terça-feira, 27 de outubro de 2015

Um amigo meu


Tinha um amigo, o Júlio,  que sempre sonhara ser jogador de futebol.
O sonho do Júlio era o de ser o ponta de lança de uma grande equipa.
E o Júlio tinha tudo para ser um grande ponta de lança.
O Júlio media 1 metro e 95 cm, pelo que ganhava muitas bolas de cabeça aos adversários
O Júlio tinha também uma boa velocidade, não obstante a sua altura, pelo que também conseguia isolar-se frequentemente, aparecendo sozinho em posição de golo.
O Júlio era, igualmente, detentor de um excelente remate: puxava o pé atrás e o disparo era sempre muito forte.
O Júlio, além do mais, era um trabalhador incansável: treinava com afinco; nunca faltava a um treino; vivia uma vida regrada e não andava em noitadas.
O Júlio tinha apenas um pequeno problema: não marcava golos nos jogos e, portanto, nunca decidia nenhum. Os cabeceamentos em que conseguia superar os defesas, iam por cima da barra. Nos lances em que aparecia isolado, o guarda-redes roubava-lhe a bola. Os potentes remates passavam sempre ao lado.
Ele, nos jogos, gritava, gesticulava,  pensava bem as jogadas, decidia bem. Mas nunca marcava.
Quando era preciso o seu golo para a equipa manter o comando do campeonato distrital em que jogava, o golo nunca aparecia.

A massa associativa - gente conhecedora de futebol e que adorava o clube da freguesia - não ficava contente com os resultados, mas raramente culpava o Júlio, pois dizia que ele fazia sempre o possível.
O Presidente também não se contentava, mas ia sempre acreditando que o Júlio haveria de fintar o destino. Foi assim que, numa reunião da assembleia geral do clube, no café da sede, sentenciou com voz grave perante dois dos sócios que questionavam o rendimento do Júlio: "Eu sei que vocês estavam habituados aos anteriores pontas de lança,  o José, o André e o Vítor,  que, com os seus golos nos ajudavam a  ganhar sempre qualquer coisa (ou mesmo muitas coisas) desta prova distrital. Eu sei que eles quando cabeceavam, marcavam; quando se isolavam, faturavam e quando rematavam faziam as redes abanar por dentro. Mas o Júlio faz tudo bem. Isto há-de mudar. Era muito pior se tivéssemos um treinador que não ganhasse os jogos que devia ganhar".
   

52 comentários:

DC disse...

Parece-me bastante injusta esta crítica. Recordo-me de ganharmos ao Braga com 2 golos do Kelvin e não do Jackson. Recordo-me de alguns jogos do Jackson contra o slb com falhanços escandalosos.
Todos os avançados têm maus dias e o Abou tem jogado muito bem, não merece, de todo, ser individualizado.

The Best Man... disse...

A crítica é ao treinador...
Não é ao avançado!
Até o nome "Júlio" devia ser uma boa pista...mas de facto o sol quando nasce, não é para todos!!!

Daniel disse...

Este blog cada vez começa a ser mais impossível de ler. Já chegámos ao ponto de na 8ª jornada começar a meter o valor do nosso PL em causa?
Já não chega a vossa constante perseguição ao nosso treinador e agora viram se para os nossos jogadores? Para mim isto roça o ridículo, eu começo a achar que o problema não é da equipa ou direcção, mas sim dos nossos adeptos que estavam habituados a muito e agora não podemos estar 2 anos sem ganhar nada que disparam sobre tudo e todos.
No post do jogo do Braga já falam de uma hipotética derrota contra o SCP que nos pode deixar fora do título, quando ainda vamos na 8ª jornada e só os defrontamos na 15ª (penso eu), é surreal pensar nisso mas com estes posts e comentários de alguns portistas, já eu começo a ficar desiludido, não com o nosso clube, mas com a mentalidade dos nossos adeptos.

Cumprimentos,
Daniel

Carrela disse...

Eu acho que para o autor o avançado é o Lopetegui.

Nuno Leal disse...

