domingo, 28 de maio de 2017

Ao sabor das negas



Por José Maria Montenegro

Isto de um treinador não querer treinar o Porto e preferir o Watford, por muitos desmentidos que se publiquem, é embaraçoso e merece reflexão.

O Porto pode já não ser suficientemente sedutor desportiva e financeiramente. Pode-se dizer que fica exposta, com uma eloquência penosa, a fragilidade da estrutura, tal como a vêem de fora. E sobretudo poder-se-á alegar que é indisfarçável a desorientação de uma administração que, em gritante contraste com um passado recente, já não convence quem convida.

Mas - tenham lá paciência - também não fica bem aos treinadores desta vida que se prestam à nega a um clube como o Porto. Com todo o respeito pelos Watfords, pelas Premier Leagues, e pelo dinheiro, nunca é um marco (não forcei a palavra) na carreira de um treinador de 40 anos ter dito não ao Porto. Um "não" para poder estar à frente de uma equipa que luta por não descer de divisão e que augura celebrar um "campeonato tranquilo". Seja essa equipa de que país for. É que para mais - convém lembrá-lo - nesses campeonatos tão sedutores e com tão generosas remunerações há muito poucos clubes com presenças assíduas na Champions League, com apuramentos mais ou menos regulares para os oitavos de final da Champions, que conquistam ou que lutam todos os anos pelo título de campeão. E já não falo do currículo europeu (nesses campeonatos dourados não são mais que 2, e às vezes nem isso, os clubes que tem semelhante folha de glória). Cada uma dessas negas ao Porto é no fundo expressão de impotência, de medo ou de parca ambição.

A mim interessa-me o Porto. É com o Porto que me preocupo. Tenho a certeza que regressaremos. Não saberei quando. Mas talvez seja mais cedo do que a razão sugere. Afinal foi contra todas as probabilidades, contra essa mesma razão, que conquistámos e nos fizemos maiores que esses ricos e sedutores. E é com cada uma dessas negas que o nosso regresso será mais saboroso.

Nota: o Reflexão Portista agradece ao José Maria Montenegro a elaboração deste artigo.
     

9 comentários:

Pedro disse...

Por acaso acho que o maior erro deste falhanço foi o nome de Marco Silva ter sido sequer considerado. E ao contrário do autor, considero que esta nega ao Porto vai ser mais um marco no seu percurso como treinador, já que o deixa (ainda) mais perto da sua cadeira de sonho. Já no Estoril não escondia a sua ambição em treinar o SLB.

Gaspar Santos disse...

A vingança serve-se fria!
Outro qualquer treinador, devido à forma como foi rejeitado Marco Silva há um ano, teria tomado mesma atitude.

Filipe Sousa disse...

É como diz o Pedro; daqui a uns 2 ou 3 anos, aí está ele de volta.

Se eu nao soubesse porque é que ele recusou, poderia apontar-lhe o dedo. Mas todos nós sabemos porque é que ele recusou: o Porto é uma nau 'a deriva.

Tiago disse...

Ainda bem que Marco Silva não vem para o Porto. Nunca entendi a excitação por ele. Não fez mais que o Nuno Espirito Santo. Do ano em que esteve no Sporting, teve a sorte de ganhar a taça de Portugal, mas durante a época deve ter sido o treinador que mais vezes efetuou duplas substituições.
Não digo que não tivesse sucesso, mas apostar no Marco Silva era mesmo isso. Uma aposta, tal como fizeram com o NES.

Felisberto Costa disse...

É uma valente bofetada de luva branca aos portistas de pipoca que gritam histericamente por Marcos, Sérgios, Martins, Sousas e até cristianamente por um Jesus e outros tantos da escola de... NES!!!

Na minha opinião o FC PORTO só tem 2 escolhas. Ou vai lá fora buscar um estrangeiro, ou vai á... formação e pega numa Folha e anota o nome do treinador! Tal como fazem lá fora os Reais Madrids e Barcelonas e Atléticos deste Mundo. Sem medo, sem frio, sem hesitar!
Afinal ao plantel que temos nem com Mourinho lá iriamos!

Unknown disse...

De facto não sei as razões por isso não fará muito sentido atirar-me ao Marco, até porque aqui alguém já disse, ele foi rejeitado pela SAD 2x. Aliás se se conhece uma razão para a saida do Antero, é precisamente esta. O treinador que mais gostei no FCP também foi embora por ambição inadiável. Treina numa cadeira de sonho na China. Não se preocupem que ele ganha bem...Vitor Silva

Luís Negroni disse...

Que bom ter querido ir para um clube só ligeiramente acima do nível dele (O nível dele era um lugar abaixo, no Hull City, o lugar da descida de divisão)! Uma autêntica Iminência Parda, muito estatuto (até para alguns portistas, aqueles que costumam gostar de tudo o que é anti-portista), baseado em nada. Campeonatos pelo Olimpiakos, qualquer um ganha, até o Emplastro. Descidas de divisão, mesmo na Premier Ligue, é coisa que qualquer um, até eu, conseguia. Sobra uma Taça de Portugal, ganha da forma miraculosa que toda a gente viu mas se é por isso, se é pela tacita, venha o Pedro Emanuel, que ganhou uma taça pela académica contra o Sporting que é bem mais difícil que ganhar uma taça pelo Sporting contra o Braga. Até o pobre do Peseiro, que está anos-luz atrás do inigualável Marco para os bem-pensantes da parvonia, só não ganhou a tacita para o FCP porque entretanto a rapaziada do Braga tinha aprendido a marcar penaltis.

littbarski disse...

Será que este está disponível?

littbarski disse...

Agora a sério... Acho que é cada vez mais consensual que o maior problema do Porto não é o treinador. Portanto, enquanto não houver renovação total na estrutura do nosso clube, vamos ter de nos sujeitar a estes (e outros) embaraços.