domingo, 26 de abril de 2015

A táctica do autocarro... em casa!

No longo historial de desafios entre o SL Benfica e o FC Porto, nos 80 jogos anteriores (ao de hoje) para o campeonato, que foram disputados em Lisboa, o saldo, naturalmente, era (e continua ser) muito favorável aos encarnados:
- Vitórias SL Benfica: 42 (52%)
- Empates: 24 (30%)
- Vitórias FC Porto: 14 (18%)
- Vitórias do FC Porto por mais de um golo: 1

E no presente?
Há várias semanas que ouvimos jornalistas, comentadores e adeptos dizerem que, em casa, este SLB é uma equipa muito forte.

E, de facto, os números sustentavam essa tese. Esta época, nos 14 jogos anteriores disputados em casa, o saldo do SL Benfica era o seguinte:
- Vitórias: 13
- Empates: 1
- Derrotas: 0
- Golos marcados: 40
- Golos sofridos: 4

E o FC Porto?
Bem, na passada terça-feira, o FC Porto jogou na Alemanha, contra a melhor equipa do Mundo, e saiu de Munique vergado ao peso de uma goleada.
Ou seja, perante um calendário pouco favorável (é preciso ter “sorte” para jogar fora, em Munique e na Luz, num espaço de poucos dias…), a equipa do FC Porto chegou ao “jogo do título” fisicamente desgastada e emocionalmente esgotada.

Perante um cenário destes, jogando em casa, com o Estádio da Luz completamente cheio, o que fez Jorge Jesus?
Aproveitou o colinho das 29 jornadas anteriores e uma conjuntura muito favorável para a sua equipa?


Aproveitou a fragilidade do adversário para vir para cima do FC Porto, dominar o jogo, encostar os azuis-e-brancos às cordas e dar o golpe de misericórdia a um Dragão ferido?
Não, nem pensar.

A equipa liderada por Jorge Jesus jogou de forma cínica, com uma táctica parecida à que tinha utilizado no Estádio do Dragão, uma táctica de equipa pequena, cujo principal (único?) objectivo era não deixar a equipa adversária jogar.
Não é exagero dizer-se que, neste jogo, o “mestre da táctica” começou o jogo com um “autocarro” e terminou com dois “autocarros”. E com os jogadores encarnados a queimarem tempo…
Ao menos, o Mourinho, quando leva o “autocarro” é para os jogos fora de casa…

Na primeira parte, quantas vezes é que os jogadores encarnados entraram na área do FC Porto, em lances de bola corrida?
Quantas vezes é que os médios do SLB passaram do meio-campo?
Nos primeiros 45 minutos, o criativo Gaitán (o melhor jogador do SLB), destacou-se mais a construir jogadas ofensivas, ou a vir atrás, em ajudas defensivas?

Aliás, basta verificar a que minuto o SLB fez o 1º remate à baliza do Helton e olhar para as substituições feitas pelos dois treinadores, para se perceber qual era o objectivo de cada um deles.

O SLB terminou o jogo em branco (2206 dias depois, os encarnados voltaram a ficar a zero num encontro em casa para o campeonato), com 8 jogadores de perfil defensivo - Júlio César, Maxi, Luisão, Jardel, Eliseu, Samaris, André Almeida e Fejsa - e apenas três jogadores supostamente ofensivos - Ola John, Gaitán e Lima - mas cujo principal objectivo era também defender.

Perante uma equipa encarnada que, mesmo a jogar em casa, perante os seus adeptos, teve como prioridade, desde o minuto inicial, defender, não deixar jogar, defender, não deixar jogar, defender, não deixar jogar… o FC Porto poderia ter feito melhor?
Sim, apesar de tudo, podia.

Faltou frescura física e um maior dinamismo para sair da teia de aranha montada por Jorge Jesus.

Faltou um Brahimi em melhor forma. O Brahimi pós-CAN não é o mesmo que encantou os portistas (e não só) até Dezembro.

Faltou Tello. Conforme se previa, um jogador com as características de Tello fez (faz) muita falta e as bolas em profundidade, nas costas da "Linha Maginot" encarnada, raramente saíram bem.

Faltou marcar primeiro. Jackson falhou o golo que teria colocado o FC Porto em vantagem no marcador e obrigado (?) Jorge Jesus a mudar de táctica.

O FC Porto já demonstrou, várias vezes, que é melhor que o pré-definido e futuro vencedor do campeonato mais fraudulento de que há memória.
E hoje voltou a fazê-lo, indo a casa do rival mostrar que é uma equipa grande e jogando como tal.


Por isso, e apesar do treinador, dos jogadores e dos adeptos terem saído desiludidos do Estádio do Luz, por "apenas" regressarem ao Porto com um empate, eu acho que a forma como este desafio foi disputado e a atitude dominadora evidenciada ao longo do jogo, foi a 1ª vitória da próxima época para esta equipa.



P.S. Há quem tenha memória curta (mesmo entre os portistas) e já se tenha esquecido dos inúmeros casos de arbitragem que mancharam este campeonato. Mas eu não me esqueço e não fossem os muitos pontos que o SLB deve a “erros” de arbitragem e tenho a certeza que o jogo de hoje teria tido outra história. Pelo menos, não haveria “autocarros” porque, seguramente, o empate seria um resultado que não serviria os interesses matemáticos de Jorge Jesus.

P.S.2 E por falar em memória curta… Na época passada, o FC Porto foi ao estádio da Luz perder 0-2 para o campeonato e perder 1-3 para a Taça de Portugal (num desafio em que o SLB jogou com menos um desde o minuto 28). Esta época, o FC Porto saiu do estádio da Luz com um empate e com Jorge Jesus, à rasca, a trocar Talisca por Fejsa e Pizzi por André Almeida. Sem estar tudo bem, longe disso, penso que estamos no caminho certo.

63 comentários:

José Rodrigues disse...

Nao vimos a mesma primeira parte.

O slb jogou com autocarro sim, mas na ultima meia hora. Entrou em campo com uma pressão muito alta deixando sempre vários jogadores no meio campo ofensivo quando perdiam a bola. Alias, nao atacávamos com mais homens do q o slb, com um Jackson muito mal apoiado. Desilusão.

Louro disse...

Uma equipa que quer ser campeã e a jogar em casa, faz o primeiro remate á nossa baliza aos 54 mns!
Enquanto o nosso treinador coloca Quaresma, Hernani e Herrera e muda de 4x4x2 para 4x3x3 , para tentar vencer a partida, o JJ da chiclete mete trincos e defesas – e nós com 90 mns nas pernas realizados em Munique!
Acho que o arbitro fez uma 2ª parte deplorável, mostrou amarelo ao Danilo que nem falta fez, mostrou amarelo ao Quaresma que também nada fez ao Eliseu e mostra amarelo ao Jackson depois deste levar porrada atras de porrada. O Marcano também levou amarelo por um lance normalíssimo e todos estes amarelos, inibiram a equipa e condicionaram-na na 2ª parte , não só pelas paragens , mas pelas faltas que originavam lances perigosos contra nós.
Aliás , um lance que Casimiro nem falta faz sobre o Gaitan ( com direito a 2º amarelo por simulação) originou o lance mais perigoso para os da casa , desperdiçado pelo Fesja – curiosamente este rapaz , fez uma falta aos 79 mns sobre Danilo que também merecia um 2º amarelo….mas no passa nada!
Um fora de jogo arrancado ao Jackson inexistente e uma falta de luisão sobre o mesmo ( que cristo) dentro da área também passaram em branco…Queixas do Benfica nem uma , logo estamos perante um grande arbitro , na mesma bitola de todos os outros que em caso de duvida apitam contra o Porto!
Portanto como diz um amigo meu, não podemos ser melhores, para vencer, temos de ser muitos melhores, no campeonato mais fraudulento que há memória…qual apito dourado!
Parabéns aos jogadores do Porto!

Pyrokokus disse...

A ideia com que fiquei da primeira parte é que ambas as equipas tentaram dominar o meio campo e só se jogou aí. O Porto não conseguiu dar profundidade ao jogo pelas laterais. Na segunda parte quando tira o Rúben e coloca o Herrera a ideia é dar profundidade, mas o que aconteceu foi que perdeu parte do controlo do meio campo, e aí o 5lb teve um ascendente. Quando o Quaresma entra, o 5lb começa só a preocupar--se em guardar o ponto. Para mim a ideia até não era má, mas o Brahimi não podia ter jogado. De todos os extremos é o que menos joga com os laterais. Assim o jogo ficou preso no meio.
Mas eu não sou treinador, de certeza que o Lopetegui teve as suas razões.
Fiquei com a sensação que o Hernâni quando rematou fou calcado é que por isso não pode rematar em condições...

True Blue disse...

Desilusão é a palavra certa..

E eu que estive quase, quase a cometer o sacrilégio de activar a BTV por 1 mês para ver o jogo.. cai na real a 1 hora da partida quando soube o 11 que Lopetegui ia meter em campo para o chamado Jogo do Título. Que desilusão... Lopetegui mostrou medo, mostrou respeito e isso, os adversários, tal como os animais sentem-no, cheiram-no à distância. Já nem quis ver o jogo, pois adivinhava que não ia ter a alegria da vitória. Que desilusão.

Andamos aqui 1 mês a acreditar, a ter fé e agora a 1 hora do jogo o Treinador faz-nos uma desfeita destas?! muda a equipa e em vez de entrar com tudo para matar o jogo, prefere jogar com Ruben Neves e Evandro?! Já agora também podai ter metido o Reyes e o Indy a lateral esquerdo!!! Que decepção. Já nem quis ver o jogo, pois adivinhava o que ia acontecer.

Entramos em campo a 3 pontos e saímos de lá a 4 pontos de diferença!!

