quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

A primeira vitória na Madeira


Foi a primeira vitória de Lopetegui na ilha da Madeira. E logo por 4-0!
Assim, o FC Porto fica a apenas 2 pontos do líder Sporting e, não fosse a mão de Tonel em período de descontos, estaríamos em igualdade pontual. Afinal o rei vai nu.

A equipa do FC Porto entrou neste jogo com uma atitude muito diferente, demonstrando a si mesma que não precisa de conceder 45 minutos ao adversário para então acabar com as cerimónias e começar a rematar à baliza com convicção. Desta vez os jogadores entraram desinibidos e à procura do golo desde o primeiro minuto. Como sempre deveria ser.

O primeiro golo da partida aconteceu aos 12 minutos, por Herrera, numa jogada que envolveu Brahimi e Layún, que fez o passe para o médio mexicano concluir de cabeça no coração da área. A bola ainda foi desviada por Joãozinho, enganando André Moreira. 

Dois minutos depois, foi a vez de Brahimi marcar. Maxi surgiu pela direita e cruzou atrasado. O argelino dominou à entrada da área e rematou forte, em arco, não dando qualquer hipótese ao guardião unionista. 

Quando o União tentava reagir, Corona marcou o terceiro. O jogador mexicano irrompeu pelo corredor direito e cruzou para a área, mas a bola tomou a direcção da baliza e ganhou velocidade inesperada, passando por cima da cabeça de André Moreira.


Com 3-0 ao intervalo o FC Porto abrandou e geriu o jogo. No recomeço o União entrou com vontade de marcar e ainda dispôs de algumas oportunidades mercê de alguma displicência da defesa portista em afastar o perigo e mostrando pouca determinação na abordagem dos lances.

O nosso sector defensivo demonstra pouca coordenação e falta de ligação com os médios. Nota-se sobretudo quando há um contra-ataque do adversário. Os médios e os defesas mostram algumas dificuldades em reposicionar-se e marcar à zona permitindo o avanço aparentemente fácil da equipa contrária.

Aos 74 minutos chegou o "momento Bruno Paixão". Este árbitro não gosta de terminar um jogo sem prejudicar ostensivamente e de forma grosseira a equipa do FC Porto. Vai daí e expulsa Dani Osvaldo por uma entrada a demonstrar agressividade mas sem tocar no adversário. O madeirense Paulo Monteiro sentiu o vento e deixou-se cair. Estava dado o mote para aquele verdadeiro asno puxar do cartão vermelho. 

Foi curioso ver que a equipa se voltou a desinibir depois da expulsão de Osvaldo e a trocar a bola com progressão no terreno de jogo, o que demonstra que em boa parte dos últimos jogos (Kiev e Tondela) houve condicionamento mental dos jogadores. Resta saber por que motivos.

A lição mais importante a tirar desta vitória frente ao União é a de que um jogo começa a ser ganho no primeiro minuto com uma atitude pro-activa, determinada e dominadora. Que os jogadores se libertem dos fantasmas que os apoquentam e entrem com tudo no próximo Sábado no Dragão.
   

30 comentários:

Vidente Mor disse...

boa vitoria siga a roda.

Carrela disse...

Será que foi da rotação?
Fica para a próxima...

JON disse...

Os resultados toldam...

O Porto jogou pouco melhor que nos jogos anteriores. A diferença? Foi duas vezes à frente na primeira parte e marcou 3 golos...

O futebol é assim. Umas vezes corre tudo bem, outras tudo mal. Mas quanto a organização e ideias, tudo na mesma...

De notar apenas que André pareceu muito cansado e só o fizeram descansar aos 70 e tal... Incompreensível!

Lopetegui não merece os jogadores que tem... Veja-se a qualidade de Brahimi no primeiro golo. Fixa três adversários e solta em Layún que fica com uma auto-estrada... Categoria!

RS disse...

Parece-me que desta vez ficaram muitos comentários na gaveta...

