sábado, 28 de maio de 2016

A «ressaca» de um portista no estrangeiro

Em tempos como estes, dá vontade a muitos portistas de «desligar» um pouco de tudo o que tenha a dizer com futebol - seja para não lembrar coisas tristes sobre o que se tem passado no nosso clube, seja para não ter que aturar o «bombardeamento» da festa lampiã (festa em que os Media são com frequência os primeiros a fazer de cheerleaders...). Sou o primeiro a admiti-lo (nem tem dado grande vontade de escrever artigos aqui, mas lá vou fazendo um esforço...). Como «desligar», então?

Bem, antes de mais há que assinalar que a situação dos emigrante mudou muito nos últimos 30 anos. Longe vão os tempos em que as notícias de Portugal chegavam de forma esporádica através de conversas telefónicas, ou aquando da visita anual ao país. Hoje em dia a ligação a Portugal é contínua para muitos dos emigrantes (e sou um exemplo como tantos outros): temos as «apps» dos Media portugueses nos smartphones; os sites informativos, blogs e fóruns na Internet; os canais todos da TV Cabo por satélite (para quem quiser subscrever e viver na Europa ocidental); conversas diárias (telefone, Skype, email...) com amigos e familiares em Portugal; as redes sociais (Facebook, ...); viagens muito mais frequentes ao país (muito mais ligações aéreas e muitíssimo mais baratas), e aí por diante.

Ou seja: hoje em dia um emigrante está frequentemente tão bem informado (ou até mais) sobre o que se passa no país, cidade ou clube como muitos que aí vivem. Logo quem quiser «desligar-se» pode tomar medidas que são exatamente as mesmas, seja para quem está em Portugal ou para quem é emigrante: só ver canais de TV portugueses que são «seguros» (por ex Telecine); evitar os sites dos Media portugueses na Internet e redes sociais; evitar ir a cafés frequentados por lampiões (que os há em muitas grandes cidades fora de Portugal), etc.

Mesmo assim, não deixa de continuar a haver algumas diferenças: quem vive em Portugal dificilmente consegue evitar conversas com colegas lampiões no emprego (ou em outras interações do dia-a-dia), ou ser exposto às capas dos jornais nos quiosques e papelarias. Nesse aspecto os emigrantes portistas têm sorte. No que me diz respeito tenho «controlado» com bastante sucesso a exposição a coisas que me deixem mal disposto, muito embora até tenha um ou outro amigo - e até mesmo colegas - lampiões (ou lagartos) aqui na zona.

E para outros emigrantes, como tem sido? Fica o mote dado para a caixa de comentários.

8 comentários:

Hugo disse...

Eu tenho evitado os noticiarios portugueses e como no dia a dia lido com chineses que estao a leste do futebol nacional, da para desligar com facilidade

Hugo Ambrósio disse...

Eu consegui fazer o catalães do meu trabalho portistas por isso a única coisa que se fala é quando o porto ganha ou quando o Benfica perde porque o Sporting para eles não existe
Mas tal como tu basicamente só Consulto esporadicamente o jornal ojogo e o JN que são +/- seguros ;)

helder mendes disse...

apesar do brasil ser o pais do futebol, tem 0 interesse pelo campeonato portugues. viver fora permite uma tranquilidade na analise que nao ha em pt. sofro menos, ha menos raiva pela lavagem do regime nos media (mas que torna mais clara a lavagem porque nos permite isencao na analise). ver de longe esta apoca (e ja la vao muitas) permite perceber como os media se estao a arregimentar ao lado do clube do regime (curiosamente da mesma forma que se arregimentam politicamente) e contra o fcp (e é de contra que falamos). permitiu tambem perceber com notoria clarividencia a campanha surreal contra o lopetegui (com xenofobia dos jornalistas à mistura) e o suicidio que os nossos acabaram por provocar com a saida dele.

Saci Pererê disse...

Como emigrante vivo da mesma maneira que vivia em Portugal, e não só para o futebol. A comunicação social portuguesa está cada vez mais manipulada e ao serviço de interesses que não o de informar, ser isento e objetivo.
O melhor a fazer é seguir alguns blogues associados ao clube, ler os jornais, evitar programas de rádio como Bola Branca e só fiar-se de informação confirmada por fontes independentes ou oficiais do clube.

Pés-Juntos disse...

Bem, continuo a fazer o mesmo: Abro umas tabs no browser - OJogo / ABola / MaisFutebol - e depois consulto os meus blue-ogs de referência (RP incluido, claro).

O defeso tem aquela magia estranha de nos deixar estupido-feitos por causa de um qualquer rumor de possível-provavel reforço mesmo que seja alguém que nunca ouvimos falar.

Dantes quando se falavam em nomes para o Porto já o contrato estava assinado e o homem a treinar. Hoje em dia é uma festa e até "A Bola" parece saber mais e com maior antecipação de reforços que o Dragões Diário. Enfim... tempos que correm.

Eu vou-me dedicando a outras leituras e actividades já que os meus amigos e colegas de trabalho não ligam pevas ao futebol português (exceptuando CR7).

Venha de lá o Euro 2016 e deixemos o nosso Porto trabalhar sossegado (R.Neves e A.Silva a ver os jogos no sofá e a fazer a pré época como deve ser é a melhor maneira de me sossegar aqui pelas bandas do Yorkshire.

miguel.ca disse...

Estou em Toronto mas tenho RTP, SIC e TVI em casa e vou estando a par de tudo (o que me interessa).
Infelizmente, as noticias mais incomodas vem do nosso próprio clube e ontem ver Pinto da Costa aos berros a dizer que nos querem matar foi de bradar aos céus.

bruno disse...

é impossível desligar, pois as piores novidades vêm de dentro do clube, casillas afirma eu fica, o mexicano é contratado, o presidente diz que nos querem matar.. o FCP parece cada vez mais o benfica dos anos 90, isto sim é triste.

no que toca à comunicação social, a lavagem cerebral do mais elementar estilo soviético da imprensa de Lisboa, a mim não me incomodou nem incomoda. imagem clássica de terceiro mundo.

benfica está para portugal, como madrid está para Espanha, assim que qualquer catalão entende que há que ser Porto! se bem que até hoje, ainda não encontrei um que entenda a contratação de casillas. nem eu! com valdez livre!

José Pedro Fernandes disse...

Eu estive na Califórnia os últimos 2 anos e meio e não podia ter mais sorte nesse sentido. A menos de uma rua a uns 25km de casa com café, restaurante e super mercado português não encontro tugas na rua mais do que uma vez a cada 6 meses. Dado o panorama do nosso porto, tem sido uma benção e das muito grandes. Quando fecho o portátil depois do jogo e não quer ouvir nada e só não abrir os jornais desportistas 2 dias e cortei a 100%. Até as diferenças de fusos horários (8 horas) ajudam, porque leio as notícias desportivas antes de ir dormir e ainda não há ninguém em Portugal acordado a ler as notícias, muito menos a comentar. Agora em meados de Junho vou mudar para Espanha e espero não ter uma grande época do nosso FCP para seguir e não para evitar ;). Abraços