quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Uma vitória sofrida e que bem que soube!



Uma primeira parte sofrida. Não conseguimos reagir à pressão, aos duelos que reclamavam o confronto atlético e à alta rotação do adversário. Desorganizámo-nos e deixámos de ter bola e controlar. O golo saiu de um lance em que Layún hesitou demasiado. Ficou a ver a bola a passar. Mas, não foi só ele. Reagimos ao golo, fomos melhorando, conseguimos chegar à frente e ameaçar, mas o adversário também e com perigo. Poderíamos dizer que a melhoria aconteceu mas foi claramente insuficiente. O meio campo não conseguiu estabilizar e impor o ritmo e o trio atacante não foi bem servido nem teve força para mudar o estado das coisas. Há que rever os processos, nomeadamente quando jogámos com equipas de porte atlético superior e que apela aos duelos durinhos, durinhos. Sempre a bater. E com jogo directo de preferência.
Na segunda parte estivemos melhor. Subimos as linhas, estendemo-nos e ocupámos melhor os espaços e Danilo subiu muito de rendimento. Herrera não esteve bem e o Jota era engolido sistematicamente pelos adversários que fizeram da rudeza uma arma permanente. Otávio, embora tocado (foi muito castigado pelos adversários), ainda assim ia abrindo frechas no sector-defensivo do adversário. Foi, porém, com a entrada de Brahimi e de Corona e com o 4x3x3 bem aberto que passámos a dominar e a criar bastante perigo. Chegámos ao empate com um excelente golo de Layún e à vitória com uma grande penalidade muito bem conquistada por Corona e superiormente transformada por André Silva. Que bom é ganhar no fim.

A continuidade na Champions mantem-se aberta. Ainda bem. Nota-se que o espírito de grupo se fortaleceu muito na nossa equipa. E isso é bom. As vitórias ajudam e a equipa foi sempre muito apoiada pelos portistas presentes. Bonito. O árbitro usou um critério largo que favoreceu sempre os belgas. Teve a coragem de marcar a grande penalidade e ressarciu-se. Fez bem.

Tive a oportunidade de ver os miúdos na Youth League e gostei muito do que vi.

Os comentadores que ouvi no fim do jogo estavam tristes. Não pelo facto de ganharmos, obviamente, mas porque não esmagámos contra uma equipa menor. E estão preocupados. Ainda bem.

13 comentários:

Tiago disse...

Não foi na segunda parte que jogamos melhor. Foi depois dos 60 minutos. Porque mesmo na segunda parte quase sofremos o 2º. Espero que o Nuno tenha aprendido algo hoje. Ainda bem para ele, e principalmente para nós que ainda foi a tempo de corrigir.
Não é que este jogo fossem favas contadas e o adversário tem qualidade superior ao Gafanha, mas esperava vencer de forma tranquila. A primeira parte é um desastre tático. E é inadmissível a quantidade de passes errados, perdas de bola em situações que tentam sair da defesa a jogar. Por vezes até tentando fazer "bonitos" que depois comprometem toda a equipa. Que raio tem o Herrera na cabeça para além de orelhas? Se foi para isto que não o venderam, eu não sei quem o vai querer.

João disse...

O Nuno a treinar e o Marco Silva a comentar na RTP.

Era só isto.

Luís Gagliardini Graça disse...

Concordei com todas as palavras
Para mim é uma excelente e objetivo análise

Luís Vieira disse...

Bem dito. Resta apenas acrescentar que com os melhores jogadores em campo, nos sítios certos, fica mais fácil (pós-substituições). Só lá faltava o Rúben Neves.

Alex Blue Zíngaro disse...

Blogger João disse...

O Nuno a treinar e o Marco Silva a comentar na RTP.

- - -

Sem mais comentários. Está tudo dito

José Correia disse...

Esta vitória, ao minuto 92 (o minuto talismã!), veio mesmo a calhar pois, além de garantir um encaixe de 1,5 milhões euros, recoloca o FC Porto na luta pelo 2º lugar e pelos respetivos milhões de apuramento para os Oitavos. Milhões que, perante a difícil situação económico-financeira da SAD, o FC Porto bem precisa.

Tiago o "Cardoso" disse...

Excelente vitória em que o nosso treinador deu 60 minutos de avanço. Menos mal.
Mal! mal! foi ter de ver o Danilo a gritar com o André André (um dos capitães da equipa) para este meter o pé. Impressionante...

Alberto Silva disse...

