terça-feira, 2 de junho de 2015

O ranking dos “títulos”

Apesar do muito bom desempenho na Liga dos Campeões (o melhor de uma equipa portuguesa desde 2003/2004), esta época o FC Porto não ganhou qualquer uma das quatro competições oficiais que disputou.

Ora, se o facto do melhor clube português dos últimos 40 anos não ganhar o campeonato já é notícia, quando “não ganha nada” isso é motivo para muita conversa e inúmeras páginas de jornais (dos mesmos jornais que ignoram ou minimizam as conquistas dos dragões, mas isso é outra conversa… ).

Entre os azuis-e-brancos que “não ganham nada” e os encarnados que “ganham (quase) tudo”, era inevitável que voltasse à agenda mediática o tema do número de títulos conquistados, tal é a ânsia de colocar no topo o “mais melhor clube do Mundo e arredores”.

Contudo, como é mais do que óbvio, uma Taça da Liga não tem o mesmo valor que um Campeonato, da mesma maneira que uma Liga Europa não tem o mesmo valor que uma Liga dos Campeões.


Assim sendo, mais do que o ranking dos títulos conquistados (em que uma tacinha da liga conta tanto como uma liga dos campeões), faz muitíssimo mais sentido falar num ranking de títulos ponderado, em que seja atribuído um determinado peso a cada competição.

Naturalmente, atribuir “pesos” às diferentes competições, nacionais e internacionais, é um exercício subjectivo, mas eu procurei fazê-lo com alguma objectividade. Assim, para atribuir o peso de cada competição, levei em conta cinco critérios de avaliação:

* Título oficial atribuído a quem ganha a competição
* História, tradição e prestígio da competição
* Notoriedade nacional/internacional da competição (ao nível dos media)
* Receitas e prémios monetários proporcionados pela competição
* Grau de dificuldade do trajecto necessário para ganhar a competição


Legenda da pontuação:
5 - Excepcional / Fabuloso
4 - Muito Bom
3 - Bom / Elevado
2 - Médio / Razoável
1 - Medíocre / Fraco
0 - Mau / Nulo

Com esta ponderação, o ranking dos “títulos” é o seguinte:



Dificilmente haverá alguém que esteja inteiramente de acordo com os pesos que eu atribuí a cada competição, mas se estiverem de acordo com o princípio seguido e, principalmente, que é um completo absurdo somar taças da liga ou supertaças com campeonatos, já não será mau.

14 comentários:

Miguel Amador disse...

De facto outra forma de considerar os títulos é doença. Não concordo muito com os pesos, mas penso que no geral não altera o resultado final, já que seria mais em termos internacionais. Seria talvez importante considerar os tempos em que decorreram, e até mesmo os títulos alcançados por participação. Jogar a Taça dos Campeões nos anos 60 era muito diferente de a jogar nos anos 90. Assim como jogar todas as épocas na Taça de Portugal e ganhar 2 ou 3, é diferente de jogar uma Taça UEFA e ganhar metade das vezes, mesmo sendo 2 ou 3. Só uma sugestão.

rbn disse...

Esta história de pesos e medidas não foi levada em conta quando nós ultrapassamos o boifica em títulos, não vejo qualquer razão para levar isso em conta agora, parece desculpa esfarrapada.Temos é que voltar a ganhar e ultrapassá-los outra vez.
Mainada.

Também não concordo em nada sobre uma competição continental valer mais que uma mundial, como se a europa fosse o planeta Terra e a Champions o supra-sumo do futebol.Só em Portugal e meia duzia de países europeus é que pensam assim...

Entre ser campeão continental e ser campeão mundial, eu prefiro a segunda hipótese, e sinceramente, não consigo entender como adeptos de um clube que foi campeão mundial 2 VEZES desdenham tanto este título, a ponto de dizerem até hoje com todas as letras que a temporada 2004/2005 foi um verdadeiro fracasso quando o clube em dezembro de 2004 conquistou o TOPO DO MUNDO pela segunda vez, para inveja de muita gente!!!

Os torcedores do Corinthians, Boca Juniors, Santos, São Paulo entre outros clubes sulamericanos que tem cada um a população inteira de Portugal só de massa adepta. estão literalmente se cagando se não ganham competições internas, desde que vençam o mundial interclubes, seja no formato atual ou no antigo...

Caso não saibam, deviam saber que o Porto está em 7º lugar no ranking europeu de clubes com mais troféus internacionais...e é o 17º do ranking mundial...isso é que lhes dói, porque se o boifica tivesse vencido uma taça intercontinental das duas que disputou, ninguém os aturava...

As competições nos moldes em que foram disputadas tem que ser respeitadas e valorizadas...naquela época era assim, e ponto final...quem venceu, venceu com mérito dentro dos moldes e regras que haviam...não era mais fácil vencer antigamente só porque havia menos clubes em disputa...se assim fosse, o Real Madrid de Di Stefano tinha vencido tudo até 65...não venceu...

