segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Análise ao Plantel 2015/16

O mercado fechou há uma semana e houve tempo para assentar a poeira. Julen Lopetegui tem 26 jogadores e a equipa B para atacar os objectivos da temporada que não podem ser outros que o titulo, os oitavos da Champions e as meias-finais da Taça de Portugal, como minimo. Face ao grupo sorteado, o apuramento Champions devia ser obrigatório. Logo depois se verá. Nas Taças convém melhorar a imagem deixada. Fomos displicentes na Taça, um torneio com o seu prestigio que há alguns anos que não ganhamos. A Taça da Liga é irrelevante mas não se pode fingir que não presta e depois por a jogar vários titulares como se fez, sem sucesso, na época passada. Há que decidir se é para ganhar - e ir com tudo - ou se será a Taça dos miudos e das reservas, como defendo. Quanto ao campeonato não pode haver dúvidas. O Benfica está mais fraco do que nunca nesta década. O Sporting deu um salto mas não é ainda suficiente para poder ombrear com o FC Porto. Somos favoritos e há que sacar a raça e atitude que nos fez ser o máximo dominador do futebol português nos últimos 30 anos. Para isso estes são os homens que o treinador basco tem à sua disposição.

Guarda-Redes
Pela terceira vez numa década o FC Porto tem o melhor guarda-redes do campeonato e o segundo melhor guarda-redes do campeonato. Passou com Helton e Baía. Passou com Helton e Beto. Passa agora com Casillas e Helton. É a área mais forte do plantel. Dois grandes guarda-redes cheios de experiência que dão garantias. Por aqui têm de chegar pontos nos momentos decisivos. Gudiño terá tempo para aprender com dois "mestres" e rodar na equipa B. O investimento importante realizado já nos diz que ele é (ou devia ser) o futuro pos-Iker.

Comparação com 2014/15 - Muito mais fortes

Laterais
Pela direita, o uruguaio. Pela esquerda, Layun. O cenário em principio é esse. Um lateral que defende bem, duro e com bom sentido posicional, perito em lances estudados e com capacidade de jogar no apoio do extremo pela direita. Uma seta habituada a fazer do corredor a sua casa, com projeção ofensiva (habituada ao 3-5-2 mexicano) mas com debilidades defensivas que há que cuidar. Sem Ricardo (ficou claro em Munich que ele já não era o tal segundo lateral), sobram dois laterais esquerdos. Cissokho estreou-se mal mas vem sem pré-época e foi lançado desnecessariamente às feras. Jose Angel, petição do treinador, sempre ficou a anos-luz do nivel exigido mas ninguém o conseguiu despachar. Fica no plantel mas jogará muito, muito pouco. Não há alternativa para a direita (pode jogar Layun, pode jogar Maicon e há Victor Garcia na B) e para a esquerda, já sobrelotada, ainda sobram Indi e Rafa. 

Comparação com 2014/15 - Mais fracos, sobretudo pela esquerda

Centrais

Nada mudou. Muitos pediam a gritos (eu, por exemplo) a incorporação de um grande central de garantias, um perfil similar ao de Pedro Emanuel, mas afinal a única troca foi a de Reyes (que vai á prova dos nove em San Sebastian) por Lichnovsky, finalmente promovido à equipa A. Marcano e Maicon continuam a ser os titulares e Indi o suplente mas este tem de ser o ano da sua afirmação. Quer ir ao Europeu, custou bom dinheiro e convém começar a pensar a sério no seu futuro. Na equipa B não há nenhuma alternativa pelo que uma série de lesões pode deixar a defesa com problemas.

