quarta-feira, 30 de novembro de 2016

A vertigem do declínio

Fico furioso quando os sócios assobiam os jogadores.

Ontem, foram muito pacientes.

Perante uma exibição confrangedora, aguentaram que nem heróis. Fazia parte do grupo e assisti a corajosamente até ao fim. Alguns lenços brancos dirigidos ao treinador e uns quantos assobios. Há cansaço e medo do futuro. O povo portista sente-se desolado e sai cabisbaixo do Dragão: talvez considere que o FCP bateu no fundo e ficou lá.

Na noite passada, o FCP mostrou a inoperância habitual. Não há intensidade, velocidade, agilidade e criatividade. Passe para o lado, pressão frágil, sem alas nem laterais para esticar o jogo, sem profundidade, sem jogo interior: um bocejo para quem assiste. Um jogo macilento que afasta quem gosta de futebol. E como não há pulmão para a raiva castigar o adversário, a bola anda de cá, para lá a toda a largura, devagar, devagarinho, para parecer que os actores se movem. E ficámos angustiados porque percebemos que só chegaremos ao golo por acidente ou por bondade dos deuses que também nos viraram as costas.

O FCP sofre de esgotamento: do modelo do negócio, do modelo de jogo e da extrema penúria dos cofres. A dívida é brutal e os dirigentes afundam-se na repetição das práticas que nos levaram para próximo da falência, desportiva e financeira.

O treinador continua a ser o mal maior para um vasto auditório. É tempo de dar um passo em frente e pôr em causa o trabalho da SAD. 146 milhões de euros depois, o nosso Porto continua uma pálida sombra da sua imagem. Até os miúdos parece que desaprenderam. Ruben Neves é apenas um exemplo. O nosso clube, por este andar, passará a ser um cemitério de treinadores e jogadores. Lá em cima, pacientemente, quem nos dirige vagueia até aos balneários para ficar tudo na mesma.

Temo que se apodere do clube uma espécie de fatalismo que se entranha e paralisa a mudança. Sou o sócio nº 329 e vivi esses momentos no passado. Temos de evitar que este declínio se instale.

Ousemos agir, a bem do nosso amado clube.

21 comentários:

Alberto Alves disse...

No fundo, todos começamos a concordar que o mal não está apenas no treinador, mas em quem o escolheu.

Acho que está mais que na hora de os lenços brancos começarem a ser dirigidos para camarote presidencial.

Em momento algum nos poderemos esquecer de tudo aquilo que o Presidente Jorge Nuno Pinto da Costa fez por nós, contudo, é hora de mudar e há que agir rapidamente. Pelo bem do futuro do nosso clube, urge a necessidade de mudança.

Apoiarei e, se necessário, participarei num novo projecto. Há que avançar.

Carlos Ferreira

Nuno disse...

Não duvidem de uma coisa, a situação tal como está, sem perspectivas de melhoras, e a arrastar-se de esta forma, o Porto caminha para se tornar uma equipa da metade inferior da tabela. O pior é que se encontra com uma dívida incomensuravelmente maior que os clubes dessa zona da classificação.

É muito triste dizer isto mas é a realidade. Quatro jogos seguidos a zero é algo nunca visto. Os objetivos da época vão-se queimando e chegar ao Natal sabendo que não se vai conquistar nada, depois de 3 anos sem ganhar um título, por muito que argumentem, é uma realidade demasiado má e evidente. Somos o Porto, não somos o Sporting, nem o Benfica do início do século. Não estamos habituados a isto e temos de uma vez por todas que começar a manifestar a nossa indignação, e de forma perentória.

Gabri El'Viegas disse...

Faça-se uma lista e convoque-se eleições antecipadas. O problema é que ninguém se chega à frente...

Pedro disse...

Uma segunda parte contra 10, e apenas 3 ou 4 cruzamentos para a área.
Um Depoitre de 6 milhões que é claramente pior que um Suk que já não era grande coisa.
Um Brahimi e um João Teixeira que acrescentam criatividade e que juntos têm 4 jogos completos nas pernas.
Um recorde negativo de 4 jogos seguidos a não marcar golos.
O primeiro Porto que me lembro sem um único ala de grande qualidade.

Sábado lá estarei para apoiar, nunca se abandona a família. Mas é tempo de mudança. E independentemente de alguns tímidos sinais da SAD em corrigir algumas coisas, creio que o seu caminho chegou ao fim. Nuno é apenas um treinador mediano, sem culpa de ter sido metido num gigante.

Antonio Pinto Cardoso disse...