Fim de linha... para mim chega. Agora só um milagre, e eu não acredito em milagres. Que tristeza, que desilusão.

E é claro que se o empate servia ao SLB, é óbvio que JJ esteve bem. Se levava 3 de avanço e agora ficou com 4, para JJ e o SLB foi uma vitória!!!

Sr Lopetegui, para a próxima compre um cão..

Pedro disse...

Não haviam pernas e cabeça para mais. A eliminatória contra o Bayern foi brutal, fisica e emocionalmente. Ainda assim hoje deviamos ter feito mais hoje, sobretudo na 2ª parte.

Certo que o benfas apenas defendeu na 2ª parte, mas isso já nós sabiamos que ia acontecer. Todos vimos o jogo do Dragão. Perder Tello foi dramático, ainda pra mais com um Brahimi que joga pouco (e pra mim não só depois da CAN) e com um meio campo que já não tem gás para 90 minutos.

Ainda assim, parabens aos adeptos, e à equipa pelo esforço de hoje. Quem ouviu a bazófia encarnada antes do jogo ficaria a pensar que iamos ser goleados e afinal apenas aos 50 minutos há um remate do benfas.

Ps: Creio que Hernani sofre falta, mas não foi pela arbitragem que o 0-0 aconteceu.

miguel.ca disse...

Acho que em jeito de comentário final à época que está prestes a terminar, a prestação do FCPorto resume-se a uma pequena frase; falta de estofo. Demonstrámos uma latente falta de estofo em vários momentos da epoca, alguns deles cruciais como foi o jogo da Choupana. Temos de ser mais pragmáticos, mais incisivos, mais selvagens. Temos de recrear o "somos Porto" porque neste momento não somos nada de especial.

Madureira disse...

O Porto perdeu-se e tem-se vindo ao longo dos últimos anos! Falta amor a uma causa, falta garra, vontade de ganhar, e infelizmente esta equipa tem demonstrado isso! E atenção a culpa não é só do treinador, uma estrutura que tem estado uma temporada inteira a assistir de camarote ao andor que os vermelhos têm sido levados e não diz absolutamente nada tem a maior culpa! Vamos fazer a nossa obrigação que é vencer os 4 jogos que faltam e ver o que dá, depois é pensar na nova temporada de preferência sem Herreras e Fabianos!

Nightwish disse...

Não tive possibilidade de ver um único minuto do jogo, mas não me espanta que jj tenha jogado com o autocarro, não sabe jogar de outra maneira contra equipas melhores.

iur disse...

Pragmatismo? Sim. Concordo. Os lampiões desperdiçaram uma excelente oportunidade de arrumarem a questão do título, jogando em casa com 60.000 adeptos a apoiar, não o conseguindo, e nem de perto por lá andaram, porque, reconhecem, não têm capacidade para fazer mais. Relativamente à comunicação social e a muitos adeptos portistas, o que se não diria se fosse ao contrário…

É óbvio que falhamos em momentos cruciais, mas perdemos o campeonato pelas arbitragens e jogos de bastidores. Foi o campeonato mais vergonhoso de que me lembro.

Apenas uma coisa quero ressalvar: não perdemos ainda. Faltam 4 jogos e, mesmo com colinho, as contas só se fazem no fim.

Só és derrotado quando desistes de lutar. Força, Porto!

jnporto disse...

Boa Noite, Portistas
Desilusão com o resultado mas para o ano há mais. Provavelmente farão o bi mas não esqueçamos que é depois de nós termos acabado de fazer mais um "tri. Quanto ao jogo, assistimos a um pobre espectáculo ilustrativo da mentira que é o futebol Português, começando pela ajuda que o Benfica teve ao longo do campeonato que lhe permitiu chegar com três pontos de avanço a cinco jornadas do fim que provavelmente lhe chegarão para garantir o título deste ano. No rescaldo do jogo ouvimos que foi "intenso" e que as equipas estavam de parabéns quando não foi nada disso que aconteceu. O Benfica, tal como fez no Dragão, meteu o autocarro jogando como equipa pequena mas parece que sessenta mil exultaram com o empate. Não deixou jogar mais de trinta segundos sem que alguém se atirasse para o chão ou que reclamasse falta. O Porto e os árbitros foram na fita, o Porto por vezes fazendo igual, pois é disso que o futebol português gasta. O amarelo a Quaresma é uma anedota, Gaitan atira-se a Casimiro e é falta contra o Porto que ia dando em golo e assim sucessivamente. Depois, a transmissão televisiva "por conta da casa", com um tal Conduto que entre outras barbaridades ia insistindo que o público pedia amarelos para jogadores do Porto, mencionando embevecido o "Magico", que ficamos a saber ser o jogador do Benfica Gaitan. Mas não se tratava de um jogo da Liga em que a imparcialidade deveria ser garantida e assegurada?... O Porto não jogou bem mas depois do desastre de Munique fez o que pôde e pelo que vimos pôde pouco. O Benfica tem o seu mérito mas aposta muito no futebol musculado, de paragens contínuas, no que conta com a complacência dos árbitros e isso torna jogos como este muito difíceis. Agora espera-se metralha sobre o treinador e sobre a equipa mas por mim Lopetegui tem feito um bom trabalho e deverá continuar. Finalmente, sem desculpas para os fracassos que isso não é Porto, teremos de equilibrar as coisas "por outro lado" pois este ano estiveram demasiado avermelhadas. Viva o FC Porto...

Joao Goncalves disse...

Perdemos o campeonato na Madeira e não neste jogo... mesmo ganhando continuaríamos a não depender de nós, pois como muita gente se tende em esquecer, o Campeão já foi decidido pela arbitragem e não pelo futebol em campo e mesmo assim só o perdemos por nosso incompetência na Madeira.

A mim fé era tanta que nem me dei ao trabalho de ver o jogo...

A táctica com que entramos hoje na Luz deveria ter sido a táctica que deveríamos ter entrado em Munique e vice-versa.

Até concordo com a abordagem táctica conservadora de Lopetegui na 1ª parte, mas tendo em conta que tínhamos que marca golos nem que fosse com os pelos do nariz, deveríamos ter tido uma abordagem em claro 4-3-3 a migrar para um 4-2-4 com Aboubakar, se não resultasse nada entretanto.

Pareceu-me que Lopetegui deu demasiado crédito ao jj e que pensou que a jogar em casa vinha com força e então pensou em segurar o jogo e depois dar velocidade ao ataque da equipa na segunda parte e assim chegar à vitória.

Até aquela agressividade final dada ao ouvido do jj, vai nesse sentido... provavelmente lhe disse que estava todo borradinho e cheinho de medo e por isso meteu o Autocarro... chamando-lhe aquilo que o jj foi...

Como já havia dito noutro post, isto não altera nada e o Lopetegui é o nosso treinador para o ano e com um ano de Champions e Futebol Português em cima, que lhe vão ser preciosos.

Para o ano à mais... agora é acabar este com dignidade, garantir o segundo lugar e começar a trabalhar desde já no plantel do ano que vem.

André Pinto disse...

O colinho e naturalmente uma das explicações para o nosso opróbrio. Mas o post parece-me uma estranha negação da realidade.

- Não admite a falta de arrojo tactico de Lopetegui, nem a sua incapacidade para contrariar a estratégia de Jesus. Vide o que Vítor Pereira tinha feito em certa visita a Luz, necessitando de ganhar, com James recém-chegado do outro lado do mundo onde havia estado com a sua seleção e a corajosa opção tactica que tomou.

- Este post não aponta, nem admite a ma gestão desportiva da temporada. As burradas são muitas e patentes, para quem as quiser encarar.

- Este post não aborda a ausência de um 11 ate Novembro, tendo estado o treinador perdido em absurdas experiências, com resultados nefastos.

- Este post ignora olimpicamente como Lopetegui reincidiu num erro grave, que teve consequências no passado, e que já se julgava expiado: meter Oliver na faixa.

- O texto não refere que a fraca qualidade da saída de bola pelos centrais não teve qualquer evolução positiva ao longo da temporada.

- O post não explica a aposta constante durante toda a época num Herrera em baixa de forma, com um jogador de qualidade como Evandro disponível.

- Nao aborda porque ficou Quaresma no banco, quando tinha estado em alta.

- Ficamos sem saber porque o proto-Hulk que era Brahimi se eclipsou depois de Dezembro.

- Não esta explicado onde anda Adrian. Se e verdade que nunca justificou o seus pergaminhos, não se entende como se progride disso para o total desaparecimento. Não é um activo valido, que justificasse a sua recuperação ao longo de tanto tempo?

Em suma, há duas formas de olhar para isto.

1) A equipa é nova, mas corresponde a um projecto em formação. Sao dores de crescimento. Lopetegui, apesar de ser um bom treinador, não conhecia bem o campeonato. O Benfica foi tremendamente ajudado.

Se é verdade que o Benfas foi levado ao colo, o resto das asserções são falsas. Vai haver sangria no plantel, logo não há projecto. Lopetegui asneou alem do justificável pelo desconhecimento do campeonato, cometendo erros dignos de versão B do Prof. Neca.

2) A época foi mal planeada desde o principio, a começar pelo perfil de treinador escolhido. O plantel foi construido de forma deficiente, com lacunas no eixo da defesa e parte central do miolo. Lopetegui andou meses tentando implementar uma tactica a Barcelona, sem um Xavi, nem um Busquets, e a equipa não produziu nada, tendo imensas dificuldades para criar lances de perigo, usando de uma posse de bola alta, mas inócua. Lopetegui amarrou durante meses os extremos as alas, abdicando do jogo interior e da construção no corredor central. Depois do Inverno alterou o modelo e teve melhores resultados, mas tarde de mais. Houve erros de gestão básicos durante a época (participação de Brahimi no CAN, ficha disciplinar dos laterais na Champions, rotação inadequada do plantel nas varias competições, etc.). Lopetegui claudicou em momentos-chave. Por duas vezes o Benfica abriu as portas para uma reviravolta na classificação - nas duas falhamos redondamente. Falhamos - nao vale a pena nega-lo - na abordagem ao jogo do Dragado contra o SLB. Falhamos na Taca de Portugal e na Taca de Liga clamorosamente. E falhamos na Champions com estrondo. A isto tudo há que juntar o falhanço de comunicacao da SAD. Fomos mal-tratados, caluniados, acusados, prejudicados por varias vezes durante a presente temporada. A reação institucional do FCP foi pueril, ou mesmo inexistente.

