terça-feira, 10 de março de 2015

Isto é um espectáculo!


Absolutamente espectacular.
Uma exibição de gala em todos os sentidos selou de forma histórica o apuramento para os Quartos de Final da Champions League. Toda a superioridade que se viu em Basileia traduziu-se em golos. Foram quatro. Podiam ter sido mais. Mereciam ter sido mais. Numa competição séria onde os jogadores recebem cartões quando devem ver e os penalties são marcados quando deve ser, esta podía ter sido uma noite europeia histórica. Ficaram dois penalties por marcar, ficaram duas expulsões por assinalar na equipa suíça mas nem isso impediu o Porto de dar um show de bola em toda a regra. São 20 golos já apontados, um recorde que iguala os números de 2003/04. A diferença? Cinco jogos menos.


Foram quatro bombas, quatro disparos sem piedade, ao estilo do melhor pistoleiro do farwest. Quatro golos que podiam perfeitamente ganhar o prémio de golo da ronda. Cada qual o melhor. Dois livres perfeitos e diferentes - um disparo tenso ao ângulo e uma bomba tomahawk à distância - um remate colocado de Herrera depois de uma jogada de Brahimi - MVP absoluto da festa azul e branca - e um sprint com slalom à mistura de Aboubakar com direito a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Inverno foi o bónus que os adeptos que estiveram no Dragão receberam.
Os golos foram a expressão da superioridade. Se as bolas pareciam não entrar no St. Jakobs debaixo do céu da Invicta não se fizeram de rogar. Foi cedo evidente que a eliminatória estava emocionalmente resolvida. O Porto entrou como era necessário, com autoridade mas com a calma de quem se sabe superior e está preparado para manejar os tempos de jogo. O Basel veio defender e procurar nas bolas paradas e nos contra-ataques o seu milagre. Nada de novo. Desta vez tiveram ainda menos oportunidades e quando apareceram cruzaram-se com um Fabiano a grande nível. Não falhou e apenas ficou ligado ao jogo pelo momento de infortúnio absoluto. O golpe do guarda-redes com Danilo deixou-nos a todo com o coração nas mãos. Temeu-se o pior e o brasileiro só recuperou a consciência na ambulância. Não se sabe ainda o que vai passar com o lateral mas tal como a ausência de Jackson Martínez e Oliver Torres - os três pivots, com Brahimi - da temporada, o jogo do colectivo foi tal que passou ao lado a sua baixa. Mérito de Lopetegui que conseguiu montar um conjunto equilibrado que potencia as individualidades mas que rema na mesma direcção e que por isso sobrevive a baixas individuais de grandíssimo calibre. Não é nada fácil.


O Porto foi melhor em todas as vertentes do jogo.
Teve mais vezes a bola, um acerto de passes na casa dos 80%, uma recuperação à perda imaculada e um acerto pouco habitual para este nível da competição frente à baliza. Um jogo de sonho.
Não há muito a dizer de negativo. O amarelo a Marcano - que está imenso no seu trabalho como coordenador da linha defensiva - vai impedi-lo de jogar a primeira mão dos Quartos de Final. Uma baixa de peso. Foi o único cartão para os Dragões enquanto que os suíços podem agradecer a poupança de um árbitro nefasto que engoliu duas grandes penalidades e duas expulsões bem como vários amarelos. O primeiro que ficou por marcar podia perfeitamente o de Samuel que provocou a falta sobre Tello no lance que permitiu a Brahimi abrir a contagem. Foi um lance exemplar. Um ataque com perda de bola recuperada imediatamente por Casemiro - hoje um grande jogo do brasileiro - que lançou o ataque onde Tello encontrou espaço para isolar-se frente á baliza. Sofreu falta e daí Brahimi - a la Deco - abriu o livro. Ia ser, de novo, a sua noite no que foi talvez o seu melhor jogo desde que foi para a CAN. O segundo tento também é todo seu, um baile demoníaco pela direita quando já Indi jogava como lateral e Alex Sandro ocupava o posto de Danilo. A bola chegou a Herrera que disparou colocado, ao ângulo. Levantou o estádio. O mal-amado mexicano esteve, como todos, a um nivel muito bom. O golo foi merecido. Como o de Casemiro. Fisicamente imponente, hoje controlou bem o meio-campo tanto recuperando como organizando, conectando bem com Evandro, que tem feito esquecer agradavelmente a importante baixa de Oliver. Entre os dois engoliram os suíços, fossem eles queijo ou chocolate. Cada um que escolha. O seu livre - daqueles que Cristiano Ronaldo não marca há largos meses mas de que reclama patente - vai correr mundo e alguém em Madrid já se queixa do erro de casting que foi tê-lo emprestado. Foi o 3-0, um resultado justo e contundente mas faltava algo especial. Durante todo o jogo o trabalho físico e táctico de Aboubakar foi tremendo. Não é fácil ocupar um lugar que está perfeitamente desenhado para Jackson Martínez. Mas o camaronês conseguiu-o e quando encontrou a bola, em velocidade, foi dançando sobre os defesas contrários até encher o pé e reventar as redes. Um grande, grande golo que dá confiança á equipa. Não está o "Cha Cha Cha" mas Vincent parece determinado em ganhar o seu lugar para a próxima época.


