exemplo).

Eu não estou nos treinos e não sei o que rende e mostra Evandro. Quintero nos jogos a doer não revela capacidade de pressionar dessa forma, é verdade. Mas Evandro tem entrado sempre bem. Acho que merecia mais minutos e dava outras soluções ao nosso jogo. Acredito que conseguiria pressionar alto como faz Herrera. Se até Quaresma e Tello pressionam, porque não o brasileiro também?

É apenas isso que questiono.

Depois do jogo de ontem fiquei convencido de outra coisa: Casemiro é muito fraco. A bola queima, os passes são horríveis, pressionado fica perdido. É pior para o nosso jogo colectivo do que Herrera, parece-me claro a esta altura. Há tipos que têm a sorte grande e Casemiro ter chegado ao Real Madrid é um milagre!!!

João disse...

"Aliás, a jogada do golo do FC Basel era uma jogada conhecida"

O Lopetegui assumiu na conferência de imprensa que já conheciam a jogada, nesse caso temos que culpar os intervenientes, neste caso o Alex Sandro.

João disse...

Finalmente alguém viu o mesmo jogo que eu!

Quando um Wrexham ou um 5º classificado da Liga Portuguesa arrumar o Liverpool e bater o pé ao Super Real, avisem.

Alberto Silva disse...

Fabian Frei... e o central marek Suchy ( que ainda bem que não joga no Dragao), são os destaques da formação helvetica

Alberto Silva disse...

O Tello define quase sempre mal, dizer que foi o mais perigoso é gozar...eu dele esperam muito, e tem sido uma desilusão...não me parece ser jogador inteligente...arranca mal, por isso é que está fora de jogo, com a velocidade que tem devia fazer uma pequena movimentação para dentro ou para fora...com um jogador como Danilo no seu lado não consegue parar e esperar que Danilo crie o desequilíbrio ( eu nem sou grande fá do Quaresma, mas carallho vejam o lance do penalti, quaresma por dentro e Danilo a entrar, isto com o tello é impossível), no lance em que se isola á velocidade que tem não pode ter medo de dominar a bola para dentro para a proteger..e ganhar angulo...nos últimos tempos não tem feito uma assistência para golo digna desse nome, não tem feito golos...mas continua a ser dos melhores...possa que ridículo...se ele está bem agora, quando marcar golos e assistências então como será...

Miguel Lourenço Pereira disse...

JON,

O Basel já teve jogadores de grande talento individual e colectivo como o Xhaka, Shaquiri, Salha, Sommer, Frei e um Streller bastante mais novo. Dessa geração não sobra absolutamente nada. É uma equipa bem montada, que serve perfeitamente para o exigente campeonato suiço, mas que na Europa vive exclusivamente da sua organização colectiva, o que tem o seu mérito naturalmente.

Eu não creio que se algum dos titulares - mais os ausentes como o Ivanov - assinasse pelo FC Porto, Benfica ou Sporting alguém ia justificar o negócio como algo lógico. Se tu tiveres algum nome na cabeça, dispara.

O Basel é uma equipa trabalhada, bem, no posicionamento e jogo defensivo. Em sair em rápidas transições, em segurar a bola a mais de 1/4 da grande área rival e bascular até encontrar espaços e que sabe sofrer quando não a tem. Foi isso durante toda a fase de grupos. Quando encontrou um ataque sério, levou uma goleada. Quando encontrou ataques deficientes, sobreviveu.

O FC Porto jogou bem até ao ultimo terço. Teve atitude ao entrar, soube reagir ao golo e soube reagir outra vez ao golo bem anulado. Mas nem teve capacidade para contrariar a agressividade do Basel - houve lances em que havia jogadores com medo literal de meter o pé - e foi inofensivo no processo atacante. O Brahimi esteve um desastre, o Jackson na grande área fez um jogo horrivel e o Tello, como sempre, perdeu muitas boas oportunidades por más decisoes. No meio-campo o Casemiro foi um desastre e salvou-se o Herrera e o soberbo Oliver para dar alguma estabilidade ao jogo colectivo.

O Basel agradeceu não ter de respirar contra uma equipa que não consegue criar (ou concretizar) lances de perigo, estavam preparados para isso. Quem parece ser incapaz de dar a volta a um marcador - ZERO vezes em 2014/15 - somos nós, os que fizeram um "grande jogo".

Miguel Lourenço Pereira disse...

