quarta-feira, 1 de julho de 2015

20 Milhões de Euros!

Sabem porque é que o FC Porto é um clube vendedor?
Eu explico. Vendemos, todos os anos, dois a três titulares - entre os melhores negócios da Europa - porque somos obrigado a isso. E sabem porque somos obrigados a isso? Há várias razões mas estas são as principais:

a) Porque não temos liquidez habitualmente e estamos constantemente a vender partes de passes e a pedir empréstimos a curto prazo.
b) Porque temos um passivo tremendo (ainda que á SAD isso pouco pareça importar, aos Relatórios Contas me remito) que tem de ser reduzido quanto antes a valores sustentáveis
c) Porque não temos meios de gerar ingressos que nos permitam manter esses jogadores sendo que recebemos amendoins por contratos televisivos, de patrocinio e vestuário em comparação com outros clubes europeus.

Essa realidade não vai mudar porque somos um clube da periferia.
Com titulos dignos de uma grande liga mundial, sim, mas sempre de periferia. E como chegamos a esse nivel e respeito mundial?

Comprando barato e vendendo caro, tendo uma margem de lucro que sustentava o clube enquanto seguiamos com um processo que, auto-destructivo a longo prazo, nos iam mantendo com a cabeça á tona de água.

O orçamento para esta temporada esteve a ponto de ser um desastre e só as vendas milionárias de Danilo e Jackson salvaram as contas. A cada ano que passa há menos "Danilos" e "Jacksons" e o clube paga cada vez mais por eles, reduzindo a margem de lucro que possamos obter. Dos tostões pagos pelos Decos, Costinhas, Maniches, Paulo Ferreiras ou Cissokhos passamos aos milhões que custaram Hulk, Danilo, Alex Sandro e companhia. O modelo está em decadência e a corda ao pescoço vai sendo esticada cada vez mais.

Todos chegamos á conclusão que pagar 18 milhões por Danilo era um risco imenso e não era para repetir. Temos o caso de um Alex Sandro que ainda não renovou e pode sair daqui a um ano a zero depois de um investimento de mais de 10 milhões no seu passe que pode nem ter retorno financeiro. E no entanto, forçados a vender, a pedir jogadores emprestados para completar o plantel ou a contratar jogadores a custo zero - uma politica sensata para um periodo de transição - eis que o Futebol Clube do Porto anuncia hoje que bateu o seu recorde de transferência e pagou 20 milhões por um jogador.


Vou só deixar que reflictam nesse valor, um pouco.
Que pensem o que custaram Falcao, Moutinho, Meireles, Pepe, Lisandro, Lucho, Anderson, James e afins. E depois voltem a olhar para a cifra que é recorde em Portugal e que só os clubes da Premier ou algum que outro clube da elite europeia - Dortmund, Bayern, Schalke 04, PSG, Monaco, Atletico, Valencia, Sevilla, Real Madrid, FC Porto e Juventus - podem pagar.

São 20 milhões de euros!

Esse jogador chama-se Imbula, tem uma margem de projeção interessante  e jogava na liga francesa. Não é uma estrela consolidada. Não é Neymar, nem Messi, nem Cristiano Ronaldo. Também não é um Isco, um Insigne ou um Reus. É um médio defensivo trabalhador como foi Casemiro - por quem pagar 15 já seria uma barbaridade - Fernando, Costinha ou Paulo Assunção.

O FC Porto acabou de pagar 20 milhões de euros por esse futebolista. Tudo aquilo que seja dito a partir de agora pelos gestores do clube, via SAD, sobre necessidade de ajustar contas, de orçamentos controlados, de ter de vender para sobreviver vai sempre esbarrar contra este anuncio oficial. Nós pagamos 20 milhões de euros por um jogador que não justifica nem sequer a metade desse valor e fizemo-lo no ano em que mais perto estivemos de cair no poço financeiro.

A partir de este momento tudo aquilo que seja relativo à planificação do plantel da próxima época me parece totalmente irrelevante. Este clube está entregue a canibais mas em vez de se devorarem entre eles - como têm feito na sombra - vão acabar por comer o dragão do escudo. Façam bom proveito!

93 comentários:

Fonseca disse...

Não me parece que estes valores sejam muito exagerados para o jogador que é. Na minha opinião Imbula é mais certeza que Danilo era quando foi contratado. E é muito mais certeza que Hulk seria, isso de certeza. Claro que há sempre um risco associado e esse risco é proporcional ao valor investido.
Penso que não importa comprar cada vez mais caro, se conseguir vender cada vez mais caro.
Voltando a Imbula, acredite que este jogador vai valer o dinheiro investido em rendimento desportivo. Tive oportunidade de o acompanhar em alguns jogos da liga francesa e é um monstro que enche o campo. Mas enche o campo com uma classe e uma técnica que me parece impossivel ter assinado pelo Porto. Eu sei que a ideia de comprar jogadores por tostões e vendê-los por milhões é muito mais romântica para muitos adeptos. Muitos deliraram com a venda do Cissoko. Eu, nem por isso. Porque na altura estava dificil encontrar um bom defesa esquerdo. E dou muito valor ao rendimento desportivo. E embora mais dificil de quantificar, o rendimento desportivo também se traduz em milhões.

Luís Vieira disse...

Over reaction. Aposto que os 20M não são todos do FCP. Aqui há marosca das grandes e cheira-me que foi a forma encontrada de tornear a UEFA e a sua proibição de fundos. Durante as negociações falou-se na intervenção da Doyen e no final, miraculosamente, o Porto acaba com 100% do passe do Imbula por 20M. Começo a acreditar na hipótese aventada há uns tempos de os fundos passarem a funcionar autenticamente como instituições de crédito, com retorno garantido mais à frente. Formalmente o jogador aparece a 100% como se fosse do clube, materialmente não o é. Não me escandaliza, desde que seja para comprar jogadores de alto gabarito para elevar a competitividade do plantel, como é o caso. Salvo outra contratação, o francês vai tornar-se rapidamente no melhor médio da equipa. Em todo o caso, este tipo de negócio terá de ser a excepção e não a regra, como também se verifica até agora.

Manuel Lopes Rocha disse...

Creio que, antes de se atacar seja quem for, devemos perceber primeiro os moldes em que o negócio foi realizado. Pelo que tem vindo a ser noticiado, a Doyen está envolvida neste processo e isso pode significar que os 20 milhões não serão pagos, na totalidade, pelo Porto. Não ponho as minhas mãos no fogo por nenhum dirigente da SAD nem acredito que PdC é infalível, mas nestas alturas é sempre melhor aguardar por detalhes do que começar a pôr tudo e todos em xeque.

Sinceramente, prefiro ver estes 20 milhões investidos num médio com a categoria de Imbula - que nunca poderá ser definido simplesmente como um "médio trabalhador", o que, com todo o respeito, significa que o autor não conhece o jogador em questão (para além da comparação com Fernando, por exemplo, já que se tratam de jogadores completamente diferentes, quer pela sua posição em campo quer pelas suas características) - do que continuar a gastar milhões em Walteres, Licás, Kléberes e outras desgraças que por ali passaram e que pesaram muito mais nos nossos cofres.

Finalmente, vivemos tempos de muitas incertezas no futebol relativamente aos clubes de periferia. A proibição da partilha dos passes com os fundos vem afectar - e muito - o nosso grau de competitividade com os colossos do futebol mundial (não digo maiores clubes, porque para mim só há um clube maior que todos os outros). Por isso mesmo, os clubes como o nosso terão necessariamente de encontrar estratégias alternativas para reforçar o plantel com qualidade e com o mínimo de prejuízo. Pode ser que o caso do Imbula seja, não um investimento completamente arbitrário e tresloucado dos "canibais" a que se refere, mas sim um mecanismo de ultrapassar as restrições que a FIFA impõe no presente. Posso estar completamente errado, mas é isto: é preciso observar e analisar com rigor antes de levarmos as mãos à cabeça e concluirmos que o nosso clube vai acabar sem o dragão no escudo.

Joe disse...

solvabilidade do modelo de negócio.

Contudo ele tem incorrecções. O Falcão, o Hulk e o James ficaram por esta ordem de grandeza. Bem sei que no final do processo mas custaram.