O treinador até pode não ter toda a culpa, mas uma coisa é evidente; não tem presença no banco e não transmite aos jogadores a raiva e a ambição que tão necessárias é para se conseguir os resultados.
Não é a fazer "bonecos" nem a repetir constantemente o "somos Porto" que chegamos lá. É triste ver a nossa equipe ser vulgarizada por planteis de "outlet" dirigidos por treinadores que me escuso a classificar para não os ofender, que comparados com o nosso, teoricamente estão anos luz, mas conseguem os seus objectivos mesmo com pouco tempo nos clubes.
Estou francamente com receio do que nos pode acontecer na próxima semana?!...

Jose Norton disse...

Infelizmente aquilo que digo desde 2009 relativamente ao Presidente e suas companhias cada vez se confirma mais.
Sou grato pelo que fez pelo FC PORTO mas sem gratidão nenhuma por se deixar arrastar e por não saber sair.
Muito mau

Pedro ramos disse...

Infelizmente nada disto é surpresa desde o início da época.

Nada tenho contra um reset, mesmo que isso implique a desistência pela luta do título por 2/3 épocas. Os maus resultados não são o maior problema.

- O clube continua a ser gerido por interesses extra clube. Se quem impõe é a Doyen, o Jorge Mendes ou outro qualquer é indiferente o problema é não ser o clube a definir a sua própria gestão, para o bem e para o mal.

- Não podemos ter um "um ano zero" e ter custos cada vez maiores. Se a ideia é recomeçar não podemos continuar com orçamentos bem acima dos 3 dígitos para lutar com Bragas e Guimarães.

- O treinador é uma peça chave de toda a estratégia, quer na formação quer na equipa principal, os critérios nas sua contratações tem de mudar radicalmente, têm de ser mais valias. Não basta o actual sair para a seguir chegar um qualquer José Mota.

-A formação do plantel tem de seguir uma lógica desportiva coerente. Não se pode dispensar Aboubakar, Bueno, Suk e Paciência para gastar 6m em Deloitte que não é superior a nenhum. Não se pode gastar 12 m em laterais e dizer que não há dinheiro para um extremo.

- Os treinadores não podem ficar abandonados aos adeptos e à CS sem qualquer apoio do clube nas suas lutas. Foi dessa forma que VP mesmo sendo bi-campeao foi escorraçado pelos adeptos.

Pedro Reis disse...

A generalidade dos jogadores pode ser mediana, o treinador pode ser fraquinho, mas com uma direção e um presidente com um desempenho medíocre e lugar marcado para 3 anos esqueçam qualquer melhoria. O Presidente do FCP "morreu", apesar de continuarmos a ver uma caricatura sua confortavelmente instalado na cadeira. Não confundo a gratidão por muitas coisas boas no passado, com uma total incompetência para gerir o presente, desde alguns anos a esta parte. Pinto da Costa e a restante direção não podem continuar à frente do FCP para bem do futuro do clube!

miguel.ca disse...

Paulo Fonseca, Julen Lopetegui, José Peseiro e Nuno Espirito Santo. Quantos mais barretes é que Pinto da Costa vai ter de enfiar para nos provar que actualmente a sua liderança é sinónimo de incompetência?

António Jorge Paiva Lourenço disse...

..." Pois há que erguer a cabeça e trabalhar. Não mereciamos isto. Fizemos por ganhar, mas não conseguimos marcar. Não vamos desistir, somos Porto"... Já estou pelos cabelos com a cassete deste gajo!!!!

miguel87 disse...

Excelente analise, apenas peca por tardia, pois já há muito que se vê de onde vem o verdadeiro mal que assola o nosso clube...

VP afinal não era tão fraquinho como o pintavam, Lopetegui, como se vê, fez bem mais do que qualquer outro, PF, JP e NES, apesar da falta de capacidade, são também vitimas das circunstâncias.

Mais vale tarde do que nunca, apesar de ser uma inevitabilidade, mas finalmente parece estar a chegar a altura em que os sócios começam a olhar para a floresta (direcção) em vez de malhar só na arvore (treinadores)…
Haja esperança que largos dias não tenham que ter 100 anos para as coisas mudarem!

Dr Sigmund V disse...

E, contudo, isto não tinha de acabar assim.

santosanonymus disse...

Das duas uma:

1. Os adeptos acreditam que esta SAD merece toda a confiança, logo o problema está no treinador/jogadores, que podem ser substituídos, e é meramente temporário.

2. Os adeptos acreditam que esta SAD está a fazer muito mal ao clube (passivo a rondar 400 milhões e 4 épocas de seca), e aí têm de chamar as coisas pelos nomes: demissão, já!

Isto em nada invalida estátuas e afins, é apenas uma questão de proteger os interesses do clube. É só isso que interessa, certo?

Quem critica fortemente a SAD e não exige a sua demissão imediata no fundo está a pedir que ela cumpra o seu mandato, e depois não se pode queixa.

