sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Parafraseando Mark Twain…

O JOGO, 12-08-2015

O Museu do FC Porto foi inaugurado há quase dois anos (em setembro de 2013) e no último mês - Julho de 2015 - foi batido o número de visitas mensal (mais de 30 mil).

11 dias depois, no dia 11 de agosto, foi batido o recorde de visitas num só dia (1730 visitas).

A sessão e jogo de apresentação do plantel 2015/2016 esgotou a lotação do estádio e ontem, ao final da tarde, o clube anunciou que já só restavam 700 bilhetes à venda para o jogo inaugural do campeonato (FC Porto x Vitória Guimarães).

Eu já aqui tinha falado nas sinergias entre estádio cheio, visitas ao museu e camisolas vendidas. Lá mais para a frente, veremos os números que serão alcançados mas, se esta tendência se mantiver, este mês serão batidos todos os recordes.

A propósito: lembram-se do que foi dito em Abril e Maio passado, em que alguns quase deram o FC Porto como estando “moribundo” (Meu Deus, dois anos sem ganhar nada! É o apocalipse! É o fim!)?

Pois bem, parafraseando Mark Twain (com as devidas adaptações), eu diria que as notícias acerca da morte do FC Porto foram manifestamente exageradas…

11 comentários:

Carlos disse...

Caminha para ser o museu mais visitado no país.

De acordo com as estatísticas de visitantes, o Museu de Arte Antiga foi visitado por 221.675 pessoas e o dos Coches, também em Lisboa, registou 206.887.

O terceiro museu nacional mais visitado em 2014 foi o Museu do Azulejo, também na capital, com 115.515 entradas.

Com mais de cem mil visitantes em 2014, encontra-se ainda outro museu de Lisboa: o de Arqueologia.

Acima das 50 mil entradas ficaram os museus Grão Vasco (Viseu), Conímbriga e Machado de Castro (Coimbra), do Teatro (Lisboa) e Soares dos Reis (Porto).
(dados de 01/2015)

Luís Vieira disse...

Ponto prévio: o museu do FCP é fabuloso, recomendo vivamente a visita a todos os portistas. O recorde não me surpreende, bem como as enchentes de início de época. É um filme já visto no mês de Agosto. Gostava era que se mantivesse durante todo o ano e não se assistisse a casas de 20 mil pessoas como certamente se assistirá no Outono/Inverno. A venda de camisolas também é natural, trata-se do entusiasmo iniciático. Tudo muito bonito e tudo muito positivo, mas não esqueçamos um dos lemas do clube: a vencer desde 1893. O Arsenal é um sucesso de popularidade e de contas risonhas, mas um marasmo de títulos. Não quero isso para o Porto, urge vencer, sob pena de definhamento (e isso já não será exagerado, ao fim de 3 anos).

José Correia disse...

O Luís Vieira não me leve a mal mas, vendo o tom do seu comentário, até parece que fica contrariado por, em Julho, o museu ter batido o recorde de visitas mensal (o museu foi inaugurado há 22 meses) e, a manter-se a tendência atual, em Agosto esse recorde ir ser novamente batido.

José Correia disse...

Luís Vieira disse: "Gostava era que se mantivesse durante todo o ano e não se assistisse a casas de 20 mil pessoas como certamente se assistirá no Outono/Inverno"

Vai depender dos resultados e da classificação da equipa no campeonato.

José Correia disse...

Luís Vieira disse: "...urge vencer, sob pena de definhamento (e isso já não será exagerado, ao fim de 3 anos)"

O número crescente de camisolas vendidas (a New Balance está muito satisfeita);
Os recordes de visitas ao Museu;
As lotações esgotadas no FC Porto x Nápoles e FC Porto x V.Guimarães;
mostram que o FC Porto está muito longe de estar moribundo ou a definhar.

Agora, como é óbvio, é importante ganhar.

Felisberto Costa disse...

Para a nova geração que se calhar desconhece, já tivemos um PREC, um autêntico Verão Quente e nós, portistas não entramos em pânicos histéricos! Preocupados sim, mas desesperados não! E foi graças a esse PREC que o FC PORTO emergiu do limbo para uma grande, fulgurante e prestigosa marcha triunfal. Portanto 2 anos sem ganhar nada, é preocupante , mas nada que não possa ser resolvido, corrigido e se possivel já este ano!

Luís Vieira disse...

O José Correia está profundamente enganado. Aliás, até estranho a insinuação, atendendo ao meu histórico de opiniões no RP. Acho desnecessário, mas para não restarem dúvidas, eis o esclarecimento, preto no branco: fico satisfeitíssimo com o recorde. Gostaria inclusive que fosse batido todos os meses, seja em Agosto, seja em Janeiro. Desejo o maior sucesso ao museu do FCP, como fiz questão de frisar. Quanto ao resto, disse bem: depende dos resultados e não do Casillas. Infelizmente, uma categoria de adeptos portistas é muito volátil no apoio. Daí que tenha posto água na fervura: o entusiasmo inicial esvazia-se rapidamente. O mês de Agosto representa a altura do ano com maior número de emigrantes por metro quadrado no Dragão (felizmente). Em Outubro a assistência já desceu 10 mil lugares. E por aí fora enquanto se adentra no Inverno. Em suma: não nos esqueçamos da vitória, para não haver o tal definhamento. Imagino as assistências no Inverno ao fim de 10 anos sem ganhar, qual Arsenal, atendendo à fibra do adepto actual.

José Correia disse...

Luís Vieira: "Quanto ao resto, disse bem: depende dos resultados e não do Casillas"

O que é que este artigo tem a ver com o Casillas?

Quer no artigo, quer nos comentários, alguém falou no Casillas?

José Correia disse...

Luís Vieira disse: "O mês de Agosto representa a altura do ano com maior número de emigrantes por metro quadrado no Dragão"

Claro que os números do mês de Agosto são influenciados pelos emigrantes.
Mas, por isso, é que eu também referi outros indicadores - camisolas vendidas e visitas ao museu - e não centrei a análise "apenas" nas lotações esgotadas do estádio.

Já agora, como é que o Luís Vieira explica o recorde de visitas ao museu batido em Julho, num mês em que ainda não estão cá os emigrantes?

Luís Vieira disse...

O artigo nada tem a ver com o Casillas. Eu referi-me ao Casillas como símbolo de uma concepção do clube deslumbrada com a popularidade, as camisolas, as entradas no museu e afins e esquecida do mais importante: o rendimento desportivo e a vitória. As assistências durante o ano terão este último aspecto como barómetro, esquecendo tudo o resto (Casillas, incluído), seja no estádio, seja no museu. Quanto ao mês de Julho, também ele abarca emigrantes, férias generalizadas, bom tempo, um conjunto de factores que contribui para o mais fácil acesso ao museu. Porque não se verificou o recorde em Fevereiro? Aquelas variáveis ajudam a explicar.

João Martins disse...

Se nao me engano a ultima vez q o FCPorto esteve 2 anos sem ganhar nada...foram nas epocas previas a Taca Uefa e Champions...pode ser q sejam bom presagio estes dois ultimos anos...ha que acreditar e apoiar acima de tudo!