quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Otávio, André e o direito à esperança

Não são grandes tempos no Dragão, no meio de tanta incerteza e indecisão. Um cenário quase parecido ao vivido em 2010 que acabou como todos sabemos. Este ano promete ser relativamente diferente. Por um lado a exigência da Champions - com hipotéticos rivais perfeitamente acessíveis à partida - está ao virar da esquina enquanto aquela equipa teve meio ano cómodo na Europa League que acabou por ganhar com toda a justiça. Por outro, se em 2010 havia um claro rival pelo título agora, é inequívoco, há dois e ambos estão a fazer o trabalho de casa que lhes compete, um sacando mais valias e reforçando-se sem perder as pedras angulares do título conquistado e outro continuando a reforçar-se sem vender nenhum dos titulares de uma equipa que era, já de por si, competente. No meio desse cenário sabemos ainda muito pouco do que esperar. Os jogos de pré-época valem o que valem. O treinador é novo, tem ideias próprias mas não teve ainda a possibilidade de trabalhar com o que provavelmente será o 11 base ao largo do ano. Faltam saídas. Faltam entradas. Falta continuidade. Falta trabalho de casa que terá de surgir, inevitavelmente, após o fecho do mercado.

No entanto, há pequenos alardes de optimismo e esperança no meio deste cenário. Com nomes próprios.
Otávio e André Silva foram os melhores jogadores desta pré-época. Não foram os únicos. Corona voltou a deixar bons detalhes (veremos se mantém o ritmo, o que lhe faltou em 2015/16), André André continua igual a si mesmo e João Carlos Teixeira arrancou bem perante sinais de natural suspeita. Alex Telles e Layun parecem garantir que o lado esquerdo está bem entregue (podem mesmo jogar ambos, com o mexicano de falso extremo, alternando o 4-3-3 com o 4-4-2) mas realmente quem entusiasmou, dentro do possível, foi o criativo brasileiro e o novo menino bonito da formação portista.
Muitos olham para André Silva e vêm já um novo Gomes. Se for um novo Domingos já nos dariamos muitos por satisfeitos até porque convém não elevar demasiado as expectativas, tendo em conta que André ainda está a madurar como jogador profissional. Durante o ano passado mostrou grandes detalhes mas sempre se lhe criticou a falta de golo. Leiam uma entrevista de Eder ao Expresso para entender o porquê. Quando um avançado é habituado a entrar com dez, quinze, cinco minutos, sem poder entrar no ritmo do jogo, marcar é sempre mais díficil e o seu trabalho acaba por ser outro, o de descoordenar as marcações contrárias. O Eder sabe do que fala. Depois, depois chegou a final do Jamor e o AndréShow que abriu muito o apetite para o novo ano. Felizmente não convocado para o Europeu, Silva pôde começar a época desde o principio e tem mostrado finalmente que é um avançado que não se sabe apenas mexer e jogar bem com a equipa, também conhece o B-á-b-á do golo. E golo é coisa que tem faltado desde a saída de Jackson. Olhando para o mercado parece mesmo que o golo vá ser coisa de André e Aboubakar. Não há movimentações para trazer um avançado que garante 20 golos por ano - não há dinheiro, melhor dito - e as boas sensações dadas pelo avançado podem fazer o clube pensar que está preparado para ser o 9 titular. É um dilema, o de apostar tão cedo e com tanta pressão num jovem da formação mas ao mesmo tempo é preciso relembrar que foi assim que Gomes ou Domingos começaram. E para apanhar um exemplo mais recente, que melhor que o de Marcus Rasfhord no Manchester United. Van Gaal não olhou para o BI. Olhou para o talento. O resto tem sido história. Esperemos que seja o mesmo com André.



