quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

O Respeito

Carlos Pereira é um dos dirigentes mais antigos e rasteiro do futebol português. 
Pertence àquela geração curtida no anti-portismo mais primário e nunca escondeu o desprezo e o desdém pelo clube sempre que teve a oportunidade. Tentou boicotar tudo e qualquer negócio que pudesse envolver jogadores entre o Porto e o Maritimo, desde os dias de Bruno a Pepe passando pelo caso recente do Djalma e do Kléber. Este tipo de dirigentes é comum no futebol português mas não o era no palco do Dragão onde habitualmente as persona non gratas eram tratadas como tal, por respeito ao clube. Na ressaca da derrota previsível com o Maritimo – uma equipa que ganhou um jogo porque foi a única que o levou a sério, ao contrario do discurso triunfalista de Lopetegui sobre a vontade de vencer um torneio que não serve para nada – o mais chocante não foram os assobios, a forma como Lopetegui praticamente queimou dois putos da equipa B. Foi ver Pinto da Costa em amena e simpática cavaqueira com o homem que cuspiu sempre que teve a oportunidade no Futebol Clube do Porto.



Todos sabemos a esta altura do campeonato que Carlos Pereira permanece no cargo de um clube que roça quase sempre lugares europeus graças ás suas boas conexões como o governo regional – que num caso único em Portugal sustentou durante anos a fio desportivamente os seus clubes, uma especie de doping financeiro pago por todos para manter essa sobrerepresentação da ilha na elite – e com os clubes de Lisboa, a quem sempre quis fazer favores. 
Todos sabem onde treinam o Benfica e o Sporting quando vão jogar à Madeira. E todos sabem que é no Seixal onde o Maritimo treina sempre que vem jogar a Lisboa ou Setúbal, com todas as comodidades de um bom amigo. Não é algo que escandalize neste país, não é algo que surpreenda como também não surpreende os laços familiares que Pereira teve com certo presidente da Liga.
Mas é algo que se sabe. E se qualquer um de nós o sabe, nos escritórios do Dragão estão fartos de o saber. Também sabem o hábito que tem Pereira de torpedar contratações do FC Porto – a mais recente, um interesse real em José Sá, internacional sub21, antes da formalização da aposta em Gudiño para o pos Casillas – e de usar as assembleias da Liga para manifestar a sua posição. Há poucos dirigentes em activo em Portugal que mereçam menos um lugar na tribuna do clube. E no entanto ali estava ele, como se fosse um velho amigo, ao mesmo tempo que todos pareciam alheados ao naufrágio (outro) da equipa. 
Nem o caso Danilo se salva nesta equação. Carlos Pereira queria Danilo no Sporting mas o seu problema (e o real motivo porque Danilo é hoje jogador do Porto) é que o passe do futebolista já pertencia ao Portimonense, graças à intervenção de Teodoro Fonseca, um nome com quem o Porto se dá muito bem e que mediou o negócio de Hulk. O Porto nunca teve de negociar absolutamente nada com Pereira e com o emblema madeirense para garantir os serviços do jogador.
Para quem quiser ler mais e refrescar a memória sobre este personagem e o seu ódio ao clube basta reler isto ou isto



O que faz então Pereira a ser tratado como um VIP no palco presidencial do Dragão. Não há necessidade de “teatro” como poderia existir se o clube estivesse à procura de liderar a centralização colectiva dos direitos televisivos e fosse necessário um gesto de "realpolitik" como já houve com Pimenta Machado ou Valentim Loureira, personagens de quem, apesar dos problemas, Pinto da Costa era amigo pessoal. Não há no plantel do Maritimo actual nenhum jogador que gere um interesse real e as relações dos insulares com o Benfica continuam de vento em popa. Realmente, o que houve ontem no palco do Dragão foi uma imensa falta de respeito ao clube, a quem nele trabalha e a quem o apoia, tratando com honras um individuo sem nível que se dedicou os últimos vinte anos a insultar o FC Porto e os portistas. Por gestos assim, que já passaram recentemente, nomeadamente no tratamento com a SIC (que com o infame programa Donos da Bola fez audiência pura e simplesmente baseando-se no insulto gratuito ao clube) e com jornais como A Bola ou Record (convidados para as galas do Dragão de Ouro como se nada fosse) – no mais inoportuno dos momentos, com o público virado para o banco com as navalhas afiadas na boca – esta é a pior mensagem possível a enviar aos sócios e simpatizantes do clube. Parece que vale realmente tudo e nem sequer aqueles que fizeram carreira praticamente à custa de tentar denegrir o maior clube português nos últimos quarenta anos de história recebem o tratamento que se merecem.

O FC Porto está acima de todos e isso é cada vez mais evidente. Em particular, o FC Porto está acima de todos os que se esquecem o que é o clube e que ignoram a sua história vá se lá a saber o porquê para dar a mão a quem nos a quer arrancar.  

12 comentários:

Helder Oliveira disse...

eu tambem o disse, quando vi pinto da costa com o irrevogavel paulo portas, no jogo penso bayern vs FCPORTO,pelo que me da a perceber,o pinto da costa vai deixar o clube mais ou menos como o encontrou, com fome de titulos,e saira como o encontou o FCPORTO a dar-se bem com todos,claro porque nao ganha.boas festas

Doscas disse...

