segunda-feira, 22 de maio de 2017

Despedir-se do campeonato com uma derrota "útil"

Um título já decicido e emoção na luta pela despromoção até ao fim. Podia ser um guião de um qualquer final de temporada de uma liga aleatória mas não, foi um filme de terror com o FC Porto como triste e, quem sabem, voluntário protagonista. O FC Porto despediu-se do campeonato fiel ao seu treinador, perdendo, entregando ao Benfica os últimos argumentos a que se agarrava (melhor defesa e melhor ataque) e ainda para mais, perdendo também de certa forma noutro tabuleiro, o jogo das sombras.

A entrada do VAR para muitos promete mudanças radicais. A prática será diferente. Os clubes sabem o que aí vem e estão a preparar-se para atalhos. Sobretudo, estão a contar espingardas. Nos últimos anos tem sido evidente a criação por parte de LFV de uma legião de clubes que são fieis ao Benfica. Negocios, relações intimas, campos de treino emprestados, colocação de treinadores e jogadores são as ferramentas da teia. Não é estranho olhar para a rotação de treinadores em determinados clubes nem o empréstimo de jogadores. Que alguns desses jogadores sejam também, nada surpreendentemente, os que de vez em quando lá se enganam e marcam auto-golos ou dão assistências sempre contra o seu antigo clube isso já é pura coincidência. Nos anos 2000, antes do contra-ataque do Polvo, o FC Porto sabia mover-se nesse meio e tinha também uma série de amigos bem colocados, não só na estrutura da AFP mas um pouco por todo o país, na primeira e segunda liga. No pos-Apito Dourado essa influência foi minguando e hoje o Porto tem tão poucos aliados (tem-se visto em distintos aspectos de gestão) que até acha que tem de se colar a um morto-vivo chamado Bruno de Carvalho para sentir-se importante. Enquanto o Benfica este ano voltou a ampliar o leque de clubes amigos - o Leixões, por exemplo - o Porto viu como cada vez mais clubes da sua esfera ou iam caindo na arvore da competição ou o abandonavam. Não é coincidência que tenham sido despromovidos precisamente os clubes geridos pela família Pinho e por Rui Alves e que outros, menos bem preparados mas muito melhor protegidos, se tenham salvo. A subida do Portimonense - Teodoro anda a emprestar dinheiro ao clube e vai ser um player nestas contas no próximo ano ao mesmo tempo que está a preparar repetir a jogada no Penafiel - pode paliar a situação mas a realidade é que ao Porto interessava muito pouco que clubes como o Nacional, o Arouca e o Moreirense fossem despromovidos. E muito que um dos enviados à Segunda Liga fosse o Tondela. E o que aconteceu? O Tondela salvou-se.

Se a despromoção do Arouca se deve a si mesmo - achavam-se salvados depois do jogo com o Feirense e não saber render a Vidigal foi um erro de principiante - já o Moreirense foi alvo de uma campanha orquestrada depois de se ter atrevido a estragar a festa do Benfica na Taça da Liga. O Tondela, que por essas alturas estava com pé e meio na segunda, recebeu o reforço encarnado de peso para o banco, Pepa, e começou, misteriosamente, a trepar e trepar. Até que chegamos à ùltima ronda. Uma derrota do Tondela e uma vitória do Moreirense garantiam a sua despromoção. O fiel Salvador garantiu em Braga que o Tondela, mesmo quando despromovido, nunca deixaria de estar a salvo. A teia é larga e alguém ainda se há-de lembrar de quando Salvador soava como herdeiro de PdC. Portanto havia, desde há alguns dias, um runrun que falava da necessidade de um milagre do Moreirense e uma derrota que ao Porto não custava nada em pontos e permitia salvar, pelo menos, um clube amigo. Casillas não jogou, Otávio esteve fora de posição, o Porto jogou mal e, milgre, o Moreirense lá meteu três golos ao Porto para conseguir o bilhete ainda que o Arouca não tenha cumprido o seu papel. O Porto, um clube que devia ser enorme e cada vez mais se comporta como pequeno, olhou e assobiou para o ar. Em condições normais jamais perderia este jogo. Em condições anormais perdeu-o e só eles saberão porquê mas houve festa entre muitos portistas porque a "missão" foi parcialmente cumprida. Jogava-se para outro campeonato, o dos interesses e sombras, e milagrosamente os dois peões dos grandes salvaram-se in extremis. Foi um tropeção misterioso e útil, como se veja. E para o ano haverá mais. Os jogos de bastidores vão ocupando o seu espaço e até aí o Benfica mostra a sua força. Quem está com eles não desce. E o número dos tentáculos numa lista de 18 lá vão aumentando.

