quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Soares, a emenda ao "erro Lima"

Em dois jogos "Tiquinho" Soares já demonstrou que é um jogador que vale a pena desfrutar. O seu impacto imediato na equipa, uma equipa a quem faltava uma alternativa goleadora a André Silva desde o arranque da temporada, já valeu seis pontos e excelentes sensações. Depois de meio ano a bom nível a Guimarães nesta ocasião a direcção do clube esteve certeira e decidiu fazer aquilo que podia ter feito e não fez há anos atrás quando a trajectória de um outro avançado brasileiro soava familiar. Chamava-se Lima.

Lima despontou no Belenenses, em 2009. Rapidamente se percebeu que era um avançado com várias qualidades, faro de golo, velocidade e bom sentido posicional. Em Belém - depois de cinco anos de idas e voltas pelo futebol brasileiro e uma passagem curta pelo Vizela - causou um impacto imediato e transformou-se numa das pérolas do mercado local. Na altura o FC Porto deixou-se adormecer e o jogador acabou por assinar pelo Braga onde, em dois anos, confirmou todo o seu potencial permitindo aos arsenalistas viver as suas melhores épocas, com um vice-campeonato e uma final europeia pelo meio. Quando em 2012 surgiu o Benfica em equação, as boas relações entre os dois clubes - algum dia alguém explicará aos adeptos do Porto porque é que o clube dá tanto e recebe tão pouco a António Salvador - fizeram o resto e Lima tornou-se figura fundamental nos títulos conquistados por Jorge Jesus nas temporadas seguintes. Todos os adeptos do Porto se lembram perfeitamente a cada projecto de avançado falhado - nesse período pós-2011, com a saída de Radamel Falcao, o clube teve apenas em Jackson Martinez um goleador de nível - do nome do brasileiro. E o que podia ter sido um negócio de tostões na primeira temporada de Lima em Portugal (o Belenenses foi despromovido) ou um investimento controlado no final da sua primeira temporada em Braga (que coincidiu com a saída do "Tigre" e a entrada de Kleber para um ataque que acabou entregue a Hulk) acabou por ser uma dor de cabeça em forma de títulos para o rival. Soares ameaçava ser um take II da mesma história. Felizmente Pinto da Costa e a sua equipa anteciparam-se e bem.



"Tiquinho" não é necessariamente um jogador como Lima mas o impacto que tem causado evidencia bem o quão esquecido ás vezes é o mercado nacional num clube sempre habituado a virar-se para a América Latina á procura de negócios. A sua história tem tudo para funcionar. É um jogador com ética de trabalho evidente, que não só dá golos á equipa como trabalha para o colectivo. Tem um perfil complementar ao de André Silva e portanto não se atrapalham - como sucedia com Depoitre - e sim encontram formas diferentes de atacar o espaço e a jogada como o golo em Guimarães demonstrou.
Até à sua chegada a opção de Diogo Jota oferecia um perfil totalmente distinto com um jogador mais tecnicamente vistoso mas menos killer que podia ajudar André Silva mas que raramente o substituía como ameaça goleadora. Com Soares esse cenário mudou e não é de estranhar que depois de meia época nas pernas agora o jovem avançado da formação seja regularmente substituído à hora de jogo. NES pode finalmente prescindir de um futebolista na sua primeira época sénior completa e que, portanto, não tem ainda a capacidade física para aguentar um ano completo sem ser dosificado, fisica e mentalmente. Até nisso Soares é o reforço perfeito. Não só marca, luta e descoloca o rival como potencia André Silva e permite-lhe também ter os seus dias maus. Ninguém se esquece que a sequência de jogos sem vitórias e golos se deveram e muito á falta de acerto de Silva nesses encontros a tal ponto que até teve de ser Rui Pedro a salvar a honra frente ao Braga, numa noite épica, e Depoitre a marcar o único golo do ano num encontro angustiante contra o Chaves, ambos em casa.
Ter um futebolista do perfil de Soares permite encarar a segunda volta e esses momentos de outra forma. Não significa que marcará sempre, que a taxa de eficácia seja tão alta mas garante sim opções, tanto em campo como fora dele. Com Tiquinho á disposição NES poderá jogar cada vez mais entre o 4-2-3-1 que tinha vindo a utilizar com Jota como eixo de conexão como o meio-campo como com um claro 4-4-2 em que Soares e André se movem em parceria no ataque desde o arranque do encontro para potenciar o modelo de jogo do técnico, mais defensivo e apostado no trabalho de contenção do meio-campo e na amplitude ofensiva dos laterais. Com Brahimi como único elemento criativo fixo, o jogo de Telles e Maxi revela-se fundamental na construção ofensiva, e ter duas referências na área ajuda a potenciar esse modelo muito mais do que quando André Silva era engolido pelos centrais contrários.

