terça-feira, 14 de julho de 2015

Os equipamentos alternativos

O FC Porto escolheu a cor “chocolate” para o seu equipamento alternativo da época 2015-2016. A escolha foi polémica. Não é consensual uma vez que o castanho não se usa com frequência no desporto.


Os últimos anos têm demonstrado que o Clube não se identifica especialmente com uma cor para os seus equipamentos alternativos. Já usámos o laranja, o amarelo, o roxo, o azul celeste, o azul escuro e o rosa. É mais uma questão de marketing. Com a Nike era assim e com a Warrior (agora New Balance) continuamos a mudar de equipamentos todos as épocas. Se no equipamento principal o azul e branco continuam a imperar, ainda que com listas mais finas ou listas mais largas, no equipamento alternativo a nova marca de equipamentos decidiu, com a anuência da SAD presumo, utilizar da excentricidade, primeiro com o rosa e agora com o castanho.

É verdade que quase todas as épocas temos um equipamento branco ou em tons de branco mas esse é o terceiro equipamento e raramente é usado.


Quando o FC Porto primeiro começou a utilizar um equipamento alternativo nos idos anos 80 ele era predominantemente branco com um ou outro toque de azul. Pois bem, é às origens que o clube deve regressar e por isso deixo aqui a minha sugestão: dada a importância que a cidade do Porto teve na fundação e no aparecimento do Condado Portucalense, que o FC Porto utilize na próxima época a bandeira do Condado na camisola alternativa, utilizando calções brancos e meias brancas.



"O condado, cujo nome deriva do topónimo Portucale, nasceu de uma dádiva do rei Afonso VI à sua filha D. Teresa e a D. Henrique de Borgonha. A cidade do Porto era o morro da Sé. A Rua das Aldas ou a Rua da Penaventosa datam desta altura. O morro era rodeado por muralhas. 
Por iniciativa de D. Teresa, em 1120, é concedido ao bispo D. Hugo um vasto território. O prelado, volvidos três anos, dá a carta de foral aos moradores. O foral era bastante generoso, o que contribuiu para o rápido desenvolvimento do território."

     

17 comentários:

Luís Pires disse...

"primeiro estranha-se, depois entranha-se". enfim, acho que até já gosto deste equipamento :)
a sugestão de um equipamento alternativo que honre as nossas origens parece-me muito boa (ateu e republicano convicto mas sem renegar a nossa história e tradições)

Ribeiro DeepBlue disse...

Quando o FCP procura sair da mediocridade deste rectângulo e alargar fronteiras, este símbolo, que faz lembrar as Cruzadas, deve cair muito bem em certos países muçulmanos.
Em tempos de tensões religiosas, com Estados Islâmicos e outras barbaridades, parece uma excelente ideia...
Agora, vou desligar a ironia por momentos.

Já tinha dito o mesmo daquela camisola da seleção que também tinha uma Cruz a toda a largura do equipamento.
Uma infeliz ideia...

miguel.ca disse...

Na minha modesta opinião, esta camisola castanha é provavelmente a mais asquerosa que tivemos até hoje. Sempre gostei das laranjas e acho que podiamos explorar mais o preto.

DavidOff disse...

Nem mais! Essa cruz ficava mesmo bem no meio da camisola, de forma estilizada claro!

Miguel Maria Teixeira Santos disse...

Concordo a 100%. São nas "pequenas" coisas que se assentam os valores da mística e da história que, nos dias de hoje, tão facilmente que se esquece.

Já para não falar que, do ponto de vista estético eram muito mais bonitos se seguissem estas linhas (!!!).

Carrela disse...

Não sei porque se discute tanto as camisolas alternativas...
Já tinha dito antes do nosso presidente, desde que não seja nem vermelha nem verde e tenha o nosso símbolo...
Há dúvidas que as marcas querem mais que ninguém agradar aos fãs?
Por isso...
E como nunca se agrada a todos...

Eu pessoalmente não gosto de um ou outro pormenor, como a gola no original, ou as mangas azuis no castanho, mas é um gosto pessoal!

Acho que o castanho está MUITO BEM CONSEGUIDO, sempre achei, e fico parvo como é que alguns o consideram horrível... mas enfim...
Para quê perder tempo a discutir isto...

José Correia disse...

O FC Porto tem dois equipamentos alternativos.
Tradicionalmente, um desses equipamentos é predominantemente branco. Por exemplo, na apresentação dos equipamentos desta época, foi o Danilo Pereira quem envergou esse equipamento branco.

A polémica existente tem sido relativa ao outro equipamento alternativo.
Na época passada houve polémica, porque esse outro equipamento alternativo foi cor-de-rosa e esta época a polémica é por ser predominantemente castanho, com umas pequenas partes em azul.

