quarta-feira, 29 de abril de 2015

Suspensão FIFA, um novo jogo a que temos de estar atentos


Muitos não deram crédito quando saíram as primeiras noticias de que o Barcelona ia ser castigado com um ano e meio sem poder contratar jogadores por parte da FIFA. Era o Barça, afinal de tudo, essa equipa que, segundo Mourinho, tinha trato preferencial graças ás suas ligações com a Unicef e o Qatar nos corredores do poder. O todo poderoso Barcelona - que nesse Verão tinha contratado a vários futebolistas, incluindo o genial Luis Suarez, via-se agora vetado a ano e meio sem actividade no mercado por culpa da contratação ilegal de vários adolescentes dos quatro cantos do Mundo para a sua cantera. Ninguém podia acreditar, todos pensavam que era uma jogada mediática, dessas em que o clube é castigado e logo perdoado, mas ai temos os blaugrana vetados oficialmente até ao dia 1 de Janeiro de 2016. Parecia caso único mas não era.

A imprensa radiofónica espanhola começou ontem a notificar nos programas desportivos nocturnos que a mesma sanção iria ser aplicada tanto ao Real como ao Atlético de Madrid. Uma vez mais a forma como os clubes assinavam com menores, falseavam documentação, procuravam o acordo dos pais (a FIFA exige que a família viva com o jogador no seu novo local de treino, por exemplo) quando na realidade tudo não passava de uma ficção para "inglês ver" é o motivo oficial por detrás desta sanção. Os mais dados ás teorias da conspiração falam no interesse do Real Madrid em prejudicar o Barcelona e a pressão do Barcelona, à posteriori, para devolver a moeda. Há também quem diga que atrás desta medida estão os poderosos qataris, interessados em congelar o absorvente mercado espanhol, para evitar o fluxo de estrelas para "La Liga" e com isso manter campeonatos como o francês com algumas das estrelas. Tudo rumores, tudo suspeitas, tudo teorias. É certo que a FIFA e a UEFA vivem uma guerra surda pelo poder, mas isso sempre passou. Ferir de morte a dois grandes clubes da UEFA é ferir Platini e o seu projecto ambicioso de derrocar Blatter mas, ironicamente, o mais prejudicado neste jogo é o melhor aliado de Blatter na UEFA, o espanhol Angel Maria Villar (que alguns vêm como seu sucessor putativo num eventual duelo com "Platoche". Guerras de tronos que em principio diriam pouco a um clube como o FC Porto mas que podem dizer muito.

Em primeiro lugar, se a suspensão for confirmada, é certo que Oliver Torres não vai voltar ao clube na próxima época. 
Sem poder assinar com novos jogadores o plantel do Atlético de Madrid vai necessitar forçosamente de ter todos os seus activos de valor consigo e Oliver é um deles. Sofreria, jogaria menos do que merecia mas nenhum gestor com cabeça o deixaria sair se não houvesse alternativa. O problema não estaria apenas em Oliver. Caso o FCP insistisse em continuar a procurar novos empréstimos no futebol espanhol, uma sanção deste estilo levaria o clube a encontrar-se com um problema de disponibilidade já que nem Barcelona nem Real Madrid - e muito menos o Atlético - teriam jogadores livres para dispensar. O Real já mostrou intenção de recuperar Casemiro e pensava seriamente na opção de emprestar ao FC Porto Lucas Silva ou Odegaard para o próximo ano para repetir a operação de rentabilização (nem Keylor Navas nem Illarramendi estão neste pack) mas com esta sanção é altamente improvável que o faça. O mesmo sucede com o Barcelona, clube a quem o FC Porto cobiça o empréstimo de dois futebolistas, Gerard Deulofeu e Sergi Robert, em moldes parecidos ao negócio Tello. São casos que estão oficialmente em standby até porque o Barcelona continua oficialmente a recorrer da sua sanção para desbloquear a situação.

Outro ponto importante é o caso Danilo.
Danilo está oficialmente vendido ao Real Madrid. Mas se a suspensão do Real Madrid se oficializar antes do dia 1 de Julho - como é provável - e não houver recurso que lhes valha, Danilo não pode ser inscrito. A suspensão não proíbe os clubes de contratar o deter passes de novos jogadores o que impede é a sua utilização através da inscrição na liga. Portanto o Real teria pago mais de 35 milhões de euros por um jogador que não poderia, a todos os efeitos, utilizar durante um ano completo. 
Esse cenário é complexo. 
Como não conhecemos os detalhes do negócio não sabemos se o Real guardou alguma clausula em que podia cancelar o negócio caso este cenário se desse. Afinal todos sabiam já desde 2014 que o Real estava no ponto de mira da FIFA por queixas formais do Barcelona e isso apressou também a contratação de Asensi, extremo do Mallorca muito prometedor, e de Odegaard, inscritos oficialmente em Dezembro e portanto já parte do clube tal como Lucas Silva que chegou á pressa e tem sido escassamente utilizado o que diz muito do interesse real do Ancelotti em tê-lo já ás suas ordens. Também Javier Hernandez foi emprestado e esse empréstimo pode ser prolongado um ano mais já que, ao estar inscrito, está ao abrigo da suspensão. Mas Danilo não.
Danilo foi contratado - paga a primeira tranche - mas oficialmente é ainda um jogador inscrito pelo FC Porto e se o Real não o conseguir inscrever, é um activo seu mas na prateleira. 
Uma vez mais reforçamos, não sabemos se há alguma clausula no negócio de Danilo que permita ao Real cancelar tudo ou se, pelo contrário, se abriu uma hipótese de Danilo ficar um ano emprestado, até caducar a suspensão, e depois ser oficialmente inscrito pelo Real Madrid. O curioso é que o próprio Danilo descartou o Barcelona - onde joga um dos seus melhores amigos, Neymar - porque não queria esperar até Janeiro de 2016 (e porque o Barcelona exigia ao FCP não inscrever o jogador na Champions League para poder utiliza-lo na segunda fase). Seria irónico que, depois disso, lhe passe o mesmo.  

