segunda-feira, 21 de março de 2016

Gestão desportiva para tótós - capítulo XXXIV


O que é que o Sérgio tem? É um jogador da casa e como tal não custou um valor pornográfico, não é seguramente dos mais bem pagos do plantel, não é pretendido pelos "grandes tubarões europeus", nem está no Porto a "fazer horas" até ser tranferido para outro campeonato de maior dimensão.

O Sérgio é um jogador da casa e como tal disfarça algumas pechas - não é um fora-de-série - com qualquer coisa que falta aos "grandes negócios". Para o Sérgio, todos os golos são "de raiva".

Algumas sumidades da "gestão desportiva", não querem saber disso para nada - caro e vindo da França, é que bom. Entretanto, estamos a caminho do terceiro ano sem vencer o campeonato.

16 comentários:

Luís Vieira disse...

O Sérgio faz parte do plantel, por isso parece-me uma crítica um bocadinho ao lado. Tem bons pés (sempre os teve), mas tem outras lacunas que, a meu ver, não lhe permitem ser consistentemente titular do FCP. Se as corrigir, tudo muito bem, mas, para já, não notei grande evolução.

Miguel Magalhães disse...

O Porto dos ultimos 30 anos não se fez só com Sergios Oliveiras mas fez-se assente numa base de Sergios Oliveiras. Uns melhores, outros piores e outros que melhoravam com o tempo e a experiencia.
Quando a base desapareceu, o Porto vulgarizou-se e foi uma questão de tempo até deixar de ganhar mais do que os outros.
Olhando para a geracao entre os 18 e os 21 anos que temos, vemos uma base para reconstruir o Porto à Porto. Tem a palavra a futura Direcçao do Clube/SAD

DC disse...

O que é óbvio é que o plantel deve ter muitos Sérgios. Porque não faz sentido ter suplentes que custaram 6, 7M e não são melhores que ele.
Porquê Marega quando havia Ivo, por exemplo?
Sempre defendi que o Sérgio merecia mais minutos e a verdade é que últimos 2 jogos sai uma bela assistência para o Maxi e agora um golo. É útil e não é caro. Não deve ter é dado tanto dinheiro a um empresário qualquer como o Djalma, Sami, Kléber, Marega, Sá e demais prodígios vindos da Madeira.

Filipe Ferreira disse...

E agora fica a pergunta:
O que daria Tozé |por exemplo| neste momento?

Francisco Paulos disse...

O Sérgio é um jogador banal que não acrescenta nada à equipa. Se esperamos que ele seja o nos do Salvador estamos feitos.Marcou o golo mas teve algumas perdas de bola que originaram contra ataques perigosos que contra outra equipa que não a do Setúbal podiam ter dado golo.É útil mas não é com muitos como ele que conseguimos ganhar alguma coisa.

Silva disse...

Um bocadinho menos do que dá em Guimaraes não?

jorgen80 disse...

Fora-de-série, há poucos, mas para quem assistiu ao Europeu com a braçadeira de capitão do Sérgio, não deixa de ser surpreendente que apenas em finais de Março tenha feito o seu primeiro jogo a titular. Se se deu minutos, jogos, temporadas a um jogador que já atingiu o seu potencial- que é mediano- como Herrera, por que não dar a oportunidade a um jogador que, na minha opinião, tem muito mais potencial que o mexicano? Gostava de ver um 4-3-3 com Danilo, Sérgio e um Oliver ou outro médio do mesmo estilo. Bem sei que Herrera precisa de valorização para se vender, mas será uma pena matar um miúdo que até ver, não perde em nada para o resto dos médios que o Porto tem.

João Lima Ribeiro disse...

Mas com opares, reyes, marega e Osvaldos limpamos tudo.

Foram caros mas jogam muito...

Antonio Pinto Cardoso disse...

É importante não misturar as coisas! há uma parte do plantel que quando chegou trazia os nomes já feitos, prontos para estampar nas camisolas. Os empresários trataram de tudo. Há outros que como foi preciso inventar "empresários" para eles, já que faziam parte da chamada prata da casa, não havia letras para estampar nos equipamentos, daí ficarem eternamente na bancada e por vezes no banco para aprenderem as asneiras que os primeiros faziam. E assim se chegou a actual situação...
O F.C.P. desportivamente, e no que á primeira equipa diz respeito está mal, mas não tenho a mais pequena duvida, que há quem esteja tão bem, tão bem, tão bem como nunca esteve...

Hugo Mota disse...

Sérgio Oliveira fez um bom jogo, como quase todos já o fizeram algures. Um bom jogador vê-se pela regularidade e consistência das suas exibições.

Nas vezes em que Sérgio Oliveira tem sido chamado (nomeadamente nas Taças) esteve muito longe de deslumbrar. Marcou um excelente golo ao Gil e pouco mais. Nos dois últimos jogos tem-se empenhado e acrescentado algo. Mas também continua com falhas e perdas de bola importantes que não podem ser escamoteadas.