Totalmente. Este Basel seria um rival do Braga, do Guimarães e eventualmente do pior Sporting. Nunca mais do que isso. Foram o segundo pior segundo classificado (atrás do Schalke) da fase de grupos numa fase em que até com os temiveis bulgaros do Ludgorets sofreram a bom sofrer!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Arbitragem vergonhosa com mais de meia duzia de cartões amarelos (e duas correspondentes expulsões) por marcar contra o Basel e ainda um penalty mais do que claro contra o Jackson. O golo é bem anulado mas tardiamente e de uma forma quase amateur!

Mário Faria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Joao Goncalves disse...

O FC Porto faz uma enorme partida com o Basileia... faz uma enorme partida com o V. Guimarães... faz uma enorme partida um sem número de vezes e vêm aqui Portistas ou pseudo-portistas dizer que fizemos um jogo assim-assim e que os jogadores estiveram mal?

Isto é uma vergonha!!!

A equipa esteve muito bem e mesmo até ao golo sofrido esteve sempre com personalidade.

Depois do golo abalou um pouco, mas 10 minutos depois dominava em todas as vertentes do jogo.

Acho engraçado estes adepos mesquinhas virem dizer que Herrera, Tello, Brahimi e Casimiro estiveram mal... é preciso mesmo ser cego e ter zero de visão!!!

Acham mesmo se tivessemos tido 4 jogadores a jogar mal, alguma vez teriamos asfixiado o Basileia da forma que o fizemos?

Houve momentos do jogo em que esses jogadores estiveram menos bem, mas noutras questões estiveram brilhantes.

Herrera foi o responsável máximo do musculo e da capacidade de pressão alta e posicional.

Tello foi o responsável directo da linha do Basileia recuar e do ala esquerdo, que é suposto ser uma das grandes estrelas, ter passado completamente ao lado do jogo.

Brahimi foi o responsável directo da linha intermediária do Basileia não subir e quando a bola ia para o seu lado, de toda a estrutura intermediária do Basileia abrir brechas no lado contrário.

Casemiro foi o responsável directo de travar um sem número de bolas que eram lançadas, em desespero, para a frente e de as recuperar e voltar a entregar aos médios de construção.

Estiveram perfeitos? Não não estiveram! Mas também não o esteve Danilo, Alex Sandro, Quaresma e mesmo Jackson, mas todos eles tiveram práticamente perfeitos na táctica enquanto equipa e é aí que é importante estarem bem.

O FC Porto fez um grande jogo ontem, de resto reconhecido pelos mais diversos intervenientes!

P.S.: Em relação ao golo, os únicos culpados são Alex Sandro e Fabiano... Alex Sandro porque não teve velocidade nem "ombro" para anular a entrada do Derlis, e Fabiano que saiu de forma atabalhoada por deveria ter feito uma mancha muito mais cedo, tendo em conta a posição que Derlis já não tinha em relação à baliza e a posição em que estava na luta corpo a corpo com o Alex Sandro.

De resto nem Herrera nem Marcano tem qualquer responsabilidade... Marcano estava a marcar o sem opositor directo como devia e Herrera, tendo em conta a zona de terreno em que o adversário se encontrava (atrás da linha de pressão), estava corretamente posicional a encortar o espaço de transição e em abordagem a preparar uma possivel resposta a um inicio de jogada em transporte.

E mesmo assim, tem que se acrescentar que o golo é muito mais mérito do Basileia que demérito do Porto.


Nightwish disse...

"Pelo menos os foras-de-jogo foram bem tirados."
Quase, há um fora de jogo que me pareceu mal marcado ao Tello em que este fica em frente ao guarda-redes.

Hélder disse...

Lá como cá, sempre a jogar contra 14... É preciso ter um estofo fora do comum para aguentar tamanhas injustiças...

DC disse...

Alberto, eu comentei este jogo do Tello, não comentei mais jogo nenhum.

DC disse...

Se não houvesse mais gente. Mas quando há Ruben, Evandro e Quintero, fica-se a pensar o que se passará nos treinos que não se vê no campo.

João disse...

Entretanto, a opinião de quem não percebe nada disto..

«Fabian Frei, jogador do Basileia, ficou muito impressionado com o FC Porto na partida de quarta-feira, que terminou com um empate a uma bola. O médio referiu até que os "dragões" são, em termos coletivos, ainda mais impressionantes do que o Real Madrid, que goleou os suíços por 5-1.

"Sinceramente, não tinha visto uma equipa tão forte neste estádio nos últimos dois ou três anos. Nem mesmo no jogo do Bernabéu em que perdemos 5-1. O Real é incrível do ponto de vista individual, mas coletivamente o FC Porto é mais impressionante. A forma como eles correm, como crescem, como são do ponto de vista técnico… É difícil acompanhá-los", referiu Frei, citado pela imprensa suíça.