Temos que esperar para ver: qual o valor total do investimento para esta épocae qual o valor que vamos pagar de salários e quais os valores de venda de jogadores. Se Herrera sair por valores desta ordem de grandeza parece-me que ficaremos largamente a ganhar.

É urgente um decréscimo na ordem dos 20/30 milhões na folha salarial e nos FSE’s.

E aqui há um assunto para mim crucial e que não tenho visto a abordado. Pior que os salários dos jogadores deve ser o custo que o Porto Canal traz às contas da SAD.

Para mim este deveria o primeiro assunto a ser revisto pela SAD.

manuelpereira365 disse...

nao percebo tamanha indignacao... tasse mesmo a ver que amanha/proximos dias, x% do passe vai ser alienado a um fundo qualquer...pronto problema resolvido
brahimi foi igual
so choca e' o avultado valor, ams o esquema/estratagema ta a vista

Pedro ramos disse...

Sem discordar particularmente de nada do que é dito, queria apenas dizer que mais do que os 20 milhoes preocupa-me o que vamos pagar em salário, comissões e prémio de assinatura.

Muito mais preocupante do que estes 20 milhoes é saber que o clube ofereceu 16 milhoes de salário, por 4 anos, a um jogadores de 31 anos mais comissoes, mais prémio de assinatura.

Mais preocupante foi ter lido Fernando Gomes à algum tempo atrás, dizer que o clube tinha que cortar despesas mas que o investimento no futebol iria continuar.

Mais preocupante, é saber que teremos pelo menos um jogador, que ainda agora renovou por mais 2 anos, que nao pode ver o treinador nem pintado.

Mais preocupante, chocante até, é saber que o clube que eu adoro, anunciar que contrata um jogador para a equipa de futebol por 20 milhoes e não existir um tostão que seja para as modalidades (sempre com a mentira que o futebol é que faz dinheiro)

Miguel Lima disse...


«
Este clube está entregue a canibais mas em vez de se devorarem entre eles - como têm feito na sombra - vão acabar por comer o dragão do escudo. Façam bom proveito!
»

quanto exagero, no mínimo, e com o qual discordo. em absoluto.
e mais não escrevo, para não parecer insolente.

abr@ço
Miguel | Tomo III

Ernesto disse...

Para quem era tão fatalista sobre a situação Jackson, eis o anúncio de venda: 35 milhões integrais! Liquidada a venda de Jackson, vem agora o bicho-papão de seu nome: Imbula!

O Miguel quer, de há muito, provar a tese do descalabro, mas ainda está longe do desiderato. A SAD do Porto, até porque se sabendo clube de periferia (com todas as contingências a isso associados e bem explanadas pelo Miguel) sabe que só se pode manter à tona de água, onde nadam os tubarões europeus, se tiver esta rácio risco/investimento em níveis altos. Há muito que vi soçobrarem "velhos" grandes clubes do passado, exactamente porque não tiveram esta capacidade de se afirmarem por esta via. Os grandes clubes dos outros países periféricos há muito que não contam. Os países de leste ( com a excepção da Ucrânia que ainda se aguentam nessa luta por força dos dinheiros suspeitos dos magnatas das matérias-primas) não não contam, e dos pequenos países europeus, já não reza a história. Históricos como Ajax, Anderlecht, já o eram. Grandes dum passado recente: MiLan, Inter, já não contam. O Porto, que se saiba, ainda lá anda a lutar com os actuais predadores de Espanha, Alemanha e Inglaterra. O modelo? É o possível para quem se recusa a desistir de estar nessa elite, essa única elite que garante financiamentos para continuar a construir equipas de alto nível. Sem essa pescadinha-de-rabo-na-boca já éramos! O Imbula? A ver vamos, como diria o cego...

Hugo disse...

Recomenda-se MLP para o scoutingo do FC Porto... já teríamos poupado agora uns milhões, visto que conhece muito bem o jogador em causa... já o presidente e os membros do scouting não percebem patavina de futebol!

Deco disse...

O Hulk custou mais

manuelpereira365 disse...

amen!

Miguel Lourenço Pereira disse...

A aquisição do Hulk completa, no final do processo, custou mais mas o valor original a 100% era inferior a este. Foi sim revalorizado pelo detentor da percentagem que não era do Porto. O pago a 100% inicial por um jogador é recorde em Portugal.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Hugo,

Para pessoas como Jorge Nuno Pinto da Costa não trabalharia nem por todo o ouro do Mundo.

Mário Faria disse...

A situação financeira do grupo FCP é preocupante. A prática negocial (o mercado da bola) tem demasiada intermediação. No reina da bondade dos mercados o futebol é uma espécie de filho ilegítimo onde hiberna o pecado. O Miguel tem um gosto especial para, na dúvida, desancar na SAD, mas isso não nos deve impedir de acompanhar a gestão da coisa, com todo o cuidado e de forma activa. Por isso, se não estou de acordo com a retórica, estou-o seguramente com o propósito primeiro.

HULK ONZE MILHAS disse...

Não tenho dúvidas que o risco deste avultado investimento será partilhado com alguém. Estará encontrada a fórmula de contornar a proibição de partilha de passes com os fundos e, esta possibilidade, por si só, já me deixa satisfeito.
Quanto ao facto do atleta valer ou não os 20 milhões, lembro-me que adoptei este pseudónimo precisamente para nunca mais voltar a fazer as acusações que fiz na altura em que a SAD pagou aqueles milhões todos por um jogador "desconhecido" e a jogar no campeonato do Japão!!


Nuno Leal disse...

Penso que a ideia é continuar a atingir os valores de receita que a Champions nos trouxe este ano, mais, claro, vender por muito um jogador no fim da época, quiçá o próprio imbula. Que como sucessor do patrick Vieira (dito pelo próprio) parece valer isso e muito mais a curto prazo. E olhando para o copo meio cheio, o Inter tem mais nome que o Porto mas só nome, porque em França o Porto é visto como "O" trampolim para voos mais altos, que imbua quererá claro. Não somos a melhor academia mas entre os 18 e 22 anos somos talvez uma das melhores escolas - james, danilo, mangala, fernando, entre outros - e já nos reconhecem sobejamente isso. Para além de Lopetegui, que continuo a achar que é uma mais valia nestes negócios internacionais. Ele foi campeão europeu sub19 e sub 21 como seleccionador. Para mim isso continua a ser muito mais currículo que qq marco silva.

Filipe Sousa disse...

O jogador portugues, nao está morto, como o demonstrou a seleccao sub-21, mas nao faz girar a grande roda do dinheiro...

Miguel Lourenço Pereira disse...

Ernesto,

Convido-lhe a ler bem o documento comunicado á CMVM. Em nenhum lugar diz que estão ou serão pagos 35 milhões de euros integrais apenas a INTENÇÃO manifestada pelo Atlético de Madrid de o fazer. Se amanhã quiserem cancelar o negócio ou o terminarem por pagar a 35 prestações, podem fazê-lo.

Eu não tenho de provar tese nenhuma, o passivo cresce todos os anos e fala por si. O clube todos os anos pede empréstimos a curta duração porque não se sustém de pé tal é o nivel de endividamente e de juros a pagar, a tal ponto que se teve de maquilhar contas com o estádio e com as quotas dos sócios, desviadas das modalidades, vitimas destes canibais de terceira.

O Porto está a lutar com quem para quê?
Nos ultimos 10 anos esteve duas vezes nos quartos da Champions e 3 vezes nos oitavos, numeros que não reflectem qualquer luta constante.

O modelo?
Não é possivel, é uma falácia que lá por ser repetida mil vezes não a transforma em realidade.

O Imbula?
Até pode ser o Messi dos centro-campistas, o FC Porto não tem dinheiro para este tipo de negócios. Ponto final!

Luís Pires disse...