Numa noite europeia única - nunca o FC Porto tinha marcado 4 golos numa ronda a eliminar da Champions League - o apuramento para os quartos foi carimbado com um golpe de autoridade que vai pôr a Europa em sentido. Meia imprensa já nos trata como o novo Dortmund ou Atlético mas sabemos que é preciso ir com calma e que o objectivo está cumprido. Tudo o que vier agora é para desfrutar e agradecer. Num ano em que o campeonato nacional está mais viciado do que nunca esteve nas últimas décadas e que mesmo ganhando na Luz já se sabe que alguém será expulso no jogo a seguir para garantir que tudo está bem, esta é a vara de medir única que tem a equipa. E não há que enganar. A equipa está num estado de forma física tremenda, os conceitos tácticos implementados por Lopetegui estão a dar os seus frutos e a continuidade é o primeiro passo para o êxito. Faltam muitos detalhes por trabalhar e todos sabemos que uma noite tão eficaz assim é difícil de se repetir mas que tenha existido já prova do que somos capazes quando estamos ao nosso melhor. O Dragão hoje pode dormir tranquilo. A chama está bem viva!

46 comentários:

a pessoa disse...

Totalmente de acordo, Miguel.

PS: Grande jogo do Herrera. ahah

JON

José Lopes disse...

Magnifico, Miguel! Parabens pelo texto!

rbn disse...

Sobre o espetáculo, nada a acrescentar, foi uma tarde-noite quase perfeita, onde fica difícil apontar quem foi o melhor do time, com a excessão do choque entre Danilo e Fabiano.

Na hora eu pensei que Fabiano devia sair logo do jogo, por causa de algum "trauma" ou "abalo psicológico" que pudesse afetar o seu desempenho, mas esteve muito bem até ao fim...

Alex na lateral direita jogou uma barbaridade, tal como Indi na esquerda.A dupla de zaga seguríssima e sem abébias...voto em Alex, embora com muita pena de não votar em Indi...

Casemiro perfeito a defender, distribuir jogo e atacar... Herrera idem e Evandro foi o "carregador de piano", que não apareceu muito pro público mas que foi o pêndulo da equipe roubando bolas e "segurando o jogo" quando necessário...voto em Casemiro...

A parte atacante funcionou perfeitamente como coletivo, onde ninguém abusou das jogadas individuais, e quando o fez, foi sempre em benefício da equipe...voto em Brahimi que desbloqueou o jogo...

Agora quem quiser que "desempate" o MVP entre Brahimi, Casemiro e Alex:-)

E pra terminar, como é que o Basiléia terminou os 90 minutos dos dois jogos com 11 jogadores???