Por ser portista, não quer dizer que seja melhor do que os outros. Eu também sou portista e não tenho lugar na equipa. Lucho, Falcão, Jackson, Fernando, Otamendi, Lisandro, Hulk, Moutinho não são portistas, mas tornaram equipas do FCP respeitadas e temidas. Não banais, como a actual.

Penso que devemos ir com calma antes de endeusar jogadores. Primeiro têm que demonstrar em campo que são sempre bons, e não apenas ocasionalmente.

Todos os grandes jogadores são benvindos ao FC Porto, sejam portistas ou não.

Filipe Sousa disse...

Ninguém está a ser endeusado; o Sérgio nao é um fora-de-série, será quanto muito um jogador útil para ter no plantel. O verdadeiro problema é a displicencia com que se contratam jogadores de milhoes, para posicoes nao carenciadas (deixando outras com falhas por colmatar), quando há jogadores da formacao que podiam ser melhor aproveitados.

O Sérgio Oliveira, pode nao ser a primeira peca na construcao de uma equipa campea, mas é certamente uma aposta muito mais segura, que um qualquer estrangeiro, sugerido por um empresário, e que vem apenas com o propósito de fazer número.

O dinheiro que se gasta em jogadores inúteis, fará falta para aqueles que sao realmente importantes.

miguel.ca disse...

Tiraste-me as palavras da boca mas continua a haver gente que não pensa antes de falar.
O Sérgio não é grande coisa? Se calhar não mas comerá relva pelo Porto coisa que o Imbula nem sequer sabe o que é!

pdr disse...

Penso que é exactamente isto que devemos retirar deste artigo. Não vamos ganhar títulos por causa dos Sérgios Oliveiras, mas também não os vamos ganhar sem eles.
O porto não é o Porto sem uma base de jogadores portistas.

Pés-Juntos disse...

Off-topic

Apenas para perguntar ao José Rodrigues se está tudo bem com ele e com a sua família na sequência dos atentados em Bruxelas esta manhã.

Um abraço.

José Pedro Fernandes disse...

Estou de acordo que mais vale usar a prata da casa que contratar jogador com pouco potencial. Ate ai acho que estamos quase todos de acordo.

O que nao concordo é pensar que a prata da casa é a solucao para muitos dos nossos problemas. Muitas vezes a prata da casa, tendo valor, nao tem as caracteristicas para o modelo de jogo. Outros miudos da casa ainda nao tem estaleca, porque poucos ha com a cabeca do Ruben Neves.

Temos que ver que muitos destes miudos tem de jogar com regularidade e é assim que se pode avaliar o seu verdadeiro potencial. Veja-se o Otavio que nao sendo prata da casa evolui no Guimaraes ao ponto de hoje ser o melhor 10 que o nosso clube tem sob contrato. Outros miudos nao evoluem logo, como alias tem sido o caso do Goncalo Paciencia.

O FCP esta cheio de negociatas que claramente prejudicam o clube e forram os bolsos a quem la anda. Os negocios como o marega sao apenas para forrar os bolsos aos familiares dos administradores, o problema e que a solucao nao passa por pegar no Sergio e fazer dele o que nao é.

O Sergio é um bom jogador, com algumas limitacoes bem claras e que nao vale a pena disfarcar. Com varios anos de futebol profissional e 23 anos ja nao vai ser um James Rodriguez nem sequer um Oliver. O Sergio vai render mais quando numa posicao mais avancada (a 10) que potencia o seu remate e criatividade e nao dependem tanto de velocidade, agilidade e resistencia como uma posicao de 8 ou 6 no nosso clube exigem.

Olhando para os clubes com mais sucesso dos ultimos anos: Bayern, Barca, Real, Atletico, Man City, Chelsea... nao estao na maioria dos casos cheios de jogador da casa. A maioria tem 2-3 da prata da casa que estao ao nivel das contratacoes que fazem o resto da equipa titular. Parece-me que este tem sido o modelo mais vencedor, tomar as decisoes com base no valor dos jogadores e tentar criar condicoes para ter sempre uns poucos jogadores no plantel que vem das camada jovens.

João disse...

Ao ponto a que se chegou..

Hugo Mota, concordo plenamente (1ª vez para tudo), simplesmente onde se lê "longe de deslumbrar" entenda-se uma autêntica nulidade, e "jogos para a Taça" leia-se "jogos contra equipas da 2ª e respectivas reservas".

E já agora, a displicência não se vê na raça dos festejos ou "vamos para cima deles, crl" captados pela SporTV, a displicência vê-se nas perdas de bola no reduto defensivo porque se está a nanar ou nos passes imbecis para a linha de fundo com a equipa estabelecida no último terço, ambos autênticos clássicos já da curta passagem pela titularidade do Sérgio Oliveira.

Aliás, desse o Herrera ou o Brahimi metade das casas que o SO deu nesses jogos, já tinha havido linchamento.