quarta-feira, 27 de maio de 2015

Um “passeio competitivo” na Proliga

Há pouco mais de um ano atrás, no dia 9 de Maio de 2014, o FC Porto venceu o Illiabum no 3º jogo da final do play-off 2013/2014 e sagrou-se campeão da Proliga.

Campeões da Proliga 2013/2014 (clicar na imagem para ampliar)

Mas, para além de comemorar um campeonato da II Liga, o que mais entusiasmou os adeptos portistas (os que gostam das modalidades e, particularmente, do basket), era o regresso do FC Porto (através da Dragon Force) ao escalão máximo do basquetebol português.

Contudo, alguns dias depois, veio o balde de água fria. Apesar de ser campeão da Proliga, o FC Porto declinou a subida à LPB em 2014/2015. E pior, de acordo com os regulamentos, corria mesmo o risco de ser despromovido ao Campeonato Nacional (a 3ª divisão do basquetebol português).

Numa Assembleia Geral do Futebol Clube do Porto, em que estive presente, questionei a Direção do clube acerca desta decisão. As explicações foram dadas pelo Presidente Pinto da Costa, mas não me convenceram.

FC Porto permanece na Proliga (fonte: JOGO, 10-07-2014)

O FC Porto acabou por ficar na Proliga e, tal como se previa, a época 2014/2015 foi uma espécie de “passeio competitivo”.

Nos 31 jogos oficiais, que disputou contra equipas da II Liga – 4 jogos para o Torneio António Pratas (II Liga) e 27 jogos para a Proliga – o FC Porto obteve 31 vitórias!

E, apesar de Moncho Lopez promover uma elevada rotatividade, dando bastantes minutos aos jogadores mais novos e/ou menos fortes, as 31 vitórias foram por uma diferença média de 33,45 pontos!

Jogos e resultados do FC Porto contra equipas da II Liga na época 2014/2015

Longe de mim desvalorizar a qualidade e o esforço dos treinadores e jogadores do FC Porto (Dragon Force).
Pelo contrário, estão de PARABÉNS!
Foram bicampeões da Proliga com todo o mérito e de uma forma absolutamente indiscutível.

Mas o que é (teria sido) melhor?
a) Ser campeão (pré-anunciado) e terminar a Proliga invicto, “esmagando” vários adversários pelo caminho;
b) Com o mesmo plantel, disputar a LPB (I Liga), defrontar as melhores equipas portuguesas, obrigando a equipa do FC Porto (Dragon Force) a subir o nível do seu basket para patamares mais elevados e, consequentemente, acelerar a evolução de todos estes jovens jogadores.

Ou, dito de outra forma, o que é que o FC Porto ganhou em ter ficado mais um ano no 2º escalão do basquetebol português?

Na minha opinião perdeu-se um ano.

Nota: Acerca da renovação com Moncho Lopez até 2020 e sobre o futuro do basquetebol portista, falarei noutro artigo, a publicar brevemente.

19 comentários:

Jorge Vassalo disse...

Caro José,

Concordando consigo, digo-lhe que não quereria ver o FC Porto humilhado na LPB por não ter atletas com nível competitivo suficiente. Vai ter de haver contratações e talvez o FC Porto não estivesse pronto no ano passado para as realizar...

Abraço Azul e Branco,

Jorge Vassalo | Porto Universal

Silva disse...

De acordo, mas... Estarão os Portistas, sobretudo os que NÃO ligam nenhuma às modalidades exceto para festejar títulos, preparados para perder com o 5LB? Estou a ver daqui o tipo de comentários... A renovação até 2020 do Moncho aponta no caminho certo: tempo para construir e para, DEPOIS, ganhar. E nós, temos tempo?

Joao Goncalves disse...

Ganhou a mudança de Presidente da Federação e a vergonha com que esse senhor movia montanhas contra a equipa do FCP... isso foi o que o Porto ganhou... ou seja tempo e respeito

Paulo Rodrigues disse...