"liquidada a venda de Jackson"
a ver vamos, o comunicado à CMVM tem umas nuances que me deixam de pé atrás.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

Os canibais que dirigem este clube há muito que deitaram por terra as modalidades e isso, lamentavelmente, foi feito com a conivência dos adeptos. Eu passei grande parte da minha juventude a saltar entre as Antas e o pavilhão Américo de Sá e sei perfeitamente que, no fundo, as modalidades só sobreviveram porque havia gente na direcção com casa e valores de clube que lutavam por elas. Na sua ausência este final era o inevitável!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Manuel,

Não sei se tem lido as noticias mas os Fundos são actualmente proibidos pelo que essa relação de chico-espertismo já não funciona, felizmente para o futebol!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Joe,

O Falcao, o Hulk e o James ficaram por valores similar QUANDO a sua mais valia ficou demonstrado em campo e antes da sua venda já preparada. Foram investimentos já de por si elevados para a nossa realidade mas de um risco muitissimo inferior a este.

O que as pessoas continuam a não entender é que um clube com o nosso passivo não pode vender 80 e gastar 80 ou gastar 60. Tem de vender 80 e gastar, como muito, metade. Caso contrário o passivo será sempre o mesmo e, face ao engordar da banda salarial, pode até aumentar.

Mas como ninguém vai aos Aliados celebrar o abatimento de passivo, que se lixe não é?

manuelpereira365 disse...

Miguel tem razao
mas esses mesmos fundos passam agora a funcionar como emprestadores, sobre acordo de numa tansferencias futura lucar com "juros"

isto so esta a chocar pq e' a primeira grande transferencia pos fundos e quando ainda se desconhece por completo a forma que os clubes e os fundos arranjaram para contornar isto

vai ver que daqui a um mes ja e' o pao nosso de cada dia

e mais deste estilo virao

vida82 disse...

Gostava que me respondesse às seguintes questões:

1. Foi mais caro o Danilo ou o Defour, por exemplo?

2. Rendeu mais o Cissoko ou o Jakson?(se bem me lembro o Jackson há 3 anos, veio também por 10 M, um preço que para um jogador que jogava nas Américas, era avultado)!

3. Se o Porto é capaz de valorizar jogadores de tostões, porque não será, também, capaz de valorizar jogadores de Milhões?

4. Sabe qual é a diferença entre investir e gastar dinheiro?

Miguel Lourenço Pereira disse...

"Sinceramente, prefiro ver estes 20 milhões investidos num médio com a categoria de Imbula"

O jogador não está em causa. Ainda não é internacional, não andou com uma equipa ás costas, não ganhou nada e tem uma grande margem de progressão que pode, perfeitamente ,como tantas vezes, resultar em nada. Mas não é isso que está em análise.

O FCP vende porque não tem outro remédio. Do mesmo modo não pode comprar se não tem com quê e com a proibição dos fundos, entrar nesse jogo é colocar em risco a sustentabilidade futura da SAD.

Querem manter-se competitivos correndo o risco de ficar sem clube? Força.

Portista Sec XXI disse...

Caro Fonseca tendo em conta que eu só conheço este jogador de nome, logo não posso fazer considerações sobre a sua categoria; gostaria de saber se ele tem mais ou igual valia dos extraordinários jogadores que o Miguel apontou no seu texto? Já agora gostaria de saber se ele vale realmente mais 4x que aquilo que o Benfica pagou pelo Matic, Enzo ou Witsel que custaram cada um 5M por exemplo. É que o que está aqui em causa é que com estes 20M o Porto poderia reforçar o seu plantel com pelo menos 2 a 3 jogadores de real categoria... relembro que o Jackson custou só 9 M... será que este Imbula vale 2x mais que Jackson; se assim for então para o ano está a ser vendido pelo menos por 70M :) ou então arriscamos a um dia destes a fazer o que se fez com o Basquetebol ainda muito recentemente.

Hugo Valente disse...

Eu aceitaria a contrataçao do Imbula com base no pressuposto de venda do Herrera (e talvez do Carlos Eduardo):
1 - Porque o herrera nao me enche as medidas
2 - Porque o herrera tem mercado e pode valer uma boa venda que compense esta compra
3 - Porque caso contrario temos efectivamente um meio campo sobrelotado (e jogadores como o Sergio, Andre e Ruben sao importantes para inscriçoes na UEFA, e ja agora para jogar tambem...)
4 - Porque em caso de venda do Herrera, teriamos um defeso muito atipico no porto com a perda dos 3 titulares do meio campo. Nesse cenario, aceito e aplaudo a contrataçao de um "tubarão" de modo a ancorar o meio campo.

Noutra nota de optimismo, diria que antes o Porto nao fazia estas contrataçoes nao só porque nao devia mas tambem porque nao conseguia. Que jogador jovem europeu avaliado em 20M euros, com pretendentes como o Inter, aceita vir jogar para Portugal (nao me refiro a jogadores em busca de reforma dourada ou de relançamento de carreira)? Esta é tambem uma demonstração de força da marca porto.
abraço

Portista Sec XXI disse...

Mal por mal que assim seja. Agora o que acontece é que antigamente era a SAD a liderar o negócio e agora será os fundos de investimento que dizem quem e quando se deve comprar e vender.
Não haveria outras posições a reforçar e que justificassem maiores gastos, como a de PL. É que estes 20 M sejam pagos por quem seja, são valores que entram oficialmente nas contas da SAD e que contam para o fairplay financeiro da UEFA

Portista Sec XXI disse...

Os 20M até podem ser na sua totalidade da Doyen, mas onde eles vão aparecer é no R&C da SAD. E é bom não esquecer as regras do fairplay financeiro da UEFA, que já obrigou ao negócio do estádio do Dragão.

Portista Sec XXI disse...

Caro Miguel se soubesse quem é realmente e como funciona o Jorge Nuno Pinto da Costa; saberia que ele não gosta que trabalhem para ele, mas sim que lhe prestem vassalagem :)

Portista Sec XXI disse...

O Hulk custou mais, muito mais, mais do dobro que os 10M inicialmente previstos e contratualizados aquando da compra dos primeiros 50% do passe por 5M... os 10M por 100% do passe acabaram em 19M por 80%

Miguel Lourenço Pereira disse...

Precisamente porque, em lugar de comprar a totalidade do passe de imediato o FCP sujeitou-se á valorização do mesmo por parte da outra parte contractante. É um dos riscos de não adquirir o passe na totalidade de imediato.

A pagar a 100% sem valorização futura o Imbula é o jogador mais caro do futebol português!

Filipe Sousa disse...

Sabe qual é a diferenca entre o Manchester City, o Real Madrid, o PSG e o Porto? Eu respondo: nao, claramente nao sabe.

Miguel Lourenço Pereira disse...

O Atletico de Madrid não oficializou nenhum negócio em Espanha envolvendo o FCP. Tudo o que se ouviu do Atletico de Madrid veio da boca do agente do Jackson, do proprio Jackson e deste comunicado que fala em "intenção".

Ao contrário de casos como o Vietto onde o Atlético já afirmou que vai pagar a clausula - 20 milhoes.

Portanto, até estar oficializado por ambas partes e o dinheiro no banco, o Jackson Martinez é jogador do FCP!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Manuel,

A nivel legal o problema é sempre do FCP porque qualquer acordo de cavalheiros que exista com os Fundos, esse não tem qualquer valia legal. A nivel legal, para a UEFA, o jogador é 100% do FCP e o dinheiro também. Essa é a realidade e se amanha um fundo se chateia ou o FCP muda a sua posição, quem fica a arder seremos sempre, sempre nós.

Há quem não queira ver os riscos e se deixe deslumbrar pelo potencial desses negócios mas para os clubes é um modelo pior do que o vigente.

Miguel Lourenço Pereira disse...

"Vender por muito",

Continuo a achar notável a forma como todos os adeptos assumem que vamos sempre vender um jogador por muito. Essa realidade é uma das maiores falácias desta gestão. Há flops como há exitos.

Há 3 anos todos pensariam que hoje o Quintero já teria sido vendido por muito. Com o contrato a acabar, o Alex Sandro ainda não foi vendido por muito. E quando se pagam 20 milhões por um jogador, para este ser rentável ao clube, vender por muito é sempre vender acima dos 30 milhões.

Quantos negócios ao ano, no mercado, ainda para mais com o FFP em jogo, existem a mais de 30 milhoes?