Muitos basiléios bateram no 1º jogo e hoje, mas Samuel é o melhor exemplo...bateu à vontade no 1º jogo, onde além de bater à vontade, fez dois penaltys escandalosos e só levou amarelo no 2º que cometeu e saiu de campo sem um vermelho...hoje a mesma coisa, devia ter visto amarelo logo no início na falta que originou o 1º golo, mas só levou depois, e apenas nos descontos aos 91, finalmente foi expulso de campo...e por duplo amarelo...Samuel não devia ter jogado hoje porque devia ter ido pra rua no jogo anterior...

E pensar que Marcano sem cometer uma única falta em todo o jogo, levou amarelo por defender um colega que sofreu( mais ) uma das muitas faltas cometidas pelos suíços, tá fora do 1º jogo dos 4ºs...não é incrível???

Antonio Costa disse...

São 21 golos e não 20 (fora os 3 da pré-eliminatória).
Já ultrapassamos o recorde de 2003/4.

Um abraço portista.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Exacto, fiquei com isso na cabeça ANTES do golão do Aboubakar!

José Lopes disse...

So acrescento que acompanhei o jogo atraves de uma transmissao suica (resido agora no Canada, vejo os jogos por streaming) e, tal como sempre acontece com transmissoes inglesas ou latino-americanas, e' um prazer ouvir os elogios que fazem ao Porto, a qualidade individual, mas sobretudo a qualidade colectiva a defender e as hipoteses nesta Champions.

miguel.ca disse...

Num post anterior alguém dizia que Lopetegui aprendeu. Aprendeu o que são as dinâmicas do FCPorto, aprendeu o que é o futebol Português, aprendeu que a estabilidade só se consegue montando um 11 base e só depois as suas variantes.
Para mim, peca um pouco por tardio no sentido de que demoramos demasiado tempo a atingir um patamar de futebol agradável, constante, fluido e consistente e embora compreenda perfeitamente o facto de termos um treinador novo, meia equipa nova e uma média de idades muito baixa, acho que não nos devemos esquecer que o futebol hoje em dia tem outra dimensão, tem outros níveis de exigencia, competitividade e necessidade de de resposta objectiva que infelizmente não se compatibiliza muito com prazos alargados de formatação e afinação das equipas e é inegável que as fragilidades e falhas demonstradas pela equipa nos primeiros meses desta época foram a pólvora que fez detonar o andor vergonhoso que empurra o SLB para o título jornada após jornada.
Mas quero deixar claro de que fico tremendamente feliz pelo trabalho e pelos resultados desse mesmo trabalho que Lopetegui tem vindo a desenvolver e que vem fazendo aos poucos renascer a esperança de que afinal a aposta foi acertada e que possivelmente, para a próxima época vamos de novo ter um FCPorto forte, dominador e acima de tudo, vencedor. Grande jogo hoje, grande alegria.

Louro disse...

Foi acima de tudo uma noite de golos mágicos para elevar o ego de qualquer portista.
Para aqueles que insistem nas criticas ao Herrera e ao treinador ( flopetegui para alguns), desculpem lá este feito!
Se nos deixarem podemos ir longe, o Real Madrid está em queda , mas há outros tubarões; já agora, só o Porto e o Chelsea é que ainda não perderam nesta edição da Champions!
Duas notas, uma para o Evandro que desde que agarrou a titularidade , tem dado uma maior consistência e dimensão ao nosso meio campo e para o Casimiro que tem vindo a crescer jogo após jogo!
Internamente não deposito grandes esperanças porque as regras são mesmo diferentes - vamos ver se o Braga vai acabar com 11...

José Correia disse...

Depois deste jogo entusiasmante;
depois de ver a forma com esta equipa tem superado as adversidades (Óliver, Jackson, Danilo);
depois deste artigo poético do Miguel;
só me apetece dizer:
DEIXEM-ME SONHAR!

Louro disse...

Este ano , os 1\4 finais disputam-se mais tarde. É pena porque, vamos disputar a 2ª mão alguns dias antes do jogo com a mouraria, significa que vamos estar mais desgastados!

Luís Vieira disse...

