quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Sem "os padres que escolhemos e ordenamos"…

Seis jogos, seis derrotas (capa de O JOGO de 06-12-2017)

Nos seis jogos da fase de grupos da Liga dos Campeões 2017/18…

- o SLB marcou um golo; o FC Porto marcou 15!

- o SLB esteve cinco jogos seguidos sem marcar; o FC Porto marcou em todos os jogos.

- o SLB teve um diferencial de -13 entre golos marcados e sofridos; o FC Porto teve um diferencial de +5 golos.

- o SLB obteve 0 (zero!) vitórias nos seis jogos disputados; o FC Porto obteve 3 vitórias no mesmo número de jogos.

- o SLB terminou a fase de grupos com 0 pontos (pior registo de sempre de uma equipa cabeça de série); o FC Porto terminou a fase de grupos com 10 pontos (e apurou-se pela 14ª vez para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões).

- o SLB foi a única das 32 equipas desta fase de grupos a terminar com 0 (zero) pontos; o FC Porto é a única das três equipas portuguesas a continuar em prova.

- o SLB encaixou apenas o valor do prémio de participação na fase de grupos (12,7 milhões de euros); o FC Porto já encaixou 23,7 milhões (e poderá encaixar mais).

Os factos são muito claros. Sem a colaboração da arbitragem (como disse António Rola), ou sem poder ter os “padres” que escolhemos e ordenamos (como diria Adão Mendes), este SLB fica reduzido à sua verdadeira dimensão.

"os padres que escolhemos e ordenamos"

Quanto ao FC Porto, tendo disputado a fase de grupos contra o melhor Besiktas de sempre e os atuais 2ºs classificados dos campeonatos alemão e francês, demonstrou na Europa a diferença real que existe entre as duas equipas.

Cartoon em A BOLA

Fica a dúvida: Qual seria a diferença pontual entre o FC Porto e o SLB, se os jogos do campeonato português fossem arbitrados por árbitros estrangeiros?

2 comentários:

vidente mor disse...

concordo, factos sao factos

Francisco Paulos disse...

Também temos culpa pois com o silêncio da Sad branqueamos os roubos de que temos sido alvo.