Ja espero a avalanche de insultos. Normal - todos queremos ver o nosso FCP ganhar. Mas fazendo o balanço total de tudo o que tenho visto, parece-me que os aspectos negativos ultrapassam em muito os positivos. Vai muito enganado quem pensa que daqui vai sair alguma coisa boa no futuro. Lopetegui não é o treinador que precisamos e esta forma de projectar um plantel vai contra a cultura que havíamos instituído ao longo de décadas.

Esta é a minha visão das coisas e espero com fervor estar enganado.

Pyrokokus disse...

Nos anos 80 e 90 a equipa transmitia no campo o espírito de luta da estrutura do FC Porto.
Não culpo a equipa por falta de garra e vontade de ganhar pois parece-me que os jogadores e o técnico são os únicos que ainda encarnam esse espírito. Durante esta época passaram-se coisas realmente anormais, faltas de respeito, e a nossa estrutura caladinha... Que espírito é que os jogadores devem encarnar???

a pessoa disse...

José Correira,

Não concordo nada. Você diz que o Porto não teve acerto nas bolas nas costas, e que com Tello era igual, eu digo precisamente o contrário. Que o Porto não teve acerto nisso porque o Benfica é ultra-competente a jogar com linhas subidas, não dando espaço nenhum para receber entre-linhas (aconteceu uma vez o jogo todo, com Jackson a tentar infrutiferamente meter em Brahimi) e sabendo muito muito bem condicionar o jogo do Porto.

Em 2 jogos, marcámos 0 golos ao Benfica. Zero!

E isso não só é culpa de Jesus, como é de Lopetegui!

Se fosse ao contrário, eu ia ficar lixado de jogarmos desta forma calculista em casa? Ia, durante 5 segundos. Depois percebia que tínhamos anulado o adversário e que ele nos tinha metido 0 golos em 2 jogos, e que por via disso ia ser campeão...

Enfim. Lopetegui não soube mais e eu reafirmo o que sempre disse: oxalá Jesus saia do Benfica o mais depressa possível. Não contratam outro tão competente nem em 10 anos... Melhor, disponível para Portugal, só o Vítor Pereira, mas esse mandámo-lo embora.

JON

jnporto disse...

Bom Dia
Parece que é dado adquirido que o Benfica foi tremendamente ajudado o que significa que não foi no jogo de ontem que se perdeu o campeonato. Até o pequenito Rui Santos reconhece isso. O que é curioso é dar isso de barato mas são opiniões, enfim. Sabemos que o Porto tem de ser muito melhor para vencer em Portugal mas este ano não houve hipótese pois estava tudo feito e arrumado. Essa é que é essa!... Boa semana,

José Correia disse...

True Blue disse: "eu que estive quase, quase a cometer o sacrilégio de activar a BTV por 1 mês para ver o jogo... cai na real a 1 hora da partida quando soube o 11 que Lopetegui ia meter em campo"

Folgo em saber que um "verdadeiro portista" esteve vai não vai, até 1 hora antes do jogo começar (já agora, o onze inicial do FC Porto foi conhecido cerca de 45 minutos antes do apito inicial) para subscrever a benfica TV.

José Correia disse...

Louro disse: "Uma equipa que quer ser campeã e a jogar em casa, faz o primeiro remate á nossa baliza aos 54 mns!"

Vá lá, não diga essas coisas.
Toda a gente viu que, perante os seus adeptos, o SLB foi uma equipa autoritária e dominadora.

José Correia disse...

Louro disse: "Enquanto o nosso treinador coloca Quaresma, Hernani e Herrera e muda de 4x4x2 para 4x3x3 , para tentar vencer a partida, o JJ da chiclete mete trincos e defesas"

Segundo JJ, o melhor ataque é a defesa!
Aliás, toda a gente sabe que ataca-se melhor jogando com 8 (OITO!) jogadores de perfil defensivo.

José Correia disse...

Louro disse: "um lance que Casimiro nem falta faz sobre o Gaitan ( com direito a 2º amarelo por simulação) originou o lance mais perigoso para os da casa , desperdiçado pelo Fesja – curiosamente este rapaz , fez uma falta aos 79 mns sobre Danilo que também merecia um 2º amarelo….mas no passa nada!"

O SLB recorreu a todo o tipo de artimanhas.
- Simulação de faltas.
- Tentativa ostensiva de sacar amarelos aos jogadores do FC Porto.
- Provocação e criação de confusões.
- Jogar com base no bruá do público.
- etc.

Mas, pelos vistos, é disto que os adeptos gostam.

Paulo Rodrigues disse...

Caro,

Concordo com tudo o que disse e mesmo apesar das escandalosas arbitragens avermelhadas tinhamos obrigação de fazer mais espero que Lopetegui e a SAD estejam atentos aos pontos que enumerou para corrigirmos e fazermos melhor na epoca que se avizinha.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Qualquer pessoa que tenha acompanhado este campeonato sabe perfeitamente que o Benfica não é um justo campeão - como sim foi no ano passado ou em 2010, apesar de tudo - e que há muito que isto estava decidido por outros acontecimentos que nos obrigaram a chegar 3 pontos atrás e não 6 á frente como devia ter sucedido. Esse disclaimer é importante ficar na memória porque serve, sobretudo, para não colocar em causa o trabalho desenvolvido durante o ano que não se resume a um jogo.

No entanto, o que se passou ontem na Luz - e no jogo do Dragão ou nos dois jogos com o Sporting em 2014 - espelha bem muitas das deficiências deste projecto, deficiências que têm forçosamente de ser corregidas para o próximo ano, especialmente a atitude geral da equipa como do treinador.

O FCP não entrou na Luz para ser campeão. O dispositivo táctico e a atitude dos jogadores foi para segurar um empate. Talvez não houvesse pernas e cabeça para mais depois do desgaste de Munique - o que também diz pouco do "estofo" desta equipa - talvez houvesse medo de um segundo resultado negativo colocar um ponto final no projecto de forma precoce. Fosse como fosse, com um Benfica a defender o resultado - primeiro com pressão alta, na linha do meio-campo e, progressivamente, baixando o autocarro - faltou ambição e know how. Tirando Quaresma e metendo Ruben na equação ganhou-se gente no meio campo mas perderam-se opções com a bola. Lopetegui fez o que muitos reclamavam que tivesse feito em Munique, trocou do seu modelo base - 433 - por um 451 conservador. Não sofreu (o Benfica não rematou em quase uma hora de jogo, nem para isso estava virado) mas também nunca soube criar perigo. Jackson estava engolido pelos centrais, Brahimi desaparecido em combate desde há muito tempo e Oliver sem ter com quem progredir em linha. Foi uma equipa medrosa.

Com o 433 - Hernani e Quaresma - viu-se o melhor Porto, encostou-se o Benfica ás cordas e ficou claro que essa atitude desde o principio teria seguramente provocado um jogo diferente. Mas esse era também um jogo que podia ter interessado ao Benfica, para aproveitar um contra-ataque (Casemiro esteve impecável) e fica claro que Lopetegui teve mais medo de perder o jogo do que ir atrás do 0-2 que era o único resultado realmente importante.

Fica claro que o clube assumiu o titulo perdido desde a Madeira, apostou tudo na Champions - que foi excelente - e foi á Luz minimizar perdas conscientes que nem o 0-1 (o 0-2 é um resultado rarissimo de conseguir em Lisboa) seria suficiente porque o Benfica limitar-se-ia a golear rival atrás rival com a ajuda habitual. Foi um Porto derrotista (Lopetegui no fim fez figura de urso, fruto da frustração de ter voltado a bater com um muro) e cabisbaixo, que não fez um mau jogo (o do Benfica foi mais competente porque queriam defender mas muito menos vistoso) mas que também não quis/soube fazer mais.

Estava claro há muito tempo que este ia ser um ano em branco e que este projecto precisava de um reboot depois do fracasso tremendo do ano passado. Não vale a pena crucificar ninguém agora, nem treinador, nem SAD nem sequer jogadores. O Benfica esteve 30 anos sem ser bicampeão, uma anormalidade estatistica que só diz bem do FCP, de quem o dirigiu estes 30 anos, em condições altamente adversas e num pais altamente condicionado pelo centralismo. Não é uma derrota perder esse registo, é um triunfo tê-lo mantido tantos anos. Para o próximo ano sim, o nivel de exigência tem de ser máximo, os deslizes minimos e a atitude radicalmente diferente. Como terá dito Mourinho na sua passagem pelo clube, o discurso e atitude de Lopetegui tem de mudar e virar-se para um claro e contundente "Para o ano seremos campeões em condições normais e seremos campeões em condições anormais".

José Correia disse...

miguel.ca disse: "Temos de recrear o "somos Porto" porque neste momento não somos nada de especial"

O espírito "somos Porto" é, sem dúvida, importante mas, infelizmente, vejo-o cada vez menos, a começar em grande parte dos adeptos, que são os primeiros a debandar e a abandonar a equipa, quando a bola não entra na baliza adversária.

Talvez, um dia, o FC Porto volte a ter adeptos a sério, que não sejam apenas adeptos das vitórias.