Parabéns Miguel. Se tantas vezes estamos em desacordo, desta feita não há nada a apontar. Foi mesmo isso: um espectáculo. Venho do Dragão satisfeitíssimo por uma exibição colectiva de grande nível. A equipa funciona como um bloco. Do ponto de vista defensivo está exemplar: muito bem na pressão, já em zonas adiantadas, e excelente na transição/recuperação. Os jogadores percebem bem quais os espaços que têm de ocupar e as substituições não influem nos posicionamentos relativos: é um modelo a funcionar, sem dúvida. Com bola, estamos mais acutilantes, com mais variabilidade de soluções. Não temos um unanimismo de variações de flanco, vemos, antes, mais jogo interior, passes de ruptura para as diagonais do Tello e do Brahimi, solicitação do ponta-de-lança, que se envolve mais na criação de jogo, baixando, para abrir espaços nas costas. Enfim, é uma equipa mais completa que atravessa o melhor momento de forma da época, sendo que na Champions se apresenta a um nível altíssimo, muito motivada. A fraca oposição do Basileia também ajudou (como disse o Paulo Sousa "muito inferiores individual e colectivamente"), mas não há dúvida de que o Porto tem muito mérito nos mais recentes resultados, com um responsável óbvio, para além dos jogadores: Lopetegui. Tiro-lhe o chapéu e faço-lhe a devida vénia. Individualmente: Fabiano - calcanhar de Aquiles da equipa; muito bem entre os postes, pouco expedito e intranquilo fora deles (os defeitos e as virtudes do costume); na Champions perde-se e ganha-se por detalhes e o Fabiano pode comprometer quando subir a exigência. Danilo - de lamentar a lesão precoce de um dos melhores jogadores da equipa, espero que não seja nada de grave. Maicon - a dupla com Marcano fez-lhe bem; mais sereno, menos complicativo, em bom estilo. Marcano - um patrão; surpreende-me a cada jogo, é Marcano e mais 10. Alex Sandro - bem à esquerda, bem à direita; está de volta o craque brasileiro. Casemiro - fantástica exibição; excelente quer a destruir, quer a construir (muito acerto no passe), para além de um grande golo. Herrera - outra grande exibição; é um dínamo naquele meio-campo, recupera, assiste, marca; e para os haters até já mete cuecas de sola! Evandro - excelente a pautar o jogo no meio-campo; é dificílimo tirar-lhe a bola, o Óliver que se cuide (vide Indi/Marcano). Tello - sem deslumbrar, esteve muito competente em quase todas as intervenções no jogo, prolongando o bom momento. Brahimi - de volta às grandes exibições, criou muitos desequilíbrios, marcou, enfim, voltou ao nível evidenciado no 1º semestre. Aboubakar - ainda a anos-luz do Jackson nos detalhes, mas bem naquilo que é forte: explorar a profundidade e remate pronto - grande golo, por sinal. O Indi, o Rúben Neves e o Quaresma entraram bem, contribuindo para a boa exibição. O árbitro esteve na linha de Basileia, fraquinho, fraquinho, mas sem consequências de maior (excepto a perda do Marcano). Siga para os quartos, finalmente (já tinha saudades)!. Com um bom sorteio, podemos ir longe.

José Lopes disse...

"La única duda que queda por resolver es el nivel de este Oporto ante un primer espada en Europa. Pero, hasta entonces, los de Lopetegui se han ganado su licencia para soñar."

Tirado da cronica da Marca sobre o Porto-Basileia.

Luís Vieira disse...

José, bem pode sonhar. Se se confirmar o apuramento do Mónaco e do Leverkusen, são equipas perfeitamente ao nosso alcance. A evitar, nesta fase, sempre com base em hipóteses, claro, só o Barcelona e o Bayern. O Chelsea também não é flor que se cheire. O Real a defender é uma casa a arder, como se viu hoje. Há muito por onde furar rumo às meias, basta uma pontinha de sorte no sorteio!

José Correia disse...

Luís, o AS Monaco, tal como o FC Porto, tem vindo a melhorar e a crescer como equipa ao longo da época e, nesta altura, é uma equipa nada fácil de derrotar.

Barça, Bayern e Chelsea são equipas de super top e, nesta altura, são líderes dos três campeonatos mais fortes da Europa.

