sexta-feira, 22 de maio de 2015

Os 10 Mandamentos do FC Porto 2015/16 (Parte II)

No seguimento da primeira parte, publicada ontem, aqui estão os outros cinco mandamentos a seguir no próximo ano!

6) Aprender a ter um plano B
Somos uma das melhores equipas da Europa em futebol de posse. Somos uma das melhores equipas da Europa em recuperação da bola após a perda. Somos uma das melhores equipas da Europa em jogo colectivo. Não vale a pena insistir, somos muito bons quando temos a bola e quando a recuperamos. Até chegar ao último terço do campo, o “futebol sem balizas” de que se falava nos anos 70 reencarnou no Dragão. O próximo ano exige um plano B (e C) urgente. Contra equipas que se fecham (e são tantas) temos de aprender a meter velocidade nos últimos metros, meter mais homens na área, abrir linhas. Acabar mais vezes a jogada, rematar, procurar a meia distância. Faltou-nos isso todo o ano. E não pode repetir-se o erro porque é fácil adivinhar que para a próxima época se repitam as mesmas posturas defensivas na esmagadora maioria dos jogos (Luz incluída).

7) Bolas paradas decidem títulos
Quem seguiu o Atlético de Simeone nos últimos três anos sabe que mais de 1/3 dos pontos e vitórias foram conseguidos em lances ensaiados. Idem para o Barcelona de Luis Enrique ou o Chelsea de Mourinho. Futebol de elite hoje é, mais do que nunca, futebol de estratégia. Cantos, livres, lançamentos laterais até. Jogadas repetidas, ensaiadas e eficazes. Não se viu nada disso este ano durante todo o ano no Dragão. Deu pena. Não se pode repetir e alguém tem de estabelecer uma meta de golos de bolas paradas já e trabalhar nisso. Prioritário.

8) Queremos a equipa B para quê?
O ano da equipa B foi lamentável. Luís Castro é um desastre e não faz sentido nenhum ter no cargo um incompetente crónico. Pouco se aproveita daquela equipa para a equipa principal e a forma como Ivo ou Otávio se portaram em Guimarães diz muito do que devemos esperar a curto prazo, pouca coisa. Gudiño e Leonardo devem ser protagonistas, são o futuro, e o modelo de jogo tem de ser variado. Exige-se sobretudo outra atitude a staff e jogadores. Para andar a sujar o nome do FCP por esse Portugal fora com exibições penosas sem produzir jogadores para a primeira equipa, não faz falta ter B.



9) Objectivos
A Champions dá prestigio e dá dinheiro. Prefiro ser quarto-finalista da Champions a ganhar a Taça de Portugal ou a Supertaça (a Taça da Liga só me interessa menos que o bilhar e a natação). Mas não há condições institucionais para ser objectivo prioritário como foi este ano. O titulo tem de ser a 1, 2 e 3 prioridade. Não para evitar um Tri do Benfica - isso é pensar pequeno - mas sim porque não travar um período de derrotas pode ter consequências sérias, a começar por perder jogadores de futuro. Dependendo do grupo – estaremos no pote 2 – falaremos em Setembro da Champions mas no campeonato não há desculpas. Tem de ser nosso.

10) Adeptos, calma, paciência e confiança

Somos o maior clube português dos últimos 30 anos. Um dos maiores da Europa. Isso cria uma cultura de vitória, de orgulho mas também de falta de perspectiva. Perdemos dois anos seguidos e há quem se queira atirar da ponte ou queimar o estádio com todos lá dentro. Não, não e não. 
Perder é parte do jogo. Saber perder é o primeiro passo para aprender a ganhar. Os portistas de vitórias devem estar preparados para ser portistas de derrotas com a ambição de ganhar. Ninguém pede que se baixe a ilusão e o sonhar, apenas para entender que estar outros 10, 20 ou 30 anos como estivemos até agora é impossível. Nunca passou em lado nenhum, não vamos ser excepção. Isso não significa falar em oásis de 19 anos. O cenário mais lógico é voltar aos anos 70 e 80, ao equilíbrio de forças. Há que aceitar isso, apoiar a equipa em todos os cenários e empurrar o clube para cima da mesma forma que ele empurrou os nossos sonhos nas ultimas décadas.

9 comentários:

Pedro ramos disse...

Concordo de forma global com os 10 mandamentos, apenas algumas observações.

3- Não penso que a questao dos emprestados seja a preto e branco. Hoje todos dissem que nao compensa porque a época correu mal, é esse o critério? Se fossemos campeoes já teriam valido a pena?
Quintero e Reyes continuam a ser jogadores com potencial e nao sei porque nao têm evoluido (se devido às suas limitaçoes técnicas se simplesmente sao maus profissionais), qual a melhor soluçao: empréstimo ou tentar vender?
Será que jogadores como CE, Josué ou um André André querem ter um papel secundário sabendo que podem ter papeis principais em clubes médios europeus e em ligas muito mais mediáticas que a nossa?

4- É bonito dizer que devemos ter 2 jogadores por posiçao mas nao foi isso que tentamos fazer inclusivamente com Angel cuja contrataçao foi tao criticada? Ricardo nao era a alternativa a Danilo? Se o treinador nao confiou nele nesse jogo confiaria num Josué ou num CE? É com essas alternativas que vamos ter 2 jogadores por posiçao em que o treinador confie?

6- Mais importante que o plano B é melhorar o plano A, muito mais jogo interior, mais jogo dentro do bloco adversário, bola dentro e bola fora para desiquilibrar as defesas que enfrentamos no nosso campeonato. O resto aparecerá com naturalidade e claro como diz no ponto 7, mais trabalho nas bolas paradas.