15 comentários:

DC disse...

O Lito não foi despedido, despediu-se por uma proposta vantajosa no Maccabi.

Alexandre Gonçalves disse...

Reflexão lúcida e abrangente sobre os "mecanismos hegemónicos e estratégicos" que cada organização, consoante a sua dimensão/mercado e objetivos, deverá ter/dispor , pugnando sempre pela melhoria e fortalecimento dos mesmos.
Infelizmente, bem de acordo com Miguel Lourenço Pereira , tal como sobre a grande maioria dos seus escritos .

sixtyniner disse...

Excelente análise, de uma perspectiva que passa ao lado de muitos adeptos do futebol e do nosso Porto.

Abraço

Luís Negroni disse...

Afinal, a superioridade do clube dos árbitros e da mentira desportiva é apenas e só uma superioridade hipermafiosa, di-lo com todas as letras MLP. Afinal, não é porque tenham fantásticas equipas nem fantásticos treinadores como já ouvi dizer ao mesmo MLP, noutras ocasiões, por outras palavras. Senão fossem donos disto tudo, como muito bem narra MLP, nestas 4 épocas do Treta, tinham sido mais as vezes em que teriam sido 3°s classificados do que as vezes em que teriam sido 2°s.

Luís Negroni disse...

"Que alguns desses jogadores sejam também, nada surpreendentemente, os que de vez em quando lá se enganam e marcam auto-golos ou dão assistências sempre contra o seu antigo clube...". Deve haver aqui um lapso, porque o que esses prestaveis rapazes fazem é marcar auto-golos ou dar assistências sempre A Favor do seu antigo clube.

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Obrigado por recordar.

Luis Negroni

Quando jogam "contra" o seu antigo clube.

Em relação ao outro comentário, o Benfica já teve equipas melhores, jogadores melhores e treinadores que o Porto e já ganhou por isso. Nos últimos 4 anos no entanto venceram mais por erros do Porto do que por mérito próprio e quando em dúvida sempre tiveram a sua dose de ajuda.

Alexandre Gonçalves disse...

Peço desculpa ao "Reflexão Portista". O meu nome é Ângelo Henriques (não é a primeira vez que comento no "RP", sou eu que assino o segundo comentário e que mantenho e nunca criei / subscrevi nada como "Alexandre Gonçalves" no Google ou em qualquer outra plataforma.
Vou ver o que se passa!...embora o "RP" assinale a minha pessoa com o tal nome, o que antes nunca tinha acontecido.

Mário Faria disse...

É muita conspiração e como não tenho provas, prefiro não dar palpites. Não vale a pena denunciar esquemas ou continuar a falar da arbitragem. É tempo de olhar para dentro e avaliar a intervenção de cada parte e o que falhou. São uma vergonha as emboscadas ao Presidente e a falta de apoio que o treinador recebeu do Presidente, ou da estrutura ou do filho ou dos joagadores. Os sinais são antigos e fica a pergunta: porque escolheram o NES para treinar o FCP? Não conheciam o homem? Nem o treinador? Nem o perfil dele como jogador e treinador? Não cruzaram informação? Não serve, não chega, terá concluído a direcção. O que falhou na avaliação? Há evidentemente uma atitude bem portuguesa que junta directores, adeptos, comentadores e antigos profissionais para culpabilizar o criminoso do costume, o treinador. É estranho que gente tão diversa pense da mesma forma e de modo tão imperativo. Temos de viver com isso. A direcção também sabe isso muito bem porque os últimos treinadores foram despedidos. E nem o vencedor dos dois últimos campeonatos saiu bem na fotografia. Diria mesmo que foi empurrado porque não gostavam dele. Com Ivic passou-se algo semelhante. No FCP não basta ser campeão. A escolha de um treinador não deve ser feita por impulso e a decisão deve ser feita com critério. Aos responsáveis é exigido outro saber, porque estão mais próximos e dispõem de informação qualificada e diversificada. Mas há coisas que não se entendem. O nosso Presidente disse muito claramente que este era um campeonato de transição. Uma espécie de afinação para os sucessos futuros. Mas os efeitos são os mesmos: treinador para a rua. E depois do campeonato de transição o que podemos esperar? Não sei, estou muito preocupado. Temos um claro défice desportivo nas últimas épocas e uma situação financeira que exige um apertar do cinto que vai ser monitorizado pela UEFA. O que vai a direcçaõ dizer as sócios? Qual o plano ? Fico à espera.

