terça-feira, 23 de agosto de 2016

Com arbitragens sérias é outra coisa

Pensem um pouco para pensar. Imaginam a história do futebol português se todos os árbitros fossem como o polaco Szymon Marciniak. Imaginam que bonito seria ter árbitros que realmente apitam o que há que apitar e que expulsam o que há que expulsar, sem medo de incomodar os adeptos da casa. Imaginam uma distribuição de títulos bem diferente não é? Pois é. Hoje, em Roma, o FC Porto foi melhor equipa que uma equipa romana que teve pouco futebol, zero ideias e um espirito de hara-kiri, mas também contou com uma das arbitragens mais sérias de que há memória no futebol europeu. Marciniak não fez nenhum favor ao Porto, e aqueles seis minutos extra serão históricos num play-off de Champions. Não foi uma arbitragem amiga mas foi uma arbitragem séria. O homem do apito geriu o jogo com a coragem de que muitos árbitros carecem, sobretudo na Europa e em estádios tão intimidantes como o Olimpico. Duas expulsões, sem qualquer discussão, e um jogo resolvido e gerido com tranquilidade desde muito cedo selam o apuramento para a liga dos milhões.

O FC Porto foi uma equipa em três versões. A que entrou bem, pressionante, confiante, serena e segura de si mesma, uma equipa de personalidade, e que se manifestou assim até ao intervalo saindo a vencer de forma mais do que justa. Convém recordar que antes de De Rossi, numa entrada assassina, sair expulso por vermelho direto já o Porto ganhava, com um belo golpe de cabeça de Felipe - estás perdoado - e era a melhor equipa em campo. Depois, logo ao inicio do segundo tempo, a segunda expulsão, de Emerson, numa entrada criminal daquele que tinha entrado precisamente para fazer o lugar de De Rossi, selou as contas.
Ironicamente, contra nove, vimos o pior Porto, um Porto nervoso, sem capacidade de gestão da bola, ansioso e mais preocupado com não deixar a Roma jogar do que em gerir o jogo. O golo de Layun - que luxo ter um suplente como Layun dirão muitos - fechou definitivamente o resultado e acabou com a ânsia. De aí saiu um Porto mais dominador para os minutos finais que procurou e conseguiu o terceiro golo, merecidissimo. No fundo houve muito pouca Roma, com 11 e com 10 e também com 90 e houve muito Porto a abrir e a fechar e muito pouco na fase intermédia. É um trabalho para Nuno gerir e natural numa equipa jovem, com poucos jogadores experientes nestas lides e que se viu diante de um cenário que nunca imaginaria. Mas não se pode voltar a repetir perder assim o controlo de um jogo que esteve demasiado tempo equilibrado no marcador para o que realmente passava em campo.



A Roma foi um rival dócil contra todo o prognóstico. Entre as bolas areas a Dzeko e as arrancadas de Salah estava tudo o que tinham para oferecer o que era, manifestamente pouco. Se a isso juntamos o golo cedo dos Dragões, o seu poder de reacção viveu mais de erros do Porto, sobretudo em perdas a meio-campo, do que mérito da sua construção ofensiva. Casillas esteve bem quando foi necessário, Felipe não comprometeu e Layun, sobretudo ele, foi imperial pela direita, onde entrou para render Pereira, que se ressentiu da dura entrada que levou á expulsão do capitão romano. Ao 4-2-3-1 inicial, com Octávio e André André em permuta posicional, seguiu-se uma versão mais afunilada do jogo azul e branco com a chegada de Sérgio Oliveira - não pode um jogador entrar para render um amarelado e levar logo amarelo Sérgio, não pode - para o posto de um esforçado Otávio, a quem falta ainda um plus fisico para render ao mais alto nivel. Essa foi a pior etapa do Porto. Faltou criatividade, engenho e paciência e sobrou desacerto no passe e falta de apoio na constução. A segunda expulsão da Roma ajudou ainda mais e o erro de outro polaco, Szceszny, permitiu o golo a Layun e a fechar as contas que Corona, de menos a mais, tratou de confirmar quando em campo estava já um inexistente Adrian Lopez.

A mais do que justa e merecida vitória em Roma selou um apuramento fundamental e deixou também em evidência que Nuno está a construir uma equipa com mais caracter e personalidade do que jogo - e quando o primeiro falha, como sucedeu do minuto 52 ao 71 fica facilmente exposta ao rival, porque a ideia de jogo colectivo está verde e não deslumbra propriamente - e que o técnico carece também de opções de ataque a tal ponto que, quando o jogo pedia contra-ataque e velocidade, no banco só estava Varela, o homem-bala em pessoa. Provavelmente os mihões da Champions desbloqueiem entradas e saídas - outra coisa não seria aceitável - mas foi extremamente injusto forçar o treinador e o grupo a suportar um exigente mês de Agosto com as calças na mão por erros de gestão a que eles são alheios. O Porto estará no sorteio da máxima competição europeia e pode superar com laude o primeiro mês do novo projecto no próximo domingo. Pena que em Alvalade não arbitre um homem  como Marciniak.


