sábado, 27 de fevereiro de 2016

Plantel de sonho? Vamos lá falar de realidades

No inicio do ano não foram poucos os que falaram em plantel de sonho. Um plantel para ser campeão com facilidades - beneficiando da debilidade do Benfica pos-JJ e das fraquezas do Sporting - e até brilhar na Champions. Um plantel com o jogador dos 20M - Imbula - com o vencedor de tudo o que há para ganhar - Iker Casillas - com o lateral direito que vinha da Luz e mais mil e um malabarismos sem sentido. Ficou evidente desde Agosto que o plantel podia ser o mais caro de sempre - em investimento, em massa salarial paga - mas distava muito de ser o mais equilibrado e o melhor do Porto recente. Que o herói dos primeiros meses tenha sido um dos jogadores mais subvalorizados no mercado - André André - explica muito. Sem jogadores de primeira fila (não há um só), sem goleadores natos, sem criativos, sem extremos de qualidade, sem centrais de nível (qualquer nível) e sem referências histórica, este é, realmente o plantel que melhor exemplifica a péssima gestão de um clube sem Director Desportivo e uma ideia de futuro para lá do negócio comissionista. 

Se dúvidas houvesse - e há ainda quem ache que o plantel era bom, o treinador é que o estragou, como alguém quis vender numa entrevista televisiva - os últimos jogos e o mercado de Inverno deixaram claro a realidade. Portanto vamos fazer um desafio. Peguemos no onze titular (um onze aproximado porque houve anos em que vários jogadores acumularam o mesmo número de jogos) de cada um dos anos pos-Mourinho, respeitando assim o espirito do futebol moderno, dos negócios da SAD e dos ciclos curtos para não desvirtuar, e vamos fazer um exercicio. Quem, do onze tipo actual, que vamos definir, é melhor do que o titular desse ano. E ao contrário, quem desse ano, é melhor do que existe agora? 

Haverá debate, naturalmente, porque os gostos são assim. Haverá casos em que o jogador no papel podia ser melhor ou pior do que foi na prática, em que os diferentes sistemas de jogo (em quase todos os anos prevaleceu o 4-3-3) podem potenciar um ou outro jogador, mas no final creio que chegaremos todos à mesma conclusão. Não há, no plantel actual, nenhum jogador que seja melhor que qualquer outro futebolista que ocupou o seu lugar desde 2004. Nenhum. Nem um, nem cinco, nem dez. E não havendo individualmente nenhum jogador melhor - e sendo quase todos os indivíduos de anos prévios superiores - lá se vai a teoria que a SAD ajudou a vender de que este é um grande plantel quando, na prática, não é mais do que a continuação da politica de desvalorização pós 2011, compensada no ano passado pelo empréstimo de jogadores dos grandes clubes espanhóis.



Partimos então da premissa de que o 11 tipo de 2015/16 é o seguinte:
Casillas: Maxi, Marcano, Indi, Layun; Danilo, Ruben, André André; Corona, Brahimi, Aboubakar.

E vamos ver agora (com negritos nos jogadores que considero melhores que os actuais) como estivemos nos últimos doze anos.

2004/05
Baia; Seitaridis, Jorge Costa, Pedro Emanuel, Nuno Valente; Costinha, Maniche/Meireles, DiegoQuaresma, Derlei; Luis Fabiano/McCarthy

Neste ano de transição pos-Gelsenkirchen( e com um mercado de inverno mexido), é evidente que o nivel dos laterais não foi o melhor e que Derlei/Postiga/Carlos Alberto não estiveram à altura mas o rendimento do eixo da defesa (com a chegada de Pepe) e de Quaresma e Diego (ainda que algo irregulares) esteve por cima dos restantes.

2005/06
Baía/Helton; BosingwaR. Costa/P. Emanuel, Pepe, Cech/Peixoto; Assunção, Lucho, Meireles/JorginhoLisandro, Quaresma, Almeida/McCarthy;

Foi o ano em que Helton se assumiu como referência, que Pepe, Meireles e Bosingwa se fizeram com a titularidade e que chegaram Lucho e Lisandro ao melhor nível. Voltamos a fracassar no ataque e na ala esquerda mas a qualidade geral era positiva. A maior parte do ano jogou-se em 3-4-3, uma das raras variações. 