DC disse...

Não concordo que o Lope tenha entrado para defender. Entrou sim para ter bola e conseguiu. Dominou claramente a 1a parte onde só lhe faltou um Tello.
Depois 2a quando mete o Herrera e o Quaresma, aí sim esteve mais próximo de perder do que ganhar o jogo.
Temos alguns jogadores de classe mundial mas outros que coitados, não têm mesmo nível para um jogo destes. Num jogo destes tens 2s para receber e orientar. Temos jogadores que demoram 10s a fazer isso e notou-se tão escandalosamente ontem.
É complicado fazer posse com jogadores tão maus tecnicamente. Tello faz tanta tanta falta. E quando se tira o Brahimi então ainda mal entrou na 2a parte...

JJ tem medo do Porto e de qualquer equipa grande. Jogou para o resultado e conseguiu-o porque não fomos eficazes e porque na 2a parte partimos a equipa e jogamos em chuto para a frente. Acredito que com a equipa da 1a parte o jogo todo (eventualmente com a saída do Ruben por Hernani) teríamos muito mais hipótese de ganhar.

Carrela disse...

Tem toda a razão, é triste (para n dizer outra coisa) que tantos Portistas sejam apenas e só produtos da propaganda! E se esqueçam do quanto esta equipa foi ajudada pela APAF! Não é o querer arranjar desculpas, é a constatação de factos por demais evidentes, por demais vergonhosos e por demais exagerados em quantidade!

PS: Que tristeza termos de assistir a quaresma aos beijinhos com jj... é isto o #somosporto ? ENFIM!

Carrela disse...

Quase a assinar o canal??????????????????? Inacreditável...............


Não vê o jogo porque acha que não vai ganhar????????????????????????????????

Deve ter sido dos que se levantou e perdeu o golo do Kelvin!!! BEM FEITO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Carrela disse...

O "Blue" no nome é curto, acrescente ai s.f.f. " only in victory"

Ricardo disse...

Excelente análise. Lúcida e assertiva. Só não vê isto quem não quer ver.

JON disse...

Miguel,

Tu também com essa do autocarro?
Eu acho que o Lopetegui devia ter jogado com este meio-campo muitas vezes durante o ano, porque dá muito mais jogo interior. E foi essa a ideia ontem, porque Lopetegui sabe que Jesus é muito competente a defender cruzamentos e que ia ter dificuldade a conseguir os seus habituais 1x1 nas faixas. Só que lembrar-se disso ontem, já foi tarde e a coisa não fluiu.
Acho que o melhor momento do Porto e mais lúcido foi nos últimos 15 minutos da primeira parte. Na segunda, não cheirou. E mesmo com Quaresma e Hernâni quantas vezes se conseguiu 1x1 e ir à linha centrar? Uma vez, será?

Eu também acho que o Benfica só vai ser campeão porque foi levado ao colo durante jornadas a fio. Sem isso, não chegavam aqui com esta força. Mas para a história, fica que lhes metemos ZERO golos.

O Benfica sem Jesus e já nós éramos campeões há 5 jornadas atrás, fácil!

Miguel, tu que vês tanto futebol e escreves sobre isso, não percebo como não consegues ver (querer ver!) a competência do Jesus a defender. Vê o golo anulado ao Porto num canto por fora-de-jogo e diz-me quantas equipas no mundo saem assim nos cantos? Vê quantas vezes conseguiste 1x1 nas linhas? Vê quantas vezes conseguiste enquadrar homens com bola entre linhas do Benfica? Quantas vezes conseguiste sair sem ser com chutão para o Jackson?

Como disse no meu comentário anterior: se eu fosse do benfica, não ia gostar de jogar em casa a queimar tempo, mas a verdade é que eles foram competentes o suficiente para não nos deixar sequer ter lances de golo. Chamar a isso autocarro... enfim.

Carrela disse...

Finalmente alguém que viu o mesmo jogo que eu.............


E sim, eu tb não teria entrado com Neves e Evandro... mas compreendo! Porque tb sei que o "coração ganha menos que a razão!"

João disse...

André, não o vou insultar. Só ressalvar um ponto da sua análise. Com todas as borradas, asneiradas e abébias, o facto é que Lopetegui era campeão com 6-8-10 pontos de avanço neste momento, não fossem as condicionantes externas.

Dá uma ideia do colinha absurdo que assistiu o Benfica esta época.

PS: Já vi o Porto começar o campeonato com Kléber e Walter como alternativas para a frente, e na época seguinte com um completo desconhecido Jackson, e mais uma vez, Kléber para a mesma posição. Fazermos épocas inteiras sem alternativas a metade das posições, Fernando então nunca teve suplente desde que me lembro dele no Porto. E na altura tive a oportunidade de criticar o Antero Henrique por isso. Este ano isso simplesmente não acontece. Podemos não ter um Moutinho ou um Fernando mas tínhamos jogadores com nível e alternativas para todas as posições. Não foi nem é por aí. A rotação também foi feita, e bem, mas muitas vezes nos jogos e momentos errados.

PS2: Qualquer pessoa que tenha visto a saída de Quaresma em Munique sabe porque não alinhou de início. Parou-lhe outra vez aquele cérebro e, sinceramente, se é para isto mais vale procurar alternativa no mercado. O que acrescenta em campo, esvai-se na incapacidade completa de ser gerido no balneário.

João disse...

Uma pena que os treinadores de Mónaco, Zenit e Leverkusen sejam tão competentes no momento ofensivo...

João disse...

Já agora, e confirmado pelo Tribunal hoje, um penalty do tamanho do mundo por assinalar sobre o Jackson, varrido pelo braço do Luisão na 1ª parte. O pessoal tende a esquecer-se só porque o provedor do jogo muda. Mas penalty nítido. E não sei se foi o único, depois do lance no fim com o Hernâni.

"Para a história" ficam muitas coisas, e também (mais) um (!) jogo em que foram beneficiados este campeonato e eu tenho genuína dificuldade em conseguir lembrar-me sequer de metade por esta altura, dada a dimensão da coisa.

barbosa disse...

totalmente de acordo. incrível como não se dá/deu valor aos princípios de jogo e qualidade de processos de Vítor Pereira, apenas porque "só" conseguiu ganhar 2 campeonatos (um deles com um balneário destroçado e sem um ponta-de-lança competente) contra aquele que é provavelmente o melhor Benfica de sempre.

Miguel Lourenço Pereira disse...

JON,

Eu não tenho nenhum problema em elogiar o trabalho defensivo do JJ. Ele é um treinador - como o Jardim - que foca grande parte do seu trabalho em ter a sua defesa sempre mecanizada a 100%. Não é por acaso que há ali dois jogadores que estão desde o seu primeiro jogo - Maxi e Luisão - intocáveis na sua gestão porque lhe dão esse estofo e dureza que fazem falta. O JJ trabalha bem as bolas paradas (ofensivas e defensivas) e as dobras e compensações (para isso joga sempre com um jogador extra no apoio defensivo) mas é um treinador altamente reactivo. Esse é um dos principais motivos pelo que a sua competência é totalmente deixada em evidência nos jogos europeus de minima exigência. Para isso todo o seu modelo é caduco porque na posse, na transição é um treinador vulgar. E tem-no sido sempre com a diferença que, com os anos - e as derrotas - foi recuando metros e passou de um 4-2-4 no seu primeiro ano de coroação a um 4-5-1 nos ultimos meses - abdicando da "nota artistica".

Contra treinadores assim a solução é ter bola, pressionar, mordar e gerar espaços. O FCP foi incapaz de o fazer em dois jogos. O Benfica fez o trabalho que tinha a fazer e que sejam os seus adeptos a preocuparam-se se é feio ou bonito. O FCP deixou-se levar. Quis ter a bola, sim, mas no seu meio-campo, não soube criar associações nas bandas (quantas vezes houve apoios á subida dos laterais?), nem sequer forçar diagonais, a maioria das perdas eram por passes largos sem sentido que o Benfica neutralizou dando um passo á frente.

Esse trabalho defensivo do JJ tem o seu mérito - não o suficiente para o fazer campeão - mas a mim o que me preocupa é a total falta de ideias do Lopetegui para dar a volta a essa situação, abrindo o campo ao máximo, forçando as ajudas do Benfica a deixarem espaços e aproveitar os extremos nas alas, bem abertos para gerar jogo interior - não cruzamentos sem sentido que o Luisão engole como quer. Essa audácia faltou e faltou na primeira mão (e faltou contra o Sporting nos dois jogos de 2014) e é um sério handicaap.

JON disse...

O meu ponto é só este: onde a maioria dos adeptos vêm inoperância ("que os passes não entraram"), onde vêm falta de garra (essa velha desculpa, como se ainda estivessemos nos anos 70), eu vejo uma equipa do outro lado que tem muita competência a defender, que tem bons jogadores, que tem um modelo alicerçado.

Tal como tu, preocupa-me que não tenhamos sabido dar a volta a isso, mesmo tendo bons ovos para fazer omoletes (Jackson, Oliver, Brahimi, Alex, Danilo), não conseguimos sequer criar sufoco a uma equipa e adeptos que tremeriam ao primeiro rebate...

Volto a dizer: sem JJ, o Porto teria sido campeão a 6 ou 7 jornadas do fim. Se JJ sair do Benfica, vamos ver se não é o que acontece.

PS: foi recuando metros? a linha defensiva do Benfica jogou quase sempre a 4/5 metros da linha do meio-campo... Só uma equipa muito competente consegue jogar contra o Porto com a linha tão subida e durante o jogo inteiro não levar com uma bola jogável que seja nas costas!!! Isso é autocarro?