Comparação com 2014/15 - Igual, faltou um salto de qualidade já reclamado no ano passado

Médios Defensivos

Seja no 4-3-3 como pivot seja num 4-2-31 com uma função de recuperador, o médio defensivo é posição chave no futebol moderno. A Casemiro todos vimos como custou o ano passado adaptar-se de ser um 8 natural a um 6 de grande nivel. Foi um excelente negócio da SAD e agora caberá a Danilo a pesada herança. O jovem tem potencial e precisará de tempo para apanhar todas as rotinas. Ruben Neves (outro 8 reconvertido a 6) é um jogador de um talento imenso que merece ter ainda mais minutos e uma excelente alternativa. Também Sergio Oliveira pode pautar o ritmo de jogo desde essa posição, sobretudo em jogos fisicamente menos exigentes onde a equipa tenha quase sempre a bola. A saida anunciada de Casemiro (com 7,5 milhões de lucro) e de um desastre lopeteguiano chamado Campaña, deixou a zona debilitada mas caberá a Danilo provar que é alternativa suficiente ao posto. Imbula também pode ser opção no 4-2-3-1 mas não é o seu posto natural. Na equipa B há ainda Tomas e Francisco Ramos para ter em atenção.

Comparação com 2014/15 - A Casemiro custou arrancar até fazer-se imprescindivel. Danilo terá a mesma missão. Até lá estamos ligeiramente mais fracos.

Médios Interiores

Saiu Oliver, que era a referência, e há overbooking para Lopetegui gerir. Falta um claro perfil de numero 10 que o espanhol cumpria à perfeição e sobram os "carregadores de piano" o que reforçam a ideia de que haverá mais 4-2-3-1 ou um 4-3-3 mais musculado do que uma equipa com um meio-campo de virtuosos. Herrera, Ruben Neves e Evandro transitam. O primeiro é indiscutivel para o treinador, o segundo merece minutos e Evandro tem cumprido sempre ainda que pareça a última opção. A essa tridente unem-se três novos nomes. O francês Imbula foi o grande negócio do Verão e em principio a sua posição natural é a de 8 (a de Herrera) pelo que um meio-campo com os dois ganhará em força o que perde em qualidade de posse. Sergio Oliveira controla bem a bola e tem visão de jogo mas não pega na equipa para a frente como fazia Oliver. Seria um bom backup desse 10 que nunca chegou. Depois há André André, voluntarioso e que pode ter bastantes minutos mas dificilmente se imporá como titular. A este lote há ainda que adicionar Alberto Bueno que, apesar de avançado, foi trazido para cumprir o papel de Oliver a petição expressa do treinador. De momento tem muito poucos minutos nas pernas o que pode denotar falta de confiança do técnico ou dificuldade em aprender um esquema de jogo diferente ao que estava habituado. A tal ponto que Brahimi foi chamado para fazer um lugar que parecia desenhado para si. 

Comparação com 2014/15 - Falta o 10 e o enigma de quem pega na equipa fica sem se resolver com a falta de minutos de Bueno (que nunca foi 10). Sobra músculo e alternativas muito similares. Estamos mais fracos em qualidade individual mas com mais opções. 

Extremos

Lavagem total. Saiu Quaresma, o que era esperado tendo em conta os desencontros com o treinador. Saiu Hernani, aposta forte em Janeiro que já não serve, aparentemente. Saiu Ricardo, que nunca se afirmou como extremo e que merecia mais minutos. Ficam Tello e Brahimi, os titulares naturais. O primeiro foi claramente de menos a mais durante o ano anterior até à lesão mas fica sempre a ideia que se vai ficar com "projecto de jogador". Neste momento pensar em exercer a opção de compra soa a disparate. Brahimi sabe que este é o seu ultimo ano e sem o cansaço provocado pela CAN todos esperam ver aquele que foi, até Dezembro, o melhor do ano passado. Para completar o plantel chegou Jesus Corona, outra aposta forte no mercado mexicano via Holanda que vem para lutar pela titularidade (o investimento a isso obriga) com Tello. A sua chegada pode mesmo antecipar o cenário natural da saída do espanhol no final do ano, uma transição tranquila. Varela volta depois de tanto querer sair e será uma peça útil mas não tem nem a magia de Quaresma nem a qualidade do 7 para fazer a diferença. Um operário com oficio que será útil ao largo do ano várias vezes.

Comparação com 2014/15 - Quaresma era um génio mas também era um problema. Hernani decidiu o jogo com a Académica mas foi um erro agora assumido e Ricardo nunca teve minutos. Varela conhece o oficio e Corona é um excelente projecto de jogador. Ficamos a ganhar com a troca.

