domingo, 15 de novembro de 2015

Os sucessores de Danilo e Alex Sandro

Danilo e Alex Sandro foram duas contratações em que a FC Porto SAD investiu quase 30 milhões (uma "loucura", para os padrões do futebol português) mas, nos anos que passaram no Porto, cresceram como jogadores, tiveram um muito bom desempenho futebolístico, valorizaram-se e, ao serem transferidos para dois colossos europeus, renderam bom dinheiro (mais-valias) à SAD portista.

Apesar do significativo encaixe financeiro efectuado pela FC Porto SAD, as saídas dos dois laterais brasileiros (titulares indiscutíveis nos últimos três anos), ainda por cima simultâneas, causaram apreensão entre os adeptos, devido à grande influência que ambos tinham nas acções defensivas e ofensivas da equipa.

O peso de Danilo e Alex Sandro na UCL 2014/15 (fonte: GoalPoint)

Bem, após os primeiros três meses da época 2015/2016, penso que já se pode dizer que os piores receios eram infundados.
E porquê?
Porque a SAD conseguiu arranjar dois jogadores – Maxi Pereira e Miguel Layún – que, em termos de rendimento dentro do campo, superaram as expectativas (pelo menos as minhas).

Ora, se custa a crer como é que o SLB deixou sair Maxi Pereira para um rival (e a custo zero!), ainda é mais incrível como é que um jogador com o rendimento de Layún andava “escondido” no Watford.

Golos e assistências de Maxi e Layún (fonte: O JOGO, 12-11-2015)

Olhando para o desempenho que os dois novos laterais dos dragões tiveram na generalidade dos jogos já disputados, parece-me claro que não será por causa da “troca” de Danilo por Maxi e menos ainda de Alex Sandro por Miguel Layún, que o FC Porto 2015/2016 é (será) mais fraco que o FC Porto 2014/2015.

8 comentários:

João disse...

O Layún tem-me calado bem caladinho nos últimos jogos. Bastou dizer que tinha duas talochas para o homem começar a inventar recepções orientadas. Em contrapartida, acho que o Maxi tem caído de rendimento nos últimos jogos. Nunca fui um grande apreciador, nem do Danilo (tecnicamente mediano) e Alex Sandro (tal como o Rafa da B, e o Álvaro Pereira, pé direito ceguinho), sinceramente acho que apesar de tudo são superiores, Layún tem tendência para se evidenciar precisamente por ser destro e nesse aspecto as próprias características dele contrariam o jogo lateral e pachorrento do treinador. Além disso será um dos senão o melhor cruzador da Liga. Maxi é Maxi. E se o termo de comparação é Eliseu e Sílvio, ou Jefferson e João Pereira/Esgaio, são dois portentos futebolísticos. Mas só isso.

tiago disse...

Ninguem sai a custo zero para lado nenhum. O Maxi teve um prémio de assinatura certamente, assim com o empresário

José Correia disse...

Concerteza.
Quem recebeu zero foi o SLB.

DC disse...

Acho um bocadinho prematuro para falar mas nem vou estar a dizer o que penso para não agoirar.

JON disse...

Estes novos 2 laterais não estão nada mal para Portugal. Tenho gostado sobretudo porque ambos procuram espaço interior frequentemente.

No entanto, a defender, Maxi dá casas atrás de casas. Está sempre longe do central quando a bola está do lado oposto, deixa espaço a mais, procura muito o HxH. Já era assim com JJ, mesmo tendo em conta o detalhe com que JJ treina isso, portanto não surpreende.

Isto para dizer que por mais "assistências e golos" que estes dois rapazes tenham, nem por sombras chegam aos calcanhares dos seus antecessores... Dois laterais de qualidade mundial!

Mas sim, se comparados com João Pereira, Eliseu, ou Jefferson, Maxi e Layún são excelentes. Nisso concordo.

Luís Vieira disse...

Ofensivamente, é um facto que o Layún e o Maxi têm estado bem. Não surpreende, uma vez que já jogaram em terrenos adiantados noutras fases das suas carreiras, o que lhes garante propensão ofensiva, mesmo não sendo prodígios da técnica. A estatística está aí e não oferece grandes dúvidas. Ainda assim, quer o Danilo, quer o Alex Sandro eram melhores no plano ofensivo: o primeiro no jogo interior, o segundo na condução de bola pelo flanco. No que respeita ao plano defensivo, a diferença é abissal. Velocidade, desarme, sentido posicional, força, capacidade de antecipação, etc. O Maxi e o Layún compensam as lacunas com muita entrega, mas o algodão não engana: os brasileiros são bastante melhores. Daí que estejam onde estão e tenham rendido o dinheiro que renderam, ao passo que o Maxi, naturalmente, nunca tenha dado o salto e o Layún esteja, apenas agora, no pináculo da carreira. Por isso, mantenho a posição de que o Porto está mais fraco nas laterais e que isso pode vir a notar-se em jogos de exigência elevada, não obstante o bom início de época do Maxi e do Layún, com o qual me congratulo.

Madjer disse...

Obviamente que Danilo e A,Sandro são de outro nivel, mas Layun e Maxi estão a corresponder acima das expectativas...

Eu ate acho que a equipa este ano é melhor e tem mais soluções

Filipe Ferreira disse...

Pelo tipo de jogo que nós fazemos durante quase toda a época, que é atacante sem ter muito que preocupar com a defesa, temos aqui laterais para isso.
Na Champions é que a factura pode sair bem mais cara.
Com a experiência eles também saberão fazer bem os seus papeis defensivos.