quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Noite de gala: o day after


Grande exibição!
Golo monumental de Corona!
Obra de arte de Brahimi!
Bis de André Silva!
Mão cheia de golos!
Tudo isto e, claro, ganhar 5-0 ao campeão inglês em título é ganhar 5-0 ao… campeão inglês em título.

Mas (e há sempre um "mas"...), quem tem acompanhado a Premier League 2016/2017, sabe que este Leicester ocupa o 16º lugar (ganhou 3 dos 14 jogos já disputados e está apenas dois pontos acima da linha de despromoção) e é uma equipa que tem tido um desempenho muito distante da equipa que, na época passada, surpreendeu o Mundo do futebol, ao sagrar-se campeão inglês.

Mais. O onze inicial do Leicester que alinhou no Dragão, não tinha o guarda-redes titular (Kasper Schmeichel), não tinha o seu suplente (Ron-Robert Zieler), nem tinha outros nove dos jogadores mais utilizados esta época por Claudio Ranieri (Danny Simpson, Robert Huth, Christian Fuchs, Daniel Amartey, Andy King, Riyad Mahrez, Jamie Vardy, Marc Albrighton, Islam Slimani).
Ou seja, Claudio Ranieri alinhou no Dragão com 11 jogadores sem rotinas (isso viu-se bem no 1º golo) e que nunca tinham jogado juntos.

Yes, we can. Sim, o FC Porto cumpriu com a sua obrigação, ganhou e qualificou-se (em 2º lugar) para os Oitavos-de-final da Liga dos Campeões, sem precisar de ajudas de terceiros (esta é para o Rui Derrota…).

Mas, convém lembrar que, num grupo muito acessível, o FC Porto só foi capaz de ganhar a este Leicester (de segundas e terceiras escolhas) e a um fraquíssimo Club Brugge (uma equipa que perdeu os 6 jogos que disputou nesta fase de grupos, com um saldo de 2 golos marcados e 14 golos sofridos!).

Estamos, naturalmente, felizes com esta vitória gorda e com a continuidade na competição de clubes mais importante do panorama mundial. Contudo, é capaz de ser um bocadinho precipitado embandeirarmos em arco com estes 5 golos (CINCO, carago!), pensarmos que agora é sempre a abrir, que o campeonato está no papo e que mesmo na Liga dos Campeões, com um sorteio jeitoso na próxima 2ª feira, se calhar vamos longe…

Calma. Pés no chão, porque os problemas do FC Porto não estão todos resolvidos. Nem, tão pouco, os da equipa principal de futebol. E, sem querer ser pessimista, apesar do próximo adversário (Feirense) vir de cinco derrotas seguidas (quatro das quais em casa), cheira-me que, já no próximo domingo, não vai ser fácil trazer os três pontos do estádio Marcolino de Castro.

8 comentários:

jorgen80 disse...

Goza-se assim com o Rui Derrota, depois de jogarem com a equipa B do Leicester? EPa, brincalhão :)

Buck Naked disse...

Totalmente de acordo. Os problemas do FCP estao muito além dos resultados do futebol. E acreditem que os responsaveis a nivel da Sad e bando que os rodeia neste momento sao os principais interessados nesta onda de euforia. Porque isso enebria os adeptos e permite lhes continuarem com os seus principais objectivos : sacar a comissaozinha, assegurar uma % sobre o passe do Andre Silva, Ruben, Rui Pedro ...e afins... enquanto o clube estiver entregue a gente que vive à custa do mesmo vivemos uma ilusao. PC deu muito ao clube, tambem ganhou muito com o clube ( a vida faustosa que tem seguramente nao veio da sua ruinosa vida empresarial). Mas a questao é que como CEO de uma grande organizacao o que ganhou é mais do que merecido. Ja nao se entende como é que se continua a manter os Reinaldos, os Pinheiros, Caldeiras e outros..um clube como o FCP precisa de gente profissional, portista mas que valha como gestor o que se paga a esses senhores. E para bem desta gente toda que - a expressao é esta mesma- " mama " à grande no clube é urgente que o clube ganhe. Mas nao sejamos anjinhos. Todos queremos que o FCP ganhe mas isso nao nos deve fazer esquecer que é tempo de colocar à frente do clube gente que nao se sirva do clube e sirva o clube

Ekemba disse...