Neste momento a situação chegou a um ponto em que tem de existir uma separação de águas: ou estão com a SAD ou contra ela, e quem está contra tem de chamar as coisas pelos nomes.

O ponto de não retorno está cada vez mais próximo, e depois não vale a pena fingir que ninguém foi avisado...

Dr Sigmund V disse...

Exactamente, santosanonymous, e para se dar esse passo é também necessário pôr termo à insuportável lengalenga da "eterna gratidão", a qual, como acabo de ler num comentário nouto blogue, deve ser vivida no museu e não na Administração!

Abaixo Miguel de Vasconcelos! Viva o 1º de Dezembro!

Luis Pereira disse...

Vitor Pereira fez bom trabalho. Saiu pelo próprio pé, mas muitos adeptos agradeceram.
Paulo Fonseca fez bom início de época mas não conseguiu impor-se, os maus resultados fizeram o resto e muitos adeptos agradeceram a sua saída.
Julen Lopetegui, retrospetivamente, fez um bom trabalho e depois dele foi o descalabro completo. Saíu e muitos adeptos agradeceram.
O resto, até agora, são "entretantos" até esses muitos adeptos se cansarem das críticas e deixarem de dispararem em todas as direções arranjando inimigos internos imaginários ou não (SAD, PdC, seu filho, Antero...)
Faz parte do processo de auto destruição até nos cansarmos de criticar por criticar. Depois, virá o equilibrio e a evolução.
"Muitos adeptos" não são sinónimo de maioria, apenas de mais ruidosos.

Luis Pereira disse...

...
também fico incrédulo quando "vejo" e ouço assobios á equipa.
Uma imbecilidade!!

.jpeg disse...

Excelente análise!

Também fui um dos que aguentou até ao fim apesar do frio e sono que o jogo me deu.

Foi sem dúvida diferente a postura dos adeptos. Aqui há 1, 2 anos ao primeiro lance falhado ouviam-se logo os assobios, ontem os adeptos do assobio aguentaram estoicamente praticamente silenciosos... há medo no ar desta vez, medo de que isto vá definitivamente por agua abaixo e só paremos no 6º lugar como aconteceu com o Benfica no final dos anos 90.

Sem dúvida que é preciso um novo modelo de gestão desportiva e financeira do clube e no início deste ano tivemos uma oportunidade clara (eleições) para aparecem alternativas à SAD atual.... mas infelizmente não apareceram e neste momento nao existe qualquer "oposição" ao que se vai fazendo no clube.

PC precisa de se assumir e ter a coragem de dar um abanão na situação atual e não falo de despedir mais um treinador.

Acho que devia dizer publicamente que NES não sai pelo menos até ao final desta época mesmo que acabe em 10º lugar (tirar a pressão de cima do homem e do plantel por associação), depois, convocar desde já eleições antecipadas para Junho e dizer que não se recandidata.

É uma forma de ainda sair pela porta grande (ainda que estes anos não tenham sido bons pelo menos teria a humildade de fazer mea culpa e fazer o que está ao seu alcance para corrigir os erros).

Quanto ao NES é deixa-lo trabalhar o melhor que saiba até final da época e depois a nova Direção decidirá se fica ou sai. Pode entretanto corrigir alguns erros de casting que estão a mais no plantel (varela, adrian, depoitre, herrera) e chamar putos da B ou repescar emprestados como Paciencia ou Suk.

Tiago Pedrosa Santos Pita Simões disse...

Não concordo com este tipo de comentários. Os mesmos que vamos lendo à cerca de quatro anos para cá, ou seja, assobiar a equipa em plena casa, criar mau estar para potenciar a saída de treinadores a meio da época, com as consequências que já se conhecem à partida e que se confirmam sempre novamente, sempre que há mudanças de treinador a meio de uma época, recordam-se de Rui Costa da sad do clube da treta ter afirmado que Rui Vitória era intocável, quando no ano transacto se avolumaram sete pontos para o 1º lugar? E depois foi o andor que conhecemos e o problema já não se levantou para aqueles lados e agora começa-se, da nossa parte, a estender para a SAD. Estamos a cair na armadilha anual dos nossos inimigos, comunicação social, comissão de arbitragem, árbitros, federação, órgãos de disciplina e claro, quem está por trás de tudo, o clube da treta. Para ganhar actualmente o campeonato não basta a ajuda arbitral e o manto protector da C.S. é preciso que se afaste do caminho quem pode lá chegar. Mesmo com o plantel de um grande Europeu não se ganhava o campeonato Português. No próximo Sábado vamos defrontar o benfica b e com o alto patrocínio do famoso Carlos Xistra. O desgaste permanente a que as nossas equipas são submetidas nestas últimas épocas por este factor leva a que se comece a perder a confiança e a instabilidade está instalada.
Em vez de dirigirmos as nossas questões/dúvidas para quem nos representa, porque não pensar em denunciarmos o que é o nosso campeonato, C.S. e entidades reguladoras, para as federações de Espanha, França, Turquia, Monegasca, Italiana, Alemã, Inglesa, Dinamarquesa, Holandesa e Sueca? FIFA e UEFA? Temos adeptos com competências profissionais suficientes para compilar toda essa informação e desmascarar tudo isso, sem ter que desgastar o Clube e a Presidência, sobre algo que já vimos que não pode ser feito por eles, pois se pudessem já o tinham feito. Há encontros da blugosfera durante a "silly season", porque não um extraordinário para dar inicio ao processo e estacar a provocação semanal das nomeações? Façamos algo pelo Clube pois enganem-se os que pensam que tudo se alterará com uma nova SAD, um novo treinador e novos jogadores, continuaremos a ter penaltis por marcar, expulsões por efectuar, agressões sem punição, foras de jogo mal assinalados, prolongamentos de tempo de jogo inexistentes e adversários com conhecimento prévio de que podem entrar em campo de forma agressiva.
Deixo este tópico à V/reflexão, porque entendo que é por aqui e não na destruição dos nossos.

