sábado, 12 de dezembro de 2015

Lopetegui, ficar ou não ficar?

Julen Lopetegui foi um erro. 
Não vale a pena recordar que isso foi dito aquando da sua nomeação. Foi um erro então. É um erro agora. A sua falta de experiência aliou-se, com o tempo, com a sua falta de estofo. Foi evidente na ausência de características que definem um treinador de nível. Lopetegui nunca conseguiu criar um estilo de jogo constante e coerente. A equipa exibiu-se a grande nível na Champions, no ano passado (e no jogo contra o débil Chelsea, no Dragão) mas na liga nunca convenceu ninguém. O plano A de Lopetegui era um rascunho e nunca passou disso. O plano B, o C e até o D de Stamford Bridge foram erros graves. Lopetegui não perdeu o título por ser incompetente no ano pasado. Num ano normal, sem #Colinho, o FC Porto teria sido campeão nacional. Mas isso seria apenas natural, inercia de um grande plantel onde o investimento foi mais relevante do que se quis assumir. Afinal, para um clube como o FC Porto dos últimos 30 anos o título já surgiu com equipas piores e treinadores medianos, graças à inteligencia e força de uma estrutura que já não existe. Mas nem graças a essa inercia Lopetegui driblou os escândalos arbitrais do ano passado, representado perfeitamente pela sua inoperância nas viagens à Madeira, no jogo em Belém e, sobretudo, no jogo na Luz onde o Porto que devia procurar a vitória contentou-se em lamber as feridas do desastre de Munique. O navio tremeu mas não afundou mas vamos em Dezembro de 2015 e o Sporting – com o mesmo e sobrevalorizado treinador rival e com um investimento inferior – continua à frente de um Porto igualmente titubeante e sem ideias. Faltam cinco meses para acabar a época. Que fazer com Lopetegui?

Para mim – para muitos portistas e para muitos elementos dentro do clube – a saída do treinador basco é inevitável. Que suceda entre Dezembro e Junho será, sobretudo, fruto das circunstancias. O projecto falhou. A culpa não é só de Lopetegui. Que fique claro. O problema é mais profundo e está uns andares acima na pirámide do clube. A mudança do treinador pode, na prática, nem sequer mudar nada quando o Porto continuar a enviar agentes contratados por fundos para negociar em seu nome, a adquirir jogadores sabendo que não os vais pagar utilizando o clube como montra de exibição para aranhar um lucro que não é suficiente para evitar sucessivos empréstimos bancários a instituições misteriosas e, irónicamente, associadas aos mesmos fundos. Num cenário onde o balneario é uma porta aberta a quem quiser entrar, onde não há elementos diferenciáas, referências de cordura, espirito de grupo e ambição, que pode outro treinador fazer? Quando a aposta na formação – lembram-se que vinha o treinador da excelente, porque era excelente, campeã europeia sub21 para lançar uma série de putos aos leões – continua a estar mais na prática que no papel porque o plantel se enche de segundas e terceiras escolhas para fazer negócio, que pode fazer o treinador?
Tudo isso é verdade, seja o homem da “cadeira de sonho” de todos nós Lopetegui, Vitor Pereira, Paulo Fonseca ou o senhor X. Mas Lopetegui contribuiu, e muito, para estar na situação emocional com adeptos e jogadores em que está. Se a conjuntura já não era favorável, o seu trabalho foi nefasto a distintos niveis e o seu futuro ficou assim comprometido por muitas juras de amor de Pinto da Costa a jornais espanhóis que ele possa ler.

Os problemas de Lopetegui são vários. 
A conexão com os jogadores é nula e isso que rodeou o balneario de futebolistas conhecidos numa das maiores sagas de importação da história do Porto de outro país ou cultura futebolistica desde os anos da escola de Samba do virar do século. Tacticamente já demonstrou ser um inepto a distintos niveis, de treino, de ideia de jogo e, sobretudo, de adaptar a equipa a todas as circunstancias, positivas e negativas. Se o Porto se coloca a ganhar, tudo bem. Se o Porto se apanha a perder, ai Jesus. Se o Porto está empatado, rezem por um milagre porque a luz nunca virá do banco. Em ano e meio, nunca veio. Lopetegui é responsável disso tudo mas também conseguiu destroçar o excelente capital de apoio conseguido nos primeiros meses quando foi o primeiro a insurgir-se contra o #Colinho – com o clube calado – pela sua constante falta de auto-critica que já roçou a ignorância. Há sempre culpados, sempre desculpas, sempre justificações. Só que nunca é nada com ele. O triunfo da possessão e o azar do golo inaugural do Chelsea parecem ser, na cabeça do treinador e no seu discurso, a justificação de um dos maiores desastres tácticos da história do clube. É apenas um de muitos exemplos. Um problema que não tem solução.



