segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Roubados e Indignados, o trauma do #Colinho!

Depois de um Clássico não demasidamente bem jogado (salvo por alguns periodos do segundo tempo) mas claramente dominado em todos os sentidos pelo FC Porto - a única equipa que quis ganhar e fez pela vida - era de esperar que se tentassem desviar os focos para mais um jogo onde o Benfica demonstra zero capacidade de gerar jogo. Inevitavelmente o foco estaria na arbitragem e, sobretudo, nas queixas em relação aos critérios arbitrais de Artur Soares Dias. Um exercicio de grande lata, tendo em conta o que se passou em campo, mas que não surpreende.

O jogo foi bronco e foi duro, sobretudo porque as duas equipas o quiseram. Provavelmente nenhuma equipa devia ter acabado com dez. A entrada a despropósito de Maicon antes do intervalo em algumas ligas mais "estrictas" pode ser vermelho directo. Falta e amarelo era, seguramente, e no segundo tempo houve um par de entradas que podiam ter, realmente, mandado Maicon para o chuveiro se tivesse já esse amarelo às costas. Mas as razões de queixa do Benfica ficam-se por aí. Já o Porto tem algo mais que dizer.

Em primeiro lugar era evidente a estratégia de Rui Vitória: picar o uruguaio do Porto para fazê-lo jogar "à Benfica" com entradas que, agora, seriam punidas com expulsão. Parecia confrangedor ver como, um por um, os jogadores do Benfica se iam picando com o antigo amigo e colega para o provocar. O lateral foi na conversa, um par de vezes, e mereceu o amarelo que recebeu mas fiquei com a sensação de que foi mais victima de uma perseguição orquestrada do que protagonista de lances anti-desportivos. Cada lance com ele era exagerado até ao limite de ter percebido ali, em algum que outro jogador do Benfica, potencial para entrar na próxima comédia do Parque Mayer. Há ali talento sim senhor...

O que se diz pouco é que o Benfica pode dar graças aos céus por ter saída com onze jogadores e não com nove do Dragão. Que se lho digam a André Almeida, que passou mais tempo a correr e a procurar as pernas dos rivais do que propriamente a jogar futebol. Foi engolido futebolisticamente e na sua incapacidade de reagir, como desportista, dedicou-se a repartir golpes. Levou um amarelo, podiam ter sido cinco ou seis. Que tenha sido, precisamente, ele quem mais reclamou no fim do jogo com a arbitragem é a prova viva de que o humor, na Luz, nunca esteve melhor.
Que o diga Luisão que teve de ouvir como Aboubakar lhe soprava ao ouvido algo como "se eu não fosse um estúpido do caraças tinha-me deixado cair e estavas lixado". Pois foi. No lance em que o avançado camaronês se isola à frente de Júlio César, a falta do central brasileiro é clara. Penalty e expulsão evidentes que podiam ter fechado ali o jogo. Aboubakar preferiu aguentar-se de pé, fintar Julio César e depois ter um gesto à "Eusébio" cumprimentando o guarda-redes. Só lhe fica bem o Fair Play.

No fim do jogo - nem vale a pena perder muito tempo com Samaris, Mitroglu ou Nelson Semedo e as suas faltas recorrentes quando não havia força e ideias para mais - o Benfica fez mais faltas, teve mais cartões e jogou claramente atrás da expulsão de um ex-jogador. Teve um penalty e vermelho directo perdoados, um par de jogadores que mereciam uns dois ou três amarelos no mesmo jogo e ainda assim conseguiu sair com onze e um empate até ao minuto 85, quando a justiça poética se encargou de por justiça no marcador. Mas o discurso já estava preparado. Perseguição arbitral, que o árbitro (muito fraquinho) é do Porto, etc, etc...

Vamos ser justos. O Benfica foi roubado, há que admitir o óbvio.
Só que foi roubado de uma maneira diferente do que têm querido reclamar, com essa indignação que só nos consegue sacar gargalhadas horas a fio. O roubo aconteceu mas foi desportivamente porque o Porto, ainda com todos os seus defeitos - continuam a ser muitos e vêm todos do mesmo vértice - efectivamente roubou-lhes a carteira a nível de jogo e deixou-os ali, despojados e nus de ideias e argumentos, para todo o mundo ver.