Quanto ao Real, relembro que os quartos-de-final são daqui a 5 semanas. Daqui a 5 semanas que Real iremos ter? Se for a equipa que vimos entre Outubro e Dezembro passado é, "apenas", a melhor equipa da Europa.

João disse...

Nada a dizer depois de um jogo destes, simplesmente que o Fabiano no estádio não me pareceu nem de longe nem de perto tão seguro quanto já fui tendo a oportunidade de ler (há um corte para canto na 2ª parte que nem sequer se percebe muito bem) e uma dúvida: o Ricardo está condicionado por algum motivo? Se não, não percebo muito bem a ideia de levar apenas um defesa, central, à ficha de jogo para o banco. A passagem do Alex Sandro para a direita em vez da colocação do Maicon lá com Indi no eixo indicia que, para o treinador, nunca, jamais, em circunstância alguma é para repetir os dois canhotos no centro.

E Marcano fora do 11 para o 1º jogo dos Quartos é a má notícia da noite, porque parece que Danilo vai recuperar rapidamente.

José Correia disse...

"como é que o Basiléia terminou os 90 minutos dos dois jogos com 11 jogadores???"

O árbitro sueco expulsou o super caceteiro Walter Samuel, a 1 minuto do fim do período de descontos...

Jorge Vassalo disse...

Olhe Louro, a esta altura quero lá saber do jogo da mouraria! Se me derem a escolhar entre uns bons quartos e o jogo do benfas... quero o benfas se...

Abraço Azul e Branco,

Jorge Vassalo | Porto Universal

José Correia disse...

"...as fragilidades e falhas demonstradas pela equipa nos primeiros meses desta época foram a pólvora que fez detonar o andor vergonhoso que empurra o SLB para o título"

O andor vergonhoso começou logo na 2ª Jornada, no Bessa, quando foi anulado um golo limpo ao Boavista nos últimos minutos, que teria dado o empate.

José Correia disse...

"Fabiano - calcanhar de Aquiles da equipa; muito bem entre os postes, pouco expedito e intranquilo fora deles (os defeitos e as virtudes do costume); na Champions perde-se e ganha-se por detalhes e o Fabiano pode comprometer quando subir a exigência"

Inteiramente de acordo.

rbn disse...

Pois, se o velho caceteiro argentino, formado na mesma escola do maxi "o emplastro" pereira, foi expulso apenas nos descontos, o Basiléia terminou os 90 minutos dos dois jogos com 11 jogadores...

E olhe que se ele não faz aquela falta estúpida, na cara do bandeirinha, nem era expulso de campo...

Luís Vieira disse...

De acordo José, mas, a confirmar-se o apuramento, é um nome bem apetecível. Defende bem, mas joga pior do que nós. Temos equipa para nos superiorizarmos mais facilmente do que com outros adversários. O Barça e o Bayern são, para mim, as equipas mais fortes da Europa, nesta altura, e os nomes a evitar. O Chelsea é uma máquina competitiva e um Mourinho pragmático e resultadista pode ser a nossa morte certa. Leverkusen e Dortmund também são "simpáticos". Quanto ao Real, é uma equipa de luas: tanto faz exibições fantásticas, triturando os adversários, devido à excelente qualidade individual de que dispõe, como perde estupidamente, com a defesa a meter água por todos os lados. A ter de enfrentar um colosso, prefiro jogar na roleta russa do que levar um banho de regularidade. Mas voltando ao início, é bem lícito sonhar!

DC disse...

Excelente jogo. Evandro e Brahimi fantásticos e Casemiro bem perto. Se querem saber o que é um craque é olhar para Evandro e ver as recepções orientadas, a forma como protege a bola ou o tempo de execução de cada recepção ou passe sempre de forma exemplar. Se calhar agora percebe-se porque andava tanta gente a exigir que jogasse mais. Com ele e Oliver no meio acredito que podemos disputar o jogo em qualquer estádio. E se o Casemiro estabilizar neste nível então, fantástico.
Já o Brahimi nota-se que fisicamente ainda não está no topo de forma mas a inteligência e classe estão lá e hoje fizeram-se notar.