E portanto, que fazer?
1) Ficar com Lopetegui até Maio e começar já a trabalhar no futuro? 
2) Despedir Lopetegui agora para encontrar uma solução de futuro com impacto imediato? 
3) Repetir o cenário com Paulo Fonseca e pensar na transição com outro nome enquanto o futuro se desenha longe do terreno de jogo?

São três cenários que estão sobre a mesa agora mesmo na SAD e na cabeça de todos os portistas. Nada vai acontecer – salvo que Lopetegui bata com a porta de forma clara e inequívoca – até ao jogo de Alvalade. Sair com a liderança da casa do mais directo rival será um golpe de efeito importante. Qualquer outro resultado (até o empate) é abrir ainda mais uma ferida com adeptos e balneario difícil de curar. Lopetegui tem de ser implacável em liga até Janeiro e conseguir demonstrar que tem todos a remar na mesma direcção para que a necessidade de uma mudança brusca não se torne ainda mais evidente. Mas claro, quem toma conta do seu lugar?
O clube maneja agora mesmo uma lista de futuriveis com André Villas-Boas à cabeça. Mas AvB – que já anunciou que a partir de Junho quer voltar a Portugal – não vai ficar livre até o Zenit cair da Champions League, ou seja, provavelmente a fins de Março. Outro nome na mesa, Mircea Lucescu, não irá querer deixar o Shaktar a meio caminho. Mais fácil seria atrair Pedro Martins, treinador do Rio Ave e outro menino bonito de Pinto da Costa, para tomar controlo já da nau. O grupo mais associado a Mendes prefere claramente Nuno Espirito Santo, actualmente desempregado. 
Há três nomes falados que estão fora de qualquer equação. Marco Silva não pode nos próximos dois anos treinar em Portugal por uma cláusula assinada. Leonardo Jardim não quer voltar a Portugal e quando sair do Monaco será para a liga espanhola ou inglesa. Paulo Sousa quer triunfar em Itália e a voltar a Portugal a sua preferencia é, claramente, assinar pelo Benfica. Todos estes nomes – salvo talvez AvB – difícilmente entusiasmam os adeptos e apenas dois deles teriam condições para pegar agora na equipa. Vale realmente a pena entregar de novo o plantel a Luis Castro, depois da sua (falta) de provas aquando do fim da experiencia Fonseca? 
Só com um cenário insustentável, como foi esse, essa opção pode fazer qualquer sentido.

Com os principais candidatos a estarem livres em Junho, com Luis Castro como referencia pouco fiável, a permanência de Lopetegui até Maio tem toda a lógica. Mesmo entendendo que o basco não é um bom treinador – e muito menos um bom treinador para o clube -  o cenário actual não convida ainda ao drama. O titulo é perfeitamente alcançável e deve ser, cada vez mais, a prioridade. Há plantel com qualidade suficiente para ser campeão nacional e o Sporting é um rival que já demonstrou que vive no fio da navalha na maioria dos jogos. Algum dia terá de tropeçar na sua própria ausência de ideias. Lopetegui começou o projecto e deve terminá-lo mas não o pode fazer só. Urge que a SAD tome públicamente uma decisão e apoie o treinador numa mensagem para tranquilizar os adeptos e, sobretudo, os jogadores. Lopetegui tem de sentir esse apoio de quem o elegeu, o elogiou e deu tudo o que pedia, e os jogadores devem saber que por muito que se rebelem, o cenário não vai mudar. Salvando as distâncias, naturalmente, Pinto da Costa tem de emular a Berlusconi - para bem do clube - quando este baixou ao balneario do San Siro, nas primeiras – e contestadas semanas de Arrigo Sacchi – disse aos jogadores a mitica frase “o treinador é escolha mina, foi escolha mina e continuará a ser escolha minha e ficará aquí para lá do próximo ano…já vocês, não sei!”.