2006/07
Helton; Bosingwa, Pepe, B. Alves, Fucile/Ezequias; Assunçao, Lucho, Meireles/Anderson; Alan/Postiga, Quaresma, Lisandro;

É difícil olhar para o onze do primeiro ano de Jesualdo e encontrar elementos piores que o actual, num ano onde o Porto não foi sequer excepcional. A qualidade média era claramente superior à actual e Quaresma e Lucho estavam na sua melhor versão. 

2007/08
Helton, Bosingwa, Stepanov/P. Emanuel, B. Alves, Fucile/Lino; Assunçao, Lucho, MeirelesQuaresma, Lisandro, Tarik/Postiga

Mais um título, excelente fase grupos Champions e uma equipa extremamente bem trabalhado com mais valias individuais em quase todos os sectores. O lateral esquerdo e o ponta-de-lança continuavam a ser os únicos problemas evidentes. A sucessão de Pepe também parecia complicada.




2008/09
Helton, Fucile/Sapunaru, Rolando/P. Emanuel, B. Alves, Cissokoh; Fernando, Meireles, LuchoLisandro, Hulk, C. Rodriguez/Farias

Excelente negócio com Cissokoh, afirmação de Rolando, Fernando e de Fucile (no lado direito) e chegada de Hulk para o lugar de Quaresma. No melhor ano europeu pos-Gelsenkirchen o grande problema era o banco.

2009/10
Helton, Fucile, Rolando/Maicon, B. Alves, A. Pereira/Sapunaru; Fernando, Meireles, Guarin/C. Rodriguez; Hulk, Varela/Mariano,Falcao

Com Falcao chegou o substituto ideal de Lisandro mas a ausência de Lucho (Guarin não funcionou) foi determinante juntamente com o escândalo dos túneis para evitar o Penta. Hulk deu um passo em frente. O sub-rendimento de Meireles não ajudou e o jogo lateral foi igualmente tibio. 

2010/11
Helton, Fucile/Sapunaru, Otamendi, Rolando/Maicon, A. Pereira; Fernando, Guarin, Moutinho, Hulk, James/VarelaFalcao

Pinto da Costa disse que qualquer um podia ser campeão com esta equipa e talvez tivesse razão. Foi o pico do investimento em jogadores de qualidade com a chegada de Moutinho (chave) e James (decisivo) e o culminar do trabalho de desenvolvimento iniciado por Jesualdo. A ala direita e o inconstante Guarin os únicos "senões". A partir de aqui gastou-se mais do que nunca, comprou-se pior do que nunca.

2011/12
Helton; Danilo, Otamendi, Mangala,Alvaro; Fernando, Moutinho, Guarin/LuchoHulk, Varela, James/C. Rodriguez; 

O primeiro ano VP sofreu da hemorragia pos-Dublin que se prolongou em Janeiro. O regresso de Lucho foi determinante bem como o ano de Hulk na frente de ataque onde os problemas se multiplicavam quando James não estava. Os dois primeiros sectores de jogo eram o verdadeiro motor da equipa.

2012/13
Helton; Danilo, Otamendi, Mangala, AlexFernando, Lucho, Moutinho; JamesJackson, Atsu/Defour; 

No último ano de VP a qualidade do plantel era irregular mas o onze titular era fortissimo até ao último terço. Todos os jogadores superavam com solvência os actuais mas sem opções nas alas (Defour, Varela e Atsu nunca deram o nível, idem para Kelvin e Sebá), Jackson vivia demasiado só à frente.