Que o Benfica tenha zero fio de jogo, zero variações tácticas da herança de Jesus, zero capacidade de improvisação importa pouco. Duas derrotas com o campeonato a dar os primeiros passos também é algo que convém não relembrar. A correr desde cedo contra o prejuizo e com um Sporting - até agora - regular, o Benfica vai ter um ano muito complicado pela frente, algo que já se perspectivava com a mudança de treinador e a politica de aposta na prata da casa, um nome bonito que funciona bem melhor do "não temos onde cair mortos financeiramente e temos de nos apanhar com o que há". Portanto, nesse cenário maravilhoso, sacar o victimismo do armário - alguém acabará por vender cachecois como com o #Colinho, seguramente - não é só um exercicio de cinismo como algo perfeitamente antecipável. Vai ser um ano divertido!

23 comentários:

Paulo Marques disse...

Num campeonato normal não era possível uma equipa inteira rodear um jogador duas vezes seguidas, nem saltar tantas vezes para a piscina. É o que temos, com "roubos" ao slb é para o lado que durmo melhor.

José Correia disse...

«A entrada a despropósito de Maicon antes do intervalo em algumas ligas mais "estrictas" pode ser vermelho directo.»

Miguel, o Maicon nem ao de leve toca no Jonas.
Basta rever as imagens, para se verificar que o pé do Maicon está a cerca de meio metro da cabeça do Jonas.

Já agora, o que é que as regras dizem em relação a jogadores que simulam, de forma grosseira, terem sido atingidos/agredidos pelos adversários?

José Correia disse...

«...no segundo tempo houve um par de entradas que podiam ter, realmente, mandado Maicon para o chuveiro se tivesse já esse amarelo às costas»

Se o Maicon tivesse levado um cartão amarelo no final da 1ª parte, na 2ª parte teria, obviamente, muito mais cuidado nas entradas.
Isto parece-me lógico.
Mas o mesmo aconteceria com jogadores do SLB, como Samaris e Eliseu, que também poderiam/deveriam ter visto cartões amarelos na 1ª parte.

Lápis Azul e Branco disse...

É isso mesmo.

Não vamos nós querer penalizar mais a agressividade simulada do Maicon do que a teatralidade repetida do Tonas.

E insisto, hoje todos os resumos incluem o potencial segundo amarelo a Maxi, mas quase todos ignoram (porque será?) o evidente segundo amarelo ao André Almeida aos 53 min.

José Correia disse...

Acerca da arbitragem nacional, não do FC Porto x SLB, mas do Sporting x Nacional de hoje à noite, algumas declarações de Manuel Machado, treinador do Nacional, na flash à SportTV após o jogo em Alvalade:

Tenho uma enorme dificuldade em ter um discurso de conveniência, por formação e carácter. Prepotência para baixo e subserviência para cima é algo que me magoa

Hoje foi preciso mais do que o Sporting para derrotar o Nacional. Seis ou sete cartões amarelos, um vermelho... Um amarelo para o outro lado...

É triste ver este país de espinha dobrada. É triste ver este país continuar a bater palmas aos Salgados e Amorins e isso e quem ganha o ordenado mínimo ainda tem que pagar impostos. Não digo mais para não infringir o regulamento

Lápis Azul e Branco disse...

A expulsão é I-N-A-C-R-E-D-I-T-Á-V-E-L! A partir desse momento, deixei de ver...

meirelesportuense disse...

Estive a ver o Dia Seguinte e espanta-me que aquele animal do Rui Gomes da Silva não seja devidamente excluído do programa...Como é possível que este ANIMAL que já foi Secretário de Estado -de Cavaco, não surpreende- diga coisas como "o jogador do Benfica deveria ter feito o suficiente para arrumar com o André-André para que ele não pudesse marcar o golo da vitória"!... E tenha insinuado que o Porto jogou dopado?

José Pedro Fernandes disse...