Não há um conto de fadas com final feliz. 
A minha sensação pessoal é que Lopetegui deve ficar por isso mesmo, assumindo (tanto ele como as pessoas responsáveis pela sua contratação) todas as consequências no final da temporada, sem que o clube deixe, paralelamente, de procurar um rumo de sustentabilidade futura com outro homem do leme.

O título de campeão não vai salvar a posição de Lopetegui no clube e com os adeptos mas pode permitir uma saída menos traumática e menos negativa para uma instituição que apostou muito nele. Lopetegui foi uma eleição pessoal de Pinto da Costa e o seu fracasso é também uma mancha no currículo do presidente que iria no seu segundo treinador consecutivo a sair antes do final do ano. Seguramente um cenário que quer evitar. Para isso tem de tomar uma posição, apostar todas as fichas (e reputação) na sua aposta pessoal e fazer todos os esforços para que o clube até Junho trabalhe na mesma direção mesmo sabendo que no próximo ano talvez a nostalgia do pasado injecte algo do optimismo perdido em relação ao homem que ocupe a “cadeira de sonho”. 

39 comentários:

a pessoa disse...

Miguel,

Concordo com a ideia de que Lopetegui deve ficar. E eu sou dos seus maiores críticos aqui. No entanto, alguns pontos.

O Porto não se exibiu a grande nível contra o Chelsea. O Porto exibiu-se ao nível habitual, simplesmente o jogo correu de feição. É futebol, às vezes corre bem, outras corre mal.

Da mesma forma, continuas a menosprezar o Jesus. Mais uma vez falo do Jesus treinador, não do Jesus pessoa, que não interessa para o caso. Continuar a achar que Jesus faz o que faz por sorte ou só pelos árbitros é colocarmo-nos a jeito para continuar a ser derrotados por ele e é não ver o evidente: desde que Jesus está num grande, só lhe ganhamos quando tivemos treinadores no mínimo ao nível dele. De resto, perdemos sempre!

Isto para voltar a bater na mesma tecla: ideias e organização. Jesus tem algumas boas ideias e tem bastante organização. E isso é meio caminho andado para se ganhar mais vezes. O resto são os jogadores que jogam, os árbitros que apitam e a bola que entra ou que não entra (alguém duvida que o golo do Kelvin foi também a sorte a nosso favor?).

Concluindo: Lopetegui não deve ser substituído agora porque não há muito a fazer nesta altura, nem há substituto que interesse (Nuno ou Pedro Martins? por favor, não!!!). No entanto, o problema de Lopetegui continua a ser o mesmo e é onde ele está em desvantagem para o Sporting de Jesus: piores ideias e muito pior organização. Mas como são os jogadores que jogam, e o nosso plantel é muito, mas muito, melhor que o do Sporting, há uma esperança que se consiga "trabalhar todos no mesmo sentido", como dizes, e ser campeão.

Seja como for. É uma dor de alma ver o Porto jogar.
Aí abaixo, algumas das brilhantes "ideias" de Lopetegui explanadas.
http://onzeviolinos.blogspot.pt/2015/12/chelsea-fc-2-0-fc-porto-um-filme-de.html#more

JON

RuiG disse...

Desculpa lá estar a intrometer-me mas... "Paulo Sousa quer triunfar em Itália e a voltar a Portugal a sua preferencia é, claramente, assinar pelo Benfica". O_o
O homem é lagarto e pela forma como saiu do Benfica, os anticorpos que criou continuam bem activos. Pelo menos em mim :-D

Luís Pires disse...

concordo: forte abanão já, campeões em Maio e um aperto de mãos, amigos para sempre e até à vista :)
só não me falem é em Pedro Martins e outros estagiários, com o respeito que todos eles me mereçam, se queremos equipa de milhões não devemos contratar treinador de tostões.

Luis Vieira disse...