2013/14
Helton; Danilo, Mangala, Maicon/Otamendi, AlexFernando, Herrera, Lucho; Lica, Varela, Jackson;

Um ano desastroso mas onde a qualidade individual superava claramente os problemas de jogo de Fonseca e Castro e houve muitos jogadores em subrendimento (Otamendi mais do que nenhum outro). A equipa começou o ano em 4-2-31 com Lucho como pivot ofensivo. Nas alas faltavam ideias, Herrera era um desnorte mas a defesa - no papel - era muito superior à actual. E claro, havia golo!

2014/15
Fabiano; Danilo, Marcano, Maicon, Alex; Casemiro, Ruben/Herrera, Oliver, Tello, Quaresma, Jackson

Fabiano era um karma, Marcano nunca foi seguro e Ruben/Herrera são os únicos que mantêm o mesmo nivel oscilante para este ano. O subinvestimento foi paliado pelos empréstimos de Casemiro, Oliver e Tello e pela não venda de Jackson no verão anterior.  


Grosso modo:
- Não houve um só ano em que não houvesse, pelo menos, seis jogadores no onze tipo melhores que os actuais.
- Só um ano (2009/10) há cinco jogadores no plantel piores que os actuais nas suas respectivas posições a titulo individual
- Com dois jogadores piores que o plantel actual temos 5 temporadas num total de 11 analisadas (06/07; 08/09; 10/11; 11/12, 12/13): Quase um 50%!
- Desde os anos de AVB/VP a qualidade tem decaído evidentemente no 11 titular tipo.
- Este - o de 2015/16 - é claramente o pior plantel do FC Porto pós 2004. O que significa que, na prática, é o pior plantel do FC Porto desde, como mínimo, 2001/02. Já lá vão quinze anos!
- Ironicamente, é também um dos planteis mais caros (no investimento) e na massa salarial (que sofreu um ajuste mais do que necessário com o mercado de Inverno)

25 comentários:

Hugo disse...

Salvo pequenos pormenores, estou inteiramente de acordo

Alexandre O. disse...

Mais do que discutir se estes jogadores tinham lugar em equipas de anos anteriores, vale a pena pensar que plantel terá na próxima época e que jogadores deste plantel podem ser vendidos de forma a equilibrar contas.

O mais triste desta história é olhar para o plantel e ver apenas Danilo e Brahimi como jogadores que podem render vendas acima de 20 M€, todos os outros a acontecer só poderão ser negócios duvidosos em que intervenham empresários e se paguem os favores mais tarde.

O FCP deixou há muito de apostar na formula vencedora de comprar no Brasil e na Argentina, para passar a Espanhois, Mexicanos e Europeus de 2ª categoria.

Os inexplicáveis 8 Milhões por Reyes, por Indi até aos absurdos 18 Milhões por Adrian ou 20 Milhões por Imbula.

Para a próxima época, mais uma vez, vamos reconstruir toda a equipa, acredito que desde o Guarda redes até ao Ponta de Lança, com o actual critério de compras não auguro nada de bom .

Deco disse...

O FC Porto começou a época com um excelente plantel, não me venham com histórias da Carochinha. Nunca o FC Porto teve um plantel tão completo, com tantas opções de qualidade como teve esta época.

Tinha Casillas, um dos guarda-redes mais titulados da história, e para suplente, imagine-se, o anterior titular, Helton, um guarda-redes de créditos firmados. Para lateral direito Maxi Pereira, desviado do rival e também um jogador de nome consolidado no futebol nacional. A sua alternativa seria Layun que também joga na direita.No centro da defesa Maicon, Marcano e Indi. Destes só Indi ainda não provou o seu valor no FC Porto mas já tem muitas internacionalizações pela Holanda. Na esquerda Layun (a supresa da época), Cissokho e Angel. Médios defensivos: Danilo e Rúben Neves, dois craques sem sombra de dúvidas. Para as duas outras posições do meio-campo havia muitos jogadores: Imbula, a contratação mais sonante, Herrera, André André, Evandro, Sérgio Oliveira e talvez Bueno. Se os titulares fossem Imbula e Herrera teriam custado juntos quase 30M de euros, um valor anormal para o FC Porto e por isso teriam de ser grandes jogadores. No trio atacante era só escolher, Brahimi, Corona, Tello ou Varela para as alas, Aboubakar ou Osvaldo para o centro do ataque. Nas alas o talento abundava sendo que o FC Porto nunca na sua história teve uma quarta opção da qualidade de Varela. No ataque Aboubakar prometia muito e tem qualidade, como demonstrou nos primeiros meses da época. O seu suplente era Osvaldo um jogador que já tinha mostrado a sua valia em ligas superiores como a espanhola ou a italiana.