Miguel Lourenço Pereira disse...

Vida82,

- O Defour foi mais caro que o Danilo.
- O Cissokho rendeu mais do que o Jackson, entre outras coisas, porque o Cissokho não significa o gasto anual em salários que o Jackson custava ao orçamento do clube
- O FC Porto pode valorizar todo o tipo de jogadores mas quantos mais milhões se gastam, mais tostões se ganham na valorização e como qualquer aluno de 1 de Economia sabe, um modelo de negócio para ter futuro tem de partir sempre da base de gastar pouco e ganhar muito, não gastar muito e ganhar pouco mais do que esse muito.

- Sei e também sei qual a diferença entre ter as contas saneadas ou ter um passivo brutal, empréstimos semestrais para pagar salários, juros elevados que há que abater, jogadores dados como garantias bancárias, estádios transformados em bens da SAD para enganar a UEFA e quotas dos sócios transferidas das modalidades para o futebol.

Ernesto disse...

Todos os grandes clubes, ostentam grandes passivos. O Real, o Barcelona, o Chelsea, o City, não deixaram de investir no seu modelo porque sabem que sem os melhores jogadores nunca terão retorno desportivo-financeiro. Com o aumento das receitas na Champions, só quem se rentabilizar por essas bandas, pode continuar a almejar estar, pelo menos, entre os tubarões europeus. Se o Miguel acha que estar na Europa, de per se, e atingir os quartos por duas vezes e os oitavos por três em dez anos, é pouco, veja-se onde andam outras glórias de se passado. Hoje o que conta é o dinheiro, e o estar (ou parecer) nos eventos "mediatizados" da UEFA. Sem estar na CL, e com isso fazer, ao menos, boa figura, gostaria de sabe como venderíamos o Danilo ou o Jackson acima dos 30 milhões. Com ou sem declarações de intenções o que sei é que o Jackson só joga no Atlético mediante o pagamento de tal valor. Se o negócio vai por água abaixo, ou não, é fazer futurologia, mas pelo menos sei que os valores indicados me deixam satisfeito por um jogador prestes a fazer 29 anos e com alto valor desportivo devidamente rentabilizado. Outros prometem vendas acima dos 100 milhões, e todos os anos vendem o Sálvio e o Gaitán, e é o que se vê: foram campeões forjados e na Europa espelharam o seu real valor. talvez por isso não vendam, com a mesma acutilância em que brilharam, por sua vez, na Europa. Já do sporting, nem falo seu modelo, porque esses, por muito "boa administração" praticada, nem contam para o totobola europeu...

Silva disse...

A opinião é, de facto , livre. Assim deve ser. Por isso, na minha opinião, o post é um mero, e grande, disparate pegado. Só isso. A começar nos canibais e a acabar no Messi, Neymar e Cristiano. Qual deles é que custa 20 milhões? Só para ficar informado, nada mais...Passando pelo conhecimento profundo do jogador, que não é mais que um Casemiro, assunto arrumado! AH, espera, há uma coisa que não é disparate, o comunicado à CMVM acerca do Jackson NÃO diz, de facto, que o dinheiro chegou. Isso sim, é verdade. O resto é só um pretexto para desancar. Gratuito. E lá está, isto é opinião. A minha. I'm out.

Madureira disse...

Mais caros ficaram os Sonkayas, Lucas Mareque, Bollatis, Prediguer, Tomás Costa, esses sim são negócios vergonhosos, mas com esses ninguém se interessa porque custam pouco?? Mas façam as contas!! Que deram estes jogadores ao Porto? a nível financeiro e a nível desportivo? Nada, 0, mas estes que nunca jogam, passam o tempo de contrato emprestados e com o salário a ser em parte suportado pelo clube, não á problemas... agora os de 20M que vêm para jogar, acrescentar qualidade, valorizarem-se e quando saírem deixarem mais valias quer financeiras quer desportivas, causam preocupação a muita gente! Vamos ver daqui a 2 épocas quando sair, qual vai ser o valor que vai deixar no Dragão e até lá o que nos ajudou no plano desportivo e depois quero ver se continua com a mesma opinião!!

Só para não esquecerem, parece que andam esquecidos, o clube já fez 74M em vendas de 3 jogadores, fez uma excelente campanha europeia, tem a próxima champions garantida e vem aí novo patrocinio!!!

Luís Vieira disse...

Francamente, acho que a SAD, nos grandes negócios, já há algum tempo não tem muito poder negocial porque está refém do dinheiro externo. Daí que tenha quase a certeza absoluta que estes 20M + 100% do passe são uma grande treta. Estamos a dar banho ao Platini e isso deixa-me satisfeito. O Imbula é um craque e vai pegar de estaca no meio-campo. Esta foi a resposta da SAD à aparente saída conjunta e definitiva do Casemiro e do Óliver. Do ponto de vista desportivo, não tenho nada a apontar. Do ponto de vista financeiro, teria se acreditasse que o dinheiro era integralmente nosso. Como não é, o risco continua a ser partilhado e por isso não entro em condenações precipitadas e desmesuradas.

Joe disse...

Miguel o meu comentário apareceu truncado na sua 1ª frase. Nela eu dizia : Miguel estou na generalidade de acordo com o teu post, nomeadamente sobre a falta de solvabilidade do modelo de negócio.

Quanto à aposta neste jogador é claramente uma aposta de risco. Mas mais do que gastar 20 M neste jogador custa-me que tenhamos passado de 20 M de FSE em 2009/2010 para 42 M em 2013/214. Não conhecendo a origem do acréscimo cheira-me que uma grande parte do acréscimo se deve ao Porto Canal.

João Santos disse...

Fico à espera da vossa lista :)

ASA disse...

Eu diria que é mais uma demonstração que os gastos adicionais por enquanto ocultos vão ser igualmente enormes, para além de uma salário muito elevado. Li em jornais franceses 2.5 milhões em prémio de assinatura e 1.5 milhões em direitos de formação ao Guingamp... Uma barbaridade! Desta vez estou completamente de acordo com o Miguel, o que é raro.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Luis,

O dinheiro é nosso a 100% a partir do momento em que comunicamos que o jogador é nosso a 100%. O Porto pode até nem ter posto 1 euro na mesa seu e o dinheiro ter vindo integramente de um fundo mas não se enganem, se o jogador não valorizar, o fundo vai exigir sempre o dinheiro de volta e quem fica a arder com os direitos desportivos somos nós.

Se o Imbula for um Danilo, tudo bem, podemos até sacar uns 5 milhões de uma futura venda - que, como o dinheiro também não é nosso, tão pouco será o lucro - o que é realmente muito pouco para quem precisa de sacar 70 por ano. Mas se for um Quintero, ficamos a arder sozinhos com os 20 como ficamos com os 8 do Walter.

Porque vamos entender isto bem. Se a Doyen ou outro fundo mete 20 milhões e o Porto vende daqui a dois anos o Imbula por 30 o FCP só vê 10 milhoes, dos quais haverá que descontar o que se gastou em prémios de assinatura, formação com o jogador. A margem de lucro será inferior a 5 milhões de euros e o jogador até pode ser realmente muito bom.

Compensa o risco?

meirelesportuense disse...

Vamos lá a fazer contas: -O Porto estava disposto a comprar o Casemiro por 15 Milhões, em vez disso porque o Real o desejava também recebeu 7,5 de indemnização, agora pagando 20 por Imbula só despende 12,5 Milhões de Euros e fica portanto mais barato que o próprio Casemiro!...Se for do mesmo nível é um bom negócio.

João disse...

Este Portista Sec XXI está quase, quase, quase a conseguir passar por portista. Falta um danoninho. Mantenham isto limpo, sff que até é um espaço porreiro e os paraquedistas do Dep. de Propaganda já se aperceberam. Agora a escola dos jagunços ainda fica a desejar um bocado ao KGB e isso nota-se.

Luís Vieira disse...