23 comentários:

Pedro Moreira disse...

Esqueci-me de todos os problemas da equipa, esqueci-me de todas as críticas à direção. Quando falo mal de um dos amores da minha vida ( o nosso glorioso FCP) espero sempre estar enganado e hoje felizmente estive. Estou a passar férias no norte da Madeira, como em toda a minha vida, em plena arraial a não consigo parar de pensar no meu Porto e no orgulho de ser portista.

Ricardo Rocha disse...

3-0 em Roma, qualificacao no bolso... 'esforcado Octavio', 'inexistente Adrian', 'Felipe estas perdoado'. Talvez o Porto tenha construido uma equipa enquanto nos adeptos e' mais do mesmo. Grande noite!

bruno disse...

@ pedro Moreira "Glorioso FCP?"
como? glorioso e FCP nao devem ser misturados na mesma frase chefe!
é como ver o FCP treinar de vermelho, eu não consigo.
caiu-te a máscara

já precisávamos um pouco de sorte para virar o moral das coisas!
mas 3-0 contra 9..
vamos ver contra o sporting do jesus, de que é feita esta equipa.

o presidente que anda calado desde há umas semanas, ontem já veio pedir passo para falar, umas barbaridades como vem sendo hábito ultimamente.
que esta vitória não signifique tapar o sol com a peneira!
este plantel é fraco, desequilibrado e não tem adn porto!

agora toca a ajustar o plantel, que ainda há tempo para despachar casillas, reyes, chilodzie, herrera, marcano, corona, varela, indi, aboubakar

contratar 2 centrais! médios e extremos, há soluções em casa (equipa b)

Luís Vieira disse...

Há que dizer sem pejo: fomos bafejados pela sorte, nesta eliminatória. As expulsões tiveram um peso decisivo no desfecho da mesma, mas, para mim, a despeito do "imperial" dos jornais, o que fica são os primeiros 45 minutos em Roma. Uma entrada descomplexada, segura, estável, bem diferente da que aconteceu no Dragão (a que o golo marcado cedo não é alheio) e da tremideira do passado recente. Está a construir-se uma defesa solidária e aguerrida, o que é meio caminho andado para o sucesso. O meio-campo defensivo, por seu turno, vacilou e continua a haver muito espaço entre a linha defensiva e os homens da frente. O Danilo está um autêntico passador, o Rúben tem de ser titular, ao passo que urge a chegada do Óliver para eliminar o défice de criatividade do André André. Já o Sérgio Oliveira não pode ser a primeira opção do banco (quanto muito, primeira opção para ser dispensado): Evandro, João Teixeira, Bueno, é só escolher. A recuperação à força do Adrián também é muita bonita, mas quando se tem o Bueno desaproveitado fica um amargo de boca. De qualquer forma, parabéns ao Nuno por ter conseguido incutir um espírito guerreiro à equipa e por ter aumentado a segurança defensiva. Este apuramento é muito valioso, a todos os níveis, e pode marcar a época (na crença da equipa, dos adeptos e na chegada de jogadores importantes). É um boost de moral para Alvalade, veremos se será capitalizado. Hoje podemos dizê-lo, pacificamente: Somos Porto :)

José Lopes disse...

Continua portanto a bater em despachar o Marcano e o Corona depois da noite de ontem. Há discos riscados menos repetitivos e com melhor música. Esse preconceito contra os mexicanos é um case-study.

Pedro Moreira disse...

Chefe...ó Bruno de dúvidas houvesse sobre o seu nível esta palavra diz tudo. Não lhe vou dar mais troco, nao tenho paciência para idiotas. E ainda mais lamento que sejam do meu clube, sim o glorioso FCP.

DA disse...

Despachar o Corona é de rir. Mas o Bruno quis passar por cómico.

Isenta, não será, atendendo ao histórico do Sr do apito, a arbitragem de Domingo em alvalade. Relembrando o currículo do homem (que entre outras peripécias já deixou a nossa equipa b a jogar com 8):
http://www.reflexaoportista.pt/search/label/Tiago%20Martins

JB disse...