PPS: a garra que os adeptos falam, falta mas não é aos jogadores... falta mas é a uns senhores que mandam no Porto e que durante meses estiveram calados face a roubalheiras contra os nossos objectivos. Se calhar, porque convém que JO chegue a acordo com o Vieira para que a SportTV não vá ao charco e houve que fazer concessões... Neste jogos políticos, perdeu-se o campeonato. Mas os jogadores é que não têm "garra"...

Luís Vieira disse...

Independentemente da postura expectante/defensiva do Benfica, a verdade é que fomos incapazes de lhes marcar e de, pior do que isso, criar situações claras de golo (não me lembro de uma defesa do Júlio César). Acho que se fez a análise pelo lado errado: o Porto é que tinha de correr atrás do resultado. Fê-lo, mas com pouca acutilância. Não vi nunca o Benfica em sofrimento (como aconteceu no Dragão, por exemplo). Em condições normais, este resultado/exibição seria interessante: empatar na Luz, jogando ligeiramente melhor. O problema não esteve aqui, o campeonato é perdido, essencialmente, com o Benfica, em casa, e com o Nacional, na Madeira. Na adversidade, claro está, porque sem os roubos de igreja, estou como o João: talvez nem precisássemos do jogo de ontem para as contas do título.

Alberto Silva disse...

Eu acho que LOPES fez bem em entrar com meio campo mais preenchido ( acho que o devia ter feito na Alemanha), porque a equipa precisava de confiança no inicio do jogo e esta tática permitiu á equipa nunca se desequilibrar, e tivemos o nosso momento na 1ª parte por 2 vezes, uma de Jakson que falha clamorosamente e outro momento de Alex Sandro que define mal, num jogo destes tem de ser aproveitar meia oportunidade, só não gostei foi do Danilo do lado direito não ter tido mais calma e com passes tensos para o meio, com Brahimi do lado direito devia ter explorado mais o corredor forçando o desequilíbrio. Na segunda parte era preciso arriscar mais, so não percebi a saída do brahimi, é verdade que não está num bom momento mas num jogo tão amarrado é preciso acreditar no individual, mas não foi ontem que perdemos o campeonato foi no inicio, com a procura do melhor onze e rotatividade excessiva num momento precoce, e claro com o benfica a ter "sorte"...

Luís Vieira disse...

JON, autocarro não será, mas foi uma postura defensiva, preocupada apenas com esse momento do jogo, principalmente na 1ª parte. Na 2ª já conseguiu estender mais o jogo, mais por demérito do Porto, que permitiu espaços, principalmente desde a saída do Rúben Neves. Fala-se em enquadramentos: quantas vezes enquadrou o Benfica? Uma vez, com o remate do Pizzi, numa altura em que o Porto estava mais balanceado, assumindo riscos. Para quem tem visto questionada a sua qualidade e justeza como campeão ("colinho"), é muito pouco. É muito pouco ambicioso. Poder-se-á dizer: "ah e tal, jogava com o resultado, o empate chegava-lhe". Está certo, mas isso apenas demonstra a pequenez e a falta de ambição do JJ: assumiu uma postura resultadista, que descura o momento ofensivo do jogo. Dar-lhe-á o título, mas à custa das arbitragens e do mérito defensivo. Este jogo prova-o, não consegue afastar o rótulo e quem gosta de futebol com F maiúsculo não estará certamente satisfeito. Ou então estou a ver mal as coisas. Quanto aos "ZERO golos", é fraco argumento, sobretudo quando se faz referência ao jogo do Dragão, onde o Benfica foi trucidado e não sabe como saiu vivo daí. Aí não houve sequer mérito defensivo: houve muita sorte e falta de eficácia do Porto. Dizer que ontem não fomos capazes de incomodar seriamente o Benfica e que o Lopetegui não teve mais arte ofensivamente, tudo bem. Recorrer ao jogo do Dragão é má-fé.

Luís Vieira disse...

André Pinto, alguns pontos de discórdia:

1. A saída de bola pelos centrais sofreu uma melhoria, sobretudo desde a entrada do Marcano no 11, que passou a entregá-la mais jogável, em melhores condições. O problema está no Maicon, que tem uma tendência congénita para mandar "charuto" para a frente, quase invariavelmente para fora (ontem foi um absurdo).

2. O Herrera, ultimamente, foi mal gerido. Nota-se, pelo menos desde o jogo no Bessa, que ele está em clara perda física. Um jogador que depende tanto do pulmão para render ao melhor nível devia ser poupado/substituído com maior regularidade, o que não aconteceu. É o 2º jogador de campo com mais minutos do plantel, a seguir ao Danilo (que ontem também esteve uns faros abaixo do habitual), e isso pesa. O Evandro podia e devia ter jogado mais tempo.

3. A sangria no plantel está por verificar, por isso o projecto em formação ainda pode ser uma realidade. Em que se baseia para dizer que o Lopetegui "asneou apara além do justificável pelo desconhecimento do campeonato"? Onde houve "desconhecimento do campeonato"? São asserções verdadeiras estas?

4. Como evitar a participação do Brahimi na CAN?

5. Falhámos na Champions com estrondo? Pela ida aos quartos-de-final, onde não íamos desde 2009?

RS disse...

Podemos não ganhar nada esta época mas não ha maior prova de que estamos no bom caminho do que ouvir os comentários da CS "especializada" sobre o nosso técnico. Eu estaria mais preocupado se simpatizassem com ele.

Pedro ramos disse...

Foi um jogo e um resultado completamente esperado. Já sabemos que o JJ contra o Porto é isto desde há vários anos, e Lope tem sempre dificuldades com equipas que se limitam a encurtar espaços.

É um campeonato à inglesa, ganha o menos mau e o que tem o melhor onze.
Nao podia ter muita fé que depois do que aconteceu na champions, que a equipa fosse à luz ganhar o campeonato. O que fica do jogo de ontem é que o clube tem de ir novamente ao mercado buscar um guarda-redes (mais um) depois de sentar Fabiano ontem.

meirelesportuense disse...

Concordo com o Alberto, o Porto jogou com uma linha média mais controladora -o que sempre desejei ver- e isso deveria ter sido a preocupação do Lopetegui em Munique! Se jogássemos com esta linha média na Alemanha poderíamos ter passado sem grandes problemas...Ontem, fazia sentido num primeiro momento, mas depois tornou-se óbvio que o Benfica ficou simplesmente à espera.Se o Jackson conseguisse concretizar aquele excelente lance, tudo seria diferente e o Porto passaria a estar em excelentes circunstâncias no jogo. Mesmo assim o Herrera nada acrescentou e o Quaresma ficou nas covas...O único que mostrou irreverência foi Hernâni.
Mas relembre-mo-nos que mesmo que o Porto ganhasse por 2 a zero, nada nos ficaria nas mãos, passariam a contar os golos marcados e sofridos e o "colinho" ia dar goleada atrás de goleada para o Benfica até ao último jogo do Campeonato. Repetir-se-ia 1958!...Como já afirmei o Porto arrumou as suas pretensões no Dragão no jogo de recepção e mais tarde na Madeira com o Nacional e com o Marítimo.
Foram cometidos muitos erros de previsão e de estratégia ao longo desta época.
Ontem foi mais um jogo de afirmação da nossa qualidade e personalidade. Em casa dos Falcoeiros o Dragão mete respeito e de que maneira eles o sentem!
Era também desnecessária aquela vergonha no final da partida.O Jesus não sabe falar Português quanto mais Catalão...

José Correia disse...

"[Herrera] É o 2º jogador de campo com mais minutos do plantel, a seguir ao Danilo"

E, se somar os jogos e minutos que ambos fizeram pelas respectivas selecções, chega a valores "assustadores".

Há quem critique a rotatividade de ontem mas, como é óbvio, não foi por acaso que Herrera começou o jogo no banco de suplentes.

Miguel Lourenço Pereira disse...

JON,

Obviamente que um dos motivos para o titulo do Benfica é a estabilidade institucional, uma imagem de marca dos anos Vieira que alguém não soube analisar correctamente. Os mesmos que estiveram calados todo o santo ano. Não especialmente porque o JJ é um grande treinador - que não é - mas porque permitiu ter uma ideia constante, trabalhada, um plantel que conhece bem, do qual é consciente de limitações e virtudes e uma carta branca ganha a pulso. Nesse sentido, outro treinador e este Benfica teria tremido muito mais.

Tacticamente, quando falo de garra, não falo de arrancadas á João Pinto e comer relva. Falo de pressing, falo de movimentação rápida da bola, linhas de passe abertos, jogo fluido, verticalidade nas transições, disputas a meio-campo ganhas constantemente, empurrar o rival metros. Essa garra é um trabalho táctico e não um estado de ânimo. E faltou na Luz do mesmo modo que esteve presente no Dragão, sobretudo na segunda parte.

A linha do Benfica começou muito avançada, bloco alto, e sim, foi baixando á medida que o Porto foi abrindo o campo, partindo o jogo. A partir de aí a linha de quatro teve de começar a aproximar-se da área e houve muito mais espaços entre o meio-campo e a defesa - que o Jesus leu bem tapando com Fejsa primeiro e Almeida depois - de tal modo que ainda com espaço nas mãos para jogar, ao FCP faltou poder associativo. E isso é demérito nosso.

Se o Benfica abdica da estabilidade conseguida, naturalmente que Lopetegui fica com ZERO desculpas para não ser campeão. Se segue pelo mesmo caminho com um projecto claramente funcional para uma liga fraca e inoperante na Europa o duelo será de novo até ao fim. A nós cabe-nos tentar voltar a ser um projecto estável e não repetir os erros infantis deste ano, a começar na concepção do plantel.

Alberto Silva disse...

Ontem também senti isso quando cheguei a casa e fiz um pouco de zapping ( tvi24), o ódio que destilavam ao lopetegui como se do outro lado estivesse um senhor com um comportamento exemplar...enfim.