Comentarios destes nao trazem nada de novo. O que é preciso é mostrar a mesma vontade em apoiar a equipa. O Porto tem 2 derrotas esta temporada. 2... E caem todos em cima do treinador. É nestes momentos que o clube tem que se unir. Principalmente adeptos. Nos ultimos anos todos os treinadores foram contestados. Incluindo Vilas Boas, se nao se recordam.
Por isso acho que tambem ja é altura de os adeptos deixarem-se destas contestaçoes futeis e perceberem que isto não leva a lado nenhum. Criticar sim, mas construtivamente. Apoiar, SEMPRE.

imbictopoema disse...

Imbicto Miguel,

Da mesma forma como vim, da última vez, criticar negativamente a tua intervenção, venho agora fazê-lo de forma "positiva".
Infelizmente, a situação tornou-se insustentável e a ausência de qualquer reacção por parte da SAD só será satisfeita se as coisas voltarem a correr mal, na Madeira, deixando o treinador a apenas um deslize mais da saída; ou contra o Sporting, calando-se até lá, para afirmar que é o homem certo e que sempre confiaram nele.
Continuo a discordar de algumas linhas tuas, quando te referes à sua qualidade (ou falta de), preferindo concordar em absoluto com a questão do estofo, da teimosia e da falta de experiência. Creio que esse reflexo de incompetência de que falas foi hiperbolizado pelas circunstâncias - primeiro, do condicionamento do #colinho e depois pelas limitações que a teimosia e a experiência não lhe deram, como recentemente é demonstrável, já em TILT.

Resumindo, salvo qualquer efeito de derrota/ empate em cadeia, Lopetegui deve ficar até ao fim, como forma de repensar todo o modelo do FC Porto, do topo à base - mesmo que não acredite que tal aconteça vindo do imobilismo instalado - e que está, em parte significativa, na origem do desgaste do treinador no seu lado mais público, depois de no ano passado a direcção o ter mandado falar sozinho contra o #colinho; ainda porque, mudando 75% da equipa de ano para ano (o que parece um modelo de entreposto para ficar), é difícil que o Lopetegui, o AVB, o Mourinho, ou o Pedroto possam combater seja o que for, por clara falta de bases. E aqui está parte significativa da minha condescendência para com Lopetegui.

Mas há algo de que poucos falam e que toldará a posteridade: já ninguém respeita o FC Porto da mesma forma. Mea Culpa urge, da parte de todos, ou tudo continuará a fugir...

Imbicto abraço

Miguel Lourenço Pereira disse...

JON,

"Continuar a achar que Jesus faz o que faz por sorte ou só pelos árbitros é colocarmo-nos a jeito para continuar a ser derrotados por ele e é não ver o evidente: desde que Jesus está num grande, só lhe ganhamos quando tivemos treinadores no mínimo ao nível dele. De resto, perdemos sempre!"

O JJ é um treinador com 20 anos de carreira que na Europa - no nivel de máxima exigência - sempre se revelou um treinador de terceira. Nunca evoluiu, nunca deu um salto qualitativo. É aí que se mede o real valor de um treinador no futebol moderno, mais do que nunca.

O JJ serve perfeitamente, tanto pelo seu estilo de liderança como de conceitos de jogo, para a liga portuguesa, sempre lhe reconheci isso. Mas isso não faz dele um bom treinador.

Luís Vieira disse...

É pá! Habemus homónimo! Não confundir, porque considero a crítica acertada, embora com algumas nuances. Se depois de Alvalade a situação estiver igual ou melhor, que se mantenha até ao fim. Se estiver pior, vamos prolongar o sofrimento ou como se diz, algures, pela blogosfera, vamos "Paulo Fonsecar".

Filipe Sousa disse...

Não percebo a aversão a "treinadores de tostões" - como se o Porto algma vez tenha tido um "treinador de milhões" (à excepção talvez de Bobby Robson - mas que só veio parar ao Porto, por ter sido corrido do scp); não se pode defender todas as decisões do PC, e ao mesmo tempo querer o contrário do que ele faz - haja coerência.

Guilherme de Sousa Olaio disse...