Totalmente de acordo. Não devemos ficar com o rei na barriga. Nem tudo estava mal quando a bola não entrava como tbm não vamos andar eufóricos com uma vitória aos 95 min e 5-0 aos suplentes do de um clube abaixo do meio da tabela da liga inglesa

Soren disse...

O Brugges jogou sem 7 titulares indiscutíveis contra o Copenhaga.

Em Copenhaga merecíamos a vitória e em Leicester perdemos porque o Nuno mexeu tardissimo na equipa e passou uma hora a jogar no seu ridículo ex-sistema sem alas. Depois o azar fez o resto.

Como bem diz o José Correia os problemas deste Porto estão bem acima dos jogadores e do treinador.

Agora esta jovem equipa precisa de apoio.

HULK ONZE MILHAS disse...

Perfeitamente em sintonia com o José Correia e ainda mais com o "Buck Naked".
Muito significativa a campanha de apoio do nosso ex grande presidente aos super dragões e a sua retribuição em pleno estádio na noite de quarta feira.
É a grande tábua de salvação daquela malta que está na administração da sad...
Digo mesmo que é muito mais importante para eles o apoio da claque do que o futebol ir ganhando uns joguitos!

reine margot disse...

A história do copo meio cheio ou do copo meio vazio é a história da propaganda. Ou seja também é viável argumentar que dada a situação do Leicester City nesta fase da época era melhor perder com os não-titulares do que agravar a crise, e perder com os titulares ! ...
Todas as conjeturas são possíveis.
Até acreditar na equipe e no trabalho que está a ser feito...

Não, não mudaram os paradigmas, como iriam mudar ? Nem nos anos em que alguns dos adeptos achavam que estava tudo bem, porque à frente da equipe havia um gajo chamado André Vilas Boas... Que fez tudo e conseguiu tudo sozinho, e nem aproveitou o estupendo trabalho feito pelo seu antecessor, nem os fantásticos jogadores que tinha já à disposição... nem nesses anos mudaram!

Então, não é necessário alertar agora os adeptos, porque ninguém é burro!

Podemos é animarmo-nos com as vitórias e com os bonitos golos e perspectivar com será se finalmente - como todos queremos - a equipe engatar! ...

Gaspar Santos disse...

Leicester 4-2 Manchester City!

José Correia disse...

No dia 5 de dezembro de 2012, o slb foi a Camp Nou jogar o 6º jogo da fase de grupos da Champions contra um Barcelona já apurado.
Tito Vilanova decidiu poupar a maior parte dos titulares, deixando 5 ou 6 fora do lote dos convocados e colocando jogadores como Piqué e Messi no banco de suplentes (entraram na 2ª parte).
Ou seja, nesse jogo, o Barça alinhou de início com uma espécie de equipa B onde, mesmo assim, couberam jogadores como Puyol, Adriano, Song, Thiago Alcântara, Rafinha, David Villa e Cristian Tello.
O jogo terminou 0-0 e os benfiquistas fizeram uma festa, destacando o facto do slb ter ido a Camp Nou jogar com o Barça taco-a-taco e só não ter ganho por manifesto azar.
Lembram-se?
Eu lembro-me. E lembro-me, também, daquilo que a esmagadora maioria dos Portistas disseram, comparando o onze habitual do Barça com o onze inicial desse jogo.
Quatro anos depois, Claudio Ranieri foi ainda mais radical do que Tito Vilanova.
Ora, se nós, Portistas, dissemos o que dissemos na altura, por que razão agora havemos de dizer o contrário?
Acho que ser coerente não fica mal a ninguém.