O médio da formação suíça garantiu, ainda assim, que acredita no apuramento para os quartos-de-final da Liga dos Campeões: "Conseguimos não perder conta uma equipa assim forte. Por isso, quem sabe? Talvez possamos aumentar o nosso nível na segunda mão".»

João disse...

"eu comentei este jogo do Tello, não comentei mais jogo nenhum."

Ninguém tinha reparado. E, surpreendidos, reflectíamos colectivamente porque seria...

Luís Vieira disse...

Resultado positivo, em tese; na prática, negativo, porque o Basileia não fez rigorosamente nada que justificasse o golo. O Alex Sandro andou mal ao permitir a diagonal do Dérlis González, com oposição deficiente (numa jogada típica do Basileia, em Madrid houve golo semelhante), e o Fabiano demorou muito a decidir o que fazer - naquela circunstância ou sai de forma decidida ou fica entre os postes, senão, a meio caminho, é para dar golo, como deu. A primeira parte foi apenas razoável: lances perigosos só me lembro de um remate de fora da área do Danilo e algumas acometidas em bolas paradas, sem grandes consequências. Pobres na criação, portanto. Em transição defensiva também não vislumbrei nada que mereça particular destaque: fiquei inclusivamente com a sensação de que se, em vez do Embolo, do Streller, do Gashi e afins, estivéssemos a lidar com outros protagonistas que pululam nos oitavos desta Champions a coisa tornar-se-ia negra. O Basileia, aliás, foi uma desilusão completa. Depois da fase de grupos meritória, com bons desempenhos, a produção demonstrada ontem roçou o ridículo. Há mérito do Porto, principalmente em virtude da capacidade de manter a bola (destaque óbvio para o Óliver e para o Jackson, neste caso) e da maior capacidade de pressão em zonas adiantadas evidenciada ultimamente - um sinal da evolução do modelo do Lopetegui, mas o demérito dos suíços é por demais evidente. Fora o Porto mais afoito, criativo e eficaz no ataque e a eliminatória já estaria resolvida. De resto, o árbitro foi caseirinho e saímos novamente prejudicados (não chega a nível interno, também temos de sofrer lá fora com os homens de preto?). Algumas notas individuais: o Brahimi está em clara baixa de forma; parece-me físico, o que inviabiliza os desequilíbrios que outrora saíam com facilidade. O Tello voltou a perder bolas despropositadamente e a não conseguir fazer a diferença no último terço (na brincadeira, entre amigos, já se diz que ele só consegue metê-las lá dentro quando está em fora-de-jogo). Em contraponto, o Quaresma, em meia-dúzia de lances mostrou como se domina uma bola sem ir para fora ou para o adversário, endossando-a jogável (vide lance do penálti). O Herrera fez um mau jogo: perdeu várias bolas por demorar a decidir o que lhes fazer e não apareceu como lhe é característico no interior da área ou no apoio ao Jackson. O Casemiro voltou a dar pau de criar bicho e continua sem controlar devidamente a sua esfera de acção; a aculturação àquela posição não está a correr nada bem e continuo a achar que o Rúben Neves ou o Campaña podiam ser melhor solução (prevalece aqui o lado físico do jogo para o Lopetegui, a meu ver erradamente). A dupla de centrais tem-se exibido em bom nível e neste momento o Marcano é titularíssimo (o Indi terá de aproveitar a primeira paragem cerebral do Maicon para voltar à titularidade, caso contrário terá vida difícil). O Alex Sandro continua oscilante: tanto faz uma finta incrível como a seguir compromete defensivamente - a regularidade do Danilo é um exemplo a seguir. Enfim, temos o apuramento bem encaminhado e mantendo-se a postura das equipas o Basileia sai daqui com o saco cheio.

DC disse...

Se repara em tanta coisa também já deve ter reparado que não comento nada do que o João diz e que me estou positivamente borrifando para a sua opinião.

José Correia disse...

João disse:
"...boa parte das expulsões foram evitadas quando se evitaram os primeiros amarelos tanta vez"

Sem dúvida.
Aliás, a principal crítica que faço ao senhor Mark Clattenburg, foi ter permitido aos jogadores do FC Basel jogarem numa toada intimidatória e, a alguns deles, a jogarem no limite da agressão física.

José Correia disse...

DC disse:
"... normalmente a culpa do fora-de-jogo é da temporização do passe e não do jogador que se desmarca"

Depende.
No caso das três situações do jogo de ontem, em que o Tello foi apanhado em posição de fora-de-jogo, o DC acha que o Tello fez tudo bem e que culpa foi da temporização de quem fez os passes?

