terça-feira, 11 de agosto de 2015

A virtude da Paciência

Escrevi aqui no final da época passada que era importante manter Julen Lopetegui no cargo. Não por ser um grande treinador - pelo menos "grande" no sentido dos "Grandes" nomes da nossa história - mas por ser competente, ter uma ideia clara de jogo e por ser o timoneiro de um projecto a três anos que merece toda a paciência. Agora que a época vai começar - com amigáveis "cinzentos" e, felizmente, sem previas de Champions League que outros estouvados vão ter de afrontar - é importante relembrar essa ideia. A paciência, ao contrario do que muitos pensam no futebol, é uma grande virtude. E Pinto da Costa esteve certeiro a manter-se sereno depois de um segundo ano sem títulos. A recompensa chegará em Maio.

Lopetegui tem de montar uma equipa praticamente nova e isso exige tempo. Não é brincadeira criar rotinas num grupo de trabalho com meia dúzia de semanas onde prima quase sempre o trabalho físico e os conceitos de jogo mais básicos. Este FC Porto vai jogar de um modo muito similar ao do ano passado - provavelmente terá mais variantes, em particular o 4-2-3-1 com um jogador mais perto do avançado entre outras coisas porque nem Aboubakar nem Osvaldo cobrem o mesmo espaço que Jackson - mas tem novos interpretes que precisam de se integrar neste espírito de grupo.

Para avaliar a enormidade do trabalho a desenvolver basta ver linha por linha o que muda:

Guarda-Redes - um novo guarda-redes pode parecer algo de somenos mas exige um profundo entendimento com a linha defensivo, um conhecimento da forma como a linha se move, como as marcas se posicionam e, no nosso caso, no papel do guarda-redes como primeiro iniciador de ataque, abrindo linhas de passe ora pelas alas ora pelo corredor central. Casillas é um guarda-redes top mas nunca foi o seu forte jogar pelos pés (com os cruzamentos aéreos é provavelmente a sua maior debilidade) e terá de haver um importante trabalho de coordenação. Sem grandes dramas. Afinal Casillas é o guarda-redes titular da selecção do "Tiki Taka".



Laterais - O uruguaio e Cissokoh são jogadores novos. O segundo será suplente de Alex até este sair (o que pode passar em Janeiro dependendo de varias conjunturas) mas será mais relevante na rotação do que foi Jose Angel (que, como eu disse há um ano, não tinha pernas para esta bicicleta) e o primeiro será titular indiscutivel até começar a sofrer na pele a perseguição arbitral habitual a qualquer jogador de azul e branco neste país. São jogadores diferentes a Danilo e Sandro, em muitos aspectos, e por isso também terão não só de aprender a mover-se dentro do colectivo como tal como igualmente soltar-se mais no aspecto ofensivo (no caso do uruguaio) e na marcação defensiva (no caso de Cissokho).

A posição 6 - Seja Ruben, seja Danilo seja até mesmo Imbula, parece evidente que o trabalho de quem fizer a posição de pivot vai sofrer um reboot. Não há nada de estranho nisso. Quem viu a evolução de Casemiro entende perfeitamente a complexidade do posto no plano de Lopetegui. Até Dezembro muitos pediam a cabeça do brasileiro que foi imenso na segunda metade da época. É natura que Ruben comece porque já tem a lição bem estudada mas não surpreenderá ninguém que tanto Danilo como Imbula possam ocupar o lugar ao longo do ano sendo que o congolano, como Ruben, é um interior de raiz.

Interiores - Imbula será (tem de ser) titular absoluto. Herrera, se ficar, também. Será um jogo interior muito diferente do que vimos com Oliver, muito mais vertical e físico. Herrera e Imbula são jogadores de ida e volta, box-to-box, e não têm no ADN aquela capacidade de imprimir pausa e leitura de jogo que Oliver tinha. No plantel actual apenas Sergio Oliveira e Bueno podem fazer isso (de aí falar-se tanto num "10") mas se o português é ainda um enigma nas prioridades de Lopetegui, o espanhol parece funcionar melhor como "enganche" no tal 4-2-3-1 que provavelmente veremos mais vezes. Evandro também podia ocupar esse lugar (André André é mais do mesmo em comparação com Herrera e Imbula) e fê-lo bem no ano passado mas desconfio que para o basco não seja a primeira escolha.



Alas - Tello teve um ano irregular, mas no seu melhor é titular de caras. Brahimi ídem. Combinar o melhor de ambos ao mesmo tempo seria fundamental e viu-se pouco na época passada. Por isso mesmo Varela vai ser muito mais protagonista do que foi Quaresma. Tem a escola toda do Porto mas só agora começou a trabalhar com Lopetegui e é outro que tem de aprender conceitos importantes. A sua veteranía vai ajudar a acelerar a adaptação e tem sido do melhor da pré-época. Hernani continua a ser um enigma. Tem potencial para desbloquear jogos mas precisa de crescer muito tácticamente para ser opção válida para o onze.