Avançados

Jackson Martinez está para a história do FC Porto como Pinga, Jaburu, Cubillas, Fernando Gomes, Mario Jardel, Benny McCarthy, Lisandro Lopez e Radamel Falcao. É um dos nossos melhores avançados de todos os tempos. Só lamentamos que o seu contributo não tenha sido suficiente para fazê-lo sair do Dragão com mais titulos. Substituir uma lenda é sempre dificil e a transição desses jogadores foi sempre complicada. Viver sem um todo-terreno que marcava mais golos que qualquer um será dificil. Aboubakar já provou ter o golo no pé apesar de ser um jogador muito diferente. André Silva vai fazer o lugar que foi de Gonçalo Paciência. Tem mais golo que o filho de Domingos (veremos em Coimbra se dá o salto) e continuará a demonstrá-lo na equipa B como tem feito. Bueno é avançado de raiz mas cedo ficou claro que não vai ser "o" avançado. Um negócio dificil de explicar até ao momento. Osvaldo foi um disparate absoluto, uma contratação que vai contra tudo aquilo que o clube tem defendido. É um "troublemaker" reconhecido por onde quer que passe, incapaz de aguentar não ser o protagonista, agrediu vários colegas em treinos e não tem nem a qualidade nem a condição fisica para se impor como primeira figura do ataque ao contrário do que o Benfica fez com Jonas. Não é a melhor opção para avançado suplente e suspeitamos que não ficará por aqui muito tempo. N equipa B atenção ao colombiano Leonardo que promete muito e vale bem a pena ter debaixo de olho a evolução de Rui Pedro.

Comparação com 2014/15 - Piores, muito piores mas apenas e só porque tinhamos um dos melhores avançados do mundo. Não há no mercado ninguém capaz de o substituir pelo que a perda de nivel é inevitável. Isso não implica que Aboubakar e André possam dar conta do serviço. Têm-no feito com os minutos que vão somando e isso é importante face à gritante falta de golo do colectivo.

35 comentários:

manuelpereira365 disse...

boa analise no geral, mas....continua a incrivel obcecao do Miguel com Jackson...um dos nossos melhores avancados de todos os tempos? jeezz...o seu contributo foi mto bom, mas arrependo me de nao ter gravado todos os golos cantados que faloou em jogos em que empatamos ou perdemos!!! e ate na colombia e' sentado pelo Teo! Bacca, e Falcao! mas enfim,ta no seu direito de ter esse fetiche...

para mim Aboubakar e' mt mais "matador" e vai nos dar muitas alegrias, e Osvaldo, ainda nos vai surpreender....o Andre se poder ter minutos a espacos era excelente, para mim mto melhor que o Goncalo

Nuno Andrade disse...

"e de um desastre lopeteguiano chamado Campaña"
Fica-lhe mal destilar este ódio todo por Lopetegui.

Querias Jesus? Rui Vitória? Diz lá quem faria melhor e está ao nosso alcance..
Diz um que esteja na carteira Doyen..

Filipe Sousa disse...

O André André é actualmente o melhor médio do Porto, e nao custou nem 10 milhoes - é a prova que um jogador "voluntarioso" (ou 'a Porto) vale mais que 10 estrangeiros "muito bons". E considerando a forma dos actuais titulares, é incompreensível estar no banco.

Já o negócio Imbula (nao o jogador) é O flop, o maior de toda a história do Porto: 20 milhoes (seja lá de onde vieram) enterrados num jogador que ainda nao mostrou nada - imagine-se o que seria o PSG ter contratado o Messi na mesma altura, e até agora ele ainda nao ter marcado um golo ou feito uma assistencia ... - que podiam ter sido mais bem empregues noutros jogadores, para posicoes mais carenciadas.

Nuno Silva disse...

Ainda bem que existem diferentes pontos de vista... e neste caso os portistas têm, à exceção dos assobios durante o jogo :) (mas aí eu tb discordo da maioria)

este ano, vai sentir-se muito mais falta de Jackson do que o Oliver... Jackson que foi muito mal amado no Porto, muitas criticas à sua finalização, a questão dos penaltis, etc...