E já agora, parabéns ao Lope por ter percebido que deve lançar o Quaresma nestes jogos resolvidos. É nestes que ele por mais jogadas de circo que faça não consegue prejudicar gravemente a equipa. A jogada em que não passa ao Aboubakar sozinho na área 2x1 com o redes é o melhor exemplo do que é o Quaresma. Já contra o Sporting, 6 bolas que tocou, 6 jogadas que se perderam.

José Correia disse...

O Quaresma entrou aos 79', numa altura (após o 4-0) em que já havia muita descompressão e foram cometidos diversos erros (felizmente, sem consequências).

José Correia disse...

"Com ele e Oliver no meio acredito que podemos disputar o jogo em qualquer estádio"

Tenho muitas dúvidas que o Lopetegui, que tem vindo a demonstrar perceber muito mais de futebol do que alguns pensavam/diziam, faça a vontade ao DC, abdique do Herrera e coloque Óliver e Evandro simultaneamente.

Já agora, sobre o Herrera, ouvi hoje enormes elogios de dois conhecidos benfiquistas: Manuel José e Carlos Daniel.

José Correia disse...

Luís, vamos ver se o Dortmund e o Leverkusen (principalmente este último) se apuram para os quartos-de-final.

Quanto ao Borussia Dortmund, se estiver num dia inspirado e com uma taxa de eficácia aceitável, é uma máquina demolidora.
Ainda recentemente assisti ao Borussia Dortmund x Schalke 04 e pude constatar isso mesmo.

DC disse...

Eu não vou comentar o jogo do Herrera porque estou farto deste assunto. Mas recomendo uma comparação dos atributos que destaquei no Evandro com as execuções e respectivo tempo de execução do Herrera. Cada um tire as suas próprias conclusões.

a pessoa disse...

José, eu já disse ali acima que o Herrera jogou muito bem ontem. Foi o melhor jogo que lhe vi. Mas o Manuel José, esse poço de ódio,... percebe tanto de bola eu de crochet!
JON

Miguel Lourenço Pereira disse...

Foi um grande jogo em traços gerais. Não creio que tivesse havido um elo mais fraco dentro do colectivo mas sim erros habituais no Fabiano, no Herrera, no Quaresma e no Tello.

O trabalho fisico e tactico do Casemiro foi tremendo, o Herrera moveu-se bem e o Evandro foi imenso. Quem diria que podiamos jogar um jogo assim com o Evandro no lugar do Oliver. Uma excelente aquisição que pode ser tão util hoje como foi um Alenitchev há anos atrás.

Silva disse...

Top 10? :)
E li acima alguém dizer que Lopetegui aprendeu, mas demorou demasiado, o burro... Eu acho que o que levou o seu tempo, e muito naturalmente, foi a ensinar...

Miguel Lourenço Pereira disse...

O Fabiano continua a dar problemas de segurança e acho sinceramente que é preciso ter isso em consideração para a próxima época.

O Marcano vai fazer falta mas o Indi entrou confiante, numa posição que conhece, e pode ser que isso o ajude a integrar-se bem. O Alex fez um grande jogo como lateral direito, um grande jogo!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Gosto muito do "Deixem-me sonhar" do José Correia mas não tenho ilusões. Há três clarissimos favoritos, o Chelsea, o Bayern e o Barcelona e seria muito estranho que, pelo menos um deles, não este na final.

Em relação aos outros, e tendo cumprido totalmente os objectivos, toca-nos desfrutar do momento e jogar o jogo pelo jogo, sem pejos e receios e sem medo de ninguém. Nesse cenário qualquer das restantes equipas serve porque têm pontos fracos que podemos aproveitar (e todas pontos fortes que nos podem debilitar). O mais lógico seria pedir um Monaco ou um Leverkusen (se passarem) mas eu quero o Real Madrid. Não tenho a menor dúvida!

Joao Goncalves disse...

No meio disto tudo o que mais me agrada é olhar para a equipa que jogou ontem e ver que é a nossa possivel equipa para o ano que vem e isso é dá-me um orgulho e uma espectativa enorme para o ano que vem.