Curioso não ser referido o último caso de índole semelhante, o de Rui Rio no Dragão Caixa. Ontem, ao ver Carlos Pereira entre PC e sua parceira, perguntei-me como era possível não permitir a entrada de RR no Dragão Caixa para um evento alheio ao clube, um presidente da CMP que pouco ou nada mais fez contra o FCPorto que separar a política do futebol, mas receber este senhor como nada se passasse. Algo muito estranho se passa...

miguel.ca disse...

E ao que parece, PC ainda se vai candidatar a mais 4 anos. Se o conseguir, vai arruinar e destruir até à base tudo o que de bom fez. Se os Portistas não se unirem agora para fazer cair PC e aquela cambada de comissionistas no final deste mandato, a choradeira e assobios que se ouvem agora vão parecer música daqui a 4 ou 5.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Ironia das ironias foi, precisamente, criticando a ligação de Américo de Sá com o então CDS - pelo qual era deputado - que Pedroto e Pinto da Costa afirmaram convictamente que o FCP jamais se deveria associar politicamente com qualquer personagem do circuito governamental e legislativo...those where the days...

Miguel Lourenço Pereira disse...

Rui Rio é um personagem execrável e fez tudo o que pôde para prejudicar o FC Porto (e a cidade também) e se por mim fosse era persona non grata no Dragão ad aeternum. Um estádio que, se fosse por ele, não existia.

No entanto, a falta de civismo e espirito democrático do FC Porto preocupa e muito. Rio era um convidado de um espaço que alugou - assinando um acordo de aluguer como de direito - e das duas uma, ou o FC Porto tem de ter cuidado a quem aluga os espaços (deixando claro ANTES de assinar os contratos as suas clausulas) ou então tem de fazer com que os menos se cumpram, estando Rui Rio ou o Diabo na palestra. É o minimo que se exige a uma instituição que deve sempre, mas sempre, cumprir a sua palavra.

Pedro ramos disse...

Infelizmente o clube não tem uma direcção à vários anos, e é saco de pancada de tudo e todos, desde os inimigos de sempre aos próprios adeptos.
Tenho todo o respeito por PC, mas infelizmente vai acabar com o seu próprio legado porque não soube ou não quis retirar-se em tempo próprio. Hoje ninguém sabe verdadeiramente quem reina e lá dentro ninguém quer saber do clube apenas de negócios.

Com muita mágoa cada vez resta menos do clube que aprendi a gostar, desde o topo até aos adeptos.

DC disse...

O problema não é PdC, é quem o rodeia. E saindo PdC, os abutres ficarão quase de certeza.

Saci Pererê disse...

Nunca pensei ler isto de um portista. Estamos mesmo no final de uma era. Nem Rui Rio nem o Guardanapo, os dois não merecem sequer ser tratados com respeito, porque nunca respeitaram o clube nem os seus sócios e adeptos.

Esta coisa de achar que se pode dar a outra face e que só nos faz mais nobres, é uma mentira. O que nos faz mais nobres é ter um carácter e ser educado e respeitador com os que nos respeitam e são educados connosco. Os outros não os temos que receber, e devemos deixa-los de mão estendida, porque quem não sente, não é filho de boa gente, o resto é compadrios e conveniências de quem não tem tomates para assumir uma posição.

miguel.ca disse...

Não ficam não. Toda a Administração é escolhida pelo Presidente eleito.

meirelesportuense disse...

Concordo com Saci Pererê, ignorar a presença do RR no Dragão Caixa seria politicamente correcto, mas não era de desprezar a oportunidade concedida por terceiros, de o poder magoar e achincalhar. Aliás como já aqui o disse ele não merecia outra coisa e a SIC aproveitou, melhor, tentou, mas não o conseguiu, aproveitar o evento para aborrecer o Porto com a presença do gelatinoso língua de trapos e ditador de pacotilha. Porventura até seria preferível deixá-lo lá ir e convidar os Super Dragões para assistir ao evento...Gostava de ter assistido à fuga do Rui Rio para os balneários e manter-se lá trancado durante uma semana...Sim. porque em tempos recentes que eu recordo bem, ele decidiu ir para Viana numa viagem de fuga estratégica!...E lá permaneceu uma semana.

Paulo Marques disse...

A culpa é do Lopetegui que o pôs a jogar.

Francisco Paulos disse...

De facto PC já não é o que era e estas ultimas visitas de pessoas não gratas envergonham qualquer adepto com memória. O ultimo grande serviço que PC podia fazer ao clube era não se recandidatar, mas o fim do mês sabe tão bem.Vai acabar por estragar tudo que de bom fez e ser lembrado como a Amália pelas tristes figuras que no final fez por não ter sabido retirar-se a tempo. O Porto é dos sócios é não de quem casualmente o dirige.Tempo demais à frente do que quer que seja faz ter tiques de ditador e arranjar tachos para a familia como se comprova no presente caso.Estamos a bater no fundo e a orquestra continua a tocar como se nada fosse