Miguel, numa perspectiva estritamente legalista, é verdade: se comunicámos isso às autoridades competentes, é assim que deve ser visto. Contudo, por defeito de formação, sei destrinçar o ser do dever-ser. Posso estar enganado, mas, neste caso, parece-me que o "ser" dá pistas suficientes para a intervenção de um fundo no negócio, com a habitual partilha de risco e um esforço financeiro calculado (arriscaria menos de metade do valor veiculado). Assim sendo, o fundo investe, o clube valoriza, dá-se a venda posterior e todos ficam satisfeitos. Volto a frisar: estas artimanhas têm de ser muito bem medidas e apenas se justificam com jogadores que sejam inequivocamente bons e entrem de caras no 11 titular. Parece-me o caso do Imbula, sinceramente. Arrisco-me a dizer: é Imbula e mais 10. Por estas razões acho que compensa o risco (o Imbula não tem comparação possível com os exemplos Quintero e Walter, do ponto de vista da cultura táctica, o que fará, prevejo eu, toda a diferença).

Pés-Juntos disse...

Miguel, Li o texto, ainda não li os comentários acima.

Antes do mais deixa-me dizer-te que partilho das tuas preocupações em relação à saúde financeira do nosso Porto, no entanto penso que não estamos a falar de gestores desportivos sem experiência.

A FC Porto SAD (bando de canibais parece-me uma comparação imerecida) faz tudo ao seu alcance para (1) ter sucesso desportivo; (2) assegurar a continuação de (1) com uma gestão de activos que lhe permita ao mesmo tempo gerar mais-valias que depois sejam re-investidas na equipa de futebol, o "core" do negócio.

Não é o modelo ideal, é o modelo possível que vai aguentar o clube até à formação da Superliga Europeia, da qual o FC Porto, para fazer parte, terá de manter o sucesso desportivo continuado que fazem dele um dos "indespensáveis" da Champions actual.

Imbula parece-me uma contratação lógica dentro deste paradigma e, salvo algum precalço desagradável, trará um claro acrscento de qualidade e solidez ao nosso meio campo.

20 Milhões poderão muito bem converter-se em 40 dentro de 2-3 épocas.

A minha única interrogação passa pelo acumular de médios centro, o que deixa antever uma possivel venda de Herrera e/ou Carlos Eduardo (Evandro?) ou uma mudança táctica para 3-4-3 ou 3-5-2.

Jorge Vassalo disse...

Eu estou a ler bem? "Só" vê 10M? E daí? Não seria exactamente quanto custou? E a mais valia desportiva? Mas está tudo bêbado? Agora somos o que, revendedores? Quando é que deixamos de ser um clube de futebol? Se Imbula ajudar a ser campeão e for embora, mesmo que ganhemos zero com a venda, não valeu a pena!?

Senhores, menos!

Abraço Azul e Branco,

Jorge Vassalo | Porto Universal

Jorge Vassalo disse...

Quos Est Demonstratum

Abraço Azul e Branco,

Jorge Vassalo | Porto Universal

Jorge Vassalo disse...

E, Icing on the cake, Casemiro ainda pode render mais 5 a 7! E Souza pode render 5,2! Já estaria pago o Imbula!

Abraço Azul e Branco,

Jorge Vassalo | Porto Universal

santosanonymus disse...

Afinal o que significa "gerir bem" um clube?

1. Ganhar troféus.
2. Ter um modelo de gestão sustentável a longo prazo, criar património e ser transparente.

Esta direcção nunca enganou ninguém sobre o objectivo: ganhar troféus. E ganhou imensos. Entretanto o passivo foi aumentando, com total indiferença por parte de praticamente todos os sócios (como é regra no futebol).

2010 160M€
2015 285M€

A questão é se se vai chegar a um ponto de não retorno em que não será possível lutar por troféus devido ao descontrolo financeiro.

Se esse risco é real para as próximas 2/3/4 épocas então é algo gravíssimo, caso contrário esta compra, de um bom jogador, é um óptimo sinal, pois o objectivo declarado é ganhar troféus, não é ter finanças equilibradas.

Desde que, sublinho, o "ponto de não retorno" possa ser mantido a uma distância segura indefinidamente.

Jorge Vassalo disse...

Não me vou alongar muito. Este é, precisamente, o paradoxo do "pensador" Portista.

Vejamos. Se, como MLP diz, e eu também acho que o negócio é assim feito, a Doyen puser metade do valor, num negocio de 30M, veremos 10. Ok, óptimo!

Nós gostamos de um clube de futebol. Tem de ser gerido, claro. Tem de vender milionáriamente todos os anos? Não. Tem de ser sustentavel. De resto tem de ganhar títulos, nada mais.

Há negócios que MLP não contabiliza, como o extraordinário negócio Casemiro - que nos vai render mais 5 a 7M, caso seja vendido ao Valência. 12 a 14M por um emprestado!

E temos de vender excedentários. É claro que compras como André André, Danilo Pereira ou Sérgio Oliveira mostram uma desaceleração no modelo. Ele não tem de parar em um ano, dois ou sequer 3.

Isso exige montra? Pois, com certeza. Brahimi, Herrera, serão vendidos a curto prazo? Sim, evidente!

Mas agora estamos a comprar juventude (Gudiño, Ruiz, Johansen, p.e,) para termos de fazer menos compras e termos valores fortes. Esse será o modelo futuro, que pode ser rentável.

E no meio há os Souzas desta vida que ainda nos fazem dizer "5,2M por quem?!".

Teremos uns flops, mas serão cada vez menos.

Roma e Pavia não foram feitas num dia, e eu estou cansado de ouvir falar em milhões.

Gostava mesmo é que se falasse do que pode dar o Imbula ao FC Porto, ao invés de por quanto poderemos vender um jogador que ainda nem pisou o relvado do Dragão.

Abraço Azul e Branco,

Jorge Vassalo | Porto Universal

Pés-Juntos disse...

Agora que li os comentários dos outros portistas concordo com a ideia de que a cartada da SAD foi obrigar o Real Madrid a pagar pelo regresso do Casemiro. Mais do que isso a possibilidade da venda de Herrera parece-me óbvia.

Precisamos de 6 médios centro no 433 (dois por posição); Temos André André, Carlos Eduardo, Sérgio Oliveira e Imbula. Do ano transacto ficará algum dentre Herrera, Rubem Neves, Quintero, Evandro? Suponho que o Ruben tenha o seu lugar assegurado mas já se percebeu que a sua afirmação dentro da equipa será muito cuidada e a conta-gotas - o que pode ser contra-productivo porque na sua idade o que ele mais precisa é de jogar.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Jorge,

São muitos "ses" nessa equação.

Para mim um jogador de futebol é primeiro, segundo e terceiro um jogador que futebol que deve contribuir para o colectivo e só em quarto um negócio. Para quem gere o clube a ordem é precisamente a oposta e ás vezes também o é para muitos jogadores.

Se o Imbula chegar e for fundamental para que voltemos a ser campeões e façamos um bom ano de Champions e vá embora com um lucro zero, perfeito. Não tenho problemas com esse "se".

Mas Walter também custou 8 milhoes de euros num modelo similar, também vinha ser o novo "Adriano" e afinal não contribuiu coisa nenhuma. Pelo contrário, arrasta-se porque o fundo continua a exigir a sua parte e não há forma que temos de o valorizar. Trabalhar com Fundos não é trabalhar com organizações de caridade. O Fundo mete 20, exige 20. O Fundo mete 10, exige 10. Isso obriga a que o jogador gere esses 20 ou esses 10 e se não gerar temos nós de ir por o dinheiro na mesa. Mais claro impossível. Quando um negócio corre bem - e há uma meia duzia, não mais, que têm corrido bem, perfeito. Mas essa meia dúzia é um numero pouco relevante porque se tem permitido pagar aos fundos a sua colaboração e voltar a investir o que não tem permitido é aliviar o clube da sua situação.

Se daqui a quatro anos o Imbula valer 10 milhoes de euros e não 20, o Fundo vai exigir ao FC Porto o dinheiro pendente. A isso chama-se prejuizo. Como se evita? Muito fácil. Não recorrendo a este modelo com estes custos de risco. Isso sim é fácil de fazer!

Miguel Lourenço Pereira disse...

"Todos os grandes clubes, ostentam grandes passivos. O Real, o Barcelona, o Chelsea, o City, não deixaram de investir no seu modelo porque sabem que sem os melhores jogadores nunca terão retorno desportivo-financeiro."