Oliver, caíu em graça e ainda bem, ao contrário do "monstro" Danilo, do próprio Alex Sandro... mas é para mim um exagero o apreço dos adeptos pelo Oliver.

Se fosse um jogador nosso a 3 anos, para evoluir para 10, ainda vá. Mas ele é um médio volante muito mais parecido com o Xavi dos ultimos anos do que com Deco por exemplo. Joga muito por fora do jogo, muito atrás e nesse sentido não dá ao jogo possibilidades de passe no miolo do terreno entre as linhas da defesa e médios... esse trabalho foi sendo feito pelo Jackson em tremendo desgaste. para mim o nosso 10 no ano passado era o Jackson.

O2T disse...

E consegue avaliar deste modo o Imbula a 07/09 após 3 jogos?!

miguel azevedo disse...

"Ruben Neves (outro 8 reconvertido a 6)" A posição do Rúben Neves é trinco, número 6, cabeça de área...como queira chamar. Se for houver reconversão é de 6 para 8. Mais rigor por favor. Já temos o Miguel Sousa Tavares (MST), não precisamos de um MLP.

Pedro disse...

Também partilho largamente da sua opinião acerca do André, Filipe Sousa. "Voluntarioso" aplicava-se dantes a tipos cheios de pulmão mas sobre o tosco. Pulmão, ele tem, claramente, mas está longe de ser tosco.

O negócio-Imbula só é entendível à luz de "arranjos" que nos escapam - mas que não escapam ao autor do artigo que agora comento, O que não quer dizer que não possa estar ali um grande jogador. Com ou sem arranjos, o homem tem de ter bastante qualidade.

Também eu gostava de ter visto chegar um central de tipo autoritário - Pedro Emanuel é um bom exemplo. Não devia haver mercdoria disponível na casa dos arranjos.

Embora se conheça o "palmarés" do Osvaldo, acho que dveemos esperar para ver. Ao contrário do articulista, eu acho que ele tem qualidade para ser titular, mas perante um Aboubakar goleador, isso não vai ser fácil.

Finalmente: o Cissokho não fez pré-época? Porquê? Estava lesionado?

Miguel Lourenço Pereira disse...

Manuel,

Jackson não é só um dos melhores avançados de sempre da história do FCP. É um dos melhores avançados de sempre da liga portuguesa e um dos grandes avançados deste milénio.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Nuno,

Campaña foi um exito retumbante, não foi?

Miguel Lourenço Pereira disse...

Miguel,

Durante a sua formação o Ruben jogou muito mais vezes como interior do que como pivot. Aliás, o pivot habitual era o Francisco Ramos e o Ruben jogava no apoio. No inicio da época passada foi inclusive aventado que a primeira opção para trinco de Lopetegui fosse o Tomás Podstwaski.

Miguel Lourenço Pereira disse...

O Cissokho estava a treinar á parte no seu clube, que não contava com ele, não fez a pré-temporada com o plantel do Aston Villa. Chegou aqui praticamente sem rotação.

Nuno Andrade disse...

Serviu o propósito!! qd jogou cumpriu.. Estava na segunda linha, veio de emprestimo e não teve oportunidade de se mostrar pk as primeiras opções jogaram quase sempre. não foi uma falha, veio como jogador de recurso às alternativas.. ja vi opções bem piores tomadas pela SAD..

manuelpereira365 disse...

obrigado por ter publicado

qtos aos gostos obviamente nao se discutem, e atencao que nao disse que nao gostava do JM, apenas que por vezes demasiado hiper valorizado...seria ridiculo da minha parte crucifica lo (o JM) como e' obvio

apenas espero que fiquemos todos contentes com os que temos pq e' com esses que vamos "pra guerra"

Nuno disse...

dois reparos:
estamos muito mais fortes nas laterais? sairam Danilo e Alex. Nem em pé de igualdade estamos. mais fortes e muito mais fortes é um exagero. Indi não vai ao europeu, pela simples razão que a holanda não vai ao europeu

JON disse...

