segunda-feira, 18 de setembro de 2017

6 em 6, mas...

Primeiro, o essencial: 6 vitórias em 6 jogos na Liga Portuguesa e 5 pontos de distância para o slb.



Escondido nas entrelinhas: Sérgio Conceição fez duas alterações de monta e o resultado não foi assim tão diferente das sofridas exibições contra Chaves e Besiktas.
É bem verdade que Óliver vinha a decair de rendimento, como é aliás habito nele, com o acumular de partidas nas pernas (se bem que, na primeira-parte do jogo de quarta-feira, estivesse uns furos acima de exibições recentes) e que Corona, tirando o grande golo em Braga, andava muito apagado, porém, não foi com o Herrera de sempre, e com este actual Otávio, que as coisas melhoraram e os 45 minutos iniciais foram uma cópia quase fiel do encontro contra o Chaves: quase nenhumas oportunidades de golo e nem sequer um grande caudal ofensivo (o Rio Ave, estranhamente até, com mais posse de bola ao intervalo).
O mexicano, regressado para a sua enésima oportunidade de provar a sua utilidade, foi o jogador que mais perdas de bola teve ao longo da toda a partida (oito no total, o dobro do segundo pior - Aboubakar). Já Otávio, voltou a não fazer a diferença. O que ele jogava há um ano, quando regressou ao nosso clube, e o pouco que agora mostra...

Pela positiva, tivemos novamente direito a um Danilo absolutamente decisivo. Sim, ainda terá que melhorar muito para se aproximar dos níveis altíssimos que alcançou a meio da época passada mas, sem dúvida alguma, a ninguém devemos mais do que a ele esta importantíssima vitória.

E, depois, temos ainda Marega. Mais uma exibição positiva da sua parte. Quem mais, sem ser ele, conseguiria aquela arrancada para o segundo golo? Certo que, depois, a bola ressaltou, com alguma sorte, para os pés de Brahimi (quem melhor?) e que foi este o responsável maior pelo lance ter tido um final feliz, mas o homem do Mali foi quem acreditou primeiro.

Nota final para o primeiro golo sofrido. Já se adivinhava que estaria perto, pela amostra das duas últimas partidas, e ele aconteceu mesmo, num erro incrível de colocação de Ricardo Pereira.
O português ainda não comprovou, em estádios nacionais, tudo aquilo que durante dois anos se escreveu sobre a sua passagem pelo campeonato francês.

E eis que já não falta quase nada para o jogo-chave de Alvalade...

1 comentário:

Otoniel Damião disse...

Não sei o que se passa com o Otávio, ok que há um ano joava a titular e na ala esquerda mas parece que regrediu em vez de progredir. Espero que volte a aquela forma do primeiro terço da época passada