Não sei porquê mas acho que o foco do texto está na última linha "Era muito pior se tivéssemos um treinador que não ganhasse os jogos que devia ganhar". Não sei porquê... :)

miguel.ca disse...

Se esta prosa toda é para criticar o Aboubakar, meu caro amigo, vamos lá buscar o Kleber e o Walter outra vez porque o tempo do Falcão acabou e parece que o Gonçalo Paciência e o André Silva são para núpcias futuras.
Além do mais é duma injustiça ridícula. Contra o Braga, o Vincent criou uma oportunidade sozinho e falhou por 3 milímetros o golo do ano. Depois, graças a mais um falhanço táctico monumental do Lopes, Aboubakar não teve mais nenhuma hipotese de receber uma bola em condições para ter mais oportunidades de golo. Talvez fosse conveniente procurar no catálogo exclusivo da Doyen se existe lá algum Drulovic ou algum Nuno Capucho para o Aboubakar ter as mesmas oportunidades que o Jardel teve.

miguel.ca disse...

Mmm, parece então que também não percebi o "alvo da critica".
Sendo então que o destinatário é o Lopes, então faz todo o sentido.

João disse...

O Luís até lhe chamou "Júlio" para facilitar, é assim tão difícil?

Roberto H Santos disse...

A única "graça" que este artigo tem está no nome do seu autor.

Qualquer dia também devemos mudar de massa associativa... Por cada bola que vai ao poste ou direita ao meco a "gente conhecedora de futebol" (e gestão) quer mudar alguma coisa...

Por cada falhanço neste blog também posso pedir mudanças?

José Lopes disse...

A prosa e' para criticar o treinador, gastem mais de 1 minuto a le-la... Dai a referencia ao Julio, bem como aos anteriores Andre (VB), Jose (Mourinho) e Vitor (Pereira)... Bom texto, oxala metamos a viola no saco no fim da epoca sobre o que todos tememos quando vemos os empates do costume em alturas nada recomendaveis.

DC disse...

Têm razão, li à pressa e completamente na diagonal e nem reparei nos nomes dos "avançados" anteriores.

Peço desculpa então. Até porque nesse caso concordo.

Pedro disse...

Realmente como diziam acima, o sol quando nasce não é para todos... Acham mesmo que o "avançado Júlio" que nos jogos "gritava, gesticulava" é dirigido a quem? E os nomes dos "avançados" anteriores que passaram pelo tal clube José, André e Vitor também serão coincidência? Enfim... Grande texto, pena as interpretações tão literais

Filipe Sousa disse...

Quero ver esse apoio todo, se Porto marcar passo na Madeira, na próxima jornada...

Felisberto Costa disse...

A critica é para o Julio Lopetegui, caramba!!!!
Mas é demasiado cedo para criticar o homem. Afinal ainda só vamos no 3º empate em 8 jornadas!!!

P.S. Começo a ficar farto dos "portistas" politicamente correctos!!!! Como se um bom portista só pudesse comentar vitórias e grandes exibições (coisa rara nestes últimos 3/4 anos) e mandasse ás urtigas os resultados negativos e as exibições paupérrimas.

Luis Pereira disse...

Boa.

Luís Gagliardini Graça disse...

Amigos: de facto o Abouba não merece qualquer crítica. Pelo contrário. Este texto não contém qualquer crítica ao rapaz e não pretende falar dele :-)

Luís Gagliardini Graça disse...

Caro Daniel, não fui possivelmente claro, mas o texto não pretende minimamente criticar o Abouba, que para mim só merece elogios. Tem outro objectivo

Luís Gagliardini Graça disse...

Exacto , Nuno :-)

Luís Gagliardini Graça disse...

Miguel, o Abouba só merece elogios :-)

Luís Gagliardini Graça disse...

Às vezes não somos claros, João :-) pode ter sido o caso

Filipe Ferreira disse...

Muito bem pensado este post, sob o facto de se estar a comparar com uma situação distrital.
Mas... a ideia está lá.

Luís Gagliardini Graça disse...

Roberto: pedir não paga imposto (ainda). Mas não era uma crítica aos jogadores. Cumprimentos

Luís Gagliardini Graça disse...