Gosto de basquetebol e vejo alguns jogos do porto mas tenhamos bom senso a equipa de basket nao tem qualidade para na primeira liga ombrear com o benfica diria que seriamos humilhados ( ate air balls vi para jogadores que competem e treinam com regularidade acho inadmissivel, para nao falar nao saberem atacar a tabela, etc...) acho que foi melhor termos continuado na 2 liga.

José Correia disse...

Caro Jorge, esta equipa do FC Porto, com o mesmo plantel com que disputou a Proliga, nunca seria humilhada na LPB.

O Jorge é capaz de não saber mas, na pré-temporada, o FC Porto (Dragon Force) disputou 5 jogos particulares com equipas da I Liga.

Os resultados foram os seguintes:
13-09-2014: Maia Basket x FC Porto: 44-75
20-09-2014: Illiabum x FC Porto: 55-86
21-09-2014: Oliveirense x FC Porto: 67-75
28-09-2014: V. Guimarães x FC Porto: 81-73
01-10-2014: Sampaense x FC Porto: 63-65

Nota: Três destes jogos foram no pavilhão do adversário e dois em campo neutro.

Abraço

José Correia disse...

Perder com o SLB?
Seria absolutamente normal.
Quem está minimamente a par da modalidade, sabe que o SLB tem um orçamento completamente desfasado da realidade portuguesa.
Para além de alguns dos melhores jogadores portugueses, o plantel do SLB tem 4 (quatro!) americanos.

José Correia disse...

Caro João Gonçalves, a saída do ex-presidente da FPB (Mário Saldanha), nas eleições federativas de Novembro de 2014, já estava prevista e era conhecida, quando a Direção do FC Porto decidiu que o clube (Dragon Force) não iria disputar a I Liga em 2014/2015.

José Correia disse...

Ninguém disse que, na I Liga, o FC Porto (Dragon Force) iria ombrear com o SLB. Eu acompanho a modalidade há muitos anos e sei, perfeitamente, qual é a realidade do basquetebol português.

Mas, repito o que disse noutro comentário. Esta equipa do FC Porto, com o mesmo plantel com que disputou a Proliga, nunca seria humilhada na LPB.

Mais. Com este mesmo plantel, seguramente que o FC Porto teria estado entre as 8 melhores, que disputaram os play-offs da I Liga. Não tenho qualquer dúvida sobre isso.

Joao Goncalves disse...

Yeap correcto José, no entanto foi esse senhor que antes do Porto tomar qualquer decisão, veio para publico mais uma vez criticar o os seus dirigentes e dizer que nada de mal tinha feito e que os bichos papões eram os dirigentes do FCP.

Isso foi feita numa extensa entrevista a um jornal desportivo (que não me recordo agora).

Ou seja, o Porto não subiu por uma questão simplesmente de estratégia política.

José Correia disse...

O João Gonçalves já imaginou o FC Porto recusar participar na Liga dos Campeões, por causa de declarações ou entrevistas do presidente da UEFA, nas quais o senhor Platini fosse desagradável para o FC Porto?

Luís Vieira disse...

Esta mania de que o Porto só deve participar nas provas se à partida tiver uma equipa favorita à vitória final irrita-me um bocado. Só prova que os adeptos gostam é de ganhar, não gostam do FCP. O Porto pode participar sem ter de obrigatoriamente ganhar. Pode ir construindo a equipa anualmente para habilitá-la a ganhar no futuro. A grandeza de um clube mede-se também pelo seu eclectismo (vide Barça). Neste aspecto, infelizmente, temos muito a aprender com o Sporting. Do Benfica não falo porque o dinheiro e as mordomias chovem a rodos vindos não se sabe muito bem de onde.

Jorge Vassalo disse...

Apoiado. Sou do FC Porto, independentemente de ganhar ou perder. E acho bem que haja todas as modalidades. E acho quem que se procure ter a vontade de vencer, mas a obrigação...

Abraço Azul e Branco,

Jorge Vassalo | Porto Universal

Paulo Rodrigues disse...