PortoMaravilha disse...

Viva,

Apesar do hora'rio, um tanto ou quanto estranho, consegui ver partes do jogo. Não sei se foi realmente um jogo de futebol, visto o nu'mero astrono'mico de faltas: 45. E, francamente, assim não da' para ver, entendendo-se, pois, o porquê da pouca ou da ausência de cobertura media'tica internacional deste cla'ssico (?).

O Porto fez mais faltas que o benfica, aprendendo, talvez, com este, aquando do u'ltimo encontro no esta'dio Dragão. Mas e, certamente por isso, Porto não praticou o futebol que encantou a Europa, mas jogou à benfica e, logo, não marcou golos.

Ironias à parte: E' a segunda vez que vejo jogar o benfica e compreendo melhor porque é que não passou da fase de grupos.

Penso que os cla'ssicos portugueses são um vesti'gio do passado e o importante é assegurar um lugar na Liga dos Campeões e ir o mais longe possi'vel. Eu nasci e cresci nessa coisa dos cla'ssicos e vi ao vivo o Lemos marcar quatro golos ao benfica. E depois?

Se o primeiro lugar da liga Portuguesa não esta', matematicamente, definido, também por isso o segundo lugar não esta'. Por isso...

O Porto recuperou o presti'gio internacional que tinha perdido, graças, sem du'vida, ao trabalho feito em poucos meses e com jogadores novos.

Como ja' aqui deixei escrito, parece-me que o futuro esta' numa aposta exclusiva da Liga Portuguesa (uma espécie de orgulhosamente so's) que não acompanharei com o mesmo entusiasmo; ou continuar a tentar conjugar Europa e nacional, sabendo-se que, para tal, é preciso estabilidade e rotatividade no plantel.

E' natural Brahimi esteja cansado, ja' que o Campeonato das Nações Africanas, talvez ainda mais que o Campeonato das nações Europeias é atrevessado por conflitos geo-poli'ticos.

Para terminar: sim a sorte também faz parte do jogo. Vi o No'brega falhar um pénalti contra a Académica e que podia ter dado um campeonato ao Porto. O goleiro para um lado, a bola para outro... mas ao lado. Sorte do goleiro? Azelhice do extemo esquedo?

As chances do Porto ser campeão Europeu eram de 3% segundo o "rapport mensuel de l'observatoire du foot du CIES n°4".

Contrariamente ao que se poderia pensar, nem sempre as vito'rias são sino'nimo de adeptos. O clube com mais adeptos no mundo é o Liverpool...

Nunca uma equipa tão jovem tinha alcançado os quartos de final: eis um dado interessante e que vai além do resultado final (7-4).

E Viva o Porto!






João disse...

Nem tinha lido o "falhamos na Champions com estrondo". Tribunal d'O Jogo dividido, Coroado e Leirós dizem infiltrado, Pedro Henriques diz portista de coração.

Mas depois de 24M€ metidos ao bolso (um Enzo, mais coisa menos coisa) vindo de um portista é complicado de encaixar, desculpe. Quartos da Champions, melhores 8 da Europa e 7-4 com a melhor equipa da Europa não é falhar na Champions com estrondo nem na casinha do Gomes da Selva.

Mefistófeles disse...

Basco. Lopetegui é basco.

Mefistófeles disse...

É exatamente quando odeiam os nossos técnicos que sabemos como eles os apoquentam e atormentam. Vide Pedroto. Que Lopetegui continue, não tenho dúvidas do seu valor.

HULK ONZE MILHAS disse...

Sejamos realistas: o resultado, só por si, foi bom, e ainda para mais vindo a nossa equipa de desgastante e demolidora jornada europeia ao mais alto nível!
Eu sei que há 3 épocas ganhamos na Luz para a Taça por 3-1 depois de termos perdido em casa por 2-0. E por isso, muitos como eu, acreditamos que a história podia repetir-se, agora para o campeonato.
Esta Liga não foi perdida ontem com o empate na Luz. Se tivessemos cumprido a nossa obrigação de ganhar na 1a. volta no Dragão ao 5LB e ao Boavista... onde nós já íamos.
Mas tenho esperança que este treinador nos vai fazer felizes nos proximos tempos. E ainda mais convicto disso fiquei quando ouvi nas TV´s de Lisboa comentadores a fazerem conjunturas sobre o futuro de Lopetegui. Eles querem que Lopetegui saia, e, quando assim é, é porque estão preocupados com a sua permanência. Um muito conceituado e "rapazinho" com muita experiência, chamado de Cristovão, do mesmo clube do do outro corruptor e chantagista com o mesmo nome, até dizia que o Lopes devia sair mas como quem mando no FCP é o PdC e este tinha afirmado que estava muito orgulhoso do treirnador, então se calhar ele iria continuar...
Esta parte é o único consolo que me resta para a grande desilusão de ontem.

Filipe Sousa disse...

Assistir a emissoes pirata da btv, nao é um opcao - é um dever. Embora eu nao o faca, note-se.

Pedro Reis disse...

Boa Tarde,
Excelente análise, fria e racional, sem se deixar levar pela emoção e fervor clubístico.
O FCP ontem não fez o melhor jogo do Mundo, mas jogou para ganhar, embora com o cuidado necessário para evitar que o SLB atacasse e marcasse cedo, o que depois do jogo de Munique podia ser muito complicado. E infelizmente não tivemos a felicidade que o SLB teve no jogo da 1ªvolta... E não sendo por aí que não ganhámos, tivemos um arbitro manhoso, que ignorou um penalty claro sobre o Jackson e mostrou amarelos sem justificação ao Danilo e ao Quaresma que os inibiram para o resto do jogo, especialmente a este último que como se sabe ferve em pouca água, nomeadamente quando as coisas não estão a correr bem.
Acho que o FCP fez um campeonato bastante razoável, começou bem, empatou o 1ºjogo em Guimarães com uma boa exibição e da forma que se sabe, a seguir empata com o Boavista num jogo mal conseguido o que também condiciona a equipa para o jogo seguinte em Alvalade em que volta a empatar. A partir daí faz um excelente percurso até ao jogo do Marítimo onde mais uma vez faz um jogo muito razoável e sofre um golo no único remate do adversário à baliza. E depois falha com o Nacional, num jogo fraco e onde não podia falhar.
O Lopetegui tem falhas, mas é de longe o melhor treinador desde o AVB, tem um excelente leque de 20 jogadores, muitos escolhidos e trabalhados por ele, onde não há "monos". E graças à rotatividade, teve sempre jogadores a responder quando foi necessário. E sim eu não trocava a época que o FCP fez este ano pela do SLB, mesmo que eles sejam campeões. O FCP é hoje uma equipa muito melhor que nos últimos anos, melhor que o SLB e projetada e reconhecida na Europa, onde se fazem os negócios que permitem estarmos onde estamos hoje.
Saudações portistas

Pedro Jesus disse...

Ainda sou do tempo do Ivic que jogava assim e foi corrido depois de ser campeão com 15 pontos de avanço ainda a vitoria só valia 2 pontos e ser campeão do mundo.Tivemos outro que marca 1 golo em alvalade aos primeiros minutos e joga mais de 80 com um autocarro.... esses não prestavam mas o Sr. Jorge Jesus é o maior... não há pachorra.Ontem vi o Porto a jogar na Luz com um Gil Vicente ou o Porto B com as equipas mais adultas da segunda liga.A diferença é pouca.

Pedro Mota disse...

1) Lopetegui teve ou não um plantel com qualidade para vencer titulos??
2)Quantos titulos venceu o Porto nesta epoca??

Vamos analisar factos:
Esta epoca somos eliminados da Taça a joagar em casa,contra o Sporting,com Bruno Carvalho a fazer a festa no nosso relvado; Fomos incapaz de vencer um jogo ao nosso grande Rival,perdendo inclusive em casa ; Perdemos 2 vezes na madeira ,na casa de um clube cujo presidente nos hostiliza,sendo essas derrotas vitais para a perde de 2 títulos ; Sofremos a maior derrota da nossa história nas competições europeias ; vencemos ZERO títulos numa época com o maior orçamento de sempre ..Eu considero esta epoca um fracasso,mas é apenas a minha opinião, e respeito quem pensa o contrario mas não me digam que isso tudo se deveu ao Quaresma e que Lopetegui não tem um minimo de responsabilidade ..Pegar-se com o treinador contrario e fazer excelentes conferencias de imprensa é importante,mas não faz de ninguém bom treinador por isso..Na minha opinião Lopetegui não deve continuar.

André Pinto disse...

Caro Luis Vieira:

Obrigado pelos comentarios, a que agora lhe respondo.

1. A sua afirmação é contraditória, porque assume que a coisa melhorou apenas em Marcano. Se Marcano for pressionado, não temos qualidade na primeira fase, porque Maicon recorre sempre ao balão. Isso não é melhoria. E tem-se visto.

2. Em relação ao Herrera estamos de acordo. Acho que Evandro devia ter jogado mais.

3. A sangria do plantel esta por verificar, mas pode dizer-se muito provável. Danilo esta vendido. Jackson obviamente que também seguirá o mesmo caminho. Casemiro, a fazer jus no que se diz em Madrid tem guia de marcha para regressar aos merengues. O Atlético, por sua vez, pretende colocar Oliver no mercado e sobre ele não temos opção de compra. Dificilmente Oliver se manterá no FCP. Ja sobre Tello temos, mas o Barcelona pretende igualmente vende-lo e o seu preco adivinha-se muito alto, alem da concorrência óbvia. Em quantos vamos? Cinco titulares. Alex Sandro também pretende sair, apesar de me manter ceptico, dado o seu extraordinário preço e necessidade de se valorizar mais. Em suma, conte perder pelo menos 4 titulares. O que mais me incomoda é a posição 6, mas são todos titulares.