Todos os grandes clubes ostentam passivos porque todos os grandes clubes sabem que, numa situação de emergência, podem paga-los. O passivo do Real Madrid abata-se com três vendas milionárias num só Verão de golpe. Idem para o Barcelona e no caso do Chelsea e do City é ainda mais fácil sanear contas.

O FC Porto vive noutra realidade quotidiana mas os sócios/adeptos continuam a sonhar em que são Chelseas pequeninos quando nem somos um clube de um milionário que pode meter dinheiro como e quando quer, nem somos um clube com um orçamento anual de 600 milhões de euros e com um passivo de valor similar em que basta vender uma ou duas joias da coroa e ficamos limpos, para além dos beneficios de financiamento da marca.

Se hoje o FCP quer abater o passivo de golpe - 280 milhoes de euros - tem de vender quase a totalidade da primeira equipa. Não vamos enganr as pessoas!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pés-Juntos,

" FC Porto SAD (bando de canibais parece-me uma comparação imerecida) faz tudo ao seu alcance para (1) ter sucesso desportivo; (2) assegurar a continuação de (1) com uma gestão de activos que lhe permita ao mesmo tempo gerar mais-valias que depois sejam re-investidas na equipa de futebol, o "core" do negócio."

O problema está no core do negócio. Se eu já sei que a SAD para os seus objectivos é coerente o problema são esses objectivos e o caminho em que estão a levar o clube. A forca financeira.

É preciso que as pessoas metam na cabeça de uma vez que o FCP jamais vai ter rendimentos suficientes para alimentar este modelo e que um ou dois anos maus seguidos vão ser a morte do artista. Que PdC e as suas amizades não são eternas, que o futuro imediato está ao virar da esquina e que se algum dia o clube tiver de abater de golpe 100 milhoes de euros de passivo (sensivelmente 38% do mesmo) ficamos nus.

A Superliga Europeia não vai existir porque será sempre um modelo ilegal aos olhos de quem manda nisto, no fundo, que ainda é a FIFA e a cada passo que damos para pagar por jogadores o que só clubes ingleses, alemães e espanhois de elite pagam, estamos a mergulhar na boca do lobo.

Manuel Lopes Rocha disse...

Peço desculpa, mas mais uma vez está claramente a exagerar (peço-lhe que não leve a mal, não é nada pessoal). Em primeiro lugar, não acredito - ou melhor, não quero acreditar - que uma SAD com a experiência e competência que já provou ter por diversas vezes (o que não significa que seja infalível, longe disso) ultrapasse as linhas vermelhas do "fair-play" financeiro.

Em seugndo lugar, o que foi proibido pela FIFA foi a partilha dos fundos, não a própria existência dos mesmos. Logo, se o clube e a Doyen iniciam uma nova estratégia de entendimento com resultados para ambas as partes (algo que o BdC não percebeu), apesar de potencialmente arriscada, não irá necessariamente "colocar em risco a sustentabilidade futura da SAD". Sublinho: a proibição é relativa à partilha de passes com fundos, não aos próprios fundos!

Em terceiro lugar, esta era a época essencial para investir forte no plantel. Remeto para esta excelente análise (e menos catastrofista) do http://otribunaldodragao.blogspot.pt/ .

Finalmente, penso que o autor está a ser demasiado severo na sua apreciação do jogador Imbula. Não foi internacional francês, não ganhou nada, mas se vir alguns jogos dele vai perceber por que é que o Porto o foi buscar. Tenho a certeza de que, se ler algumas das opiniões qualificadas na imprensa e se se der ao trabalho de o ver a jogar, tenho a certeza absoluta que vai deixar de o descrever como um "médio trabalhador".

Fonseca disse...

Caro portista do século 21, a minha opinião (que é só isso) é que Imbula é melhor que esses jogadores que referiu, considerando a altura em que foram contratados pelo Benfica (uma vez que só referiu benfiquistas). A evolução de cada um e do próprio Imbula é uma coisa mais complexa e depende de vários fatores.
O que quero dizer é que gastar muito dinheiro, uma vez, num jogador muito bom, não é tão grave como ter dezenas de jogadores mediocres a gravitar à sua volta que custam mais que aquilo que parece. Ainda hoje é notícia Souza, que metade das pessoas já nem se lembram de quem era nem em que posição jogava. mas como este há muitos. Acho que o fundamental é livrar-se destes excedentes. No modelo de negócio que o Porto tem feito, o que critico é precisamente comprar jogadores que só andam ali a gravitar à nossa volta, que desde o ínicio se percebe que nunca vão ser úteis nem nunca vão ter oportunidades.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Já estaria pago o Imbula?

Mas aqui não está em causa que o Imbula possa ser pago com a venda do jogador X ou do jogador Y. Se o FCP se desfizer de todo o excedente que tem, saca uns bons 20-30 milhões sem dúvida.

O problema é que esses 20-30 milhões jamais podem ir para um Imbula. Jamais. Há um passivo que abater, juros que pagar, empréstimos semestrais que há que evitar e sobretudo um plantel que há que equilibrar onde 20 milhões numa só peça implicam que não tens milhões para outras.

Só gastam 20 milhoes num jogador quem não tem de se preocupar com passivo porque tem ingressos ou bens que o cobrem ou quem tem um plantel completo e fechado sem nenhum tipo de necessidade e pode dar-se ao "luxo". Nós não somos nem um nem outro caso!

Alexandre Burmester disse...

"...até à formação da Superliga Europeia"? Mas quem ainda fala disso? Ao lê-lo, dir-se-ia que é um projecto em marcha. Há anos a Liga dos Campeões sofreu alterações e aumento do número de equipas precisamente para evitar a criação de tal prova.

Esperar pela Superliga Europeia é tão realista como esperar pela descoberta de petróleo em Ofir.

Pedro Ferreira disse...

Então e segundo percebo, muitos leitores do blog acreditam que apenas e somente por a Doyen ter apoiado a compra, estes 20 milhões não são nossos, logo deixa de ser preocupante este negócio? É isto? Não sou economista mas esta ideia é totalmente desfasada da realidade. Mesmo que a Doyen tivesse pago os 20 milhões, estes 20 milhões ainda nos podem vir a sair caro. O nosso clube caminha para o abismo...

João Martins disse...

E ao q parece vao outros 20 ou perto disso pelo Mitrovic..juntando a 15 q o Torino pede pelo Defesa Direito..parece-me que para a proxima epoca vamos ter uma conta de reforcos de fazer inveja a muitos clubes da Liga dos Campeoes..
Se o gastam espero duas coisas...que o dinheiro exista para se gastar e q Lopetegui esprema os reforcos e no fim os titulos sejam nossos...precisamos de uma epoca ah Vilas Boas para mostrar aos alfacinhas a fibra de q somos feitos!!
Somos Porto

Jorge Rodrigues disse...

Essa de poderem cobrir o passivo numa situacao de emergencia so pode ser piada.
Quem e que vai comprar um jogador por 100 milhoes de euros senao o proprio Real?

Miguel Lourenço Pereira disse...

"Peço desculpa, mas mais uma vez está claramente a exagerar (peço-lhe que não leve a mal, não é nada pessoal). Em primeiro lugar, não acredito - ou melhor, não quero acreditar - que uma SAD com a experiência e competência que já provou ter por diversas vezes (o que não significa que seja infalível, longe disso) ultrapasse as linhas vermelhas do "fair-play" financeiro. "

A mesma SAD que teve, como praticamente confessou um dos seus gestores, á ultima da hora passar parte do estáido para a sua posse para sanear resultados? Estamos a falar dessa SAD que, seguramente, contando com outros resultados de ingressos se viu apanhada com as calças nas mãos e tocar no que muitos portistas achavam que era intocável?

Miguel Lourenço Pereira disse...

"m seugndo lugar, o que foi proibido pela FIFA foi a partilha dos fundos, não a própria existência dos mesmos. Logo, se o clube e a Doyen iniciam uma nova estratégia de entendimento com resultados para ambas as partes (algo que o BdC não percebeu), apesar de potencialmente arriscada, não irá necessariamente "colocar em risco a sustentabilidade futura da SAD". Sublinho: a proibição é relativa à partilha de passes com fundos, não aos próprios fundos!"