Totalmente de acordo quanto a Oliver jogar fora do bloco. Mas a responsabilidade é de Lopetegui. Portanto, Oliver fazia o que lhe pedia, como faz agora o nabo do Cholo, e ele cumpre e bem. Nao tem culpa de ter treinadores que não aproveitam todo o seu potencial. Que è enorme!

Oliver infelizmente não volta. Tem tudo para aos 25 anos ser dos 5 melhores do mundo! Oxalá apanhe tipos melhor que o Lopetegui e o Cholo.

Carrela disse...

Quanto custou Campanã?

Quem ler, até pensa que o Porto comprou o "Quadrado" e o dispensou no final da época...

É este o seu mal Miguel...

JON disse...

Miguel,

O Quaresma era génio em quê, mesmo?
Tu vês tanto futebol, segundo percebo vives do futebol, e continuas a dizer coisas destas. Tens uma responsabilidade acrescida por isso mesmo. Convém contribuíres para desmistificar ideias tontas e datadas... O Quaresma é um cancro e numa equipa com ideias colectivas e formas colectivas e organizadas de responder aos problemas, esse tipo de jogadores não entram.

É essa (falta) de organização que queremos no Porto, de tal forma que dependamos de artistas de circo?

Tenham juizo de uma vez por todas!

Filipe Ferreira disse...

Este ano o plantel está mais destinado para os jogos das Champions.
Temos um plantel mais musculado, que servirá para os jogos com equipas inglesas e do centro e leste europeu. Acho que Lopetegui viu falta de jogadores mais físicos no jogo em Munique. Pelos jogos que vamos ter contra o Chelsea e Kiev vai nos dar mais jeito.

Nos jogos em terreno nacional vai ser mesmo preciso um jogador "10" para desbloquear os muitos autocarros que iremos ter pela frente.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Quem disse que estavamos mais fortes?
No artigo digo:
"Comparação com 2014/15 - Mais fracos, sobretudo pela esquerda"

Miguel Lourenço Pereira disse...

Nuno e Carrela,

O FCP, para esse posição, tinha duas opções através da SAD. O treinador não quis nem uma ou outra e exigia dois nomes. Um deles era Sergio Darder que o clube tentou contratar. Não foi possivel porque o Malaga não baixou dos 10 milhões de euros (saiu por 12 este ano). A outra, por insistência de Lopetegui, era Campaña.

O treinador preferiu ter Campaña a dois jogadores propostos pela SAD para essa posição - Jordan Classie e Gil Romero. Se tanto quis ter Campaña, em detrimento desses dois jogadores, depois porque jogou tão pouco?

Já agora, o salário de Campaña foi pago NA INTEGRA, pelo FCP. Um ano de salário, utilidade nula (os jogos que o Campaña fez podiam ter sido disputados por um Mikel, sem desprezo para o Mikel).

Miguel Lourenço Pereira disse...

JON

"Quaresma era um génio mas também era um problema."

Na frase está lá tudo.
Quaresma é um jogador que, no futebol moderno, é um problema para qualquer equipa. Mas tem condições técnicas individuais fora-de-serie. O problema dele foi sempre o mesmo. Colocar essas condições ao serviço do colectivo como aprenderam a fazer Ronaldinho, Ronaldo ou Neymar, por exemplo, jogadores que tecnicamente não são tão superiores mas são muito mais futebolistas.

Entre o Varela e o Quaresma, a equipa ganha em compromisso, jogo colectivo, toma de decisões que beneficiam os 11 mas perde em inspiração. E quando há jogos a 50%, muitas vezes é necessário que apareça essa dose de inspiração. O melhor Quaresma (não o do ano passado) tinha esse poder, como tem Hulk quando decide um jogo à bomba sem ser, também ele, um poço de espirito colectivo.

pedro carmo disse...

"O Flop"

Quando a opinião com 3 jogos, está desta forma explanada, julgo que não há muito mais a dizer ou a discutir por aqui....

"O Flop"...

tá certto

pedro carmo disse...

é e depois do Mikel ter passado 1 ano e ter feitpo uns 30 minutos na principal, vinham-se para aqui dizer que o treinador deu 30 minutos e que as crianças têm que jogar....
é assim...
O odio tem disto, transforma pessoas equilibradas, em, sei lá....