José Correia disse...

DC disse:
"se o Herrera é forte na reacção à perda explique-me o que aconteceu no golo do Basel sff"

Vamos admitir que, nesse lance, o Herrera não pressionou, como devia/podia o jogador do Basel que fez o passe.
É a partir daí (de um lance), que o DC conclui que o Herrera não pressiona os jogadores adversários?

O DC e o JON dizem, e eu estou de acordo, que este FC Porto de Lopetegui foi (é) muito forte na reacção à perda de bola.

Ora, se o FC Porto é muito forte na reacção à perda de bola é porque tem essas dinâmicas bem trabalhadas e jogadores que as interpretam correctamente.

E o que eu pergunto é muito simples: um jogador com as características do Herrera, tem sido, ou não, uma peça importante, no facto do FC Porto ser muito forte na reacção à perda de bola?

José Correia disse...

JON disse:
"...acho é que ele é muito limitado a executar e a ler o jogo"

Jogando na posição em que joga, se o Herrera é "muito limitado a executar e a ler o jogo", como é que, esta época, já conseguiu fazer 6 assistências e marcar 6 golos?

José Correia disse...

JON disse:
"Evandro tem entrado sempre bem. Acho que merecia mais minutos e dava outras soluções ao nosso jogo"

Eu também gosto do Evandro.
E, porque defende mais e é muito mais intenso do que o Quintero, estou certo que será ele a substituir Óliver nos próximos jogos.

José Correia disse...

JON disse:
"Se até Quaresma e Tello pressionam..."

O Quaresma sim, está muito melhor neste aspecto, mas o Tello?!

O Tello até tem medo de meter o pé nas bolas divididas.

a pessoa disse...

Continuamos a confundir coisas. Ser "intenso" como se gosta de chamar agora para mim é ocupar bem e rápido os espaços. Como faz por exemplo Óliver, como fazia por exemplo Lucho. Inteligência, leitura, não porrada, carrinhos, fazer faltas...

Não é por "não meter o pé" que Tello não é acima da média a ocupar os espaços certos, isso para mim é muito mais importante que fazer carrinhos parvos ou correr a bolas que se vê à partida que vão sair, embora o povo goste é disso...

JON

a pessoa disse...

E o José que não viesse com as estatísticas... Esses números para mim valem muito, muito pouco. O que conta é o que eu vejo. Não faço ideia dos golos e assistências de Òliver, porventura serão menores ou idênticos aos de Herrera. Alguém ousa dizer que Óliver não é muito melhor que Herrera a excutar e ler o jogo?

PS: exemplo de que Herrera lê mal o jogo e não é "intenso" é o lance do golo do Basel. Ficou a ser agressivo com o Frei com os olhos e deixou-o fazer o lançamento longo com toda a calma do mundo. Esse tipo de jogo do Herrera é o seu habitual...

PS2: as pessoas só vêem o óbvio e continuam a achar que o jogo é uma mera soma de despiques individuais... o Sandro é que falhou no golo do Porto? Porquê? porque foi batido em velocidade pelo Derlis? E? Há-de sempre aparecer um gajo que nos ganhe um despique individual... Mas se a equipa estiver pronta para isso, o impacto seria nulo. Bastava que 1) Herrera atacasse o Frei, limitando o passe, fazendo contenção; 2) Marcano não se deixasse ir no êngodo do ponta-de-lança e ficasse na sua posição, não abrindo uma auto-estrada para o extremo entrar. Isso seria uma leitura colectiva do jogo por parte de Marcano e Herrera... Resposta colectiva, não individual!

Mas eu sou um anti do raio, já sei...

JON

Antonio disse...

JON é evidente que o golo é um erro colectivo. O Herrera não pressiona, o Oliver está no outro corredor quase (compreende-se, porque salvo erro num lance anterior a bola circula lateral+central e vira para o corredor oposto e o lateral fica sem oposição e com espaço para progredir), o Marcano acompanha o Ponta de Lança (não é necessariamente mau, dada a qualidade entre linhas do Basileia e a velocidade dos extremos, mas não foi propriamente uma ideia brilhante, a não ser que Maicon ajuste. Mas se o Maicon ajusta, o espaço entre ele e o lateral como fica? E o Danilo controla sempre mal a largura :S), o Alex Sandro perde o duelo, e o Fabiano também não sai muito bem.