Ser campeão nacional é bom, ser campeão continental é melhor, ser campeão mundial é o sonho de todos que jogam futebol...seja em clubes ou seleções...

A europa é grande, mas não é o mundo...

José Rodrigues disse...

Se o rbn pensa q o sonho de qualquer jogador é ser campeão mundial de clubes (mais do ser campeão europeu) a meu ver está muito desfasado da realidade...

Nao será alias por acaso q as audiências da final intercontinental (ou taça do mundo, se preferirem) tem audiências - mundiais! - mutíssimo mais baixas do q a final da LC. Pelos vistos nao é só os jogadores q nao percebem direito as prioridades, os espectadores também nao...

Bruno Guedes disse...

Bom dia Sr. José Rodrigues.
Concordo consigo, qualquer jogador europeu sonha sim ganhar a champions, mas a champions pode ser jogada todos os anos, basta ser campeão pelo pais ou então ficar num lugar que dê acesso. A liga dos campeões é jogada durante um ano, o Mundial de Clubes é em Dezembro e são meia dúzia de jogos com apenas 2 clubes conhecidos.
Disputar o Mundial de clubes/ Taça Intercontinental obriga a vencer a Liga dos Campeões e isso por muito prestigio que a champions tenha é a pura das verdades.
As galinhas não falam nessa competição pois perderam 2 vezes e não mais a jogarem. No dia que a vençam vai ser decretado uma semana de férias em portugal.
São coisas diferentes. O RBN tem esse pensamento pois na América do Sul dão muito mais valor ao campeonato do mundo que por exemplo a copa América. O brasil tem metade dos titulos sul americanos que a Argentina mas tem mais do dobro de campeonatos do Mundo.
O sonho de qualquer adepto de uma equipa sul americana é disputar o Mundial de Clubes, é estar no Japão como eles dizem.
Bruno Miguel Guedes -28061

Nightwish disse...

"Temos é que voltar a ganhar e ultrapassá-los outra vez."
O problema é que uma taça da treta, feita e refeita todos os anos para que os encornados a ganham, não tem o mesmo valor que outra competição qualquer.

Miguel Lourenço Pereira disse...

RBN,

Não há um só clube europeu que se preocupe minimamente com a Taça Intercontinental/Mundial de Clubes. O desprezo é tal que durante anos foram os vice-campeões europeus que a disputaram. Para os europeus, fruto do seu eurocentrismo, jogar contra sul-americanos (ou agora africanos) vale tanto como jogar uma final de Taça nacional e esse torneio desperta zero ilusão e interesse entre adeptos e dirigentes.

Em Inglaterra a esmagadora maioria dos adeptos do Man Utd levaram as mãos á cabeça quando a equipa preferiu jogar o Mundial de Clubes de 2000 em vez da FA Cup.

Na América Latina a percepção é oposta porque dá um sabor especial ganhar aos europeus e provarem que são melhores e por isso - e porque a Libertadores é disputada por menos paises também e o grau de dificuldade é menor - é que do outro lado do oceano a vontade de ganhar o Mundial de Clubes supera a de vencer a Libertadores. Questões exclusivamente culturais e como o Zé Correia é europeu a sua abordagem é totalmente lógica.

miguel.ca disse...

As declarações de amor do Brahimi ao Bayern de Munique são de fazer um santo vomitar! Com o Pinto da Costa dos bons velhos tempos este animal começava a época na equipa B.
Como vamos nós recuperar a mistica, o ADN, o chip, o que quiserem chamar com gente desta a vestir a nossa camisola?

António Varela disse...

Ganhar, hoje em dia a Liga Europa é capaz de ser tão complicado como ganhar a Taça UEFA nos anos 70/80. Nessa altura, havia sempre bastantes tubarões de campeonatos fortes (2º, 3º e 4ºs classificados dos principais campeonatos) e por mim era tão (ou mais dificil) vencê-la.

Desde que começou a haver "despromoções" da LdC para a LE, a coisa não anda lá muito longe, digo eu.

E a dificuldade em vencer quer a Supertaça Europeia, quer a antiga Toyota Cup, só aceito porque se tem de vencer uma competição continental... É só um jogo e por vezes, da América do Sul, apareciam equipas miseráveis, assim como a Taça da Taças, por vezes era vencida por equipas de menor nomeada europeia.

O resto dos pontos, vale o que vale e cada um que pense no valor relativo que achar melhor. Não concordo nem discordo.

José Correia disse...

Nos anos 70/80, o 2º, 3º e 4ºs classificados dos principais campeonatos (Inglaterra, Espanha, Alemanha, Itália) disputavam a Taça UEFA.
Actualmente disputam a Liga dos Campeões e não a Liga Europa.