Carrela disse...

Miguel,

Campanã veio emprestado, não faço ideia se pagou o salário na totalidade ou não, imagino que sim, como imagino que não fosse grande coisa.
Eu pessoalmente do pouco que vi, até lhe reconheço qualidade para mais do que está a ter na carreira, mas isso... vale o que vale.

E Mikel não se lesionou gravemente no início da época?

Seja como for, foi e será sempre um "investimento" de baixo risco. Usar isto como argumento para bater à força toda em Julen, é fraquinho!

O que está aqui em causa é o exagero, e a sua sistemática obsessão em bater!
É, na minha opinião, aquilo que estraga/mata o que de bom/acertado escreve!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Carrela,

Quem está a falar em "bater à força toda em Julen" é você.
Eu não bato em ninguém, muito menos num treinador que, repito,acho que deve cumprir o seu ciclo no clube. Disse-o a meio da época passada, disse-o no final da época passada e digo-o hoje.

Isso não invalida que, como captador de jogadores, Lopetegui tenha muito a desejar (há quase 6 ou 7 jogadores escolhidos por si que encaixam nesse perfil de erro de casting) o que é normal tendo em conta que até chegar ao Porto nunca se mexeu no mercado (nem como seleccionador, nem como treinador do Castilla ou do Rayo Vallecano, então na Segunda Divisão B e sem dinheiro para contratar).

O Lopetegui pode ter, e tem, muitas virtudes. E delas já escrevi e conto voltar a escrever. Mas tem igualmente muitas lacunas. Essa é apenas uma delas.

Carrela disse...

"...desastre lopeteguiano chamado Campaña..."

Eu leio isto e sinceramente, perco quase a vontade de continuar a ler...
Independentemente de ter sido um erro ou não, nada justifica este exagero...

Por acaso até li, mesmo sendo teu, e estando a fazer um esforço para não ler o que escreves, mas este título no artigo, ao contrário de outros, induziu-me à leitura!

Não leves a mal, mas é mesmo assim Miguel!



Tirando o exagero ou necessidade em bater que refiro, acho que é um bom artigo, com o qual concordo.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Carrela,

Como entenderás, os artigos do RP - meus e de qualquer autor - não são "a la carte" e portanto os "exageros", que mais não são opiniões pessoais dos respectivos autores - com os quais qualquer um pode estar, desde totalmente de acordo como totalmente em desacordo - vão sempre surgir para alguém. Ainda não conheci ninguém que fosse capaz de agradar a todos quando escreve.

A chegada do Campaña foi uma birra do treinador que impediu a chegada de outro jogador que teria, em alguns momentos do ano (especialmente antes do Casemiro "carburar", ter sido muito importante no plantel. Na SAD sabem isso, o treinador sabe isso e ele mesmo sabia que o Campaña - que tem um grande talento e um fraco caracter - era um jogador que não lhe ia resolver nada. Tem um largo histórico de problemas de integração por onde tem passado e que nada têm a ver com o seu valor tecnico-tactico.

Lopetegui teve acertos tremendos e o maior de todos é o Ruben Neves. O Oliver também. O Brahimi. O próprio Marcano, de quem desconfiei, e que foi uma adição boa à equipa. O Campaña foi, talvez, o maior erro de "gestor" ou de "manager" do treinador porque foi um capricho e os caprichos quando não funcionam só podem ser responsabilizados a quem os pede.

Nuno Andrade disse...

Outro dos assunto que foca neste blog é as informações que dispões do que se passa na SAD.
Ora sendo a SAD uma "empresa" esse seu contacto de profissional tem muito pouco. Pois passar informações minimamente confidenciais para a praça publica é de muito mau gosto e caracter! seja no futebol seja em outro ramo, informações privadas ficam no foro privado, principalmente no ramo empresarial.. Estas pessoas demonstram não terem perfil para trabalhar numa instituição com a grandeza da FCPorto SAD.
Quanto a campanha ja viu por outros users que o negocio não é assim tao desastrado, para mais Classie não o encontrei na lista da Doyen, será que era possivel o seu ingresso?

miguel azevedo disse...