Ser intenso não é só ocupar bem os espaços, é cumprir bem as ações colectivas. O Herrera, por norma, cumpre bem as ações colectivas. Pode falhar na decisão e na execução bastantes vezes (e olha que nem falha assim tanto, está muito melhor a nível do passe, basta comparar), mas cumpre. O Herrera é indispensável a nível de espaço. Basta estar atento aos jogos, ver as ações colectivas tipo do Porto, a evolução que vem tendo o modelo, e percebe-se que sim, o Herrera não é assim tão mau. E eu gosto do Evandro e do Quintero, mas atm não trocava por Herrera.

Não é a questão de ver o óbvio, tu vês que o Herrera não pressiona no lance e vês bem, eu vejo que o Alex Sandro não ganha um duelo individual em velocidade. Que eu saiba, duelos individuais fazem parte do futebol.

António Teixeira

Antonio disse...

Revendo o golo, o maior erro para além do Herrera é claramente do Alex Sandro. Vê o posicionamento dos centrais, o Maicon fez linha e bem com o Marcano, o Alex Sandro faz o movimento inverso. Do género (não tão mau) quanto o do jefferson hoje. Repara que há vários posicionamentos deficientes no golo. O Oliver não está muito bem, possivelmente tem a referência para pressing zone do outro pivot, mas não corta nenhum apoio (se o Frei toca no gajo que marcou o golo logo, fica igualdade numérica para o Basel e é igualmente um lance perigosissimo). Não é um erro tão grave quanto os outros dois, mas é erro. Mais, o Marcano está bem imho. E não esquecer que esse lance surge depois de alguns momentos em que o Basileia circulou entre o corredor central na primeira fase e o corredor lateral com penetração pelo lateral.

imbictopoema disse...

Não há mão que dê vazão
A tanta comichão.

Se justo ao justos parece
É porque mais do que isso merece...



https://imbictopoema.wordpress.com/

Carrela disse...

João19 de fevereiro de 2015 às 11:16

Finalmente alguém viu o mesmo jogo que eu!

Quando um Wrexham ou um 5º classificado da Liga Portuguesa arrumar o Liverpool e bater o pé ao Super Real, avisem.

=====================================

Alguém ponderado e realista! Parabéns.



Realmente, verem um jogo e definirem logo que não há jogaodres com valor...

Quem viu o Porto-Benfica, que porcaria de jogador do Benfica teve qualidade?
Quem viu o Sporting-Benfica, que porcaria de jogador do Benfica teve qualidade?

Avaliar uma equipa e todos os seus jogadores por um jogo... enfim!

Mérito do Porto!
Vá lá que o Capitão deles disse o que disse (Frei). Certamente que é um desgraçado que não percebe nada da sua profissão.

Alberto Silva disse...

Dos nossos 3 centrais ( maicon, Indi e marcano) o Maicon até pode ser o menos cotado, mas pode ser um contrassenso mas na minha opinião é o UNICO titular de caras dos 3...A dupla Maicon/marcano ou Maicon/Indi será sempre melhor que Marcano/Indi...

José Correia disse...

JON disse:
«Não é por "não meter o pé" que Tello não é acima da média a ocupar os espaços certos»

O JON acha mesmo que, na transição defensiva, o Tello é acima da média a ocupar bem e rápido os espaços certos?!!

José Correia disse...

JON disse:
"E o José que não viesse com as estatísticas... Esses números para mim valem muito, muito pouco. O que conta é o que eu vejo."

Não se trata de estatísticas, mas de factos.

Não sendo um dos habituais marcadores de cantos e livres e jogando na posição em que joga, se o Herrera é "muito limitado a executar e a ler o jogo", como é que o JON explica o facto de, esta época, o Herrera já ter conseguido fazer 6 assistências e marcar 6 golos?

Às tantas, o Herrera andava meio perdido em campo, tropeçou na bola e, por mero acaso, fez 6 assistências e marcou 6 golos.
Terá sido isso?

JON disse...

Se o universo for Quaresma, Brahimi e Ricardo, acho.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Carrela,

Eu não sei quem mais disse isso em relação aos jogadores do Basel. Eu sei que o disse. E também sei que vi do Basel este ano cinco jogos completos. E nas últimas temporadas - com outros treinadores e plantel - vi um total de 15 jogos do Basel espalhados por quatro anos.

É uma pena dizer as coisas desde o desconhecimento!

DC disse...

Fosse só um lance e estava eu feliz da vida. O problema é que até eu aqui já apontei vários. Mas quando exemplifico dizem sempre que imagens paradas não valem e que sou anti e por aí fora... Já perdi tempo a tentar explicar, não vou perder mais.

DC disse...

Salvo erro há um deles em que podia ter dado um passo atrás. Nos outros a culpa foi do passe, para mim.