Ataque - Osvaldo é um enigma. Talento descomunal, carácter intempestivo, pode ter uma noite mágica de golos e asistencias e passar um mês a pastar literalmente no relvado. Nunca será um Jackson (mas quem é?). De Aboubakar conhecemos fraquezas e virtudes e de André espera-se o mesmo de Gonçalo. Aqui a paciência terá de ser de santo. Lopetegui não tem culpa que o FC Porto tenha vendido um dos melhores avançados da sua historia e do mundo na actualidade, um jogador que, para substituir, havia que pagar uns bons 40 milhões e alguns trocos. Portanto, esqueçam o trabalho, a leitura de jogo, o génio e o olfato de Jackson porque é irrepetivel a curto prazo. Até lá Osvaldo terá de ser eficaz e Aboubakar comer relva e aproveitar cada minuto. Mas o golo terá de ser, cada vez mais, coisa de toda a equipa (bolas paradas dos centrais, livres directos, diagonais dos extremos, meia distancia dos interiores).

Em suma, há muito trabalho e não é por começar a liga que este chega ao fim. Está apenas no principio do segundo capitulo de um ciclo largo e exigente. Parece evidente que o plantel é superior ao dos rivais, que a troca de treinador destes ajuda a aumentar a sensação de instabilidade mas como bem disse Pinto da Costa no dia da apresentação, no Dragão também mudou muita coisa. Esperamos que a mudança tenha sido para melhor mas cabe-nos ter paciência e confiar chegar a bom porto no momento certo.

25 comentários:

Jorge Vassalo disse...

Excelente artigo.

Sunscrevo e sublinho. Uma análise sobria e ponderada. Parabéns.

Abraço Azul e Branco,

Jorge Vassalo | Porto Universal

JON disse...

Vai chegar alguém para 10 e espera-se para fazer saltar Herrera desse onze.
Miguel, Óliver, ao que leio em Espanha, é ponto assente que fica em Madrid, certo?

Paulo Rodrigues disse...

Boa análise apenas não concordo com Herrera a titular um jogador que corre corre e corre mas que a maior parte das vezes passa ao lado do jogo.. até André André faz mais e melhor. Que o vendam já é só o que peço.

De resto se vier o 10 aposto mais num 4-2-3-1 com Danilo ( Ruben) e Imbula mais o 10 no meio-campo.

Luís Vieira disse...

Exceptuando a posição 6, que, entre Danilo e Rúben Neves, será bem colmatada, perdemos qualidade nos 10 de campo. Não vejo substitutos à altura de Jackson, Danilo e Óliver. É um handicap que compete ao treinador suplantar com o jogo colectivo. A não ser que apareça alguém até ao final do mercado ou que haja uma revelação escondida no plantel. Na concorrência, vejo um Sporting previsivelmente perigoso e um Benfica titubeante. Sábado é para entrar a matar!

Felisberto Costa disse...

Boa análise mas, o uruguaio tem nome e foi o único que não foi tratado como tal; chama-se Maxi Pereira e mais não fez que aceitar o convite do FC PORTO. Eu foi ele que veio de joelhos pedir para jogar de dragão ao peito?

miguel.ca disse...

Se há coisa que deve ser trabalhada diariamente até à exaustão são as bolas paradas ofensivas. O Porto é demasiadamente inofensivo num factor preponderante no futebol moderno. É raríssimo obtermos golos de canto ou de livres e contra autocarros ou resultados negativos tangenciais perto do minuto 90 é fundamental que nos tornemos mais letais neste aspecto.

Miguel Lourenço Pereira disse...

JON,

Assim parece. O Simeone quer aperfeiçoar o modelo de jogo e com o Jakson e Vietto procura alguém que contacte melhor no primeiro toque, recuando o Koke para pivot. O Oliver vai disputar esse lugar com o Saul.

Miguel Lourenço Pereira disse...

O Herrera tem sido sempre titular e duvido que a situação mude enormemente este ano. O mais provavel - e desejavel - seria uma boa venda, deixando a Imbula e Andre com essas funções.

Miguel Lourenço Pereira disse...

No futebol mundial actual não há suplente para o Jackson e para o Danilo que custe menos de 50 milhoes de euros. Sairiamos sempre a perder.

Oliver chegou como uma incognita e difícilmente diríamos o mesmo há u ano pelo que entre quem está, quem pode chegar e o jogo colectivo confiemos que vai haver alternativas.

Luís Vieira disse...

Quanto ao Óliver, nunca tive dúvidas. Pena que o Simeone tenha aberto os olhos. O Jackson jamais teria substituto à altura, pelo menos de momento. Entre Aboubakar e Osvaldo terá de se improvisar. O Danilo foi mal substituído e não era preciso 50M para fazê-lo. Mas é bom interiorizar que perdemos qualidade na equipa titular, para não embandeirar em arco, tal qual a comunicação social.

Silva disse...

Paciência sim, mas exigência máxima. É o segundo dos 3 anos do projeto, altura para ganhar ou ganhar. Creio sinceramente que o conseguiremos, mas se não acontecer, fracassamos. Não há meias tintas...

Felisberto Costa disse...