Nuno Simões

António Martins disse...

Parabéns ao comentário de Tiago Pedrosa Santos Pita Simões.
Analisando os cenários envolventes aos jogos dos clubes decisivos, não há dúvida que o FCP tem que ultrapassar constantes obstáculos e cascas de bananas, deixadas como armadilhas por quem o pode fazer. Enquanto um adversário, joga sempre com o campo a favor, numa rampa direta à baliza contrária.
Dando um exemplo, que não é único, longe disso: no jogo da taça, o sorteio mandou o FCP para Chaves. Um jogo difícil, onde outros tiveram muita "sorte" em ganhar recentemente. Pois bem, a esta dificuldade real, o conselho de arbitragem, nomeou o árbitro mais associado a bons resultados do SLB, e por isso mais inconveniente(por aí dizem que o Capela é um antigo júnior do Alverca do tempo de LFV). Havendo tantos árbitros disponíveis para este jogo, porque foi escolhido este, que tem a má fama que se conhece? Porque correr o risco de o árbitro continuar a errar, obviamente por falta de visibilidade, contra o FCP, ainda mais num jogo a uma só mão, onde não é possível corrigir um mau jogo? Será que alguém queria atirar o FCP para fora da taça?

Este é só um exemplo. Recordo que na primeira época de Lopetegui, houve jogos seguidos em que as decisões arbitrais, por sorte e falta de visibilidade, obviamente, favoreceram o SLB e deixaram este clube à tona até ao fim. Na última época o SCP jogou muito melhor que outros, mas foi o vizinho a ganhar, beneficiando de decisões arbitrais por falta de visibilidade, claro.

Isto tudo, mais os boucheres e salpicões, é branqueado pela CS, o que nos leva a outro ponto:
Mesmo que um árbitro seja isento, sabendo que na análise do seu desempenho num jogo, a CS irá apreciar, se decidir a favor de um clube da 2ª circular, e será criticada se errar contra esse, o que irá decidir na dúvida? claro, vai decidir pelo clube da CS.

Devido a este cenário, o melhor é apoiar os jogadores e treinador atual até ao final da época e depois fazem-se as contas.

Acredito também que o atual responsável pelo futebol do clube irá reforçar a equipa no mercado de inverno de forma a ultrapassar estes escolhos.

Sabendo também, que por cá, o FCP só ganha com super-equipas, tipo todo o terreno, para ultrapassar as armadilhas referidas, vamos esperar com calma a formação de outra equipa de topo europeu. Pois quando o FCP domina por aqui, é porque é muito superior aos outros no campeonato interno e aproxima-se assim do topo europeu.

Assim, até devemos agradecer as dificuldades que impõem ao FCP, pois isso torna a equipa mais forte.



pamacedo disse...

Sugiro que se aproveite o espaço de reflexão deste site para se começar calmamente a discutir o perfil e nomes concretos que podem interessar para presidir ao futuro do nosso Porto. Sem ser na vertigem das eleições e nunca numa lógica contra os atuais responsáveis, que são "intocáveis" por tudo o que deram ao clube. Acredito que é melhor pensar em quem pode interessar ao Porto, quem pode ser consensual, quem teria perfil certo para nos recolocar no nosso lugar de líderes, e criar um movimento de apelo e apoio ao melhor candidato, do que esperar que apareçam os abutres que inevitavelmente irão surgir e ter que escolher o menos mau.

Ricardo Rocha disse...

Sócio número 329. O Mário é um adepto único, dos poucos que vê além do resultado de domingo.

Parabéns!