Do que leio concluo que já vejo futebol há tempo demais.
Acerca do homem já escrevi na época passada ao que se resume o seu perfil como técnico: Confuso, desconhecimento profundo dos adversários, pouca empatia com o plantel e sobretudo uma característica inultrapassável; É UM PERDEDOR !
Esta semana foi crucial para a mudança. Perder o jogo com o Dínamo de Kiev foi imperdoável e arrumada a fase de grupos, uma boa ocasião para arrumar a criatura.
Esperar pela perda de pontos no Nacional e derrota com o ZBORDEN é submeter os adeptos a um doloroso calvário até ao fim da época.
Abraço

Pedro ramos disse...

1- "Num ano normal, sem #Colinho, o FC Porto teria sido campeão nacional. Mas isso seria apenas natural, inercia de um grande plantel onde o investimento foi mais relevante do que se quis assumir. Afinal, para um clube como o FC Porto dos últimos 30 anos o título já surgiu com equipas piores e treinadores medianos, graças à inteligencia e força de uma estrutura que já não existe."
Enquanto continuar a não existir uma estrutura e uma direcção o próximo treinador terá de ser o super-homem, logo qualquer equação a esse respeito é inútil enquanto o problema se mantiver.

2-AVB, Nuno, Carlos Martins, Lucescu. O que une estes treinadores? Não existe um qualquer modelo definido para o futuro da equipa, primeiro deveriam estar as ideias depois os nomes.

3-"O título de campeão não vai salvar a posição de Lopetegui no clube e com os adeptos mas pode permitir uma saída menos traumática e menos negativa para uma instituição que apostou muito nele."
Esta questão tem sido das mais dramáticas nos últimos anos e volto a dizer que a culpa é de um clube sem cabeça em que o poder está na rua.
Hipoteticamente, se Lope fosse campeao esta época qual era o balanço? Teria sido assim tão mal a sua estadia no clube?
Mas enfim quando VP é bi-campeão e mesmo assim isso nao serviu para o salvar a sua posição no clube e com os adeptos qual vai ser o super-homem que virá a seguir que o conseguirá?

Pedro ramos disse...

A verdade é que JJ garante uma quantidade de pontos fantástica no nosso campeonato, quer pelas ideias e organização das suas equipas, quer pela compreensão que tem do nosso campeonato desde o jogo aos bastidores e qualquer treinador que possa no futuro vir para o nosso clube irá ter que debater-se com isso.
Precisamos de um treinador que seja uma mais valia, que pelas suas ideias coloque a equipa mais perto de ganhar, enquanto JJ estiver cá não bastará um treinador ao nível de Lope que como o próprio Miguel reconhece não é o pior dos últimos 30 anos como por vezes tantos adeptos fazem passar.

a pessoa disse...

Eu não vou discutir a questão do Jesus na Europa. Isso é uma não questão. Ele foi a uns quartos na CL, perdeu várias vezes com equipas com muito mais argumentos (jogadores), perdeu outras com equipas com menos argumentos. Relembro que são os jogadores que jogam. Continuas, a meu ver erradamente, a achar que os treinadores têm varinhas mágicas e a meio do jogo "a luz tem de vir do banco". Isso só é possível se houver ideias, organização, treino... Não é dar a volta ao jogo com substituições milagrosas. Isso é jogar no casino... Não é ter muita fé e "ser Porto" e ter mística. Isso não existe se não houver qualidade!!!

Enfim, volto a dizer: não perceber que o Sporting está onde está hoje porque tem um treinador que, independetemente da personalidade, de ser uma besta ou não, tem ideias claras e as aplica com organização e que isso é uma ameaça grande para nós, é menosprezar o adversário... Isso já nos valeu ter deitado fora um treinador bi-campeão, portista, e com muita qualidade.

O Lopetegui tem muitos problemas. Um deles é ele próprio, à imagem de muitos adeptos, não entender que tem um adversário com muita organização e que isso é muito difícil de derrotar, para além de achar que nunca erra e o seu método é infalível.

PS: Antes que me ataquem com os árbitros, ou com o facto de o Jesus ser boçal, um porco, ou troglodita, sublinho isto: eu também acho que houve muito colo o ano passado e não só; eu também acho que o Jesus é um cromo. A questão não é essa. A questão é que contra ele só ganhámos quando tivemos treinadores no mínimo ao nível dele e isso é inegável!

João disse...