- Eu entendo a logica de se dizer que estes campeonato é nosso, se nao formos burros; parece-me é que nao temos jogo jogado a um nivel tao superior a Sporting e Benfica. Alias, na primeira parte do jogo de domingo o benfica trocou a bola bem melhor que nos, mesmo que na segunda parte tenhamos sido muito superiores.

- O que mais me assusta é ver que a equipa ainda tem tanto para progredir e o nosso treinador continua a nao mostrar dedos para um segundo ferrari que lhe dao. Nao se esperava brilhantismo ou dominio absoluto do jogo ja nesta fase, mas com a qualidade do plantel deviamos ja estar a fazer mais e melhor.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Zé,

As regras do jogo da FIFA são claras, o jogo perigoso não inclui contacto fisico e sim um gesto que possa por em perigo a integridade física de um jogador. Em algumas ligas entrar com o pé á altura da cabeça de um jogador que se encontra á beira resulta em vermelho. O amarelo, para mim, era o minimo.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Naturalmente.

Dudysowsky disse...

Quanto ao lance do Maicon, so para clarificar, a lei diz o seguinte:

'Por jogo perigoso entende-se toda a ação de um jogador que, ao tentar jogar a bola, põe em risco a integridade física de qualquer jogador, (incluindo ele próprio).
...
O jogo perigoso implica a não existência de contacto físico entre os jogadores. Se existir contacto físico, a ação passa a ser punida com um pontapé-livre direto ou com um pontapé de grande penalidade. No caso de contacto físico, o árbitro deve analisar a alta probabilidade de ter havido ou não uma incorreção.

Sanções disciplinares
• Se o jogador joga de maneira perigosa na tentativa “normal” de conquistar a bola, o árbitro não deve tomar nenhuma medida disciplinar.
Se a ação comporta um evidente risco de lesão, o árbitro deve advertir o jogador.
• Se um jogador, por jogo perigoso, anula uma clara oportunidade de golo, o árbitro deverá expulsá-lo do terreno de jogo. '

Nao me parece que haja qualquer fundamento para expulsao, como e aqui sugerido.

Viper disse...

Texto excelente de reflexão portista, bem explanado e bem estruturado. No melhor pano, porém, todavia cai a nódoa.

"A entrada a despropósito de Maicon antes do intervalo em algumas Ligas mais "estritas" pode ser vermelho directo. Falta e amarelo era, seguramente."

Permita que discorde, pois em nenhuma Liga, da Europa, à Indochina.. era vermelho. Falta e amarelo, sim se dúvida.

Quanto ao mais, nada a opôr. Texto excelente.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Eu não disse que "era" expulsão, apenas e só que há arbitros (noutras ligas) que poderiam tomar a decisão de expulsar um jogador por jogo perigoso ou violento. Não significa que esteja de acordo com isso.

Para mim, já o disse, é falta e amarelo.

Carrela disse...

É por isso que sabe TÃOOOOOOOO bem ganhar a estes fiteiros!

Nunca são só 3 pontos apenas, é aquele sentimento de justiça, acrescido de saber que todas aqueles mentes reles, mesquinhas e manipuladoras vão andar aziadas... Sim isso a mim sabe bem!


Maxi no clube do regime, em 8 anos, jogou 21832.
Durante este tempo, levou 81 cartões amarelos, NENHUM VERMELHO directo e desses 81, 2 foram no mesmo jogo e como tal, foi expulso por duplo amarelo!

Resumindo 1 cartão amarelo a cada 269.5 minutos!
Foi expulso 1 vez (duplo amarelo) em 21832 minutos!

Chega ao F.C.Porto.

Passou a levar 1 cartão amarelo a cada 112.5 minutos (a amostra ainda é pequena, há que ser justo).


Os pulhas, sabem tão bem o tamanho do andor que os carrega, são tão desprovidos de vergonha, tão limitados em termos de valores, que acham que aquele que foi expulso 1 vez em 21832 minutos, no FCP devia tê-lo sido ao fim de pouco mais de 410 minutos!!!

E não esquecer que o FCP faz menos faltas!

João Ferreira disse...