Luís Vieira disse...

Os resultadistas enchem o peito de satisfação com a eficácia dos 4-0. Quem se preocupa com a qualidade do jogo do Porto, continua insatisfeito.

Pedro ramos disse...

A lição mais importante a retirar desta vitória é quer somos irrelevantes na disputa do campeonato nacional.
Mais uma vez temos um jogador expulso, porque sim, e mais uma vez não se passa nada. Enfim é uma semana sossegada para o bruninho.
Depois do "gala" portista com porcos voadores e outros ausentes, é cada vez mais uma inutilidade querer ou desejar que a equipa melhore.

DC disse...

Há jogos em que corre tudo bem, este foi um deles. Refira-se que depois do primeiro quarto de hora bom, houve ainda bastantes sinais preocupantes.
Desde o facto de o Osvaldo mal ter tocado na bola, ao facto de o nosso treinador, novamente, ter achado que a resposta a uma expulsão aos 75' com 3-0 era novamente mexer nas posições todas, passar uma lateral para médio e um central para lateral. Não estou habituado a ver o Porto a meter centrais contra o União da Madeira, acho estranho. Mas pronto, se calhar sou eu que estou mal habituado.

Jorge Faria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Faria disse...

DC, já li vários comentários teus neste blog e chego à conclusão que percebes muito pouco de futebol para não dizer mesmo nada, este último comentário é bem ilustrativo.
Um bem haja,
Jorge Faria

José Lopes disse...

Inteiramente de acordo. Sublinhe-se também o apagamento do Osvaldo e a falta de segurança que a defesa transmitiu em alguns cruzamentos felizmente sem consequências.

DC disse...

Um bem haja Jorge, abraço à família.

P.S. Não vou assinar o comentário porque acho estúpido assinar quando se tem um nick em cima.

João Barbosa disse...

exibição pouco diferente das duas anteriores. basta ver o jogo, acho que é auto-explicativo. espanta-me que por aqui ainda haja muita gente que não vê isso.

João disse...

O meu acho que ficou mesmo na gaveta, mas por opção da moderação. Não tenha sido esse o caso, repito: jogo pouco ou nada melhor que os anteriores, 2a parte confrangedora digna de uma equipa da distrital e, honestamente, não vi nada digno de reparo na arbitragem, se tanto alguma condescendência com os nossos, ambos inéditos no Bruno Paixão. A própria expulsão, anedótica, parece ser indicação do 4o árbitro

Silva disse...

Presumo que tenha defendido à exaustão o treinador depois do jogo com o Braga, certo? Estou de acordo que jogamos bem melhor nesse... Ou será que nessa altura foi resultadista e encheu o peito para desancar no do costume? É mesmo uma pergunta.

Francisco Paulos disse...

Jogamos o suficiente para ganhar e claro que os golos logo ao início ajudaram a afastar os fantasmas. Esperemos por sábado para ver se há melhorias concretas ou se este jogo foi somente uma andorinha na Primavera. O Paixão lá teve de deixar a sua marca naquela expulsão ridícula. Parabéns à equipa B e atenção que lá temos um grande jogador de nome Gleisson. Temos é de o aproveitar e não gastar dinheiro em contratações duvidosas que só servem para dar dinheiro a ganhar aos comissionistas habituais.

Luís Vieira disse...