4. Nunca disse que a participação de Brahimi no CAN era para ser evitada. Nesse caso o amigo tresleu. A sua participação foi mal gerida, uma vez que nunca mais se recuperaram os seus índices físicos. Outros participaram como ele e não tiveram a queda de forma que se viu.

5. Sim. Para mim, perder seis a um (6-1) da forma que perdemos, depois de se levar uma vantagem de 3-1 na primeira mão é falhar com estrondo. Chegamos aos quartos, com mérito e competência, mas a forma como saímos foi humilhante. Ja vejo que alinha pelo diapasão de que era inevitável levarmos menos de 6... Outro comentador fala dos 24 milhões ganhos, e eu só me lembro de ter levado 6-1, um Porto abúlico em campo, metido em 20 metros e com um fulano que já ninguém sabia estar no plantel do Porto adaptado a lateral, com Ricardo no banco. Eu sou adepto, não contabilista. Os 24 milhões não apagam da historia os 6-1, nem o que se passou nesse jogo. Alguem se lembra do contexto em que o Benfas levou 7-0 do Celta? Eu lembro-me do fartote, mais nada. Nem sei como ficou a outra mão...

Luís Vieira disse...

Caro André Pinto, eis a resposta:

1. Não vejo contradição. Não digo que a coisa melhorou "apenas" em Marcano. Digo que melhorou "sobretudo" após a entrada do Marcano, que tem mais critério na saída de bola. O modelo não sobrevive sozinho, precisa dos jogadores e o Lopetegui não tem culpa de ter um central (Maicon) que passa grande parte do jogo a pôr a bola fora. O Indi também não é um primor técnico e o Reyes, como se viu, continua verde para estas andanças. Mas a saída de bola pelos centrais depende também de outros factores como sejam os apoios prestados pelos médios e pelos laterais, que sofreram uma evolução ao longo da época. Por isso, reitero: houve melhoria.

2. O desacordo está somente na baixa de forma "constante" do Herrera. Acho que essa baixa de forma é mais recente, em resultado da utilização excessiva nos primeiros dois terços da época e do Mundial (em Munique, elementos do Bayern queixavam-se precisamente do factor Mundial como criador de desgaste, para justificar a onda de lesões e o desaire da 1ª mão).

3. Aqui baseia a opinião em premissas futuras, facilmente desmentíveis. É um exercício de futurologia que pode sair furado, por isso, de momento, não é válido. Tanto quanto sei, apenas um titular está vendido, pelo que o "projecto de futuro" ainda é possível. Mais tarde pode vir cobrar.

4. Deu essa sensação com a relação causal "erros de gestão básicos" e "participação de Brahimi no CAN", como se esta pudesse ser evitada. Assim não sendo e quanto aos índices físicos, resta saber o que se deve a responsabilidade do treinador, da equipa técnica ou do próprio jogador. Foi mais um dos que participou no Mundial e, neste caso, acho que a rotatividade funcionou com Tello, Quaresma e, mais recentemente, Hernâni.

5. Pode dizer que é falhar com estrondo na eliminatória, por não termos sido capazes de manter a vantagem conseguida na 1ª mão. Não pode dizer que falhámos com estrondo na Champions tout court. Isso é injusto, para não dizer desonesto. Relembro que não íamos aos quartos da Champions desde 2009. Não entram aqui considerações contabilísticas, apenas desportivas. Foi um sucesso, não um falhanço. Não, naturalmente não alinho por diapasões dessa estirpe. Era evitável e podíamos ter feito muito melhor. A derrota era aceitável, mas por outro números. De resto, a comparação com o Celta de Vigo é imprópria porque se está a confundir a velocidade (Bayern) com o toucinho (Celta).

PortoMaravilha disse...

Viva,

O Porto ganhou esta época o acesso à Liga dos Campeões o que, salvo erro meu, equivale, no cambio internacional, a um ti'tulo de campeão. Para ser franco, não sei muito bem, em contrapartida, ao que podem equivaler as duas taças: penso que devem ter o mesmo valor que os empréstimos Russos anteriores à Revolução de 1917. E, isto, infelizmente, porque sempre fui contra o desaparecimento da Taça das Taças.

A conquista do acesso à Liga dos Campeões não era esperada nem desejada. Não era desejada porque, no âmbito da re-estruturação do futebol Europeu interessava e interessa aos clubes de Lisboa associarem o futebol Português a uma so' metro'pole ou cidade.

Não era esperada a conquista da "final" que dava acesso à Liga dos Campeões, ja' que o Lille apresenta o mesmo - entre aspas - projecto que o Porto, so' que havia (e ha') muito maior continuidade no Lille.

O Porto não perdeu jogo nenhum e até ao jogo da ida em Munique. A este propo'sito não considero desprestigiante perder um jogo 6-1 com o Bayern e não sou o u'nico a pensar assim, ja' que é preciso lembrar, igualmente, que o Porto ganhou e por duas bolas de diferença ao Bayern.

Não tenho qualquer competência para julgar, dizer, analisar se Lopetegui é bom ou mau treinador. Sei que recuperou o presti'gio internacional que o Porto tinha perdido desde ha' alguns anos.

Lopetegui incomoda porque mostra que é um pedagogo tal como, por exemplo, Artur Jorge, veja-se, o exemplo de Paulo Futre. Danilo é hoje um dos melhores laterais da Europa, Ruben Neves começa a se afirmar, tal como Oliver... Assim, acho um atentado contra a modalidade não observar, não ver qualquer reação dum jornalista ao ouvir dum treinador cuja equipa (Braga) fez dois remates à baliza, em 90 minutos, falar de penalti.

O Porto tem hoje, no mundo, um capital simpatia que os outros clubes não têm. E' um dado objectivo.

A presença na Liga dos Campeões é vital.

E Viva o Porto!





André Pinto disse...

Não estamos definitivamente de acordo.

1. A melhoria que houve foi com Casemiro. De resto, sempre que os centrais foram pressionados, estivemos em dificuldades toda a época.

2. Herrera ja estava lento em novembro de 2014.

3. São muito diferentes "futurologia" e probabilidade. Futurologia tem por base a superstição e mistificações avulsas. Probabilidade é uma analise aturada das possibilidades relacionadas com um evento, ergo baseado em premissas factuais. Caríssimo, a sua atitude é só "wishful thinking" e furta-se a comentador um cenário que está no nosso horizonte. E só a MERA POSSIBILIDADE já é digna de critica, porque não é assim que se constrói um projeto a médio prazo. Eu apresentei dados: Oliver, Tello e Casemiro estão emprestados. Não temos direito de opção sobre dois deles. Ponto. Se isto é ponto de partida para algum projecto... Também achar que Jackson se manterá, depois de 2 anos de declarações regulares relativamente ao prazo da sua estadia no FCP, e depois do que disse durante o mercado de Inverno, enfim...

4. Quantos jogadores de outras equipas e outros campeonatos jogaram no CAN e no Mundial? Quantos se eclipsaram depois do CAN? Vai-me dizer que Brahimi teve uma embirração depois da CAN e decidiu começar a pastelar...

5. Eu disse que falhamos na Champions. Nao disse que a Champions era para ir toda para o lixo. Está a tresler. E o que fica para a historia, não é o contexto, nem o paleio de Rui Santos, mas sim o resultado. Toucinho, ou velocidade, o que fica para a historia é a nossa humilhação no Allianz. Não "que não íamos aos 4os desde 2009", ou que a campanha rendeu 24 milhões. Isso é historia pequena - quero la saber. Acho que podemos e devemos aspirar a melhor. Antes da final de Sevilha, quantos anos havia que não íamos a uma final europeia? E em Gelsenkirchen? Mas escrevemos historia, com superação e excelência. E houve ambição, algo que desapareceu totalmente da cultura do FCP, desde que Vitor Pereira ficou a apanhar os cacos de Villas Boas. Do presidente aos adeptos. Claro que o adepto derrotado quer sempre relativizar, mas isso parece-me negativo, porque impede uma visão clara dos problemas. Vivo no estrangeiro, leio a imprensa e parte-se-me o coração. Eu sou dos que acha que o Bayern é obviamente muito superior, mas que podíamos ter feito algo melhor do que encaixar 6 golos. Ha responsabilidades a pedir sobretudo a certas opções do treinador e algumas prestações de jogadores. Isso afigura-se-me inegável.

Luís Vieira disse...

Agree to disagree. Novo contraponto:

1. Casemiro, Óliver, Herrera, Danilo, Alex Sandro e respectivos substitutos. Todos participaram na melhoria da saída de bola desde trás. Foi um movimento colectivo, não apenas focado nos centrais, embora seja inegável que o Marcano trouxe outro critério à mesma, pela serenidade (a contrastar com o comparsa Maicon). Vi, in loco, no Dragão, o Bayern a pressionar como nenhuma outra equipa esta época e o Porto a desenvencilhar-se muito bem, por isso as dificuldades que relata são referentes ao 1º trimestre da época e não a "toda a época".