Herrera é um belissimo jogador. Pena que tenha uma massa adepta incompreensivel e ao mesmo tempo, estúpida. Herrera carrega uma equipa desde o meio campo (e muitas vezes até, mais atrás) até á area! Agora não tem culpa é que tenha um treinador que não o faça ver que ali na zona da decisão, já não deve passar a bola. Apenas e só tem que encornar que rematar á baliza é meio caminho andado para ser feliz!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Cada um é livre de chamar ao uruguaio o que bem entender.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Totalmente de acordo.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Laterais direitos com o carácter, autoridade e talento do Danilo no mercado não há. Há muitos que são melhores que o uruguaio, sem duvida.

miguel.ca disse...

Concordo com o Felizberto. Lembro-me bem do mundial que o Herrera fez, da qualidade do seu jogo, da forma como transportava o jogo e a equipa para a frente e principalmente a consistência com que aparecia em zona de finalização. Acho que, sinceramente, o Herrera é de certa forma prejudicado pela concepção de jogo de Lopetegui.

José Fernandes disse...

Eu aprecio o Herrera mas nao concordo com os argumentos. O Herrera sendo um 'carregador de pianos' a moda antiga, com um remate razoavel, nao é um jogador de posse mas sim de transicoes rapidas como alias se ve na seleccao. O Herrera ocupa muito bem o espaco sem bola mas depois esperar que acerte 95% dos passes ja é acima das suas capacidades.

Estou convencido que a quantidade de passes faceis que o Herrera falhou o ano passado foi o que nos impediu de tirar maximo proveito de um jogador com valor indiscutivel. Parece-me um bom jogador num esquema e estilo tactico que nao se lhe ajusta nada.

José Fernandes disse...

Se as perdas de Danilo, Oliver e Jackson nao ficam nem de perto repostas com Maxi, cabaz de medios e Osvaldo acho que ninguem duvida. Dito isto:

- O Imbula parece-me que vai acrescentar muito ao nosso futebol;
- Maxi e Iker vao dar seguranca e autoridade para nao perdermos pontos nos ultimos 10 minutos (so estes bastavam para ser campeao)
- Temos menos jogadores com potencial para melhores do mundo na sua posicao mas temos segundas escolhas com mais valor.

Estamos mais fortes numas componentes do plantel e mais fracas noutras. Acho que mesmo so no final conseguiremos ver se este grupo com menos estrelas mas mais completo foi melhor ou pior que o anterior.

José Fernandes disse...

Achei o post muito interessante e cheio de pontos para discussao.

[Miguel] Nao me recordo de ter ido de critico dos posts de alguem a um grande apoiante tao rapido. :)

Zefansa disse...

Como as coisas mudam.. há pouco tempo ser bicampeão não chegava para se manter no cargo, para o actual treinador temos um protejo de 3 anos, e 1001 desculpas... de facto isto de ser espanhol e bom falante é estupendo.

Viper disse...

Há aqui alguns velhos do Restelo que 'acarditam' que não há insubstituíveis, que são saudosistas, como se o cemitério não estivesse cheio deles. Faz-me lembrar aqueles comentadores que nas Tvs estão sempre a dizer que a Selecção de Portugal já era.. que o futebol português não vale nada e depois nós vemos os Sub-20, Sub-21 a irem às Finais e a disputá-las, vemos Portugal sempre nos 1ºs lugares do Ranking entre mais de quase 190 Países, a ganhar às Aregentians, às It´lais e a bater-se de igual para igual.. e a nível de clubes ter 2 clubes entre os melhores 15 clubes do Mundo !!!

Para estes comentadores a que chamo de ameijoas ou vieiras que se fecham em si mesmos, o Mundo jamais pode evoluir, seguir em frente.. assim tipo, ai no meu tempo é que era bom.
E esquecem, ignoram que o futebol é o momento e que o passado não volta mais. Pobres, tontos.

Viper disse...

Feliz Berto, aqui é só para dizer mal, para criticar.. falam de barriga cheia. Queria ver era se estivessem 32 anos para festejarem um simples BI, ou se estivessem há mais de 55 anos sem festejar um Título Internacional..

Paulo Rodrigues disse...

Estamos de acordo nesse ponto o que me deixa apreensivo é nem sequer existirem rumores sobre uma possível venda.

JON disse...

Muito pelo contrário. A concepção de jogo é que prejudicada pelo Herrera. O jogo de futebol, de per si, sai prejudicado sempre que ele calça umas chuteiras.

E o meu tio com falta de mão-de-obra nas vindimas em Tarouca...

Luís Vieira disse...

José Fernandes, 100% de acordo. Daí que me tenha referido ao 11 e não ao plantel. Com o colectivo tudo é superável, porque continua a haver qualidade individual. Viper, vou fazer como o outro e deixá-lo a "falar sozinho". O seu comentário não tem pés nem cabeça e é desfasado do que foi escrito. Mas eu sei bem qual é a sua dor, a mim não me engana: quando há vários nicks/pseudónimos para a mesma mentalidade, a confusão instala-se. Adiós.