No final tudo pode ficar em águas de bacalhau.


Dia 29 de Maio há uma eleição para a presidência da FIFA. Sepp Blatter vai ganhar, todos o dão já por assumido por muito que Luís Figo sonhe com um cargo numa candidatura suportada pelos Fundos de Investimento e os poderes mediáticos atrás da máquina Mendes que querem um futebol com menos regulação e mais dinheiro para todos. Uma vitória de Blatter é, habitualmente, seguida de uma amnistia geral e esse perdão pode desbloquear a situação. De certo modo é um teste á fidelidade de Villar e dos grandes clubes europeus, uma prova da FIFA de que são eles quem manda de verdade e não a UEFA e que quando seja preciso apertar, eles não vão hesitar um só segundo. Pode ser. Ou pode também isto significar novas regras no jogo, um cuidado extremo numa realidade que nos afecta. Não só porque, cada vez mais, clubes como o FCP têm de procurar na sua formação (e na contratação de talentos para a formação) o seu sustento como a punição de clubes com grande poder de inversão pode bloquear o mercado e com esse movimento colocar em risco muitos orçamentos de contas para clubes que, como nós, vivem no limite. Até ao Verão ainda falta muito tempo para dar algo por garantido mas o FCP deve tomar nota de tudo o que se passe porque cada detalhe é fundamental para perceber para que mundo o futebol caminha. 

6 comentários:

reine margot disse...

Percebo que as equipes chamem de volta os seus jogadores, se não poderem contratar outros. Mas, certo é também que não podem vender. Então para quê ter de pagar todos os salários, mesmo dos que vão ficar no banco ? haverá que ponderar ! por outro lado a ideia de fazer jogar e potenciar jogadores em clubes como o Porto continua válido, e pode ser uma forma de no fim do castigo ter ainda mais jogadores para vender...
Por outro lado ainda, acho que a venda do Danilo se deu quando deu, por alguma razão e não foi só por causa das comissões... A não ser que um jogador possa ser vendido duas vezes num ano só: a primeira para as comissões, a segunda para o vender mesmo!...

It's complicated!

No meio disto tudo acredito que os altos dignatários do futebol andam a semear ventos!... Já não bastava os jogadores serem "merchandise", agora ainda têm de ficar de castigo, quando não têm culpa nenhuma no que o clube faz!...

Miguel Lourenço Pereira disse...

Reine,

"Por outro lado ainda, acho que a venda do Danilo se deu quando deu, por alguma razão e não foi só por causa das comissões... A não ser que um jogador possa ser vendido duas vezes num ano só: a primeira para as comissões, a segunda para o vender mesmo!... "

Um jogador pode ser vendido até mil vezes no mesmo ano. O que não pode é ser inscrito mais de duas. O Danilo pode ser vendido pelo Real Madrid em Junho e jogar por esse clube porque apesar de ter sido do Real nunca foi inscrito oficialmente por eles.

Quanto aos empréstimos é uma questão de necessidade. São clubes que podem perfeitamente pagar esses salários e depois do Real perder o Khedira, ter um médio a mais como o Casemiro ou o Lucas Silva ajuda. O Odegaard é jogador do Castilla a todos os efeitos pelo que não há inconveniente. No caso do Barcelona idem. O Atlético é ligeiramente diferente mas com o fim do empréstimo do Cani há uma vaga. E sim, os clubes podem comprar E VENDER, o que não podem é INSCREVER.

"o acredito que os altos dignatários do futebol andam a semear ventos!... Já não bastava os jogadores serem "merchandise", agora ainda têm de ficar de castigo, quando não têm culpa nenhuma no que o clube faz!"

O Real Madrid posicionou-se oficiosamente a favor do Figo. Sabiam o que fazia. O Atlético ofereceu as instalações do estádio para um colóquio com o Figo e vários membros da FIFA. Sabiam o que faziam. Que os adeptos não contem isso é válido para isto e para muitas coisas, mas se esta punição estiver a ser "cozinhada" como uma vendetta do Blatter - que é o que se pensa na realidade em Espanha - pelo apoio de um grupo concreto a um candidato rival (e já fez isso no passado), o alvo lógico seriam precisamente os clubes.

Alexandre Burmester disse...

Bem, eu diria que os regulamentos são para ser cumpridos, e se os clubes os atrpelam, sejam eles que clubes forem, devem ser castigados. O oposto seria a rebaldaria.

E não vejo em que é que os jogadores fiquem de castigo, quando estão apenas a cumprir contratos assinados de livre vontade.

reine margot disse...

Alexandre, apesar de esta ser uma sua casa, bem vindo de volta!
Pode-se fazer essa leitura, eu porém não vejo que esses contratos sejam feitos de livre vontade! Para além desse pormenor, referia-me aos jogadores que querem sair... eu mesmo que seja de livre vontade, posso não gostar do meu patrão, ou do ambiente de trabalho, certo? Tenho de ser livre para me pirar!

Alexandre Burmester disse...

Obrigado, "reine". Em relação ao que argumenta, todo e qualquer jogador é livre de deixar o seu clube no fim do contrato.

nonameslb disse...

Tanto o Real como e Atleti vao poder inscrever jogadores no verao,a suspencao so comeca a partir de Janeiro proximo.