Respondo-lhe com agrado, Silva. Para facilitar o exercício, recupero um trecho do que escrevi após o jogo com o Braga: "Falo, antes, da construção de jogo a roçar o sofrível, a oferecer sempre as mesmas soluções previsíveis. Variabilidade? Zero. Jogo apoiado entre linhas? Zero. O meio-campo é a placa giratória do costume. Serve para pôr a bola na ala e esperar pelo cruzamento atrasado. Procurar a tabela, já não digo no meio porque aí, está visto, é terra de ninguém, mas na ala, é coisa proibida (que saudades da sociedade Óliver/Brahimi! Agora é Brahimi contra o mundo). Plano B? Não existe. Um Bueno bem trabalhado no apoio ao ponta de lança era um mimo para destruir defesas apertadas. Enfim, desta forma não dá para mais: contra equipas um bocadinho mais organizadas, com melhor qualidade individual e colectiva, temos dificuldades." Como vê, o resultado não influencia a minha análise, baseeio-me na qualidade do futebol apresentado, que, actualmente, é má. Qual a diferença para a Madeira? O Porto foi eficaz e defrontou uma equipa muito mais fraca do que o Braga. O que não impediu que a dada altura do jogo ambas as equipas tivessem 19 ataques. Sintomático. Sublinho: o adversário era o União da Madeira.

meirelesportuense disse...

Considero que o resultado é demasiado enganador tendo em atenção a exibição e o número de oportunidades criadas. Fomos felizes na construção de uma margem confortável e de segurança e depois disso mostramos mais do mesmo, desorganização, incoerência e tristeza, desta vez com um meio campo operário mas pouco técnico. A expulsão do Osvaldo -que é um bruto- trouxe-me à realidade Bruno Paixão. Porra que o gajo merece mesmo levar um caldinho antes de abandonar a carreira.

Alexandre Moreira disse...

Entramos como devíamos sempre pé na bola, antecipação ao adversário, todos concentrados e com agressividade ... 3-0 com a sorte que nos escapou contra o Braga. Começar melhor: quase impossível. Aliviou os jogadores e via-se rapidamente que o União não podia dar uma resposta eficaz. Segunda parte, o Porto jogou pouco. Duas hipóteses para o próximo jogo:
- Jogadores vão percebendo que sabem jogar à bola, e recuperar confiança como Herrera o Brahimi. Assim o nível de jogo subirá porque temos individualidades capazes.
- Continuamos a ter um Porto burguês incapaz de superiorizar o cancro táctico do qual sofre e continuaremos à cruzar os dedos.
Sejamos optimistas !
Amitiés Portistas

Paulo Rodrigues disse...

Totalmente de acordo.

Paulo Rodrigues disse...

João vão ver quando não ganharmos nada. Fomos eficazes mas na minha humilde opinião não mostramos nada de especial aliás não vi nada de diferente mesmo. A única coisa a fazer é apoiar a equipa e esperar que a época passe rápido para termos outro treinador ao leme.

Carlos disse...

"Os resultados toldam..."
nem mais.
esta exibição esteve praticamente ao nível das duas anteriores.
MAS igualmente ao nível da equipa que lidera a liga graças a uma grande dose de sorte de mãozinhas amigas.
Mas os resultados vão surgindo e toldam essa observação.

Pedro Reis disse...

E alguém que explique a novela Dani Osvaldo, que seria uma coisa impensável, nos tempos em que a Direção do FCP era efetiva...
Factos:
- O passado de Osvaldo tinha tudo para desaconselhar a sua contratação, mas foi contratado...
- O passado do FCP neste tipo de contratações (lembro-me de Pizzi e Esnaider por exemplo), desaconselhava esta contratação, mas contratou-se...
- Osvaldo só é notícia por acontecimentos extra-desportivos (moda, namoradas, etc.), porque dentro do campo passa sempre despercebido e o seu tempo de utilização não é assim tão curto (compara-se com Aboubakar o ano passado)...
- Osvaldo, com mais ou menos razão, só é notícia dentro de campo pelas faltas que faz e pelos cartões que leva (tudo bem que o vermelho na Madeira foi excessivo, mas a entrada tb era desnecessária)...
- De há 1 mês a esta parte as únicas notícias de Osvaldo são sobre o seu regresso ao Boca em Janeiro...
- Entretanto, sai uma notícia (que se confirma) a dizer que o André Silva (que tem tido um inicio de época fantástico) foi reintegrado nos treinos do plantel principal...
- Na sequência destes 2 factos anteriores e quando se esperava que o AS substituísse o Osvaldo na convocatória para Tondela, ou que no mínimo a integrasse, nada...
- Para "ajudar à festa", a mesma história na convocatória para a Madeira, com a agravante de termos o Osvaldo a titular e o Aboubakar no banco... Osvaldo esse que nem num jogo fácil desde os 15/20 min conseguiu fazer nada, a não ser "expulsar-se"!
A culpa não é sempre e toda do Lopetegui, tenham lá paciência

Carrela disse...