A proibição, efectivamente, é a partilha.
O que a UEFA não proibe é que um fundo empreste dinheiro a um clube para comprar um jogador. Mas também o que o Fundo não vai permitir - vide caso Walter - é que o prejuizo fique nas mãos. O FCP terá de pagar cada centimo emprestado, sejam 10, 20 ou 1 milhão, tenha o Imbula gerado esse valor ou não. E se o Imbula não gerar esse valor - que é uma opção tão válida como sair por 50 milhoes como muitos dão por adquirido sem o ter visto chutar uma bola - quem fica a arder é o clube, sempre!

Miguel Lourenço Pereira disse...

"Finalmente, penso que o autor está a ser demasiado severo na sua apreciação do jogador Imbula. Não foi internacional francês, não ganhou nada, mas se vir alguns jogos dele vai perceber por que é que o Porto o foi buscar. Tenho a certeza de que, se ler algumas das opiniões qualificadas na imprensa e se se der ao trabalho de o ver a jogar, tenho a certeza absoluta que vai deixar de o descrever como um "médio trabalhador".

Eu não vejo jogos da Ligue 2 habitualmente, onde ele esteve há um ano. Vi jogos seus no Marseille e com os sub21 franceses e nem era o melhor jogador do Olympique (que por certo, a nós vendeu caro mas ao West Ham vendeu barato o Payet, com muito mais perfil de mercado) nem sequer o melhor da sua geração sub21 com a França. E na sua posição, actualmente, o futebol francês tem jogadores infinitamente mais completos que o vão sempre tapar como o Matuidi, o Kondogbia, o Pogba, o Coquelin e o Rabiot, pelo que uma afirmação internacional é altamente improvável.

Miguel Lourenço Pereira disse...

A Doyen pode ter dado em mãos do FCP os 20 milhoes. Mas vai recuperar esses 20 milhoes (mais juros) a bem ou a mal e se Imbula quando sair não valer 20 milhoes, a diferença vem dos nossos bolsos. É assim que se negoceia com usureiros e os fundos não deixam de ser precisamente isso.

Miguel Lourenço Pereira disse...

O que eu espero é que a gastar 20 e 15 milhoes em varios jogadores, alguém na SAD tenha colhões de assumir publicamente que somos candidatos a chegar ás meias-finais da Champions League e a ganhar o titulo com tranquilidade. É que não há, neste momento, no futebol europeu, muita gente a gastar esse dinheiro e se o gastam que apresentem resultados.

Reservem já os bilhetes para a final de Milão!

Costa disse...

Se calhar era melhor esperar pela venda do jogador e aí avaliar o preço de venda, a performance desportiva e tirar uma conclusão, mas...

Isso demora muito tempo e nessa altura o post poderia ser (ainda) mais ridiculo que aquilo que é hoje.

Resumindo:
Quem fez, a SAD do FCP ?!
- Está mal feito, eu fazia muito melhor !

Luís Vieira disse...

"Infinitamente mais completos"? Manifesto exagero, Miguel. Não precisa de se esforçar tanto para denegrir a valia futebolística do Imbula. Se estiver a falar do Pogba, ainda dou de barato. Quanto aos restantes, é um grande equívoco. O Matuidi é um jogador consagrado, mas menos técnico que o Imbula. Kondogbia, Coquelin e Rabiot são jogadores no mesmo plano do Imbula, em fase de afirmação internacional, sendo que o 1º custou 40M ao Inter, precisamente o dobro.

meirelesportuense disse...

Há Portistas que estão sempre no contra. E nada a fazer, apenas ler...E comentar. Já agora parece que venderam o Fabiano -o nosso melhor GR...A partir deste momento a nossa defesa já pode respirar um pouco, atenção Turcos! Mais um mau negócio.

Luís Vieira disse...

A Doyen ganha muito dinheiro com o FCP. Interessa-lhe manter a parceria com o clube porque tem aqui uma montra fantástica para os "seus" jogadores, que lhe permite grandes negócios e lucros. Naturalmente, a Doyen também sabe que algum ou alguns dos negócios podem correr mal, no sentido em que podem não significar tanta valorização. A Doyen, como investidora, assume esse risco, encaixa a perda. Mau seria se ao primeiro investimento "gorado" a Doyen se pusesse a esmifrar o clube. Não, não me parece que o venha a fazer. Só o conceberia se a maior parte dos negócios com a Doyen corressem mal. Aí sim, havia motivo para recuperar avidamente o dinheiro investido sem encaixar perdas. O mete 20 tira 20 é muito linear, muito preto-e-branco para uma indústria nebulosa como o futebol. Há outros contratos, outras tranches, outras percentagens, outras compensações que podem ser contempladas. Por isso, take it easy, impera aqui a boa-fé negocial: clube e investidor precisam-se mutuamente.

Miguel Lourenço Pereira disse...

O que á Doyen não faltam são clubes, a começar em Portugal pelo Benfica. O que ao Porto faltam são financiadores. Achar que esta relação é 50-50 é wishful thinking!

Miguel Lourenço Pereira disse...

O Real Madrid tem ofertas na mesa por mais de 80 milhões para dois jogadores neste momento. Tem uma oferta de 50 milhões por um terceiro. São 220 milhões que se tivessem de sair, pagavam metade do passivo do clube.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Luis,

Eu depreendo que um ano de Ligue 1 e um ano de Ligue 2 mais meia-duzia de jogos com os sub21 da França tenham servido de repente para transformar um desconhecido em estrela mundial.

O Kondogbia foi fundamental na vitoria do Sevilla na Taça UEFA e foi um dos melhores jogadores do Monaco na liga e Champions. O Coquelin tem sido fundamental no jogo de transição do Arsenal. O Rabiot e o Matuidi são dois optimos jogadores que dão opções ao meio-campo do PSG. Mas realmente empalidecem em comparação com o Imbula. (ironia)

scape disse...

fico sastifeito de neste blog haver tantas opinioes contrarias,assim sim cump. HELDER OLIVEIRA

João Martins disse...

Ha coisas na vida inesquecíveis e para mim uma delas foi a conferência de imprensa de Mourinho em que da um murro na mesa e afirma: "Vamos ser campeões!" Acho q ta na altura de alguém o repetir! Quanto a competições europeias acho que elevar publicamente objectivos pode colocar pressão indesejada. Cumprimentos

Luís Vieira disse...

Miguel, convém informar-se melhor antes de desvalorizar o jogador. Assim dá a ideia de que tudo lhe serve para denegrir o negócio e não apenas os aspectos financeiros. O Imbula tem não um, mas dois anos de Ligue 1, sempre em alta rotação, cotando-se como um dos melhores jogadores do Marselha e do campeonato francês, depois de ter sido considerado o melhor jogador da Ligue 2. Não é desconhecido, nem estrela mundial, mas é um muito bom jogador com grande margem de progressão, para entrar de caras no 11. Voltando aos termos de comparação: o Rabiot tem as mesmas 2 épocas de Ligue 1, com menos minutos e menos titularidades; o Coquelin apenas a meio da época passada se estabeleceu como titular no Arsenal aos 24 anos (o Imbula tem 22); o Matuidi está noutro patamar em termos de experiência e projecção, mas é mais velho (aos 22 anos estava no Saint-Étienne); o Kondogbia é o único que, de facto, já demonstrou mais do que o Imbula com a mesma idade, mas, por isso, custou 40M e não 20. Em todo o caso, nem o Kondogbia é "infinitamente superior" ao Imbula. Face ao exposto, reafirmo: o Miguel está a esforçar-se demasiado para rebaixá-lo. Pode não concordar com o avultado investimento, mas o Imbula não deixa de estar ao nível e em alguns casos ser superior aos exemplos apontados.

Luís Vieira disse...