O Miguel tem uma série de certezas sobre uma data de coisas. Qual é a sua fonte para dizer que Marco Silva tem uma cláusula que o impede de treinar em Portugal nos próximos 2 anos, depois de ter saído em litígio? Ou que Paulo Sousa gostaria de regressar a um clube que pouco lhe disse na altura de sair e que hoje institucionalmente não o pode ver pintado?

José Correia disse...

«Com os principais candidatos a estarem livres em Junho, com Luis Castro como referencia pouco fiável, a permanência de Lopetegui até Maio tem toda a lógica

Tendo a concordar com esta opinião/posição do Miguel.

O problema é se as coisas continuarem tremidas, ou mesmo piorarem, dentro das 4 linhas.

A contestação ao treinador não é algo de inédito no FC Porto, bem pelo contrário. Contudo, no caso de Lopetegui, atingiu um nível e até uma agressividade verbal, fora do normal.

O que fazer se o FC Porto perder mais pontos até ao decisivo Sporting x FC Porto?

O que fazer se o FC Porto for derrotado em Alvalade e sair desse jogo a 5 ou mais pontos da liderança do campeonato?

Temo que numa circunstância destas, seja muito difícil, para não dizer quase impossível, a SAD conseguir aguentar o Lopetegui até ao final da época.
E porquê?
Porque a contestação ia atingir níveis insuportáveis.

reine margot disse...

Claro que manter o treinador agora passa a ser a opção de todos o que acham desde o início que ele é uma merda ! Como não há nenhum Ancelotti que queira vir, como as alternativas dos tostões podem rapidamente ainda ser piores, vai que à cautela mais vale manter este !
"Olhem, é o nosso fado! Uma merda com que tem de se levar! que fazer, nunca foi a nossa escolha, mas... não somos nós que mandamos!"

Vamos ser coerentes: ou queremos um treinador de milhões porque queremos uma equipe para se bater em todas as frentes, e estamos dispostos todos a contribuir com uma cota extra-extra, ou vamos pensar no que podemos ter e como continuar a tentar fazer omoletes sem ovos! ...

Todo o resto é um exercício teórico que não nos leva a lado nenhum!

Lembram-se do prof. Jesualdo? pegou em vários jogadores de idade de formação, jeitosos mas mal ensinados, e transformou-os em grandes jogadores. Sempre debaixo das mais duras críticas! Foi embora enchovalhdo pelos adeptos da cultura de exigência! E, olha só quem veio a seguir ? O Deus todo poderoso. - Que aconteceu ao Deus todo poderoso? Mal viu que estava valorizado, pisgou-se daqui ! Não podia deixar passar aquela oportunidade!
- Vai ser diferente com outros ? -

José Correia disse...

«Pinto da Costa tem de emular a Berlusconi - para bem do clube - quando este baixou ao balneário do San Siro, nas primeiras – e contestadas semanas de Arrigo Sacchi – disse aos jogadores a mítica frase “o treinador é escolha mina, foi escolha mina e continuará a ser escolha minha e ficará aqui para lá do próximo ano… já vocês, não sei!”.»

E será que Pinto da Costa quererá emular esse episódio de Berlusconi?

Na madrugada da última quinta-feira, sabendo, ao aterrar em Pedras Rubras, que estavam umas dezenas de adeptos descontentes à espera da comitiva, Pinto da Costa fez questão de sair ao lado do treinador?

José Correia disse...

«Leonardo Jardim não quer voltar a Portugal e quando sair do Monaco será para a liga espanhola ou inglesa»

Eu não sou grande adepto do modelo de jogo de Leonardo Jardim, mas reconheço-lhe competência (e experiência) para treinar o FC Porto.

Ora, sabendo que é um treinador que já esteve (está?) referenciado pelos dirigentes do FC Porto, não me admiraria que fosse um dos nomes em carteira.
E, além disso, penso que o representante de Leonardo Jardim é o Jorge Mendes, certo?

SUMO disse...

se o Pinto da Costa desce ao balneário e diz isso, mais de metade dos jogadores esfregam as mãos de contentes pois muitos deles querem é mesmo sair no próximo ano...

John disse...