Otávio é outro caso. Foi dispensado por Lopetegui no verão passado, ninguém entendeu muito bem porquê depois de ter chegado e deixado bons detalhes. O ano em Guimarães fez-lhe muito bem e voltou em grande. Era uma das maiores promessas sub-20 do futebol brasileiro quando o Porto o contratou ao Internacional mas sabemos todos que quase nunca esses nomes juvenis brasileiros realmente dão o salto. Mas ao contrário de Quintero - um desastre absoluto como profissional - Otávio percebeu que tinha de trabalhar a dobrar para ganhar o seu lugar e foi o que fez, primeiro em Guimarães e agora durante a pré-época. Desterrado para a ala, como tem sucedido quase sempre com os criativos modernos, tem sabido dar uso ao seu inegável talento nas combinações com André e com os interiores. O uso de um lateral esquerdo mais ofensivo permite-lhe bascular para o interior e criar jogo. Tem sido uma delicia mas é preciso verificar se nos jogos a doer existirá continuidade ao bom momento actual. As sensações são bastante positivas e Otávio pode vir a ser aquilo que Anderson acabou por não ser, um jogador capaz de aliar o talento canarinho ao jogo mais táctico europeu, e revelar-se um dos grandes trunfos da época. A gestão da SAD - compra, aposta no jogador, empréstimo competitivo, recuperação - no seu caso tem-se revelado absolutamente perfeita.

Podem André e Otávio resolver todos os problemas? Claro que não.
Nuno precisa de tempo e precisa de ovos. A defesa continua a necessitar de uma dupla confiante e segura que não existe. Indi e Marcano têm mercado mas não têm substitutos até ao momento. Falta ainda um extremo capaz de desequilibrar e abrir os rivais quando Otávio não jogue pela esquerda, há apenas Corona com essa caracteristica no plantel. Falta eventualmente um nove de garantias, ainda que esse desejo seja o mais dificil de concretizar-se. E há quem pense que ao meio-campo lhe falta, sobretudo, um lider, algo sobreditado á eventual saída de Herrera, uma vez que Danilo e André André parecem fixos no triângulo e Ruben Neves, João Carlos Teixeira, Evandro e Sérgio Oliveira terão de lutar por render os dois titulares como 6 e 8 no esquema de Nuno. Muitos ajustes ainda por fazer mas que não escondem as boas notícias que têm dado André e Otávio. Que seja o seu ano.


5 comentários:

Pés-Juntos disse...

Work in Progress...

GR - Casillas (José Sá)
DD - Maxi (Varela? / Layun)
DC - Felipe (Reyes?) >>ALEX?<<
DC - Marcano? (Chidozie) >>BOLY?<<
DE - A.Telles? Layun?
MD - Danilo? R.Neves?
MC - André2? R.Neves? (Evandro) >>O.TORRES?<<
MA - Otávio? JCTeixeira? (Bueno?)
ED - Corona (Varela?)
EE - Layun? Otávio? >>RAFA?<<
FC - Adrian? Bueno?
PL - A.Silva? Aboubakar?

Francisco A. disse...

Uma agradável surpresa o Otávio que continue quando for para valer.

Neste momento e com os jogadores que temos este seria o meu plantel:

GR: Casillas, Sá
DD: Maxi e Varela
DC: Felipe, Marcano, ?, ?
DE: Telles, Layun
MDC: Danilo e RN
MC: Herrera e André André
MO: JCT, ?
ED: Corona, Hernani
EE: Otávio
Pl: André Silva, ?

Depois temos Adrian e Bueno que me parece que ficam no plantel jogando atrás do Pl num 4-4-2.

Na minha opinião faltam 2 DC ( fala-se em Boly e Alex). Um MO que podia ser Oliver, um extremo e o Pl que pode ser o Mariano Diaz do Castilla.

Paulo Rodrigues disse...

Aqui está uma análise coerente e certeira.

De facto o plantel necessita de pelo menos mais 2 defesas centrais ( Indi, Reyes podem ir embora, Chidozie que va ganhar experiencia emprestado), um medio, um extremo e um ponta de lanca.

Francisco Andrade disse...

O "esperença" no título é trocadilho com esperança e crença?

bruno disse...

ainda espero ver as saídas de casillas, reyes, chilodzie, marcano, herrera, Evandro, bueno, adrian lopez. demasiada estrangeirada sem qualidade. o varela ainda está no plantel? pode seguir também.