Há uns dias atrás, aquando da apresentação dos novos equipamentos, eu ouvi o responsável do Branding do FC Porto explicar que a UEFA exige que um dos equipamentos alternativos seja completamente diferente do equipamento principal.
Ou seja, um dos equipamentos alternativos do FC Porto, não pode ter como cor dominante o azul ou o branco (que são as cores do equipamento principal).

Por essa razão, e não querendo o FC Porto usar o vermelho ou o verde (por razões óbvias), em anos anteriores, um dos equipamentos alternativos teve como cor dominante o Laranja, o Amarelo, o Roxo, o Cor-de-rosa, etc.
Este ano foi a vez do Castanho.

meirelesportuense disse...

Para mim é indiferente a cor mas ela tem que ser bem trabalhada, acho que houve alternativos muito bonitos. Este não acho que seja agradável. Mas paciência será utilizado apenas esta época a não ser que seja mesmo um sucesso. E como ando quase sempre em contra-mão se calhar... Ainda hoje vi umas imagens do Mário Jardel num link colocado pelo Dragões Diário e achei muito bonito um dos equipamentos alternativos -em tons próximos do lilás- que se utilizavam na época.

Vitor Gomes disse...

Obrigado José. A questão UEFA é chave, e obviamente não lhes interessa repetir cores, para que todos os anos consigam vender camisolas (a alternativa é quase de certeza sempre a mais vendida).

Lembrem-se disso quando uma destas epocas o equipamento alternativo for em tons de vermelho ou verde. Não é o fim do mundo. Get over it.

Vitor Gomes

Tique Électrique disse...

Mas vendeu bem aqui nas Arábias.

Vi muito muçulmano com uma dessas camisolas com a cruz do Euro 2012.

Ainda mais vendiam se tivessemos ganho o europeu.

José Rodrigues disse...

Violeta, preto, azul bebé, cor de tijolo...

De facto nao havia mais nenhuma cor no arco iris que nao o castanho, claro.

Além disso temos um mistério digno de N Sra de Fátima no facto de que nenhum dos clubes da LC precisou de recorrer ao castanho como alternativo nos últimos 10 anos.

José Lopes disse...

Nao percebo muito bem a aversao ao castanho, nem muito menos a preferencia por violeta ou cor de tijolo, quase como se jogar de castanho fosse uma heresia ou uma completa aberracao. Eu gosto da camisola, sinceramente...

Lápis Azul e Branco disse...

Gosto da sugestão relacionada com o condado, mas temo que as cores sejam demasiado parecidas com o principal para ser... alternativo.

O "cacau" não tem ponta por onde se lhe pegue. Até pode vender muito (espero que sim), mas é mais feio que o Luisão.

Mas a lógica do equipamento alternativo tem que ser a de vender camisolas, pelo que é fundamental mudar todos os anos. E não é preciso reinventar a roda, basta ver os equipamentos líndissimos que sobretudo os clubes ingleses normalmente têm. São variações sobre o mesmo tema.

Aliás, ao contrário de uns 99% dos portistas, eu até gostava de ter um alternativo em tons de vermelho escuro, um vermelho à Porto como julgo que chegamos a ter nas golas de uma qualquer época do início do séc. XX

Do Porto com Amor,
LAeB

José Rodrigues disse...

@Jose Lopes,

se me disseram q acham a cor bonita nao tenho nada a apontar, gostos nao se discutem. Nao me venham e' com historias da carochinha de q praticamente fomos obrigados a ter essa cor por imposicao da UEFA.

José Correia disse...

@José Rodrigues

Quem é que nestes comentários, disse (veio com "histórias da carochinha"...) que a UEFA tinha imposto um equipamento alternativo em que o castanho fosse a cor predominante?

José Rodrigues disse...

«Quem é que nestes comentários, disse (veio com "histórias da carochinha"...) que a UEFA tinha imposto um equipamento alternativo em que o castanho fosse a cor predominante?»

Isso, ninguém. E acho que nao passa sequer pela cabeca de ninguem que a UEFA imponha uma cor especifica aos clubes.

Mas pelo q percebi o responsavel de Branding do FCP disse ou insinuou q a regra da UEFA do «equipamento completamente diferente» teve uma influencia consideravel na nossa escolha do castanho (tendo tambem em conta as outras cores q usámos nos ultimos anos). Ou nao?

Alexandre Burmester disse...

Acho excelente a ideia da bandeira do Condado, mas faria apenas uma pequena correcção: o Condado Portucalense já exisitia há mais de 200 anos aquando da doação de Afonso VI de Leão a sua filha D. Teresa, mais precisamente desde a reconquista do Porto por Vímara Peres, na segunda metade do séc. IX.