Nunca comentei aqui, mas também nao gosto do que vejo no FCP aqui vai. Vocês acham que se o Lopetegui ganhar o campeonato e quem sabe mais coisas, tendo contrato para mais uma época, o Pinto da Costa o deixaria ir embora? Não me parece. Se é para continuar a exibir o futebol desde que cá chegou, então vou torcer para que caia na Madeira. Já não posso com o homem a todos os níveis. O homem não é nenhuma vítima, é um privilegiado que teve planteis como nenhum outro, após as transferências da praxe e quanto à contestação já se esqueceram às feitas ao Paulo Fonseca com 4 ou 5 meses e eram muito mais agressivas, com esperas ao autocarro, petardos para além de faixas no estádio e aplausos aos adversários em pleno Dragão. Se para voltarmos a ter futebol que se veja, pelo menos um fio condutor, perdas de pontos sejam necessárias eu torço por isso, pois acredito que no plantel há matéria prima para fazer muito mais sem necessidade de reforços a não ser na parte técnica. Estou farto. Vai aprender vai aprender e é sempre a mesma coisa. A desculpa das arbitragens é patético, pois o FCP sempre viveu bem com isso até com planteis piores, nem durante o Apito Dourado deixou de ganhar e esmagar como fez Villas-Boas e isto com o Benfica recheado de bom jogadores e não este recauchutado. Que mostre futebol ou vá embora.

Lucho4EVER disse...

Era o Bielsa que esta sem clube...

Luís Vieira disse...

Voilà!

Luís Vieira disse...

Não fez, mas acho que teve mais a ver com questões práticas, designadamente de saúde, do que propriamente com uma qualquer mensagem. É raro ver o Presidente no "campo", agora, isso fica para outros, tipo Antero Henrique. Para além de que, no dia seguinte, PdC esteve no treino.

miguel.ca disse...

A saída do Lopes só por si não resolve nada! Quem deve sair o mais rapidamente possivel é Pinto da Costa! O seu tempo já acabou há mais de 10 anos.

Miguel Lourenço Pereira disse...

"Enfim, volto a dizer: não perceber que o Sporting está onde está hoje porque tem um treinador que, independetemente da personalidade, de ser uma besta ou não, tem ideias claras e as aplica com organização e que isso é uma ameaça grande para nós, é menosprezar o adversário... Isso já nos valeu ter deitado fora um treinador bi-campeão, portista, e com muita qualidade. "

Isso é indiscutivel como ja o era no Benfica. Mas nem sao as ideias que eu gostaria de ver aplicadas no FCP nem sao ideias que sirvam para mais do que ser competitivo e eficaz em Portugal.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

1) de acordó
2) um problema antigo
3) sairia com um titulo e um alivio para a estrutura mas a incapacidade de conectar com adeptos e balneario nao tem arranjo. Esta numa situaçao similar á do VP com a diferença que o VP saiu com 2 títulos em 2 anos e ele corre o risco de sair, com muito melhor plantel, sem nenhum

Miguel Lourenço Pereira disse...

Joao,

Se fosse contar em caixas de comentarios de blogues as minhas fontes elas deixa-lo-iam de ser rápidamente.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Exactamente Zé e, seguramente, tem cartel já na Europa para provar outras ligas em vez de voltar para Portugal.

João disse...

Só acho estranho porque, e principalmente a ser verdade o caso de Marco Silva, não seria propriamente difícil que as suas não fossem fontes únicas e isso já tivesse vazado para a comunicação social.

Tenho sérias dúvidas que o Sporting forçasse essa cláusula quando, e se bem me recordo, Rui Vitória já estava apresentado e a sua base para despedimento por justa causa não era propriamente sólida. Do que me é dado a saber, naturalmente.

Luís Pires disse...

Filipe, se se refere a mim (desculpe a imodéstia, mas fui eu quem falou em "treinadores de tostões"), o que penso é que temos agora seguido uma via diferente da que seguíamos até aqui.
antes contratávamos barato jogadores e treinadores promissores, na expectativa de que explodissem em 2/3 épocas e pudessem ser transferidos gerando uma boa mais-valia.
actualmente temos ido buscar jogadores já com algum nome (Tello, Brahimi...) ou mesmo com nome firmado (Casillas, Bueno, Osvaldo), que pressupõem um forte investimento, a tal equipa de milhões (penso eu, mas a Doyen saberá melhor).
gerir um grupo de jogadores destes não me parece que seja trabalho para um treinador em início de carreira (de tostões), já lá vai o tempo em que pensávamos que iríamos descobrir um José Mourinho em cada esquina.

p.s. se me conhecesse saberia que pintodacostista seria a última das coisas de que me poderia acusar.
cumprimentos :)

Jorge Vassalo disse...

