quinta-feira, 16 de março de 2017

O Nome da Rosa

No romance de Umberto Eco que dá nome a este artigo, a trama acontece num mosteiro beneditino (ou será numa “Catedral”?) na renascença italiana do século XIV (ou será na “revolução encarnada” do século XXI?). Há um assassino que representa uma ameaça para os monges e é o frade Guilherme de Baskerville que é enviado pelo Papa para investigar a misteriosa morte. À medida que avança a investigação sucedem-se mortes de outros religiosos. Guilherme de Baskerville é descrito como um homem esforçado que faz uso da capacidade de questionar e de duvidar, algo muito raro numa época em que era proibitivo e quase fatal questionar os dogmas e as doutrinas vigentes.

Queira o caro leitor atrever-se a desempenhar por breves instantes o papel de Guilherme de Baskerville, atendendo à mentalidade vigente em pleno século XIV, naturalmente, e analisar criticamente os seguintes factos:

Antecedentes relevantes:

A vitória do Benfica na 25ª Jornada, em jogo realizado na "Catedral" da Luz, começou a ser construída com um erro defensivo de Miguel Rosa, defesa do Belenenses mas formado no SLB (de 2001-02 a 2007-08 e como sénior em 2012-13):



A doutrina vigente na comunicação social fez com que a globalidade dos jornalistas se apressasse a considerar este como um "lance infeliz".

Os "episódios" entre o Benfica e o Miguel Rosa não são de agora, como se pode constatar nos artigos acima referenciados. Assim como os erros "involuntários" cometidos por jogadores do Belenenses em jogos contra o Benfica.

Em Março de 2014 o jogador Miguel Rosa, já desvinculado do clube que o formou, não foi convocado para o jogo Belenenses-Benfica. O mistério adensou-se quando o próprio treinador do Belenenses, Marco Paulo, assegurou publicamente que a razão para a ausência não era técnica e que a questão deveria ser endereçada à SAD. Alguma comunicação social estranhou, questionou os clubes e foi rever os regulamentos. Não havia qualquer razão objectiva que impedisse a utilização do jogador. Ver aqui.

A situação repetiu-se em Dezembro de 2014, na época seguinte. Aqueles que estavam a ser os jogadores mais influentes na equipa do Belenenses, Miguel Rosa e Deyverson, foram impedidos de jogar contra o Benfica.
«Apesar de integrarem a lista de convocados para o jogo com o Benfica, este sábado, Deyverson e Miguel Rosa não vão a jogo, no Estádio da Luz, por indicações expressas da SAD. Segundo noticia A BOLA, o treinador dos azuis, Lito Vidigal, foi informado por um elemento da SAD, antes do final do treino desta sexta-feira, que ambos os jogadores, que já passaram pelas águias, não iriam estar disponíveis para serem utilizados, mas que ainda assim deveriam ser convocados. No meio da surpresa por, a poucas horas do jogo, ter sido informado da indisponibilidade de duas pedras nucleares, o técnico rejeitou incluir Miguel Rosa e Deyverson no seu lote de eleitos, sendo que, por indicação do treinador, nem seguiram para estágio.»

Faixa dirigida a Rui Pedro Soares (Presidente da Belenenses SAD)

Em Abril de 2015, jogo no Restelo e nova vitória para o Benfica, também com um erro de um defesa do Belenenses:



«O minuto seis do Belenenses-Benfica foi muito ingrato para Pelé, jogador que estará já comprometido com os encarnados para a próxima época, segundo pode ler em A BOLA.
O médio foi o autor de um mau passe que quase isolou Lima e obrigou à saída do guarda-redes Ventura de entre os postes, sobrando a bola para Jonas, que acabou por rematar para o fundo das redes. Estava inaugurado o marcador e lançado o Benfica para a vitória (2-0), que acabou por ser confirmada também pelo avançado brasileiro.
O jogo começou mal para Pelé e para o Belenenses. E logo começaram as especulações. Que foram ganhando dimensão, particularmente nas redes sociais, nos dias seguintes. Também devido à proximidade entre as Administrações de Belenenses e Benfica.»
in abola.pt, 22-04-2015

Relativamente à arbitragem do jogo Benfica x Belenenses desta 25ª Jornada, diz a comunicação social doutrinada que Bruno Esteves terá estado bem. Há 2 lances na área "encarnada", contudo, que falam por si:




Poderá, afinal, a dúvida sobrepor-se ao dogma?
   

