segunda-feira, 2 de abril de 2018

Sete meses ao lixo

Em Agosto ninguém imaginava que o FC Porto podia realmente lutar pelo título. Ninguém imaginava chegar invicto a Março. Chegar com a faca e o queijo na mão ás últimas sete jornadas. Em Belém, depois de uma noite de tempestade em Paços de Ferreira, sete meses de trabalho e ilusão foram deitados ao lixo. O FC Porto entrega de mão beijada a liderança do campeonato com seis pontos perdidos em três jogos, perdidos por culpa própria em multiplos sentidos. Sobretudo perdidos por Sérgio Conceição. O homem responsável por sete meses de sonho foi também o principal responsável por dois tropeções que podem vir a ser decisivos.

Todos sabem que o importante é liderar no último dia.
Não é por casualidade que o último FC Porto campeão nacional, quando já estava o Polvo montado, ainda que não tão bem oleado, chegou à liderança a 90 minutos e meio do final do campeonato. Liderar durante todo o ano um torneio viciado para depois entregar essa liderança por motu próprio no sprint final só aprofunda a decepção. É isso que o FC Porto tem feito. Por um lado era inevitável. Por um lado só há campeonato a estas alturas porque o Polvo o quis, como sempre se soube que ia passar. Houvesse algum tipo de vergonha ou justiça, conceitos alheios ao futebol português, o campeonato estaria decidido há semanas. Mas não há e todos sabem que não haverá. Por muito que se revele, por muito que se investigue nada passa. Nada sucede. Nada. Absolutamente nada. E por isso mesmo a luta segue e nesse contexto aparece o segundo elemento inevitável para esta perda da liderança: a falta de ideias de Sérgio Conceição.

Foi confrangedor ver o FC Porto em Paços. Foi igual de doloroso vê-lo em Belém. E não foi tão diferente de vê-lo em várias saídas. Quando não há espaços, quando o motor já está gripado depois de tantos jogos acumulados, vêm ao de cima as carências, tanto do corpo técnico como dos jogadores. O paradigma Conceição (como o de Jesus) assenta num inicio de época forte, um modelo muito fisico, vertical e reactivo que chega ao final do ano sem folêgo e plano B. Assim perdeu Jesus quatro títulos e assim vai perder Conceição o primeiro. Não existe, nem tem sequer havido sensação de existir, um plano B. Não há Marega, que permitia o modelo funcionar pelas suas caracteristicas, mas continua a procurar-se no plantel o que não existe, um Marega II, com um modelo similar mas sem as ferramentas certas. Entre isso e que os jogadores chave do modelo estão mortos fisicamente (Brahimi) ou estiveram/estão lesionados e sem ritmo (Alex Telles, Danilo, Soares/Aboubakar) e fica fácil entender que um treinador de nivel alto procuraria um plano alternativo que potenciasse o que tinha para potenciar e ao mesmo tempo procurasse surpreender os rivais que já sabem de memória como a sua equipa joga. Conceição não tem esse perfil.
Chegou a Belém com dois laterais direitos porque não havia Marega. Chegou a perder ao intervalo e com péssimas sensações e não alterou nada até dez minutos depois do inicio do segundo tempo e ainda assim as mudanças foram de peças, não de ideias. Bolas pelo ar, bolas paradas e pouco mais. Nada mais. Nem toque e pausa (Oliver), nem um defesa por um jogador de meio-campo para gerar mais espaço (Danilo por um desastre chamado Osorio). Nada. Pura e simplesmente esperar por uma inércia que há um mês que não existe porque não há forças nem rivais dispostos a ceder os espaços que fizeram o modelo funcionar.

No fundo o Porto que cai em Lisboa e que cai na Liga é exemplificado por Sérgio Oliveira.
Num jogo horrivel do médio, com uma absoluta lentidão de movimentos, imprecisões no passe e sem nenhum critério, Oliveira foi em Belém, como tem sido no último mês, o jogador que é na realidade. Ao entrar numa dinâmica ainda positiva, substituindo Danilo mas numa equipa ainda com todos os titulares, Oliveira cresceu com o grupo mas o certo é que foi o grupo perdeu força e peças e Oliveira vulgarizou-se a ponto de voltar a ser o jogador que é e sempre será. E como ele os casos podem ser repetidos em vários outros jogadores que potenciados por uma ideia colectiva parecem muito superiores que o que são individualmente.
Esse foi o mérito de Conceição durante sete meses, o de esconder vergonhas individuais numa grande dinâmica colectiva e o seu demérito é, precisamente, o ser incapaz de emendar e entender que o modelo está gasto, que algumas das peças estão gastas e que é necessário aplicar um plano B com mais critério, lógica, gestão de bola e de esforços para impor uma superioridade sobre os rivais que é real - porque este Porto não é um grande Porto mas não é inferior a nenhum outro clube na liga na realidade. O Porto com Conceição nunca deu esse passo afirmativo, sempre procurou ser reactivo e quando se lhe pediu ser autoritário desde o controlo, perdeu o norte e com ele perdeu tudo o resto.