Villas Boas deus 15M a ganhar ao Clube quando praticamente nenhum treinador rendia dinheiro. Até parece que desapareceu num dia sem dar conta a ninguém....

Foi dos anos que mais prazer me deu ver o FC Porto a jogar.

Abraço

Paulo Marques disse...

O Jesus é tão fantástico que sem colinho nunca tinha ganho nada.

Aires disse...

Excelente texto! Pela primeira vez desde quarta-feira encontro aquilo que acho ser um retrato real do que se passa no FCP e as consequências que poderá originar. Concordo a 90%. Apenas discordo da ideia de que se Lopetegui ganhar o campeonato, será na mesma despedido. Creio que tal não vai acontecer. Lopetegui assinou por 3 anos (em vez dos 2 normais) e se for campeão, PC prova que ganhou a aposta e por isso o manterá ainda por mais 1 ano, ou pior que isso, renovar-lhe-a o contrato. Ser campeão é algo que acho impossível com este treinador. Caminhamos para lutar pelo 2º lugar. A situação infelizmente só tende a piorar. Espero que o Porto amanha empate ou perca, para ver se o treinador é corrido. Aí sim, se isso acontecer, ainda teremos hipóteses de sermos campeões. Com este plantel, Luís Castro faria muito melhor. Este plantel não se compara aquele que o Luís Castro teve depois de substituir o Fonseca! Isso parece-me crucial! Lopetegui é para mim pura e simplesmente um amador. PC começa a descobrir que escolheu um taxista (com todo o respeito) para guiar um F1.

Francisco Paulos disse...

Só não vê quem não quer que com este curioso não ganharmos nada. Nesta altura da época ainda anda com invenções de táticas das quais nem os jogadores estão a par. São exibições vergonhosas que nos fazem corar de vergonha. É ver a exibição de Tondela em que só a sorte e a azelhice do marcador do pênalti nos salvou.O Moreirense e agora a cereja no topo do bolo em Chelsea. O homem é um curioso arrogante que nunca tem culpa de nada e não aprende com os erros. Ter saído ontem já era tarde e o PC que tanto dele gosta pode acompanha-lo.

agostinhop disse...

Esta análise está toda muito bem mas falha o essencial.O FCP tem de virar a página e voltar a mostrar ambição e vontade de vencer. Isto só acontece, com uma solução. Uma nova liderança para o clube. A liderança actual está envelhecida, criou vicios pouco recomendáveis e já não assusta os adversários.

José Correia disse...

"...acho que teve mais a ver com questões práticas, designadamente de saúde..."

Caro Luís, não acredito que tenha sido por razões de saúde, que Pinto da Costa não saiu no aeroporto ao lado de Lopetegui. Mas, se foi essa a (forte) razão, então parece-me que Pinto da Costa não tem condições para, em Abril de 2016, se candidatar a um novo mandato de três anos.

José Correia disse...

"...no dia seguinte, PdC esteve no treino"

Hoje em dia estar no treino não significa nada.

O centro de treinos do Olival é um ambiente protegido. Não tem adeptos, nem gritos de contestação.

José Correia disse...

Miguel, eu se fosse o Leonardo Jardim, preferia treinar o FC Porto, do que uma equipa do meio da tabela do campeonato inglês.

Luís Vieira disse...

Eu também não sei se foi, José, mas acredito que sim, porque desde que houve os episódios no hospital, o Presidente tem-se resguardado e não aparece em situações de crispação. Como no dia seguinte esteve no treino, interpretei isso como o apoio que quis dar tacitamente ao Lopetegui. Se lá não tivesse ido, então, seria uma mensagem ao treinador.

Carrela disse...

Apesar de continuar a ver qualidade/capacidade em Julen para chegar ao sucesso.
É um artigo de qualidade e coerente!

cumps