Miguel reconheça que errou. O Rúben saltou dos juvenis para a equipa principal. Nunca, mas nunca coincidiu com o Francisco Ramos na formação. São de anos diferentes (97 o Rúben e 95 o Francisco). Ok, vai-me dizer que por serem de anos diferentes não significa que não possam jogam juntos. Claro que podem, com estes dois jogadores é que isso nunca sucedeu. Já agora, o Francisco é 8.

Filipe Sousa disse...

Vou repetir, outra vez, para que fique bem claro: o negócio é um flop, o NEGÓCIO; quanto ao jogador, veremos no final da época.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Miguel,

Posso perfeitamente ter-me enganado. Aliás, quando vi o Francisco e o Ruben juntos foi com Portugal e não com os sub17 ou sub19 do FC Porto e nessa conexão o Ramos jogava mais recuado e o Ruben mais como interior.

Mas se é como dizes, não tenho porque duvidar.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Nuno,

Realmente, todas as noticias de compras, vendas, empréstimos e afins que saem nos media desde a fundação da SAD são obra e graça do espirito santo.

pancas disse...

Miguel,
Eu ate concordo que o Quaresma, quando a lua esta no sitio certo, tira um remate ou passe que vira o jogo completamente... O problema e que nao podemos estar a espera dessa genialidade de um jogador que, quando em campo, oferece a bola ao adversario em 80-90% das vezes que a recebe...

Outra coisa que eu gostava de perceber e a ideia do Miguel (e vista em muitas areas da blogosfera) de que o Oliver jogava a 10... Dos dois medios interiores (Oliver e Herrera, normalmente), Oliver era claramente o que recuava mais, defendia ate a nossa area - Herrera era o que recuava (a passo) ate ao primeiro terco e constantemente trocava de posicao com o ponta de lanca em incursoes na area.... Por isso, como e que o Oliver era o 10???Se havia um 10 era o Herrera, que claro nunca se porta como o 10 tipico porque tem a qualidade tecnica de um jogador do "Alguidares de Baixo"

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pancas,

Eu não fui (publicamente) a favor do regresso do Quaresma. Quando houve a bronca, com Lopetegui, em Agosto do ano passado eu fui (publicamente) a favor do treinador. E hoje sou (publicamente) a favor da não inclusão deste Quaresma no plantel (o que não signifique que prefira o Varela como futebolista). Portanto o facto de o considerar individualmente um jogador capaz das mais absolutas genialidades, como adepto e como "treinador de bancada" nunca seria o meu tipo de jogador.

Em relação ao Oliver, para mim foi claramente um 10 na acepção que essa posição tem no 4-3-3. Estamos a falar de um sistema de jogo que, desde a sua origem - Brasil, anos 60 antes de chegar á Holanda - o que antes era o papel que cumpria o falso-nove do WM (Hidgekuti e afins), ou seja, o jogador mais criativo do grupo, o responsável por fazer os colegas jogar. Nesse sistema, o 4-3-3, o criativo vai sempre buscar o jogo mais atrás do que num 4-2-3-1 ou num 4-4-2, por exemplo, porque cabe aos outros dois elementos - pivot e interior - trabalhar os espaços. O 10 recua, arma o jogo desde distintas posições, procura as diagonais, cria alternativas. Na prática isso transforma-o num 8 na prática - o caso de Iniesta, de Zidane ou do primeiro Pirlo, são paradigmáticos - porque o 10 não existe no 4-3-3 (há dois 8s, um mais criativo que outro e um extremo que funciona mais como interior com liberdade criativa e outro que mantém o campo bem aberto) . Nesse sentido é fácil identificar o Oliver com um "8" mas as suas funções sobre o terreno são as de "10"!

Unknown disse...

Acho que ambos poderão ter razão! Penso não estar enganado se disser que Ruben Neves só fez a pré-época em 2014 após a lesão grave do Mikel Agu (n.º 6 da equipa B) que na altura foi utilizado para colmatar a saída do Fernando e a ausência do Defour. Na pré-época Mikel era apontado como um possível reforço da equipa A para a posição 6.