Certo, José. Cumprimentos

Luís Gagliardini Graça disse...

Já bati "na madeira " para não sofrermos na Madeira. Espero os 3 pontos

Luís Gagliardini Graça disse...

Felisberto : concordo. Apesar de todos gostarmos do nosso clube, podemos ter entendimentos diferentes. Mas parece que o meu não é diferente do seu :-)

Luís Gagliardini Graça disse...

Obrigado Luís

Luís Gagliardini Graça disse...

Obrigado Filipe. O futebol distrital tem muitas semelhanças com o nacional. A natureza das pessoas é a mesma. Cumprimentos

Luis Pereira disse...

Mas foram os que falharam mais neste último jogo. Ou não?

Roberto H Santos disse...

Eu percebi muito bem que não era uma critica aos jogadores. Era ao Júlio, que ainda por cima tem a infelicidade de ser espanhol, o que faz que muitas vezes deixe de ser Júlio e passe a "o espanhol" ou o "basco". Alias na aldeia o Rui, o Joao e o Pedro também o tratam assim.

E se o José tem sido despedido logo no final da época? E se o André não chega a iniciar a época dados os maus resultados? E se o Vítor, moço de trabalho mas não fanfarrão tem sido despedido antes do final da primeira época?

O Júlio, é competente, e tem sorte e azar como todos os outros, mas como se diz na aldeia não joga sozinho, não vai aos jantares certos, não tem o número de telefone de pessoas importantes e não é engraçado nem caiu em boas graças. Aliás, na aldeia, ninguém gosta dele como na altura não gostavam do arrogante José, do miúdo Andre nem do roupeiro Vítor. De quem gostavam era do Paulinho e do professor Luis, porque será?

Alguém pôs uma cassete no sino da igreja da aldeia a dizer que temos de ser exigentes e despedir o treinador por cada vitoria menos expressiva e nós, como bons moços da aldeia vamos repetindo.

Não tardará o dia em que em vez despedirmos, o Julio vai embora farto de nos aturar e mais ninguém quer vir para a aldeia. Seremos uma aldeia desertificada a espera que nasça o menino que no futuro nos ha-de governar..

Roberto H Santos disse...

Eu quero ver apoio antes e depois do jogo. Se formos campeões, como o José Lopes diz, muitos irão meter a viola ao saco, outros irão levar a viola para os aliados.
Nessa altura haverá festa que chegue, não se notara a falta ou a presença dessas violas...

Dias Salvador disse...

Não vamos na 8ª não, Gilberto, vamos na 44ª e continua tudo igual.
Excelente texto Luis

Roberto H Santos disse...

Felisberto costumo ler o que escreve noutros sítios.
Em primeiro lugar, a sua viola toca diferente consoante o arraial em que está, em segundo, todos devemos ter opinião e criticar o que nos parece mal com a certeza que nós não percebemos mais do que quem lá está e que por cada dez opiniões que temos 9 podem estar erradas mas ninguém as vai escrutinar. Um treinador que tenha 9 boas decisões está apenas a fazer o seu trabalho e quando falhar uma substituição vai ser atacado do piorio, mesmo que na altura ate nos pareça o mais correcto. Como não resultou o nosso discurso passa a "Estava-se mesmo a ver...".

E pronto, assobiem-me a ver se passo a escrever melhor e mudo de opinião!

Joaquim Fernandes disse...

Para a grande maioria dos treinadores de caixa de comentários, aconselho a leitura do Tribuna Portista (O fardo francês). Pode ser que aprendam alguma coisa. Já não há pachorra para estes Portistas...

Luís Gagliardini Graça disse...

Caro luis Pereira : não acho que tenham sido os jogadores a falhar contra o Braga. Ao Paulo Fonseca bastou perceber que era suficiente colocar o autocarro à frente da baliza que nos depois não fazemos mais nada.

Luís Gagliardini Graça disse...

Caro Roberto : ao contrário de alguns, eu acho que o Lopetegui deve ficar até ao fim do contrato, aconteça o que acontecer. Se correr bem, óptimo para todos (e como eu desejo estar enganado...). Se correr mal, acho que deve continuar até ao fim, quer para não sair com dinheiro quer para se perceber a real dimensão da asneira

Luís Gagliardini Graça disse...