Dr Sigmund V disse...

Sem querer meter foice em teorias conspiratórias, os jogadores emprestados já não podem defrontar o clube que os emprestou - e muito bem.

Paulo Monteiro disse...

O Tondela teve 10 vitórias em todo o campeonato. Metade dessas vitórias (5) foram obtidas nas últimas 6 jornadas. Agora tirem as vossas conclusões.

The Best Man... disse...

Fácil.
Está a usar um computador que tem uma sessão iniciada com outro utilizador.
Ou seja alguém denominado Alexandre Gonçalves gravou o login na máquina e provavelmente escolheu manter a sessão iniciada.
Enquanto não fizer novo login no Google vai acontecer sempre isto.

Curioso disse...

Como refere "en passant" o Mário Faria, sinceramente eu até gosto de teorias da conspiração mas acho que o que é dito aqui não pode ser dito de ânimo leve e sem qualquer outra justificação que não seja que o perder seria do interesse do Porto. Isto porque para além dos pontos em jogo há apostas desportivas envolvidas. E as situações não são tão claras assim: porque é que o Petit é que é o treinador do Moreirense depois de ter sido o Inácio? Será o Moreirense tão aliado do Porto que valesse a pena entrar na ilegalidade de perder o jogo por causa disso? Então nos últimos empates do FCP também foi para fazer favores a este e àquele? Se vamos por aí nâo havia razão afinal para despedir o NES, estava só a cumprir ordens da direcção ou então eu se fosse ele queria receber a indemnização completa. Quanto ao jogo em si o que vi na TV foi um Porto desinspirado e de facto com jogadores que não justificam a diferença de orçamento entre os dois clubes. Gostava que algum especialista analizasse o que aconteceu no jogo para estabeler as probabilidades de combinação mas do que me lembro pergunto: o primoroso centro do lado esquerdo que deu origem ao primoroso salto do Boateng e primeiro golo também foi combinado? O Miguel assistiu ao ensaio com as duas equipas no dia anterior? O golo do Maxi estava fora do "script" e depois lá teve o Felipe de ser comido outra vez pela rapidez do Boateng para eliminar as dúvidas? No último golo em que 90% dos avançados do Porto falhariam, como é que o do Moreirense conseguiu em corrida colocar a bola fora do alcance do Sá? Quantos ensaios entre as duas equipas foram precisos nos dias anteriores para a jogada sair tão perfeita? As boas defesas in extremis do guarda redes do Moreirense foram para enganar? O falhanço do Danilo na pequena área foi de propósito ele que até é um exímio marcador? Foi o Felipe que marcou o livre disparatado de propósito? O árbitro deu 6 minutos no fim para disfarçar? O Miguel sabe que jogadores estiveram envolvidos do lado do Porto? Quem lhes deu a ordem para falhar? Se sabe devia dizer â polícia para os dirigentes serem demitidos com justa causa e com os jogadores irradiados do desporto profissional. Isto agora já não é o polvo, deve ser as lulas. Talvez eu seja muito ingénuo.

Filipe Sousa disse...

Para quem acredita mesmo que sao apenas conspiracoes saídas da cabeca do Miguel, sugiro que se inteire do escandalo silencioso da combinacao de resultados na Segunda Liga - sob investigacao das autoridades. Numa interessante escuta entre 2 dos suspeitos, é afirmado que certos clubes estao "carregados pelo slb" - fica a sugestao para o exercício mental de imaginar o que aconteceria se em vez de "slb", viesse 'a baila o nome do FCP - pelo que de conspiracao aquilo que o Miguel descreveu, tem muito pouco. E se o slb "domina" a Segunda Liga (e assim define quem sobe e desce), o que os impede de fazer o mesmo na Primeira Liga?

Angelo Henriques disse...

Grato ao “The Best Man” pelas dicas em ultrapassar o problema.
Com este agradecimento, testo também a nova situação.
Nota:
Grato também ao “Reflexão Portista”.
Ângelo Henriques

The Best Man... disse...

Não tem de quê Ângelo.
No que puder ajudar...
Cumprimentos!