terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Impossível

Isto ultrapassa tudo o que se viu nos últimos largos anos e que já tinha sido suficientemente mau. Assim, a Liga Portuguesa é absolutamente impossível de ser jogada, quanto mais de ser ganha.


Se neste passado Sábado, no Estoril, ficámos a saber que aquilo que 6 dias antes era "bola-na-mão" passava, de repente, a ser "mão-na-bola", hoje no Dragão aprendemos que nem vale a pena pensar mais no assunto: poderíamos até jogar com o nosso melhor "11" de sempre que, com contra este "poder supremo", não há qualquer hipótese.
Não terá sido ainda hoje mas, se todas e qualquer uma das decisões arbitrais continuarem a ser decididas em benefício do slb, é só uma questão de tempo até este campeonato ficar definitivamente resolvido em favor dos mesmos de sempre.

E só não aconteceu neste jogo devido a um golão de levantar o estádio. Danilo tem vindo a crescer a olhos vistos e mereceu completamente o título de herói do jogo. Isto numa partida em que tivemos um Chaves nunca antes visto. Seguramente a melhor exibição de sempre dos transmontanos num encontro, contra o FCP, na nossa cidade.

E tudo o resto que se poderia escrever sobre esta partida tem que, obrigatoriamente, passar para um plano secundário. As regras do futebol têm que ser iguais para todas as equipas participantes numa mesma competição e isso não está acontecer na edição actual da Liga Portuguesa. Ponto final, parágrafo.

Não vale a penar divagar sobre um qualquer outro assunto quando o básico não está garantido.
A continuar assim, a atribuição do título de campeão 2016/17 corre o risco de se tornar numa farsa sem vergonha.
   

7 comentários:

FCS disse...

Volto a perguntar: depois do que se viu nestes últimos 15 dias, como é que pensam ser campeões?

Quando é que o Porto decide de vez afrontar o Benfica? Porque tanto silêncio?

Paulo Marques disse...

Quem ainda não percebeu que o plantel, com todos os problemas, e o treinador, com todos os defeitos, não são piores que outros que deram títulos e que o problema é outro não é hoje que muda de opinião.

Luís Vieira disse...

Absolutamente escandaloso. Um roubo de igreja, monumental, em pleno Dragão. Não me lembro de ter visto algo assim nos últimos tempos. A definição de arbitragem encomendada. Acho que está na altura de voltar ao tempos do Guarda Abel, que isto assim não vai lá. Valha-nos o Luís Gonçalves e o João Pinto (e já agora o Nuno) a incutirem raça nos jogadores para suplantarem estes obstáculos. Muita alma, à Porto, contra tudo e contra todos, como tem de ser. Bem diz o Luís Carvalho: perante isto, qualquer análise táctica se secundariza. Palavra final para o Danilo: sem o ser, é um capitão à moda antiga. Gosto muito do Rúben Neves, mas nestes tempos precisamos de um brigão assim, na esteira de Jorge Costa, Fernando Couto, Paulinho Santos e afins. A caça ao mouro está aberta! Vamos!

Lápis Azul e Branco disse...

Vamos c@r@lho!!!

Abraço Portista,

LAeB : Do Porto com Amor

Francisco Paulos disse...

Este é o campeonato da vergonha. Verdade desportiva não existe e bem vale a pena competir pois os roubos vão continuar até o titulo estar entregue ao clube do regime.Denunciar esta imundície à FPF ou à Liga não vale a pena por isso só enviar uma exposição detalhada à UEFA para ver se desse modo as coisas mudam.

Buck Naked disse...

Quando é o momento de criticar ca estamos. Quando é para elogiar tambem. Ontem boa intervencao de PC. Fex muito sentido especialmente porque ganhamos. Agora aparte da intervencao do Presidente precisamos de martelar a opinial publica. Nesse sentido é preciso arranjar um truculento que faça o papel sujo de apertar os media e consequentemente os arbitros para que quando erram assim sem qualquer pejo e com enorme desfaçatez pensem duas vezes. Isto porque neste momento batem no FCP porque é facil. Temos que colocar pressao.

ASA disse...

A pior roubalheira nem foram o golo anulado e o escandaloso penalty não assinalado, que já estamos acostumados à média de um por jogo. Para mim o pior foi o arbitro deixar os jogadores do Chaves agarrarem-se aos jogadores do Porto que nem melgas, sempre em faltas não marcadas. Sempre, sucessivamente, até conseguirem ganhar a bola. Impossível jogar assim!