Roberto: ficarei felicíssimo se me enganar. Acredite. O que mais quero é estar enganado e o Roberto certo.

Luís Gagliardini Graça disse...

Obrigado Salvador.
Roberto: nesse ponto também tem uma certa razão. Para nós é mais fácil e quando falhamos não somos confrontados com as consequências do nosso erro. Mas a verdade também é que ando a dizer isto desde o inicio da época passada.

João disse...

O José fez uma excelente 2ª volta, o André antes disso só tinha feito a pré-época e o Vítor foi campeão na 1ª época.

Tudo diferenças bastante significativas para o Júlio. Outra é o facto de aprenderem qualquer coisa pelo caminho e não caírem sempre, sempre, sempre (x N) nos mesmos erros.

Luís Gagliardini Graça disse...

Joaquim : o fardo francês está interessante. Mas refere que " a equipa está a ser construida" o que me parece que já vem sendo feito há tempo demasiado. Cumprimentos

Joaquim Fernandes disse...

Oh Luís, essa do tempo demais diz tudo. O pronto a servir, nos desportos colectivos, não existe. Ou existe quando o cozinhado já vem de trás, como aconteceu ao André e ao Vitor. Saudações Portistas

Carrela disse...

Certo!
Até porque esta equipa não perdeu Jackson, Danilo, Alex Sandro, Óliver, Casemiro...
É o que mais se vê por ai, equipas a perder metade do seu plantel, de qualidade individual TREMENDA e continuar a bombar como se nada fosse...

É tão fácil pegar num teclado e dar uma de especialista... seja no que for!

miguel87 disse...

Não me parece que três meses seja "tempo demasiado" para (re)construir uma equipa que perdeu 6 titulares e meio, longe disso.

Henrique disse...

Gostei da maneira como o texto está redigido (e as figuras de estilo estão "Top"), mas não concordo de todo com a critica só ao treinador. Nota-se perfeitamente que a maior parte dos jogadores têm dois "chips", um para a LC e outro para as competições internas, e embora esse também seja parte do trabalho de um treinador (mudar mentalidades), não se podem imputar a ele os desaires e elogiar jogadores nas vitorias!

Luís Gagliardini Graça disse...

Henrique: nisso concordo consigo. Há chips diferentes. Mas para mim o treinador tem aí um papel fundamental : transmitir aos jogadores que quem não rende ou não mete o pé nos jogos da liga , fica no banco na CL

Luís Gagliardini Graça disse...

E obrigado

Luís Gagliardini Graça disse...

Carrela e Miguek: tudo jogadores que era mais do que previsível que iria perder. O trabalho dele num ano é também o de ir lançando o ano seguinte. E houve alguns substitutos à altura. Mas o pior é a previsibilidade da equipa. No estádio vemos logo como as coisas vão acabar em cada jogo. Tudo muito previsivel

Luís Gagliardini Graça disse...

Saudações Portistas, Joaquim. Continuo a achar que ele demora a perceber o que se passa. Não acho que em cada ano, saindo alguns jogadores, possa voltar tudo ao zero. Basta porem-nos um autocarro na frente da baliza e nos temos 90 por cento de posse e zero lances de perigo.

Soledade lourenço disse...

A verdade é que fica a sensaçao que Lopetegui só defende uma ideia,a posse por si mesma.Uma posse sem objetividade,que deixam os nossos adversáŕios mais confortáveis no jogo.Aboubakar joga longe da área,Brahimi e Corona sozinhos contra o mundo,e o jogo interior não existe.

Dias Salvador disse...

Carrela, ainda gostaria de compreender esse deslumbramento por uma mão cheia de nada, que Lopetegui nos tem oferecido,

Sansoni7 disse...

Olá
E se for o próprio treinador a ter dois chips...e duas ambições?
Cumprs
Augusto

Luís Gagliardini Graça disse...

Pois, Sansoni7....

Luís Gagliardini Graça disse...

Pois, Sansoni7....