2. Como deixei claro no anterior comentário, discordo: o abaixamento de forma é mais recente.

3. A sua percepção do conceito de futurologia é diferente da minha. Para trazer alguma cientificidade à discussão, socorro-me de duas definições enciclopédicas: "Futurologia - conjunto das pesquisas que têm por objectivo prever, para dado momento ou época do futuro, o estado do mundo ou da humanidade" (Dicionário Porto Editora) ou "Futurologia - tentativa de prever, com uma abordagem científica, o futuro mais ou menos remoto da humanidade, tendo como objectivo abordar os vários cenários possíveis do futuro" (Encyclopædia Britannica). Não se faz referência a quaisquer "superstições" ou "mistificações avulsas". Trata-se antes de "pesquisas" e "abordagens científicas" (em que se pode incluir as suas probabilidades, possibilidades, premissas proto-factuais) no sentido de prever o futuro. Foi isso que o André Pinto fez: um exercício de futurologia, desmentível a todo o tempo, que eu me furtei a comentar, por não incluir asserções verdadeiras, tangíveis, reais, que desmintam o "projecto de futuro". Quanto à MERA POSSIBILIDADE, posso adiantar que a política desportiva do FCP tem contemplado, anualmente, a saída de 2 a 3 titulares. Para já, saíu 1. Prevejo que o Jackson também saia. Tanto quanto sei, o Tello e o Casemiro têm opção de compra. O Óliver não. Se estes 3 saírem, o "projecto de futuro" perderá validade. Se 2 deles ficarem, não. É uma questão de esperar para ver. Não se trata de "wishful thinking", mas de jogar com as possibilidades, probabilidades, premissas "factuais".

4. Vários. Porventura, também vários. Não me dei ao trabalho de pesquisar, mas não duvido que encontrasse quebras de produção semelhantes. A começar por um compatriota do Brahimi: Slimani. Não é caso único.

5. Não estou a tresler, não insista. Foi o André Pinto quem disse que "falhámos na Champions com estrondo". Insurjo-me contra isto. Pode dizê-lo quanto à eliminatória, pelo fracasso retumbante na Alemanha. Relativamente à campanha, considerada globalmente, utilizar o termo "com estrondo" é ridículo; utilizar o termo "falhanço" é pouco recomendável. Atingimos, antes, os objectivos. Também acho que podemos e devemos aspirar a mais e melhor, por mim ganharíamos a Champions todos os anos, mas sou realista e compreendo que o Porto seja eliminado nos quartos-de-final. Basta atentar na dificuldade que representa chegar a esta fase: há 6 anos que lá não íamos. O resultado não é ideal, mas é positivo. Não há relativização, nem paleio de Rui Santos: apenas realismo e satisfação de expectativas. Quanto à humilhação na Alemanha, coisa diferente, que o André Pinto insiste em misturar/confundir com o todo, estamos de acordo.

meirelesportuense disse...

Tem razão, Lopetegui é Basco, mas qual foi a língua que ele utilizou para dizer o que disse a Jesus? Nós não sabemos, pode ter sido o Basco, o Catalão, o Castelhano ou até o Portunhol...
-Isto sou eu a desculpar-me, claro, porque cometo o erro de ligar o Lopetegui sempre ao Barcelona.

André Pinto disse...

1. Parte de um termo de comparação errado. O jogo com o Bayern representou um mudança radical na forma de jogar do FCP em relação a toda a temporada. Lopetegui assumiu a superioridade do Bayern e deu a posse de bola aos Bávaros. Claro que houve menos dificuldade em sair com a bola: as linhas estavam mais próximas e os centrais foram muito apoiados. No resto do jogos, mantendo o estilo de posse, houve sempre muito metro entre centrais e meio campo. O caríssimo vai buscar um jogo que foi absolutamente anómalo na temporada do FCP, para tentar justificar o que foi a media da época. No ultimo jogo, contra o Benfica viu-se a quantidade de passes falhados no 1o momento.

2. Ok.

3. Em relação ao que vou postar tem duas opções: a) ignorar, não dar importância, b) admitir que esta a ser displicente.
Casemiro: http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2015/03/14/casemiro-encanta-o-real-madrid-e-clube-ja-o-quer-de-volta-diz-jornal.htm
Oliver: http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=817351&tm=29&layout=158&visual=49 (citando o director desportivo do Atletico)
Não me lembro no passado recente de termos tantos emprestados na equipa titular, mas se calhar sou demasiado novo. E o treinador também tem um contrato de 3 anos. Se isto não configura uma alteração no que sempre se praticou no FCP...

4. Discordo. Slimani estava em quebra antes de ir para o CAN.

5. Talvez o senhor trabalhe na SAD e maneje objectivos, balanços e estatísticas para se regalar. Eu, pobre e grunho adepto, levei 6 na pá e isso em qualquer lado doí. E a "brilhante" Champions também é paleio furado. Acho que não fizemos mais do que a nossa obrigação, dado o grupo fraquinho e o Basileia nos oitavos... Não chegar aos 4s, nessas circunstancias, seria de se bradar... E ponha nessas contas desde 2009 uma Liga Europa ganha de permeio, o faxabor...

Constato, triste, o apoucamento do que era antes a ambição portista. Chegamos aos quartos-de-final, enfrentando equipas de fraco calibre, sendo varridos com uma goleada humilhante, e desportivamente rejubilamos. Fomos eliminados da Taca de Portugal sem apelo nem agravo. Vi o paquiderme que preside ao Sporting festejando no relvado do Dragão uma eliminação humilhante. Não falo da taça da cerveja, mas foi mais um ponto baixo. Agora, num jogo decisivo na casa do adversário, que tem sido permanentemente beneficiado pelos árbitros, entramos com 3 trincos e acabamos o jogo trocando a bola entre os centrais com 0-0 no marcador e o campeonato pela pia abaixo. No fim, os dois símbolos máximos para os adeptos agarram-se a Jorge Jesus aos abraços e beijinhos. Os dirigentes portistas presentes, declaram a comunicação social que ficaram muito agradados com a recepcao. Vergonhoso.

Um plantel caríssimo, onde pontificam asneiras como Adrian Lopez, que não jogou na segunda volta e por quem se pagou 11 milhos de euros (60% do passe), e emprestados em posições fundamentais, como a de trinco. Mas para a nação portista esta tudo bem, foi um ano de evolução, este projecto evoluirá para altos voos, liderado pelo timoneiro basco, de quem não vi uma única opção, gesto ou intervenção que evidenciasse um talento adequado ao cargo que ocupa. Pelo contrario, ate novembro de 2014 andou em pré-epoca, não repetindo 11 titular, embarcando em invenções, com os resultados que sabemos. Quando teve desafios tacticos de elevada dificuldade espalhou-se ao comprido. Se calhar o meu problema é não me ajustar ao apoucamento geral e cobardia que tomou conta do meu clube.

Pela 2a época consecutiva não ganhamos nada - desta vez com o maior investimento de sempre. Nem conseguimos marcar um misero golo ao adversário direto. NADA. ZERO. NICLES. Mas esta tudo bem. Para o ano vai ser um fartote. Tudo isto me lembra a vigência de um tal José Eduardo Bettencourt...

Luís Vieira disse...

1. Dei o exemplo do jogo com o Bayern, por ser aquele em que fomos sujeitos a uma pressão mais intensa, não por ser o único em que se constatou a melhoria da saída de bola. Quem faz o que o Porto fez na 2ª parte contra o Bayern, no Dragão, só pode ter melhorado. E aí (2ª parte) não demos posse de bola coisíssima nenhuma aos bávaros. Tivemo-la e saímos a jogar com muita qualidade. Reconheço as dificuldades no 1º terço da época, mas com a entrada do Marcano no 11 e a melhoria do processo colectivo (conhecimento/entrosamento dos jogadores referidos), aquelas foram-se atenuando, vendo-se agora algo bem diferente, para melhor. Com o Benfica tivemos uma configuração diferente do meio-campo, mas, mesmo assim, na 1ª parte, tivemos bons momentos.

3. É, de facto, uma alteração de paradigma (a questão dos emprestados), mas não quer dizer que não possa redundar num projecto de futuro, desde que algum(ns) do(s) emprestado(s) fique(m). À imprensa desportiva não dou muito crédito, tantos os boatos que circulam, por isso, prefiro sempre aguardar pela confirmação oficial. Se isso vier a acontecer e saírem mais de 3 titulares, dou-lhe toda a razão neste particular.

4. Mantém-se a discordância, nada feito.

5. Também sou apenas um mero adepto e também fiquei muito insatisfeito com a pobre figura que fizemos em Munique, mas dissocio isso da campanha na Champions. Não me ouvirá dizer que foi brilhante, mas foi uma boa campanha que me deixa mais satisfeito do que ser eliminado na fase de grupos (Adriaanse), relegado para a Liga Europa ou eliminado nos oitavos-de-final pelo todo-poderoso Málaga (Vítor Pereira). Para si o 6-1 torna tudo vergonhoso, está visto. São opiniões. A Liga Europa não entra nas contas, é uma competição diferente, com um grau de dificuldade inferior, não diminuindo, por isso, o número de anos sem estar presente nos quartos da Champions (desde 2009).

Quanto às restantes considerações do extenso excurso, tenho a dizer que concordamos em diversos aspectos (falta de títulos, eliminações nas taças, experimentalismo inicial, passividade da SAD) e discordamos noutros (sucesso desportivo na Champions, resultado na Luz - pior é o do Dragão -, qualidade do plantel, virtudes do treinador, desconsideração do factor "arbitragem" no provável resultado final do campeonato e consequente atenuação de responsabilidades), mas seria discussão para dar pano para mangas...

Josef K. disse...

Só queria comentar algo que li já não sei de quem, que o debate vai longo, sobre o treinador (neste caso o JL, mas o meu ponto não tem a ver com um treinador específico) não ter culpa do Maicon perder sistematicamente a bola nos seus "charutos" (que ele apelidara de "lançamentos") prá frente.
Não tem culpa??? Mas quem é que manda, car***o? Se fosse comigo já o tinha corrigido nos treinos, mas se o gajo chegasse ao jogo e insistisse na merda dos charutos eu dizia-lhe com todas as letras " ó meu fdp, voltas a fazer essa merda e vais roçar banco prá equipa B!!".
Faz-me uma impressão do caraças esta porcaria. É isto e os pontapés de baliza marcados da mesma forma. Ou há um Jardel na frente e até percebo ou então é pura estupidez, desculpem lá...