segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

POOOOOOOOOORTO!


«O FC Porto sobreviveu à batalha do Bessa com uma importante vitória por 1-0, golo de Soares, que mantém a equipa bem na luta pelo título, num jogo em que a equipa lutou contra o adversário, contra a sucessiva violência dos jogadores do Boavista e contra um trio de arbitragem que voltou a ter a infelicidade de julgar sempre contra a nossa equipa, mesmo quando os lances não ofereciam qualquer dúvida.

Maxi Pereira deve entrar para o Guiness por ter sido expulso por acumulação de penáltis. Sofreu dois, nenhum foi assinalado e num deles ainda viu cartão amarelo por suposta simulação.

A expulsão "inteligente" de Maxi Pereira (Tribunal de O JOGO)

Corona saiu lesionado depois de uma entrada violenta de Talocha, numa jogada de perigo iminente para a baliza do Boavista. Para mostrar um simples amarelo devia ter deixado a jogada seguir, interrompendo como interrompeu e tendo em conta que se tratava de um lance violento, deveria mostrar cartão vermelho. (…)

A entrada "assassina" sobre Corona

O FC Porto ganhou. Ganhou porque tem boa equipa, ganhou porque tem um conjunto de jogadores que aliam a qualidade futebolística à capacidade de luta, mas este género de arbitragens são inaceitáveis. Na sexta-feira à noite, no Estádio da Luz, a verdade desportiva foi grosseiramente adulterada pelo árbitro Nuno Almeida e ontem no Bessa só uma equipa à Porto impediu Fábio Veríssimo de tirar pontos à nossa equipa. No final do jogo e apesar da sastisfação pela vitória, o ambiente no balneário do FC Porto era de indignação absoluta, porque ninguém como os jogadores sentem quando o campo é inclinado. O FC Porto está naturalmente preocupado, porque tem de haver uma explicação para o árbitro Fábio Veríssimo ter mostrado tanto medo de assinalar faltas relevantes a favor do FC Porto.

Outra entrada "assassina" sobre um jogador do FC Porto

E só quem não quiser ver é que pode fingir que estas arbitragens não acontecem devido à coação grave e reiterada que é diariamente exercida direta e indiretamente pelo Benfica e por um exército de comentadores e meios de comunicação social que lhe são afetos


O texto anterior é assinado por Francisco J. Marques, na newsletter ‘Dragões Diário’ de hoje e eu subscrevo quase tudo, principalmente as partes que destaquei a negrito.

Ontem à noite, após chegar a casa vindo da “arena” do Bessa, estive a dar uma vista de olhos ao que foi dito por comentadores portistas em vários canais e o único que me encheu as medidas foi o Bernardino Barros, cujas declarações, na TVI24, também subscrevo, quer no conteúdo, quer no tom (um misto de ironia e indignação).

Mas, tal como referi a propósito da manipulação… perdão, da “verdade” televisiva que nos querem impingir, o combate contra o “polvo encarnado” não pode ser apenas travado pelo diretor de comunicação, por um ou dois dos comentadores portistas que têm acesso às TV's do regime e pelos adeptos nas redes sociais.
Porquê?

Porque o “Estado lampiónico” não é um rival desportivo. É o “inimigo” (desportivamente falando), que não olha a meios para nos aniquilar. E, por isso, temos de responder com determinação, com toda a força, em todas as frentes de batalha e com todas as “armas” que tivermos disponíveis.

Mais. Este combate, o combate ao Estado majestático, centralista e lampiónico, é algo que faz parte do ADN do Porto Clube / Porto Cidade e tem, obrigatoriamente, de ser assumido pelos principais protagonistas do Clube, dentro e fora das quatro linhas.

Por isso, faço daqui um apelo ao Presidente e ao treinador da equipa principal do FC Porto: o exército Portista está pronto para o combate, como ontem voltou a demonstrar no Bessa, mas precisa de “generais” que o liderem, que não fiquem atrás dos “soldados”, que não se retraiam, que não se calem.

POOOOOOOOOORTO!



P.S. O próximo combate, dentro das quatro linhas, é já daqui a cinco dias, no Estádio do Dragão, a partir das 18h15. Jovens e menos jovens, homens e mulheres, ricos, pobres ou remediados, a Nação Portista está convocada para este desafio (há bilhetes a partir de 5 Euros). Ninguém está dispensado de ir ao estádio e de, com a sua presença, com o seu apoio, mostrar ao “inimigo” que vai ser preciso mais do que um qualquer Fábio Veríssimo, João Pinheiro (vulgo "Mostovoi"), Tiago Martins, Bruno Esteves, Manuel Mota, Jorge Ferreira, Nuno Almeida (vulgo "Ferrari vermelho"), João Capela ou Bruno Paixão para nos derrubar.

4 comentários:

Luís Negroni disse...

E o Carlos Xistra? E o Luís Godinho? Eles até ficavam a sentir-se mal se soubessem que não tinham sido incluidos nesta "digníssima" lista.

José Correia disse...

Caro Luís Negroni, tem razão, mas eles são tantos e com tão boas "qualidades", que é dificil lembrar-me de todos.

RAM disse...

Grande texto. Subscrevo tudo que foi dito pelo José Correia neste artigo.
Em frente!! E que continuemos a apoiar a Equipa como até aqui!

Sara Sousa disse...

Recentemente descobri o vosso blog e tenho adorado o que por aqui vem a ser escrito! Como tal, queria pedir-vos uma ajuda, pois tenho de preparar um trabalho baseado na frase "É a Hora!" e, como é óbvio, não poderia deixar de falar no FC Porto. Será que me podiam ajudar, elaborando um texto que falasse da situação atual do nosso clube? Adoro os vossos escritos!