quinta-feira, 5 de março de 2015

Investimento em “passes” de jogadores

Desde Agosto do ano passado, a comunicação social lisboeta vem insistindo na ideia que, para esta época, o FC Porto investiu como nunca em jogadores, enquanto que o SL Benfica tinha desinvestido ou, numa versão mais benigna da propaganda encarnada, investido pouquinho.

Qual é a realidade?

De acordo com o Relatório e Contas Consolidado apresentado pela FC Porto SAD, referente ao 1º Semestre do Exercício 2014/2015, os custos com as aquisições realizadas no período de seis meses findo em 31 de Dezembro de 2014, foram os seguintes:

Fonte: Relatório e Contas Consolidado da FC Porto SAD, 1º Semestre 2014/2015

(*) A rubrica “Encargos adicionais” refere-se a gastos relacionados com as aquisições de direitos económicos, nomeadamente encargos com serviços de intermediação, serviços legais, prémios de assinatura de contratos, entre outros custos relacionados com a aquisição de direitos económicos.

De acordo com o quadro anterior, e tendo em consideração os planos de recebimentos e pagamentos estipulados (o denominado Efeito da actualização financeira), a FC Porto SAD investiu 45.8 M euros na compra e/ou recompra de percentagens de “passes” (direitos desportivos e económicos) de jogadores.

Na realidade, no período em causa, a FC Porto SAD investiu 40.8 M euros porque, a 23 de Julho de 2014, celebrou com a Doyen Sports Investments Limited um contrato, tendo em vista a cedência de parte dos direitos económicos do jogador Brahimi (80%), pelo montante de 5.000.000 Euros.

Nota: Este contrato prevê opções de recompra, por parte da FC Porto SAD, de até 55% dos direitos económicos até Junho de 2017 e opções de venda, de até 80% dos direitos económicos por parte da Doyen, até Setembro de 2017.

E se descontarmos a compra dos restantes 50% dos direitos económicos de Quintero (a FC Porto SAD passou a deter 100% do “Passe”), então conclui-se que o investimento em percentagens de “passes” de novos jogadores foi de 36.3 M euros.

E o SLB?

De acordo com o Relatório e Contas Consolidado que foi apresentado, durante o 1º Semestre do Exercício 2014/2015, “a Benfica SAD efectuou diversos investimentos na aquisição de direitos desportivos de atletas, num valor global que ascendeu a 29,8 milhões de euros”, sendo que este valor inclui “encargos com prémios de assinatura pagos aos atletas e encargos com serviços prestados por intermediários, assim como os efeitos da actualização financeira”.

36.3 M euros versus 29.8 M euros. É assim tão grande a diferença, para se dizer que uns (FC Porto) investiram como nunca e outros (SL Benfica) investiram pouquinho?

E quanto é que a Benfica SAD gastou na compra, ou recompra, de direitos económicos de atletas com os quais já tinha contrato?

Mais uma vez, de acordo com o Relatório e Contas apresentado pelo SLB:

«O Benfica Stars Fund foi liquidado neste semestre, tendo a Benfica SAD previamente adquirido a totalidade das Unidades de Participação (“UP’s”) do mesmo, recuperando desta forma os direitos económicos dos atletas que ainda eram detidos por esse Fundo. Tendo em consideração que o Benfica Stars Fund iria terminar a sua actividade a 30 de Setembro do corrente ano, e que o referido fecho implicaria a distribuição de parte dos direitos económicos dos atletas detidos pelo Fundo a entidades terceiras, existia um interesse estratégico por parte da Sociedade em recuperar os referidos direitos económicos, de forma a evitar a sua dispersão. Desta forma, a aquisição das 85% das UP’s do Benfica Stars Fund que a Benfica SAD não detinha representaram um investimento global de 28,9 milhões de euros

Ou seja, no 1º Semestre 2014/2015, somando o investimento em “passes” de novos jogadores, com o investimento na (re)compra de direitos económicos de atletas que já lhe pertenciam, conclui-se que a Benfica SAD investiu um total de 58.7 M euros!

Em resumo:
Investimento em “passes” de novos jogadores:
FC Porto: 36.3 M euros
SL Benfica: 29.8 M euros

Investimento total em “passes” de novos jogadores + (re)compra de direitos económicos:
FC Porto: 40.8 M euros
SL Benfica: 58.7 M euros

Esta é a realidade dos factos (números).

Lamentavelmente, e apesar destes números fazerem parte dos relatórios oficiais de ambas as SAD’s, a maior parte da comunicação social continua a insistir nas teses propagandísticas iniciais, sabe-se lá com que objectivo.

13 comentários:

José Rodrigues disse...

Quando se fala em "investimento no plantel" isso vê-se no investimento em passes mas também no investimento em salários. Falta abordar essa 2a parte no artigo antes de se poderem tirar quaisquer ilações.

José Correia disse...

Concerteza.

Relativamente à componente de investimento em percentagens de "passes" (direitos económicos) de jogadores, os números que eu coloquei no artigo foram extraídos dos R&C das SAD's do FC Porto e SL Benfica.

E o que é que estes números demonstram?
Demonstram que, em termos de investimento em “passes” de novos jogadores + (re)compra de direitos económicos de jogadores que já tinham contrato com os clubes, o FC Porto gastou muito menos do que o SL Benfica.