Nem mais Luís! Incrível como o Danilo recua SEMPRE a passo. Percebo o argumento da capacidade física (embora isso não compense o que se perde em fluidez de circulação de bola) mas também defensivamente o Rúben é melhor em tudo! Concordo também na análise aos médios e Adrian/Bueno, não se compreende.

Luís Vieira disse...

Pois é, JB. O Danilo, na época passada, compensava as limitações técnicas/tácticas com poderio físico. Este ano, está morto. O Rúben, em condições normais, é melhor. Assim, é muito melhor.

PAULA CARNEIRO disse...

E este bruno podia estar calado, deu 3 contra 9 sim senhor mas o Porto quando marcou o primeiro golo ainda eram 11, além disso o Sporting não mete medo a ninguém

bruno disse...

@pedro mour(o)eira, usei a expressão chefe pensando que era taxista no seixal, mas agora percebo que mora em alverca, trabalha na oficina de pneus do orelhas do glorioso. esclarecido.

@jose lopes o marcano não é mexicano, é apenas um mau central espanhol sem nível para FCP. o corona vamos contar até ao fim da época quantos bons jogos seguidos faz. e não esquecer quanto custou. dentro de casa há melhor e mais barato.
nada contra mexicanos, estes que temos no plantel não servem. herrera, reyes, corona. temos portugueses que fazem o lugar destes bem melhor, alguns mais portistas que os jojes da blogosfera.

@DA tenho a minha opinião sobre o estilo de jogador que quero ver no FCP, e o tipo de jogador con adn FCP que cresci a ver.
cómico são os planteis destas 3 últimas épocas e seus resultados, mas ok.

@carneiro ainda bem que foram 3, melhor ainda o apuramento. mas este resultado não me atira areia para os olhos, não sou carneirinho de ir atrás de euforia parola. e parabéns ao Nuno, que está a construir grupo, união e sacrifício com a porcaria que tem, começando na baliza.

José Lopes disse...

Extraordinário como se permitem comentários deste calibre, bem como vários outros do Bruno neste blog. Juro que não entendo. Em relação à parte que me toca, falei nos mexicanos, porque o seu relamborio sobre os que temos e como são "o típico mexicano" já foi repetido mil vezes. O que acho caricata é a generalização do povo, não a avaliação dos jogadores, que é pessoal. Quanto ao portismo ou falta dele, se isso para si é arma de arremesso tendo em conta que não me conhece de lado nenhum, então ficamos conversados.

buzico disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
buzico disse...

Assim torna-se difícil contra-argumentar. Como rebater um génio que, quando faltam argumentos, entra no insulto. Meu caro, não vou discutir nada de futebol, que não são mais do que opiniões (embora as suas são sempre plenas de certeza e razão), mas não posso deixar de passar algo que é da esfera da boa educação. Insultar alguém com base numa conjugação de palavras absolutamente normais é por si só muito mau, mas pior ainda é quando se trata de algo que não tem sentido nenhum. Nem razão. Glorioso tem sido de facto, nos últimos anos, mais falado (não exclusivo!) em relação ao Benfica, mas acima de tudo quem o faz (e quem pensa que é exclusivo) é a tal carneirada que alude. Não sou muito velho, contudo tenho idade suficiente para ter ouvido, na minha infância, o Porto ser referido como o glorioso. Ouvi-o primeiro do que ao benfica, de tal forma que me fez alguma confusão associarem o termo ao slb como se lhes fosse exclusivo. Mas sabe que mais? Fui aprendendo a ignorar um pouco mais a carneirada e, acredite, sou muito mais feliz assim. Claro que de vez em quando lá temos que abrir uma exceção...

bruno disse...

@lopes e @buzico
veja lá bem quem insultou quem em primeiro lugar.

relativamente a mexicanos, cabo verdianos ou paquistaneses, não me importa a nacionalidade, importa sim a qualidade que acrescentam ao plantel, produtividade e valores ao FCP.
e não me escondo ao defender que quero ver o FCP com um plantel maioritariamente português e da formação.

estrangeiro que venha, com qualidade de um jardel, Aloísio, jackson, kostadinov, drulovic, etc, etc

no que toca a herrera, vale a pena investir num jogador estrangeiro deste calibre? e hoje em dia é capitão? porque carga de água?
prefiro um qualquer João Moutinho. e dentro do plantel actual, há soluções de sobra, e portugueses, e da formação.
e corona, dispensa-se Quaresma para que ocupe seu lugar? ainda não o vi render para que tal o justificasse, e o dinheiro que custou.
e o belga avançado, que nem sei o nome, será assim uma mais valia tão significativa que mereça dispensar outro produto da casa, como o Gonçalo?
e há muitos mais exemplos no plantel, mas não faz falta mencionar todos.

não gosto desta carrada de mexicanos, como num passado não gostei de argentinos, aparte de lucho e Lisandro Lopez, dois craques, ou brasileiros.
estrangeiro que venha, que seja para fazer a diferença qualitativa que não se encontra em portugal e na formação.

agora entreposto de comissões e catálogos de empresários, nao obrigado, não no FCP!

os adeptos a quem isso não lhe importa, pois ok para eles.

buzico disse...