No papel este elenco era excelente. O FC Porto está habituado a ter 11 bons jogadores e depois mais dois ou três no banco. Este plantel quase dava para fazer duas equipas de qualidade para o nosso campeonato.

O problema foi que muitas coisas correram mal, a começar pelo treinador. Lopetegui foi uma enorme desilusão, um treinador muito limitado que já foi muito analisado. Depois também muitos jogadores não corresponderam às expectativas (na minha opinião sobretudo pela falta de qualidade do treinador). Imbula foi também um enorme flop, Aboubakar acabou por perder fogo e até hoje ainda não se encontrou. Tello não conseguiu agarrar a oportunidade, Osvaldo foi também um flop que nem para suplente serviu, Cissokho esteve a anos-luz do que já fez neste clube.
Todos os jogadores foram prejudicados pelo mau momento da equipa (culpa do treinador), aos já referidos acrescento Brahimi, Corona, Herrera, Maicon, Marcano e até Casillas.

Conclusão: com um treinador em condições as coisas teriam sido muito diferentes. A SAD também merece menção porque tem andado a investir muito dinheiro em jogadores que acabam por não corresponder às expectativas, casos de Diego Reyes, Juan Quintero, Hector Herrera e Martins Indi. Demasiados erros para um clube com as nossas finanças.

Jorge Gonçalves disse...

Miguel, mais uma vez, na mouche!!

Francisco Paulos disse...

Plantel limitado e sem categoria. Há jogadores que nem na B têm lugar.A Sad é a única culpada deste descalabro e nem em Janeiro corrigiram.Têm de sair que já estão a mais.

Curioso disse...

Para mim os problemas de má utilização de recursos financeiros pela SAD são de vários tipos: 1. Os montantes investidos nos jogadores com hipóteses teóricas de singrar no Porto, caso desses 4 internacionais As ou olimpicos o que dá alguma garantia de qualidade embora não se pode acertar sempre. Embora se possa dar o caso de os recrutar para posições já preenchidas acho que a médio prazo isso não é problemas pois se tiverem qualidade o plantel acaba por assentar. Mas pergunto nesses casos: Por quanto queria o clube de origem vender, quanto é que a concorrência oferecia, quanto o Porto pagou no total? Foi o preço justo ou não para o que se sabia na altura? Só uma auditoria às contas permitiria esclarecer o que se tem passado; 2. Os jogadores comprados para "chatear os rivais" e comprar amizade e potencialmente favores a outros - Klebers, Josés Sás. A SAD deve ter uns 5 milhões por ano reservados para isto, um desperdicio de dinheiro; 3. Guarda redes às toneladas, não me lembro de nenhum ter sido adaptado a outra posição :); 4. Os jogadores de 1 ou 2 milhões que vêm para a equipa B e andam por aí sem nunca subirem à A e que quando saem nunca demonstram valor para terem sido hipóteses para o Porto - quem toma estas decisões que não levantam ondas mas que acabam por doer também?; 5. Os jogadores problemáticos que está provado o Porto agora não consegue recuperar - o gordinho Walter, o playboy Oswaldo, etc. A isto junta
-se a má formação não conseguindo gerar jogadores de nível e rápidamente integráveis nos As, Presidentes, dirigentes e treinadores que acham que são os novos messias em vez de fazerem o trabalho básico e a recente praga dos assobiadores. Eu penso que uma equipa pode sustentar uns 2 erros de investimento ou casting por ano mas o Porto A tem errado muito mais que isso e o Porto B só tem ajudado ao disparate. E assim passamos de dominador nacional e top 10 europeu a lutador pelo segundo lugar e a querer perder por pouco na liga Europa, com um déficit monstruoso e ninguém de jeito para vender a não ser por "milhões da treta". Quem quer as estrelas da companhia chamadas Brahimi ou Aboubakar? Maus tempos se auguram.

bruno borges bayr disse...

curiosamente menos portugueses no 11 base, desde o pós Mourinho, culmina com este ridículo plantel que temos esta época.
tire-se as conclusões.