José Correia disse...

A dificuldade em vencer a Supertaça Europeia e a Taça Intercontinental, decorre da necessidade de primeiro vencer uma competição continental, mas também do valor do oponente.

Se tem dúvidas, verifique quantas vezes as equipas europeias perderam com as sul-americanas na Taça Intercontinental (a começar pelo SLB frente ao Santos...)

rbn disse...

Vou resumir o pensamento: se o Porto tivesse perdido as duas finais da Taça Intercontinental para o Peñarol e o Once Caldas, eu garanto que a maioria esmagadora, senão a maioria absoluta, ia lamentar até hoje, como lamentam a final da Taça das Taças de Basiléia, que nem era grande coisa a nível mundial...

Eu aposto que ia ser aquela dor de corno eterna de nunca ter sido campeão do mundo tendo chegado tão perto com adversários tão "acessíveis" como os campeões sulamericanos, como se um campeão sulamericano fosse um Moreirense ou um Arouca...sem contar que será extremamente difícil qualquer rival da 2ª circular ter um título destes para exibir...o boifica que o diga...só isso já seria motivo de orgulho...ninguém em Portugal pode exibir um cachecol escrito CAMPEÃO DO MUNDO, só o Porto, mas pelos vistos, vale tanto como a Taça da treta para alguns, é a mesma coisa...

"Não há um só clube europeu que se preocupe minimamente com o mundial interclubes."
Pois não, por isso o Porto mandou uma equipa de juniores em 87 e os sub-15 em 2004, o Real Madrid mandou a equipa dos bebés na época passada e provavelmente o Barcelona ou Juventus vão enviar uma equipa de veteranos...

O sabor não é ganhar dos europeus, o adversário pouco interessa, pode ser qualquer um, o sabor é a frase : sou campeão do mundo...

Se calhar os clubes europeus não ligam nenhuma ao mundial interclubes, mas pela expressão nas caras de Ronaldinho Gaucho, Deco, Steven Gerrard, John Terry e outros campeões europeus no final do jogo, quando perderam com Internacional, São Paulo e Corinthians, dava pra ver que realmente estavam todos super felizes e contentes...

Posso estar defasado, mas eu jamais trocava um título mundial por um continental...jamais trocava os 5 títulos mundiais do Brasil pelas 18 Copas América da Argentina, nem por qualquer título europeu, africano ou asiático, seja ele de seleções ou clube...

O dia em que Portugal (seleção) conseguir este feito no futebol AA, aí pode ser que entendam o que é ser campeão mundial, ser o melhor do planeta, e etc...mas pra já cá no burgo, apenas duas equipas portuguesas conseguiram, e por duas vezes cada...o Porto e a seleção sub-20 de Carlos Queiróz...devia ser motivo de orgulho, penso eu...

DC disse...

Antes o objectivo era ultrapassar o slb em todos os títulos em todas as competições. Agora, andamos a dizer que estamos à frente num ranking imaginário, criado à medida...

Isto não é o meu Porto.

PortoMaravilha disse...

Viva,

Parece-me que as competições internacionais têm evoluido muito tal como o valor e a dificuldade de cada competição, quer estatiscamente quer no simbolismo dos povos. O desaparecimento de estados e a criação de novos estados alteraram quer se queira quer não o panorama do futebol. Assim, o Di'namo de Zagreb actual dificilmente pode ser comparado com o de outrora, por exemplo.

A Europa é o continente da elite do futebol, ja' que existe uma procura, uma convergência dos melhores jogadores de outros continentes para os clubes Europeus. Não quero dizer com isto que não haja grandes clubes noutros continentes, nomeadamente na América do Sul.

E' muito mais difi'cil ganhar uma liga dos campeões actualmente que uma taça dos campeões europeus. E por razões diversas: nu'mero de participantes, fase de grupos, investimento e reservas financeiras...

A endogomia não é produtiva. Talvez por isso tenha sido criada a Liga Europa que se tornou uma espécie de segunda divisão sem grande interesse ou presti'gio porque ha' o estigma da desqualificação. Não era o caso da taça das cidades com feira , mais tarde uefa, e taça das taças.

Existia o termo de magnifico, por estas terras. Era magnifi'co o clube que tinha sido capaz de atingir a final das três competições. O que mostra, numa certa medida, que o "acaso", "o azar", "a sorte"... tinham uma dimensão muito maior que actualmente quanto ao desfecho de cada jogo.

O Porto faz parte da histo'ria dos magni'ficos da Europa. Penso que é, sobretudo, esta dimensão do Porto que deve ser realçada.

E Viva o Porto!



miguel.ca disse...

Tens toda a razão... À medida que a liderança vai apodrecendo, com ela vai a mística, o ADN, o chip e finalmente o Portismo.
Nós precisamos de mudar de rumo... ontem.