Já havia comentado anteriormente, uma equipa onde a qualidade nao abunda, e ainda lhe tiramos qualidade nao é facil.
Brahimi e Corona são do melhor que temos e nao são nada de excepcionais, mas principalmente o Corona devia sentir que seria ele e mais 10, para poder desequilibrar.
Brahimi tem coisas boas e coisas mas, é aproveitar as coisas boas, vai muito bem para dentro abre espaço para o Lateral entrar nas costas. Mas lá para o Natal temos a equipa afinada.

SUMO disse...

Como li noutro blog, ganhamos, apesar termos o NES a treinador.

António Martins disse...

O Fc Porto jogou mal porque não tinha a lição estudada. Não ganhámos uma 2@ bola uma única vez, e para ajudar à festa ainda insistimos nos lances directos bola longa perante jogadores com mais altura e maior físico que os nossos avançados. As pessoas criticam o Herrera mas alguém percebeu onde o Nuno o coloca? O Herrera não foi nem nunca será um extremo, porque joga pegado à linha se não tem arranque? O Herrera é 8 e devia jogar a 8. Considero que se o Nuno não altera o desenho do meio campo estão dois jogadores muito mal aproveitados. Oliver e Herrera. Talvez um necessite sair para que outro jogador com outras características possa jogar e manter este desenho táctico, mas Oliver perde muito ao lado de Danilo e mais a equipa perde um desequilibrador no ultimo terço do campo (algo que nos tem faltado). Creio que por outro lado deixar as duas alas a dois médios que não são alas não tem sentido. Se é certo que a velocidade e capacidade de explosão de Otávio permitem a sua adaptação do outro lado, tanto Herrera como André André não sabem o que fazer à bola nem como posicionar-se para lançar o ataque rápido ou ganhar a segunda bola.

Nuno não era a minha escolha mas hoje em dia é o treinador do FC Porto, mencionar Marco Silva ou qualquer outro tem a sua piada, mas é preciso ter cuidado. Espero que não se cometa o mesmo erro de outras temporadas e mudar tudo a meio, porque não funciona. Que se fale em alternativas no final da época e agora aponte-se os erros mas apoie-se o treinador e a equipa, porque nós sim somos Porto e se o somos temos que estar com os nossos, para andar a dizer barbaridades do clube e da equipa já temos um 95% da comunicação social.

HULK 11M disse...

Excelente artigo, em que o título diz tudo: "... que bem soube".
É bom saborear esta vitória depois de tudo quanto sofremos actualmente, e não apenas nos jogos, mas em tudo quanto se vai passando no nosso FCP.
Os nossos jogadores vão à luta, mas, em muitos períodos dos jogos, parecem não ter categoria para jogar a este nível. Será mesmo falta de categoria ou será outra coisa qualquer que os inibe?

Unknown disse...

... Já aqui defendi o NES e as suas escolhas , especialmente a aposta nos jovens e a facilidade com que senta vacas sagradas. Mas o NES deve ter dos poucos treinadores do mundo que consegue apostar num sistema de jogo onde os jogadores que mais desequilibram não cabem ( corona e brahimi) e onde se desaproveitam outros como é o caso de Octavio(em dez minutos no meio deu um golo e apareceu isolado numa excelente combinação com Andre Silva) . Apostar num 4-4-2 fazia sentido se o Andre silva conseguisse desequilibrar no 1 para 1 , se o Oliver chegasse mais à frente , se o Marcano não fosse o nosso melhor defesa (que susto). Conclusão . Contra uma equipa belga sem 7 titulares , que levou 8 golos em dois jogos, ganhamos com um penalti caído do céu aos 92, com o corona mais uma vez a partir tudo . Contente ? sim Deixar de criticar ? não . O que nos faz Porto é a nossa capacidade de discernimento e ver a diferença de uma grande vitória, para o futuro que se adivinha ... O positivo de levar com a imprensa centralizada é termos essa capacidade de exigência e sabermos que falta muito . Agora é apoiar e ter esperança que o NES tenha a capacidade de auto critica e mudar . Porque para meter o corona e o brahimi para o Porto melhorar, eu consigo fazer isso facilmente e não tenho curso de treinador .

Francisco Paulos disse...

Infelizmente a nossa equipa é muito fraca e o pior de tudo é termos um curioso como treinador. Nem num grupo tão fraco como o nosso garantimos a passagem com tranquilidade se é que vamos passar. Quem nós viu e quem nos vê. Bravo Pinto da Costa pelo metódico trabalho de destruição do clube nos últimos 3 anos.