(baia, paulo ferreira, jorge costa, ricardo carvalho, nuno valente, costinha, maniche, deco, e mais 3..)

bruno borges bayr disse...

o porto não começou a época com excelente plantel

Felisberto Costa disse...

Tenho um blog super secreto que nem a CIA nem o EI sabe que existe (azul metal blogspot) que curiosamente fala neste assunto...

bruno borges bayr disse...

vamos dizer mais uma verdade, os jogadores também têm bastante culpa, porque a garra, disciplina e empenho não mostraram muito.

Miguel Magalhães disse...

"o plantel que melhor exemplifica a péssima gestão de um clube sem Director Desportivo e uma ideia de futuro para lá do negócio comissionista." - está tudo dito...
Dia 17 de Abril há eleições e tudo indica que não haverá uma alternativa à lista do costume, ou seja, mais do mesmo para os próximos 4 anos.
As únicas alternativas que os sócios terão serão assim ir lá votar a favor desta lista e dizer que estão de acordo a que as coisas continuem neste rumo ou ir lá votar em branco/nulo mostrando o seu desagrado com a situação na esperança que alguém perceba a mensagem e mude de rumo.
Terão a palavra os sócios.

João disse...

O Adrian já vai em 18 milhões?

19 que eu também bebo!

João disse...

Não que discorde fundamentalmente da maior parte das avaliações mas olhar para o nível individual destes jogadores à luz da sua performance actual (motorizados pelo 1.2 a gasóleo que foi o trabalho do antigo "treinador") e compará-los com jogadores que fizeram, na esmagadora maioria, o circuito Agremiação - FC Porto - Colosso é, logo à partida, enviesado.

O Lisandro encostado à ala era uma espécie de Tello, em pior. O Bosingwa do Co Adriaanse não era propriamente um portento, e estava longe do actual nível do Maxi. Eu considero o Indi um dos piores centrais da 1ª Liga, mas o nível do Otamendi 13/14 é insuperável, só faltava metê-las ele lá dentro. Tanto que acabou sentado pelo Maicon. O mesmo para a época de contrariado do Fernando, que já não sei precisar.

O James goste-se mais ou menos da ideia, rendeu relativamente pouco. Ao ponto de hoje ser relativamente pacífico, mas na altura se criticar os valores comunicados no negócio com o Sporting por ser impensável ele ser mais caro que o Moutinho. O Quintero tem o triplo do potencial, levou com uma sequência de treinadores anedótica.

Mesmo os sublinhados ao Alex e Palito (tendo em conta o rendimento do Layún, que não é nenhuma superpotência), e principalmente ao Casemiro, têm muito que se lhe diga..

Ano e meio sem treinador é muito tempo.

miguel.ca disse...

Marco Silva chega a um campeonato duríssimo que não conhece em profundidade, não fala a lingua nem compreende totalmente as dinâmicas locais mas... Limpou aquilo com uma perna às costas.
Tenho todo o respeito pelo José Peseiro mas, eu quero o Marco Silva.

João disse...

Estamos a falar do Olympiakos e do campeonato grego, certo? Duríssimo, por causa dos buracos na estrada?

Galico-Duriense disse...

Campeonato grego é um campeonato duríssimo??? LOL
só se for para os adversários do Olimpiacos...

Só nos ultimos 20 campeonatos ganhou 18... e o último que perdeu foi há seis anos...

Assim, nem para conversa de tasco serve...

Paulo Rodrigues disse...