Assumindo que Danilo, Jackson e Óliver não estarão cá para o ano e que o Porto tem opção de compra por Casemiro e Tello e poderá fazer um esforço para os manter (nem que seja com as saídas de Adrian e Quintero, as quais já estão cobertas por Andre Andre, Sergio Oliveira e Hernâni), a equipa que ontem jogou apenas metendo Ricardo Pereira (ou outro Lateral direito que compremos) é um protótipo do ano que vem e que bom protótipo...

Para mim o esforço de manter Tello e Casemiro será essencial, tanto mais que nem um nem o outro devem estar muito interessados a voltarem às suas raizes onde não teriam muitas oportunidades de jogar (Tello onde nem o Pedro joga e o Casemiro, num Real que quer ir buscar Pouga diz tudo), pois assim conseguimos manter a base competitiva para 15/16.

A parte financeira é importante mas com Jackson e Danilo a renderem não menos que 70M€, com Carlos Edurado, Josué e Opare a renderem não menos que 10M€ e com um Quiantero a Adrian a renderem não menos que 20M€, penso que a aquisição de Tello e Casimiro em definitvo por valor a rondarem os 16M€-18M€ é perfeitamente execuivel e garante a nossa competitividade para o ano que vem.

José Correia disse...

DC disse: "recomendo uma comparação dos atributos que destaquei no Evandro com as execuções e respectivo tempo de execução do Herrera. Cada um tire as suas próprias conclusões"

Eu também não quero retomar a discussão Herrera, até porque, é notório, o DC nunca irá ver méritos no Herrera e nunca irá mudar de opinião.

Sobre a comparação entre os atributos do Evandro (jogador que eu sempre elogiei) e o Herrera, a única conclusão que se pode tirar é que são jogadores de características diferentes, cada um deles com pontos fortes e fracos (como todos os jogadores).

Agora, para o modelo de jogo que Lopetegui implementou (está a implementar) no FC Porto, Herrera é um jogador importantíssimo, eu diria mesmo fundamental, e não deve ser por acaso que Lopetegui não abdica dele.

DC disse...

Isso do abdicar ou deixar de abdicar de jogadores vale o que vale. São indiscutíveis até deixarem de ser, como aconteceu com o Indi e outros que tal.

João disse...

Homem do jogo para o maisfutebol, mas por esta altura.. who cares?

José Correia disse...

Rui Santos diz que o FC Porto é a equipa que joga o melhor futebol em Portugal e que a vitória de ontem frente ao Basileia é uma prova do crescimento da equipa.

http://sicnoticias.sapo.pt/programas/tempoextra/2015-03-11-O-FC-Porto-e-a-equipa-a-jogar-melhor-em-Portugal

Luís Vieira disse...

Estava para realçar isso mesmo, mas o José jogou na antecipação. Quando é o Rui Santos a dizer isto, não é preciso acrescentar grande coisa. E já agora, porque estamos sempre a bater-lhe (com justificadas razões, grande parte das vezes), sublinho a honestidade intelectual do mesmo nos últimos tempos. Era-lhe fácil diminuir o mérito do Porto, como muitos têm feito, contribuindo para o andor, mas tem optado por uma postura mais justa. Sol de pouca dura? Traz água no bico? Não sei, mas registo a (boa) atitude.

Tiago Silva disse...