Em Portugal, não há mais nenhum clube como o Porto, lamento. O Sporting rasga contratos e despreza a Doyen. O Benfica na Champions é uma miséria, não tem a capacidade de valorização do FCP. Por isso não se trata de wishful thinking, mas de consciência da realidade. Por outro lado, não há nenhum campeonato periférico tão atractivo, tão placa giratória, tão entreposto como o português. A Doyen gosta e precisa de nós. Assim nos cheguem muitos Imbulas, Brahimis, Mangalas e afins.

Pés-Juntos disse...

Miguel e Alexandre,

A Superliga Europeia não vai acontecer amanhã, mas vai acontecer. É o passo lógico e óbvio se a Champions quiser usufruir das receitas que a Premier League Inglesa usufrui.

Como competição não vai substituir as competições nacionais/regionais mas não engana - o modelo será fechado ou semi-fechado (participação por convite) e contará com as 20/24 melhores equipas europeias - nas quais obviamente vejo incluido o Porto.

O realismo está na vertente financeira - os clubes de topo europeus ou se globalizam ou definham num mar de dívidas ou aceitam ser viveiros para outros sem benefício desportivo.

A champions como prova tem muita incerteza porque é uma prova a eliminar. Se desportivamente isto é ideal, comercialmente faz pouco ou nenhum sentido.

Porquê ter 6/8/12 jogos (13 para quem vai à final) quando se pode tem mais de 30? Sempre contra clubes de top? Com uma distribuição de receitas da TV mais paritária? Com estádios de lotação esgotada ou perto disso?

Isto do futebol de top deixou de ser "desporto" para ser negócio. A partir daqui o negócio vai crescer até onde for possivel, e não há limites para a ganância meus amigos..

Miguel Lourenço Pereira disse...

Ser campeões é algo que já qualquer adepto do FCP deve dar por assumido, não vale a pena relembrar o Mourinho para isso. Ele próprio já o sabia.

Mas equipas que gastam fortunas em jogadores e participam na Champions devem ser coerentes e apontar mais alto. Mas em Setembro voltará a vitimização e falar-se-á nos oitavos, etc, etc..

Business as usual!

Miguel Lourenço Pereira disse...

O FC Porto chegou o ano passado aos quartos-de-final da Champions pela primeira vez em seis anos. O Benfica, nesse periodo de tempo, chegou lá duas vezes. Convém ter memória!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Luis,

Desejo toda a sorte do mundo ao Imbula, tendo em conta a fraca realidade do nosso futebol o mais normal é que seja, como foi Oliver ou Brahimi, um dos jogadores do ano. Mas hoje não é melhor jogador do que os citei. E essa é a minha opinião e nada tem a ver com o negócio. Se me colocassem na mesa todos os nomes citados, Imbula era o último da lista a que eu iria atrás.

PS: Kondogbia agora vale 40 milhões mas quando valia muito, muito pouco, escapou-nos ao radar. Como ele há cada vez mais casos de jogadores que são contratados por equipas do nosso perfil - Sevilla - a muito menos custo do que andamos a pagar.
É bom ter isso em mente!

Luís Vieira disse...

Tudo bem, é a sua opinião, da qual não partilho. Só me manifestei contra o "infinitamente superior", é no mínimo sensacionalista. Sim, mas por um Imbula, há um James ou um Mangala. O Kondogbia foi barato, mas quero ver quanto vai custar o Konoplyanka, por exemplo.

Luís Vieira disse...

De facto, convém ter memória, por isso vou refrescar-lha. Nos últimos 6 anos, o Porto foi uma vez aos quartos e duas aos oitavos. O Benfica foi uma aos quartos, apenas e só, e nunca pisou outra vez a fase final. E se recuarmos mais um ano temos outra presença nos quartos do FCP. Acho que a diferença de competitividade europeia entre as equipas fica bem espelhada e, por conseguinte, a preferência da Doyen e dos jogadores.

Miguel Lourenço Pereira disse...

O Konoplyanka chega grátis, com um salário na casa dos 4 milhões de euros. Tal como o Luiz Adriano custou só 8 milhões ao Milan mas vai ganhar 5 milhões.

Esses jogadores estão fora da nossa liga.
Mas o que tenho visto a notar, cada vez mais, é que o tipo de jogador - o James do passado - que antes era nosso está cada vez mais a cair noutros clubes á medida que vamos subindo o portfolio a pagar.

Do mesmo modo que havia laterais direitos de projeção como o Danilo e mais baratos (lembro-me do Aurier, por exemplo), também há seguramente médios como o Imbula a preço muito mais acessivel. E os resultados desportivos, se tivessem acompanhado esse investimento com titulos, podiam servir de paliativo mas a verdade é que o FCP tem investido cada vez mais e ganhando cada vez menos!

José Lopes disse...

Acho extraordinaria a tendencia que o Miguel tem para malhar no clube de tal forma que ate as falhas de memoria distorcem os dados em prejuizo do clube. Tudo e' analisado de forma a dar-lhe razao e a atacar a SAD e os usureiros e quejandos com tal afinco que as vezes exagera e engana-se.

Luís Vieira disse...

Pois, foi caríssimo. Não no valor da transferência, mas no salário. O segredo está em encontrar um ponto de equilíbrio. Não acho que estejamos a perder qualidades na captação de talento precoce (vide Brahimi). Os preços estão é mais altos para a generalidade dos clubes, sendo que a inflação chegou ao nosso mercado preferencial: o sul-americano. Neste mercado de transferências, até agora, temos agido bem. O único investimento avultado foi este, mas é para render no imediato. Resta agora reforçar o lado direito da defesa e a frente de ataque com 2 valores seguros e estamos prontos para atacar a época.

PortoMaravilha disse...

Viva,

Parece-me muito cedo para saber se é uma boa aposta ou não. Tem a referência de vir da escola de formação Francesa que é a melhor do mundo, tendo em conta que a França é o pai's que mais ti'tulos internacionais têm a ni'vel das camadas jovens. Foi comprado a um histo'rico (Guingamp) por um outro histo'rico (Marselha) - por dez milhões aproximadamente e salvo erro - afirmando-se como um jogador lutador e capaz de abrir "espaços" nas linhas defensivas adversas.

Independentemente das caracteri'sticas muito positivas apontadas, o futuro é sempre uma inco'gnita. Quem diria que Madjer, comprado ao Rancing da segunda divisão Francesa, se tornaria numa referência do futebol mundial?

Existe um aspecto que não tem sido suficientemente focado, mas talvez me engane: A contratação de Imbala tem dado ainda maior visibilidade ao FC Porto. E o Porto precisa de visibilidade exterior para poder existir em Portugal, segundo tenho deduzido do acompanhamento que faço dos mi'dia portugueses. A sua tri-nacionalidade tem levado a que o Porto seja citado na imprensa A'fricana franco'fona como também a imprensa Belga e, claro, Francesa. A este respeito, é interessante notar que o internacionalmente reconhecido dia'rio "Le Monde" apresenta um artigo assaz completo sobre a tranferência de Imbala.

http://www.lemonde.fr/football/article/2015/06/30/ligue-1-le-marseillais-imbula-vers-porto_4664618_1616938.html

Este artigo, muito bem documentado, refere que o Porto é desportivamente um valor seguro e que tem tido uma gestão positiva fora do comum.

E Viva o Porto!

Mefistófeles disse...

Porto Maravilha: shiiiuuu !!!! Não diga estas coisas muito alto, que vai passar por carneiro/seguidista. Ninguém lá fora percebe nada disto, em Portugal sim. A SAD só faz asneiras, como muito boa gente tem denunciado. Cuidado, que leva já com o rótulo.

Viper disse...

91 comentários?!

Nem sequer li a maioria !!!

Mas se toda gente sabe que a partir de 01 de Maio os clubes têm que assumir a totalidade do passe dos jogadores é óbvio que o FCP teve que dizer que pagou 20 milhões para cumprir com as novas normas da UEFA.

Mas, na prática, sabemos bem que o FCP não vai pagar esse valor.

Na prática sabemos todos bem que a parceria se mantém com a Doyen. E o jogador é pago a meias, fazendo uma vaquinha. Na realidade é uma aliança a dois em que se faz um investimento partindo do principio que depois vai dar rendimento desportivo e monetário para o FCP.

Santa ignorância, rogai por nós!!!