Mas que bem metida Silva!

Pena que vás ficar sem resposta.

José Lopes disse...

Nem mais.

Luís Vieira disse...

Calma Carrela, não fique tão excitado. Falar antes de tempo dá nisto. Já dizia o Romário: "o Pelé calado é um poeta".

João disse...

Por pontos:
- Também de Ballotelli. Também de Suárez. Também de Tévez.
- ?? nem sequer sei a que se possa estar a referir.
- Também Ronaldo. Em relação ao tempo de utilização, independentemente de com quem se compara, é pouco.
- Parei em "foi excessivo", o Danilo e André tiveram entradas piores nesse jogo. Também não reparou que nesse jogo lhe foram assinaladas umas 4 ou 5 faltas que só o árbitro imaginou, o que tendencialmente enraivece um jogador. Foi notícia por esse cartão, nunca foi assunto até este jogo. Em Moreira de Cónegos foi notícia, e bem, pelos 3 golos cantados que falhou o que se é para recuperarmos a comparação com Aboubakar nem o desfavorece assim tanto, ultimamente..
- Fantástico, já o tinha sido na pré-época com a nulidade prática que se sabe. Enorme potencial, não tem o nível do Osvaldo por enquanto e não garante nada na eventualidade de uma lesão de longo prazo do Aboubakar.
- Bueno
- Quantas vezes foi servido na área ou teve oportunidade de rematar? Eu contei 0.

A culpa de o Osvaldo não render quando evidentemente tem características interessantes para o modelo (boa técnica, sabe segurar jogo, físico e leitura de jogo) é, mais do que de qualquer outra pessoa, de quem lhe impõe um sistema que pura e simplesmente não lhe coloca uma única oportunidade de golo em 90mins, e o obriga a jogar no meio de 3 ou 4 adversários copletamente desapoiado, adivinhe lá quem.

Alexandre Moreira disse...

O miudo devia ter sido chamado. Concordo plenamente.

Paulo Rodrigues disse...

Assino por debaixo Luis.

Saudações portistas.

Carrela disse...

Hoje em dia, para se mostrar que se percebe muito de futebol
e obrigatório dizer mal do Julen e bem do jj!

É a lei a propaganda centralista!
Tão simples quanto isso!

Futebol previsível?
ALgúem vê o futebol dos nossos adversários?
Ou anda TUDO A VER O BAYERN DIA SIM, DIA SIM???

Sim, porque imprevisível é o do jj, o tal que lhe permitiu até hoje ganhar 7 em 11 pela margem mínima... e 4 ao cair do pano ou para lá dele...
Ridículo...

Luís Vieira disse...

Carrela, o engraçado é que eu digo "mal" dos dois, mas reconheço que o Jesus é melhor que o Lopetegui. Não tem nada a ver com propaganda, é uma opinião baseada nas propostas de jogo de cada um. E bem sei que o Sporting não tem jogado nada de especial, que na Madeira teve um Rui Patrício inspiradíssimo e que tem tido um "mijo" descomunal em determinados jogos. Sim, o nosso futebol é muito previsível e isso é independente dos nossos adversários. Interessa-me apenas o Porto e entendo que pode jogar muito mais, inclusive com o Lopetegui, a quem já lhe vi melhor. A minha dúvida, agora, reside em saber se tal se deveu à qualidade dos jogadores da época passada ou se este ano está a ter mais dificuldades em fazer passar a mensagem (principalmente, em termos defensivos, porque ofensivamente não vai mudar muito).