Nainho disse...

Mas no 11 titular.. tem 4... que não nos pertencem...Casemiro Olivier Tello E Brahimi..

santosanonymus disse...

É uma análise interessante mas penso que faltou levar em conta que o fundo foi comprado com cerca de 20M€ em valores líquidos, ou seja, no R&C apareceu um prejuízo de certa de 6M€ com essa transacção. Não é exactamente igual a investir num jogador que tanto pode vir a valer 30M€ como sair a custo 0.

Cumprimentos

Carlos disse...

Correcto, mas não esquecer que a mensagem que foi passada na comunicação social foi de que o nosso investimento com a aquisição era muito superior ao do nosso adversário.

Os dados aqui apresentados são comparáveis e permitem desmistificar essa 'mensagem'.

Obviamente também é do nosso interesse considerar os custos salariais.
Tenho curiosidade em saber qual o custo para o Porto nos empréstimos de Casemiro e Tello, ambos certamente com salários ao nível da La Liga.

Presumo que estejam abaixo do Jackson e que ele represente o teto salarial do plantel mas gostava de ter mais informação.

José Correia disse...

A FC Porto SAD detém 20% dos direitos económicos do Brahimi e tem opção de recompra (presumo que com preço fixado) de até 55% dos direitos económicos, a qual poderá exercer quando quiser, até Junho de 2017.
Ou seja, em qualquer altura (até Junho de 2017), a FC Porto SAD poderá ficar detentora de 75% do "passe" do Brahimi.

José Correia disse...

Está a fazer confusão, entre aquilo que foi o valor da venda (do SLB ao Fundo) e da recompra por parte do SLB.

O que é dito no R&C, de uma forma muito clara, é que "a aquisição das 85% das UP’s do Benfica Stars Fund que a Benfica SAD não detinha representaram um investimento global de 28,9 milhões de euros".

Nainho disse...

Falta saber o preço da recompra ... o fundo nunca tem prejuizo....

José Correia disse...

Para ficar ainda mais claro.

Ao longo de Exercícios anteriores, a SLB vendeu ao Benfica Stars Fund, por determinados valores, percentagens dos "passes" (direitos económicos) de diversos jogadores, tendo recebido esses valores e contabilizado os mesmos em anteriores Exercícios.

Agora (leia-se, no 1º Semestre do Exercício 2014/2015), o que o SLB fez, foi recomprar ao Benfica Stars Fund, por 28,9 milhões de euros, as percentagens dos "passes" que tinha vendido.

José Correia disse...

Já agora, sendo o Benfica Stars Fund uma participada da Benfica SAD, a sua liquidação durante este Exercício (2014/2015) provocou um prejuízo de 5.9M euros.

«As perdas em empresas participadas corresponde essencialmente ao impacto da liquidação do Benfica Stars Fund, que ascendeu a 5.893 milhares de euros»
in R&C da Benfica SAD

santosanonymus disse...

Tem toda a razão quando afirma que o valor pago pelo fundo foram 28,9 milhões de euros, apenas referi que dentro do fundo estavam contidas todas as mais valias (e prejuízos) criados ao longo dos anos, os tais 20M€ líquidos, como se pode constatar através do que foi comunicado à CMVM:

O fundo tinha no final de Julho um valor líquido de "26.783.737 euros, o qual inclui diversos activos e passivos, cujo montante líquido equivale a 21.704.300 euros [o dinheiro "vivo" que mencionei], e ainda a carteira de jogadores valorizada em 5.079.437 euros", informa a SAD.

Portanto presumo que o valor pago pelas percentagens de passes que continuavam no fundo rondou os 5M€. Mas isto é apenas uma observação, pois o valor total pago pelo fundo é de facto 28,9M€.

meirelesportuense disse...

Segundo o Jornal O Público, o Benfica e o Sporting receberam desde 1990, 88,5 e 47,9 milhões de Euros respectivamente, em apoios da Câmara de Lisboa!...
O Sporting sente-se negativamente descriminado e juntamente com o Belenenses, exigem o seu equilibrado quinhão no bolo Camarário...

Quid disse...

A 'estória' dos 11 milhões do Adrian Lopez é só para efeitos de contabilidade. Porque na verdade, na realidade nunca que o FCP pagou esse valor, nunca que esse dinheiro saiu dos cofres do FCP.

O jogador foi avaliado - valor de mercado - em cerca de 20 milhões e assim chegou-se aos 11 milhões para 60%. Mas, foi para se fazer um encontro de contas para diluir saldos antigos, anteriores nas vendas de Falcão, Ruben Micael, Cebola e até no dinheiro a receber a mando da FIFA e do TAS pela deserção do trinco Paulo Assunção.

Mas, sim, tem toda a razão quando diz que a Com. Social avençada e de cócoras do Mar da Palha mente com os dentes todos quando faz constra embusteiramente que o FCP foi o clube que mais investiu.

É mentira. E uma mentira mesmo que repetida mil vezes não se torna verdade.

Por ex., o FCP, por apenas 1,5 milhões que gastou com o Bhraimi já tirou muito rendimento dele. Logo, não investiu, pode é não vir a ganhar dinheiro com ele no futuro, mas que a nível desportivo já tirou rendimento dele, tirou.

Agora comparem lá com os milhões gastos com os Cristantes, Samaris, olá Johns..