Lembrando Artur e Derlei, outros jogadores brasileiros que partiram de um clube menor para brilhar no Porto nas últimas décadas - ainda com perfis radicalmente diferentes, o primeiro por ser um nome consagrado no Boavista e o segundo por chegar como petição expressa de Mourinho - Soares tem tudo para revelar-se uma figura extremamente importante neste suspiro final de campeonato. Mistura em campo de Hulk, Derlei e Lima, Soares é o perfil de futebolista ofensivo que habitualmente encaixa com a exigência dos adeptos portistas e talvez por isso, mais do que pelos três golos em dois jogos, deixa a ideia que os 3,5 milhões de euros pagos ao Vitória - uma cifra importante para o mercado nacional - poderão num futuro não muito distante, soar a bagatela. Não é uma jovem promessa - tem 26 anos - nem sequer um jogador que vá demonstrar ser muito mais do que aquilo que já é. A questão é precisamente essa. O Porto precisava de um perfil assim para complementar um plantel que tem recursos para lutar pelo título até ao fim. E agora que o tem o ponto de atraso contra o Benfica parece cada vez mais pequeno. Se em Maio esse ponto tiver sido engolido e cuspido com os seus golos, Deco - o agente - e o staff de Pinto da Costa merecerá um aplauso sonoro. Soares pode fazer pelo Porto este ano o que Lima e Jonas fizeram pelo Benfica no passado. Sem serem estrelas ou foras de série, acabarem por ser decisivos. Acabarem por valer um título!

5 comentários:

Luís Negroni disse...

Será possível? Miguel Lourenço Pereira a dizer bem de um jogador contratado pelo FcPorto? A dizer bem de Pinto da Costa? Isto é quase tão incrível como a vitória milagrosa ou mais parecendo até fruto de pacto com o diabo, de ontem do clube do regime.

vidente mor disse...

e lima tinha mais uma coisa marcava sempre ao porto, sempre desde o belenenses, logo se o tivesemos contratado alem de marcarmos evitavamos que ele nos marcasse, mas foi um capricho de um tipo da sad que ainda la esta e pos a frente os seus caprichos ao interesse do clube.

Rafael Lemos disse...

Sou só eu que ainda não me encantei e deslumbrei com o Soares?

Luís Vieira disse...

Manifesto exagero. O Soares é um jogador esforçado, raçudo, abnegado, mas tem limitações técnicas evidentes. Corre muito, bate muito, marca muito (até ver - espero que os encómios se mantenham no dia em que deixar de marcar), mas deixa a desejar na construção de jogo. O Hulk, o Lima e o Derlei não têm muito a ver com o Soares, a não ser na disponibilidade física, por isso nem entendo bem as comparações. À parte isto, está a revelar-se um reforço muito útil, porque permite ao André Silva entregar-se a outras tarefas e deixar de ter o peso dos golos todo nas suas costas. Faz o que o Depoitre deveria fazer desde o início da época. Mas não é ele que nos vai trazer o título, compará-lo com o Jonas chega a ser absurdo. Isso passa muito pela melhoria do jogo colectivo: não vamos ter sempre a sorte que tivemos nos últimos 2 jogos.

miguel.ca disse...

Talvez não percebas Luís que as pessoas intelectualmente livres, vulgo, anti-carneirada, quando estão desagradadas com situações que consideram nefastas a um projecto que gostam e pelo qual sofrem, geralmente demonstram esse desagrado de forma clara, directa e simples e sempre que julgarem necessário e o que demonstra na perfeição essa verdadeira liberdade intelectual é quando vês a mesmíssima pessoa a aplaudir tudo aquilo que se faz de bem e de produtivo no referido projecto.
Ser crónicamente do contra ou do a favor é o que separa os lorpas que comentam na bola on line com aqueles que usam a cabeça para pensar.