8- Nao podia deixar de referir este ponto. Será que LC é muito, mas muito mais competente fora das 4 linhas? Foi ele que esteve todo este tempo à frente da nossa formaçao...
Ivo para mim só confirma que o problema no nosso clube está longe de ser a prospeçao de talentos, o nosso problema é que na maior parte das vezes nao somos capazes de lhes dar as ferramentas necessárias para que eles possam triunfar no futebol profissional, ou seja, somos péssimos professores e nao basta ter gente que exija isto ou aquilo, que grite muito e os ponha de castigo, precisamos de bons professores para que a formaçao possa dar frutos.

10- Este ponto é fundamental para mim. Concordo com cada linha, com cada palavra.

Luís Pires disse...

ponto 7: não entendo nada de tácticas, treinos etc... mas também ainda não percebi porque razão as equipas técnicas não têm treinadores (adjuntos ?) especializados em determinadas fases de jogo, como as tais bolas paradas. ou têm? o treinador principal não pode abranger tudo.
um fora de tópico: muito bem hoje o clube no seu comunicado, na parte em que demonstra inequívoco apoio ao treinador; mal na desistência do torneio. bolas, o mercado mexicano é imenso, queremos ou não internacionalizar a marca?

Luís Pires disse...

p.s. só entendo esta desistência por um motivo (e se calhar é melhor nem publicar este comentário, para não dar azar ;) ): estar na calha um patrocinador asiático ou se lá de onde for que nos queira noutro local durante a pré época.
mas isto devo ser eu a sonhar...

Roberto H Santos disse...

Miguel, tantas vezes discordei de si embora ache que traz sempre questões pertinentes e por isso me obrigue a discordar, não da para apenas ler.

Aqui, 5 estrelas, crítica construtiva, com a sua opinião, que é sua, e não a deve mudar no entanto escreveu para unir e não para dividir e acertou no timming, antes do inicio do próximo campeonato e não após uma derrota marcante.

(A sua opinião sobre certos pontos no passado não deve mudar, apenas deve pensar se vale a pena divulga-la correndo o risco de dividir...)

Depois da primeira parte estava ansioso por ler a segunda.

Pés-Juntos disse...

Apenas uma achega para dizer que mais do que ganhar títulos, a vocação da equipa B tem de ser sempre formar atletas. O problema este ano foi que o plantel da B estava sempre a ser interrompido por jogadores A e a competição internacional (fomos finalistas) teve obvio impacto na performance dentro de portas.

Jose Rodrigues disse...

Sim, e esse torneio alternativo daqui a um mês é um segredo tal como os outros participantes... Keep on dreaming.

Uma autentica vergonha, mas sobre isto vai haver um artigo amanhã, aguentem um dia para comentar.

miguel.ca disse...

Sempre achei a equipa B mais uma plataforma alternativa para negócios e comissões do que propriamente para servir os intetesses da equipa principal.

José Lopes disse...

Colo aqui um comentario que deixei noutro lado:

Quanto a desistencia da International Champions Cup, a minha desilusao e' a dobrar, porque iria a Toronto ver o jogo contra o PSG (ainda por cima uma semana antes do aniversario). Os bilhetes ja estavam a venda pelo menos desde dia 15 (deduzo que se passasse o mesmo em relacao aos outros jogos), o clube certamente sabia disso, o calendario oficial ja tinha saido ha perto de um mes, havia interesse generalizado nao so nos emigrantes, como em quem segue o futebol europeu por ca, etc. Custa-me que nao seja dada uma explicacao minimamente detalhada sobre qual o real problema de ir a Cidade do Mexico ainda a quase tres semanas do primeiro jogo oficial da epoca... Esta seria uma grande oportunidade de reforcar o nome do clube num mercado sedento de jogos com equipas europeias, fora a existencia de muitos emigrantes. Algo se tera passado, ainda por cima quando ja se sabia do jogo no Mexico ha varias semanas! Lembremo-nos que fomos a Venezuela e a Colombia ha dois anos, sendo que disputamos a Supertaca logo no inicio de Agosto! Quanto ao Record, ja se sabe que e' pior que lixo, mas infelizmente foi preciso esta manchete para que o clube respondesse e comunicasse que, de facto, nao participara no torneio. Esta tudo ao contrario, desculpem la. Entao o Record da a noticia antes do proprio clube e este decide comunicar mais para responder ao Record que para informar as pessoas defraudadas? Podiam ao menos ter tido uma palavra para os adeptos, sobretudo para os que ja tinham bilhete... E so mais uma coisa: se ca vivessem e conhecessem a comunidade emigrante de primeira geracao (os que de facto mudaram-se para ca ha muito tempo) saberiam quanto custa isto, porque a percentagem de passarada e' enorme e a antipatia em relacao ao Porto tambem!

António Martins disse...

Quem como eu acompanhou a equipa B dificilmente pode estar de acordo com as criticas aí escritas. Quem viu estes miudos nos primeiros jogos da 2ª Liga e quem os vê agora, sabe que houve uma melhoria incrivel em alguns, evolução boa noutros, e fundamental houve minutos, muitos minutos para todos. Se acham que ali não há ninguém para entrar na equipa A, ok, eu acho que há pelo menos 3 que podem ser alternativas já para a próxima época e outros que podem e deveriam ser emprestados a clubes de 1ª Liga tanto em Portugal como no estrangeiro para dar o salto definitivo e de qualidade como tantos outros jogadores do FC Porto fizeram no passado. O Luís Castro é incompetente dizem, devem ser os mesmos que diziam que o VP também o era, as ultimas 2 temporadas devem chegar para não necessitar argumentar absolutamente nada sobre este tema.