É chegada a altura de reconhecer os meus erros. O primeiro diz respeito a Lopetegui. Cheguei a afirmar que, pelo futebol que lia, que iamos ser arredados da Champions nos oitavos caso nos calhasse em sorte um adversário de maior valia. Não foi o caso pois o Basileia não merece tal crédito mas ainda que tal tivesse sucedido, nem isso iria obstar a que reconhecesse que errei na avaliação que fiz do técnico espanhol. A equipa cresceu desde então e cresceu muito. E tal deve-se ao mérito do treinador. A equipa do Porto é, hoje, uma equipa com muita personalidade em campo, tem um ADN bem definido e joga um futebol que me atrai. É claro que pode ainda melhorar mas hoje em dia é inegável que o FCP pratica um futebol de alta qualidade. Há ainda jogadores que tem crescido imenso de qualidade e a isso não será certamente alheio o trabalho do treinador. Danilo, Marcano, Evandro, Jackson, Herrera e Casemiro são disso prova evidente.
O segundo diz respeito a Herrera. Meto a viola ao saco. Nunca gostei dele como jogador e sempre afirmei que nunca haveria de afirmar-se como jogador de qualidade. Pois bem, o Herrera de há 3 jogos a esta parte é um excelente jogador. Qualidade de passe, leitura de jogo, contemporização, cobertura de bola, qualidade técnica em muitos momentos do jogo e boas decisões noutros tantos. Continua, de quando em vez, a errar lances de fácil execução mas tal não apaga tudo o que disse. Casemiro, que considerava muito sofrível com bola, fez ontem um jogo inacreditável com bola e sem bola. Dito isto e expiados os meus pecados, é momento para me curvar perante a exibição de ontem e a forma que a equipa apresenta. Palmas.

Mefistófeles disse...

Bem observado, Luís. Já me tinha passado também pela tola que o Rui Santos pode estar a "crescer" como homem e analista destas coisas. Veremos mais à frente se é coerente. Só vou acreditar que mudou totalmente quando o vir sem caracóis :-)

Nightwish disse...

Eu não tenho muito contra o Herrera, mas citar o Manuel José e o maisfutebol não devia convencer ninguém.

Nightwish disse...

O Casemiro e o Tello só voltam se for para vender, até porque o Tello tem mais um ano de empréstimo.

João disse...

Luís, a mim parece-me falta de alternativa. A partir do momento que o pretenso paladino da verdade não faz certas constatações do óbvio em relação ao que se está a passar, perdia toda a credibilidade.

Estas palavras que lhe custam como facas não lhe tiram uma vírgula de anti-portismo. Não mudou nem vai mudar. Mas tem um tacho e alguma (não muita) cara a manter.

miguel.ca disse...

Este é o típico comentário que me irrita profundamente porque não é sim nem sopas! É uma espécie de gozo fininho e inútil sem qualquer profundidade ou contra peso com a agravante de ser descontextualizado e vazio. Uma clara oportunidade perdida para estar calado!
Infelizmente tornou-se um bocado vulgar este tipo de comentários satírico-corrosivos do género "então dizias que o Herrera não prestava, não era? Então toma lá óh palerma, eheheheh!"
Discordar é bom. Discordar com nível é uma sensação muito agradável e tentar descobrir os fundamentos de um disparate é muito estimulante. Você devia tentar Silva.

meirelesportuense disse...

Um jogo espectacular que teve de tudo, 4 golos lindos, dramatismo, angústia e redenção final.
Depois do jogo, o que eu mais esperava chegou: -A notícia que indicava Danilo em estável situação de saúde!...Para mim foi doloroso esperar tanto tempo pelo resultado dos exames.
Como é frágil a nossa condição!

Luís Vieira disse...

Mefistófeles, cá estaremos para ajuizar :)

João, é bem possível, mas pelo menos não foi na onda de muitos jornaleiros de diminuir o futebol do Porto, a campanha na Champions (fracos opositores) ou a fraude arbitral do campeonato, ao arrepio do "óbvio". Parecendo que não, para um anti-portista primário não é nada mau. Veremos se no futuro volta à "normalidade".

Silva disse...

Este é o típico comentário que so não irrita porque acaba por ter piada. É uma espécie de revolta surda contra o simples facto de as próprias explicações, chamemos-lhe fundamentos para agradar, não colherem de uma maneira geral. Uma clara oportunidade perdida para estar calado!
Infelizmente é mais ou menos habitual encontrar este tipo de pseudo-informados comentários, do género "sim senhor, poderia não estar completamente certo, mas ai de mim se me pus a gritar antes do tempo; até porque já veio tarde, palermas".
Discordar é bom, desde que não seja comigo. Você devia tentar gritar menos e ouvir mais Miguel.