Relativamente à situação a que me referi, é mais do que evidente quem começou com o ataque insultuoso... A partir de um comentário que não foi dirigido a ninguém ("o nosso glorioso FCP") o Bruno respondeu com um outro sem sentido, que incluiu a ofensa "caiu-te a máscara". E esta frase é ainda mais ofensiva quando proferida por alguém que parece que se tocou (e não foi pouco) por outra pessoa considerar o "seu" clube glorioso. Imagino o que sentiria se fosse acusado de ser... aquela coisa adepta do coiso...

Francisco Paulos disse...

É preciso que esta Vitória não branqueie as limitações deste plantel. Onde está outro defesa direito? É o Varela? Não brinquedos!Lá teremos de fazer adaptações. É outro avançado de classe onde está? André Silva é curto e Depoitre não é solução. Nada de embandeirar em arco pois no Domingo a realidade pode fazer engolir algumas loas de hoje.Pinto da Costa só fala quando ganha gostava que falasse era quando somos prejudicados pelos árbitros do sistema ou quando os outros são levados ao colo.Assim mais valia estar calado pois a sua pseudo ironia a mim já não convence.

Paulo Marques disse...

Pois, o problema é que o Bruno também diz que os rapazes da B (ou que já vieram) também não valem nada. Assim, ficamos sem saber quem é que sobra.

bruno disse...

@buzico @moreira as sinceras desculpas.

@paulo marques quem veio da b? chilodzie? este rapaz é muito fraquinho, porque não se emprestou para rodar e ganhar a tal experiência que está de moda?
além deste, a que outro jogador me referi da b?
o rafa deveria ter ficado no plantel. o izmael deveria estar na equipa a. o verdasca, o graça.

e vou mais longe, não concordo com a actual política de contratar miúdos para a formação, a torto e direito da Nigéria ou coreia, para fazer favores a empresários e negócios paralelos.
há por todo o país miúdos com a mesma ou melhor qualidade.

e para finalizar o tema, veja-se o actual panorama do nosso plantel, que em ano de europeu, colocamos apenas um jogador na seleção, que até ganhou o torneio. coincidência, até um dos jogadores que mais se critica.
a mim parece-me ridículo que o FCP tenha mais jogadores a jogar a copa america que portugueses no europeu, mas chamem-me os nomes que quiserem.

agora que chegou o protegido oliver por empréstimo, que apesar de me parecer que não faz falta, acredito que vai acrescentar valor, que se contrate 2 bons centrais, que esta champions está a cheirar bem.
e um até pode ser ricardo carvalho. e rolando não é pior que marcano ou reyes..

João disse...

Quando se diz mal do Marcano e Corona para se pedir Verdasca e Graça na A fica-se com uma noção do NADA de futebol percebido com que se está a debater.

bruno disse...

marcano não acrescenta mais que rolando, bruno Alves ou ricardo Carvalho, e corona não é superior a quaresma, apenas isso.
uns são da casa, outros andam por casa.

verdasca e graça deveriam estar a trabalhar com a equipa principal sim
prefiro ver estes dois da casa a crescer no clube, ter oportunidades e mostrar a toda a formação do FCP, que este é um clube que lhes vai dar oportunidades, que ver marcano, indi ou reyes no plantel.

eu não percebo nada de futebol, ok, parabéns @joao pela sabedoria.

buzico disse...

@Bruno, da mesma forma que critiquei a sua postura em relação ao ataque desnecessário, não posso deixar de o cumprimentar por ter admitido e corrigido o erro. Acho que não temos necessidade de entrarmos neste tipo de ataques, que tanto criticamos nos outros, quando todos pretendemos o mesmo: um FCP cada vez melhor! Opinemos, critiquemos, elogiemos, discordemos, ... mas podemos e devemos fazê-lo de forma construtiva e respeitosa.
Adoro passar por cá, não por concordar com tudo o que leio, mas precisamente porque observo opiniões discordantes, muitas vezes debatidas com elevação! Forte abraço a todos e que este seja um ano de viragem!

João disse...

Não, o que o bruno quer é um clube a lutar pela Liga Europa, que é uma coisa bem diferente.