11 comentários:

Miguel Lourenço Pereira disse...

Excelente!

Paulo Sérgio Portugal Malheiro disse...

O nome é CodeCity...
O resto é uma filial do carnide!😂

Paulo Sérgio Portugal Malheiro disse...

Nome de código- Code city. De resto é uma filial do carnide...

Azul ao Sul disse...

E porque será que não é assim tão surpreendente ? (a partir dos 4:18)
https://youtu.be/H7iwWVJH_Zo

Francisco Paulos disse...

É um clube batoteiro que joga com regras diferentes dos outros e a quem tudo é permitido. Veja-se o escândalo da não amostragem do quinto cartão amarelo ao pizza,veja-se o auto golo do feirense na luz, veja-se a oferta do primeiro golo ao berlinenses. Que faz a CS? Tudo branqueia.Não há verdade desportiva nos jogos desses batoteiros. Se ganharem o campeonato por estes meios ilícitos a UEFA não os devia admitir nas suas provas.E porque não enviarmos uma compilação destas poucas vergonhas para lá para eles verem o compadrio e ladroagem que por aqui anda?

Rui Silva disse...

Lamentável post, a lançar suspeitas contra um emblema digno da zona ocidental da cidade de Lisboa, clube que desde 1919 vem resistindo ao canto da sereia daqueles que o querem abafar, não obstante se ter visto capturado por uma empresa privada de um sócio do FC Porto (Dragão de Ouro e tudo) que, se tudo correr bem, estará fora do Restelo muito em breve. De resto parece-me óbvio que o FC Porto tem muito mais a ver com o Benfica - na medida em que partilham muito mais interesses e posturas - do que o Belenenses. As relações entre o Belenenses e o FC Porto sempre foram de enorme cordialidade, e até hoje mantém-se uma tradição única no futebol nacional: quando o Porto visita o Restelo deposita flores no memorial a José Manuel Soares e quando o Belenenses visita o Porto transporta consigo uma bandeira portista para dentro do campo. O Belenenses não foi, não é e não será "filial do carnide". O que aqui se fez foi insultar 100 anos de história belenense. Lamentável.

Francisco Paulos disse...

Contra factos não há argumentos.

reine margot disse...

Olhe N.Nunes há um belenense que lê os seus posts! E está indignado ! Imagine só! O Clube de Futebol
Os Belenenses que era conhecido como o clube de Américo Thomaz, e só podem ser as más línguas a dizer que acontecesse o que acontecesse teria de ficar na primeira divisão, para que o nosso presidente não ficasse triste !
E, agora vimos nós suspeitar de amizade com o rei dos pneus !
Apre. Pobrecitos, tanta má língua...

iur disse...

Sport Lisboa e Batota...

Tiago Stuve Figueiredo disse...

Não se está a lançar suspeitas. Está-se a falar de factos.

Factos esses que não foram os adeptos portistas que denunciaram em primeira mão, quem o fez em primeiro lugar foram os adeptos, sócios e claques do Belenenses.

É triste que o Belenenses se preste a estes lastimáveis papéis? É.
É triste para alguns / muitos adeptos do Belenenses que não se identificam com a benfiquização e com a transformação do Belenenses num franchising dos vermelhos? É.

Mas é a verdade.

PS: o lance da assistência do Pelé para o Lima há dois anos é digno de entrar para os registos do guiness como um dos golos mais oferecido de sempre.
Não é só o Pelé a oferecer o golo, é também e principalmente o defesa que em vez de substituir o guarda redes que está fora da baliza fica a fingir que se esforça. A bola entra rasteira ao meio da baliza. Clap Clap Clap

Luís Negroni disse...

Só os parvos muito parvos e a comunicação social do regime que se faz de parva é que ainda não se terão apercebido que o belenenses anda à muitos jogos a oferecer golos ao clube dos árbitros. E são sempre jogadores com ligação passada ou futura ao clube dos árbitros ou que dele são adeptos assumidos que dão os golos ou os metem até na própria baliza e logo na fase inicial dos jogos. Está claro que é tudo "perfeitamente normal" dentro da lógica das coisas feitas por "outro lado" à moda do Orelhudo Mafioso.