Caro José até acredito que tenha razão mas para os adeptos do clube o nome FCP é sinónimo de titulos e de vitórias, o grau de exigência seria certamente o titulo ou pelo menos a final e não ficar apenas entre os 8 primeiros.

Joao Goncalves disse...

Caro José Correia,

Estamos a falar de algo que dá dinheiro e que é essencial para o clube e algo completamente acessório que é uma atividade não para o grande público, mas para uma muito pequena percentagem, e que não dá capital nenhum.

Portanto se juntar-mos a isto a vergonha que se passou e que levou (ajudou) à extinção da modalidade no clube, obviamente que se o futebol fosse um desporto minoritário e fossemos ofendidos pelo Sr. Platini e pela federação e expoliados com muitos colinhos, então não valia apena continuar, como é óbvio...

José Correia disse...

Caro João Gonçalves, sei que não era essa a intenção mas, talvez sem se aperceber, no seu comentário das 17:24 foi muito mauzinho para a secção de Basquetebol do FC Porto.

Por outras palavras, o João Gonçalves classificou o basquetebol portista como uma modalidade menor, completamente acessória, que não interessa a ninguém ou a quase ninguém e, por isso, podemos dar-nos ao luxo de fazer com a equipa de basquetebol aquilo que nunca faríamos com a equipa de futebol.

Não concordo.
As "guerras" com presidentes de federações ou confederações, não se travam com auto-mutilações ou tiros nos próprios pés.

José Correia disse...

Caro Paulo Rodrigues, como adepto e sócio do FC Porto, eu prefiro que a minha (nossa) equipa esteja na mesma competição das melhores, mesmo que isso implique um grau de dificuldade maior e limite as aspirações de vitória.

Por essa mesma razão, prefiro que o FC Porto dispute e supere a fase de grupos da Liga dos Campeões, mesmo sabendo que as probabilidades de vitória numa competição europeia seriam muito maiores se o FC Porto disputasse a Liga Europa.

santosanonymus disse...

Não quero entrar em demagogias baratas, mas a verdade é que o orçamento da SAD para esta época prevê 155M€ de receitas. A este dinheiro acrescem mais uns os milhões das receitas do clube.

Se o clube não dispõe de 0.3/0.4/0.5M€ para permitir que a equipa suba de divisão e monte um plantel decente isto só pode ser uma de duas coisas:

1. Total desprezo pelo projecto, ou seja, a equipa existe, mas é mantida a pão e água para não "atrapalhar" tudo o resto.

2. Incompetência. Se a admnistração, que gere mais de 160M€ anuais em receitas, se reuniu e chegou à conclusão que não tinha a mínima possibilidade de direccionar menos de 0.3% (!!!) das receitas para uma equipa que já tem toda a sua base estruturada então isso só pode significar que foram muito incompetentes.

Nenhuma das hipóteses é agradável para quem toma as decisões.

Mas mais interessante que falar do passado será o prognóstico para o futuro que será feito no próximo artigo.

Cumprimentos.

Silva disse...

Exato. Era mesmo esse o ponto..,

André Soares disse...

Boa tarde,

Relativamente às divisões financeiras do clube, acho que é perfeitamente natural e todos o fazem...

Falando mais de basquetebol como ex-praticante, e como treinador de formação, e deixando politiquices de lado, penso que deveríamos ter jogado na LPB. Acredito que a dificuldade nos faz ser melhores.
A melhor noticia que o basquetebol teve, foi mesmo o Moncho assinar. É o Homem certo, sem dúvidas.

Como adepto do Porto é claro que não gosto de ver o Porto perder e muito menos com as equipas de Lisboa. Contudo, quem viu o jogo da taça contra o VSC, percebe que humilhados nunca iriamos ser... até porque temos executantes e treinador para fazer boa figura, além da atitude que mostraram sempre.



Se pudesse escolher um jogador para equipa seria o Paulo Cunha!

Sócio 35552
abraço.