quinta-feira, 6 de julho de 2017

“Se não fosse o caso do túnel, teríamos sido campeões”

O caso do túnel na capa do jornal A BOLA de 06-07-2017

Numa entrevista ao jornal A BOLA, Jesualdo Ferreira falou sobre o tristemente célebre caso do Túnel da Luz, em que dois jogadores do FC Porto – Hulk e Sapunaru – foram alvo de suspensões nunca antes vistas no futebol português.

Em quatro anos [como treinador do FC Porto] só uma vez é que não cumpri um objetivo. Cumpri sete. (...) E estou convencido ainda hoje que se não fosse esse caso teríamos sido campeões [na época 2009/2010]. O FC Porto teria feito o penta e eu teria feito o tetra. Esse episódio do túnel foi decisivo. (…)
Não, não foi justa [a decisão]. A forma como os meus jogadores foram tratados, como o FC Porto foi tratado, a forma como as coisas aconteceram... Não foi verdade. E digo isto cara a cara, quer as pessoas gostem ou não gostem. Quem sentiu na pele fui eu, estive lá e vi. E também senti durante um ano como as coisas aconteceram.

A revolta do plantel e o Somos Porto (20-02-2010)

Não foi a primeira vez que Jesualdo Ferreira (um homem que foi treinador dos três “Grandes” do futebol português) falou da injustiça deste caso.
Em 12 de Fevereiro de 2010, Jesualdo Ferreira disse o seguinte:

O Hulk é um jogador revoltado. O estado de espírito dele é de revolta, porque não pode trabalhar e fazer aquilo que gosta. Nós, internamente, também estamos revoltados porque temos um profissional bem pago e que não está a ajudar a equipa como devia em função do contrato que tem. Acho que quando erramos temos de ser penalizados, mas temos de ser penalizados na justa medida do erro que cometemos, e temos de ser penalizados de forma a não voltar a errar. Agora, isto tudo não deixa de ser uma coisa incompreensível para as pessoas.


Em 24 de Março de 2010, o Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), instância de recurso, reduziu drasticamente o castigo que tinha sido aplicado a Hulk e a Sapunaru pela Comissão Disciplinar (CD) da Liga, à época presidida pelo célebre benfiquista de Canelas, o dr. Ricardo Costa.
Em vez de quatro e seis meses de suspensão, o CJ da FPF reduziu os castigos de Hulk e Sapunaru para três e quatro jogos respetivamente, indo de encontro ao enquadramento disciplinar, para estes dois casos, que foi defendido pelo FC Porto.

4 meses de suspensão
(O JOGO de 20-02-2010)
Se a suspensão decretada pelo dr. Ricardo Costa tivesse sido cumprida na totalidade, o FC Porto teria sido obrigado a disputar 23 jogos sem Hulk. Em função desta decisão do Conselho de Justiça da FPF, foram “só” 17 jogos oficiais sem o melhor jogador do campeonato português...

Recordar o caso ‘Túnel da Luz – Hulk’ é recordar o tempo em que Ricardo Alberto Santos Costa foi presidente da Comissão Disciplinar da Liga de Clubes (entre Outubro de 2006 e Julho de 2010).

É recordar a atuação do dr. Ricardo Costa neste caso, mas também nos casos ‘Apito Final’ ou ‘Diabo de Gaia’, entre outros menos mediáticos.

É recordar o impacto desportivo e financeiro que estes casos tiveram.

É recordar um tempo que não foi positivo, nas palavras de Fernando Gomes à Agência Lusa, após ter sido eleito para a presidência da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

É, tal como referi em “Ando a falar da benfiquização do futebol português há anos”, sublinhar que o “polvo encarnado” não nasceu em 2013. O “polvo” começou a ser criado muito antes (Os tentáculos do SLB), tendo sido decisivo em vários momentos dos últimos 14 anos (*)

(*) Luís Filipe Vieira foi eleito presidente do SLB a 3 de Novembro de 2003.

5 comentários:

Hélder disse...

Isto é quase anedótico. Não é de agora, nem de apenas à 4 anos atrás. O clube do regime, é levado ao colo desde que me lembro de ver futebol. O processo apito dourado, foi genial, por muito que nos custe. O principal objetivo, era fazer crer que o FC Porto dominava o futebol com batota. Foi conseguido, e desgastou de tal forma Pinto da Costa, que nunca mais voltou a ser o mesmo. Por cada lance em que o FC Porto é beneficiado, arranjam-se 15 para o carnide. Isto é de tal forma revoltante, que ultrapassa o limite do razoável.

Mefistófeles disse...

Ricardo Bosta é tão somente a personagem mais abjeta, mais nojenta, de que me consigo lembrar desde que nasci. Devia pagar imposto para respirar.

LAFOI_93520 disse...

Sobre o poder que slb sempre teve no futebol português, contam os mais velhos do clube da minha terra (CFosB) que, por alturas do tristemente célebre lampião calabote, o slb perdia no Restelo com um golo a terminar o jogo marcado de canto directo. O árbitro vendo que este resultado não era o mais conveniente para as hostes lampiónicas anulou o golo. Motivo: a bola antes de entrar na baliza do slb havia passado por fora do campo. Logo, reatou o jogo com um pontapé de baliza favorável aos de Carnide.
Parece ficção, mas não esqueçamos que, na altura, o CFosB era um dos clubes do regime (repartiam a presidência da FPF em rotação a três, lembram-se?) e, ainda assim, outros tentáculos mais altos se levantaram a favor dos suspeitos do costume e contra os de Belém.
Meus Caros, à semelhança da época 2002/2003 (em que já estávamos chorados, velados e enterrados) o FCP com um treinador novidade e meia dúzia de valorosos reforços (quase) a custo zero, iniciou a escrita uma das mais orgulhosas páginas da nossa história. Pode ser que vindos de Maio falte à Avª da República para comemorar nos Aliados. Parafraseando o amigo Silva, "Apoujé bébé".
Saudações FCPortistas.

joão Mesquita disse...

Alguém me sabe dizer como está o processo de indemnização por danos causados ao clube com este caso? É que se a pena foi reduzida, mas na prática os jogadores acabaram por não poder jogar mais do que o castigo revisto, o FCP deveria ter direito a uma compensação por parte da federação. Para não falar dos prejuízos desportivos que tivemos e que nunca serão compensados. Já outros clubes vêem jogadores agredirem adversários e continuarem a jogar como se nada fosse. Pela mesma ordem de ideias, esse jogadores deveria estar suspenso até sair a pena a aplicar. É o nosso triste futebolzinho.

Paulo Marques disse...

LAFOI: a bola milagrosa http://www.reflexaoportista.pt/2009/01/o-caso-calabote-i.html