Eu acho que o problema não é quem foi mais prejudicao ou mais beneficiado. O problema é que houve uma péssima arbitragem. Ponto. Os jogadores tiveram responsabilidades, porque não facilitaram, mas o problema foi o árbitro foi medroso. E teve medo de meter água e jogou pelo seguro e evitou comprometer-se. Porque nenhuma das equipas merecia acabar com onze, se calhar nem com 10. E aí é que está o problema. O medo. Já no ano passado, o Jorge Sousa foi permissivo com a pancadaria que os jogadores do Benfica andaram a distribuir. Este ano foi mais dividido, mas vai dar ao mesmo. O medo de errar fá-los "jogar pelo seguro". E quando os jogadores não ajudam, só pode dar porcaria, da grossa.

Carrela disse...

Não é por nada, mas acho que Maicon termina o jogo com 1 falta assinalada apenas, a tal da 2ª parte! Repito UMA! Quais várias entradas?

João disse...

Isso do "´há árbitros" é fantástico e tal, com o árbitro que expulsou o Maicon contra o Boavista na época passada, o jogo acabava com 6 de cada lado, mas não é argumento nenhum. Com o árbitro do Itália - Coreia do Sul de 2002 até era amarelo para o Jonas por não ter saltado e no movimento poder colocar em causa a integridade física do Maicon.

Não brinquemos. Não é vermelho aqui nem em lado nenhum do planeta. Ou aliás, a ser vermelho em algum lado, teria que ser no Tugão da APAF e com um jogador do Benfica ou Porto envolvidos, porque garantidamente não é em mais lado nenhum.

João disse...

Ou o Nélson Semedo, que faz uma grande exibição, mas aos 10 minutos já levava umas 4 trepas seguidas ao Brahimi. E acumulação de faltas, que eu saiba, ainda é amarelo. Ia passar o resto do jogo todo com as calças na mão.

Isto dos "Ses" é giro, devíamos jogar mais vezes.

João disse...

Esse está a precisar de outra visita ao Xis. Depois eu tenho-me como um gajo minimamente civilizado e que acha que só se perdem as que caem ao lado e dizem-me que não pode ser.

Pedro disse...

Há blogs onde podes fazer comentários de natureza política. Decerto que, por aqui, ninguém quer saber das tuas opiniões nessa matéria, Meireles. Mas, já agora, esse animal do Gomes da Silva fez parte do governo do Santana, e do Cavaco não - que me lembre. Foi ele que esteve metido na bronca com os comentários do Marcelo na TVI.

Madeiran Marvel disse...

Tal e qual como no jogo em que ganhamos na Luz com um golo do Maicon... O Cardozo andou a fazer truques de basquetebol dentro da área, 3 foras de jogo muito mal assinaladas quando estávamos 1v1 com o GR... vários cartões amarelos e vermelhos nao assinalados para os SLoB's e no fim do jogo so falaram do golo em fora de jogo do Maicon... titulo da Boilha "Campeonato foi tributo aos arbitros" quando fomos claramente roubados. Ate nao quiseram o Pedro Proenca na Liga pora continuar com a mentira dita mil vezes...
Ate o JJ fa falou da maquina de imprensa benfiquista e isto e como funciona tal maquina.

meirelesportuense disse...

Como é que um gesto pode pôr em perigo a integridade física de um jogador? É evidente que uma atitude pode sugerir um comportamento agressivo e intimidatório -e isso justificar uma advertência- mas a agressividade é de tal modo natural no Mundo do Futebol que sendo assim, não haveria um jogo a terminar com os 22 jogadores dentro do campo. E pudemos também perceber porque é que o Jonas não entra na selecção Brasileira, é, ficou claro contra o Porto, um jogador de ficção e de má índole. Várias vezes simulou ser atingido sem o ter sido, apenas para provocar o castigo a colegas de profissão. Tinha a lição estudada ele e Gaytan.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Meireles,

Quem o diz é o Interrnational Board e a FIFA, não sou eu. A definição das regras do jogo é essa, depois a interpretação, imagino, fica ao critério de cada um.

Quanto ao Jonas, nunca foi um ponta-de-lança de selecção e não é agora, porque esteve bem em alguns jogos com o Benfica, que vai passar a ser.