Miguel,
Não duvido do valor de Marco Silva mas o campeonato grego está longe de ser duríssimo.
O Olympiakos vence quase sempre.

Miguel Duarte disse...

Há mais para pensarmos, infelizmente: lembram-se dos tempos em que ninguém adivinhava as nossas contratações, em que o Porto era super rápido e apanhava todos de surpresa? Há quanto tempo isso lá vai? Lembram-se de quando tínhamos no plantel muitos jogadores à Porto? Quem faz esse papel hoje? O Casillas? O Corona? O Helton? Porque é que na entrevista ao Porto Canal não perguntaram ao presidente o que é que pensava de se preparar 3º ano em que não ganhamos rigorosamente nada? Já agora, e para não abusar da vossa paciência, sou eu o único que, perante as limitações evidentes do actual plantel, acha que o Octávio, o Josué e o Kayembe - pelo menos esses - deviam estar na nossa equipa, e não a brilhar em outros clubes?
Devemos muitíssimo, nem sabemos quanto, ao actual Presidente. Mas já vi tantos casos de pessoas que, por não saberem sair a tempo (na política, em empresas, em câmaras, no desporto) acabaram a estragar tudo aquilo que tinham construído...

bruno borges bayr disse...

dos que andam lá fora, ou VP ou paulo sousa.

DC disse...

Disse aqui várias vezes no início da época que era o pior plantel de que me recordava. Mas em Janeiro ficou muitíssimo pior. Um dos piores da história do Porto sem qualquer dúvida.

André Garcia disse...

Os jogadores à Porto são jogadores vencedores ponto final. É natural quando não se ganha colocar tudo em causa. O melhor exemplo disso é o Maicon. Poucos diriam há 3 épocas atrás o que se diz dele hoje e provavelmente nunca terá uma oportunidade para se redimir como teve o J.Costa que regressou numa época de ouro do clube e teve um treinador que apostou nele.

Relativamente ao Josué, teve oportunidades mais do que suficientes para se destacar e claramente não foi capaz. É bom jogador mas não é um atleta com o nível que se exige no Porto que disputa todos os anos uma liga dos campeões e joga no campeonato para ganhar todos os jogos, ao contrário do Paços, Braga ou do Bursapor.

Quanto ao nosso Presidente na minha opinião é uma enorme injustiça e ingratidão sugerir que se deve afastar. Claramente o pior erro dele parece ter sido habituar os adeptos a ganhar Troféus Internacionais de 10 em 10 anos e bater recordes em campeonatos consecutivos.

Eu adoro futebol e o que me entristece mais neste momento não é ganhar - é não ver o meu clube a jogar futebol como me habituou. Tirando isso o campeonato este ano está ao rubro, antes prefiro assim do que terminar como campeão a 20 pontos do segundo.

Miguel Duarte disse...

A quem interessar, leiam o artigo do Miguel Sousa Tavares na Bola de hoje. Eu resumo, porque são 3 ideias: é claramente o pior plantel dos últimos 30 anos; a exibição no Restelo foi uma vergonha, e mostra que só por sorte podemos ainda estar a disputar o título; a eliminatória contra o Dortmund foi disputada (nos dois jogos) para perder por poucos. Concordo com tudo - e com o que tudo isto significa.

Navega Amorim disse...

O Porto tinha e tem um excelente plantel, agora mais debilitado na defesa devido as circunstâncias.
Se Imbula Osvaldo Tello Corona têm rendido o que se esperava deles o discurso era outro, assim atira pedras em todas as direções, tipico do adepto de futebol.

DC disse...

Sim, o Josué não tem nível para disputar todos os jogos para ganhar. Já o Sá, Angel, Indi, Marega, Varela, etc, etc, etc esses têm.

José Rodrigues disse...

"É uma enorme ingratidão sugerir q PdC se deve afastar"

Há quem veja eleições como uma decisão para o futuro, e há quem as veja como ocasião para mostrar gratidão por serviços passados. Nunca compreendi os q pensam da segunda maneira...