A derrota mais do que merecida em Belém pelos erros individuais na defesa, na construção de jogo e na execução ofensiva expõem a realidade e deixa um sabor muito amargo. Vencer na Luz torna-se obrigatório mas ao mesmo tempo torna-se fundamental fazer a pontuação máxima nos restantes jogos. Algo que há um mês parecia possível pela dinâmica que existia e que agora, sinceramente, com a forma de trabalhar de Conceição e as limitações fisicas e mentais dos jogadores cada vez mais evidentes, parecia altamente improvável. Depois de uma pausa que parecia ajudar o FC Porto mais do que a nenhum outro clube, pela recuperação de peças importantes, foi possivel entender que Conceição não entendeu nada do que estava a passar no mês anterior. E isso é o pior sinal possível para o mês de competição que falta.

Por fim uma adenda fundamental.
Conceição e os seus fizeram os adeptos sonhar e caindo caimos com eles porque não podemos abandonar no desespero quem deu ilusão. Isso não se aplica no entanto a um dos principais responsáveis pela situação presente a dia de hoje: Jorge Nuno Pinto da Costa.
Um ano mais a direcção do clube faltou ao escudo, aos adeptos e aos profissionais.
Faltou forçando a intervenção da UEFA que manietou e muito a gestão do plantel.
Faltou calando, calando e calando num ano não só gravissimo a nivel de arbitragens, com o VAR ao barulho, como calando, calando e calando, quem de direito, na denuncia mais grave da história do futebol português.
Nunca o FC Porto precisou tanto de um Presidente vivo. Activo, vocal, feroz, preparado a matar e a morrer pelos seus, fazendo tremer os cimentos do futebol português depois de se fazer evidente o estado putrefacto em que se encontra. Nunca o FC Porto teve um Presidente tão mumificado. No final, sem ter tido um só percentil de responsabilidade na ilusão positiva criada, tem muita da responsabilidade neste cataclisma inesperado que se anuncie. O FC Porto é um clube centenário e com memória. E a memória destes anos é tão importante como a dos anteriores. E é uma memória marcada pela estupefação, pela decepção e pela forma como tudo o construido foi destruido pelos mesmos protagonistas. E com o mesmo resultado, uma nova hegemonia do Polvo frente ao Porto que se comporta como quando eramos "bons rapazes".

14 comentários:

Ricardo disse...

Por muito que nos custe, a verdade é outra. Tivemos vários treinadores nos últimos 5 anos. O resultado foi sempre igual pelo que tiveram de comum:um plantel bem mais fraco do que o que estávamos habituados. Isso vê-se pelo estofo que não têm, pelo valor de mercado que não têm. A culpa é só de um. Que já percebeu que o ciclo acabou mas que não sai.

JOSE LIMA disse...

Excelente comentário como é seu timbre, com a vantagem de ser ainda feito a quente. Pouco mais haverá a dizer a não ser que nos últimos anos, pese embora a crise financeira, continuamos a ser uns anjinhos bens comportados perante o polvo gigantesco que tudo controlou.
Há muita coisa a mudar na SAD mas tenho receio que ainda vamos penar por mais um ano, ou seja, enquanto não houver uma nova direção.
Cumprimentos e saudações portistas para o Miguel

Paulo Marques disse...

Acho que sim, lenços brancos e todos para a rua. Mandá-los todos embora até encontrarmos um campeonato só com altos.

Fernando B. disse...

Sim, não há Presidente ativo, nem há as centenas de milhões que fizemos em vendas entre 2011 e 2015.
Mas o plantel não chega para ganhar ao Paços e ao Belenenses ?
Escrevi aqui logo no 1º jogo da CL... cuidado com os treinadores emoção emoção emoção... pode resultar a curto prazo, mas depois... Absolutamente lamentável o meio campo do FCP, em talvez uns 10 jogos... nunca percebemos bem qual era a ideia de SC.. nem ele, se calhar!

Azul disse...

Antes de falar nos tiros nos pés devo dizer que os vermelhos estão na liderança porque quando andavam a penar tiveram sempre a ajuda dos padres e seus acólitos, nós pelo contrario fomos sempre empurrados para baixo.
O que me preocupa não é esta derrota mas sim o facto de não ver a luz ao fundo do túnel. Se a qualidade da equipa não é famosa nem quero imaginar a próxima época, uma vez que os melhores terão de ser
obrigatoriamente vendidos.
Uma coisa tenho a certeza esta época o presidente não cairá na tentação de justificar mais uma época de fracasso com a incompetência do treinador pois tenho a certeza, e ele também, que o Sérgio não o deixará sem resposta.
Somos governados por uma múmia e lamento profundamente dizer isto.

Anónimo disse...

Boas.
Já temia que isto pudesse acontecer, morrer na praia! Até ao momento o SC nada fez de diferente em relação aos seus antecessores (NEST, etc), mas não o culpo de nada! Se criou uma ilusão positiva num plantel curto e sem reforços, é mérito dele. Ao ponto de nos fazer esquecer, que este plantel continua curto! O seu erro, foi ter apostado em todas as frentes, inclusive na taça da liga, num futebol que pressupõe muita disponibilidade física, acabou por pagar o preço!

Se ainda acredito? Que o Porto vai ganhar 6 jogos seguidos, passando por Benfica, Guimarães, Maritimo, todos jogos fora? Não! Este é o pior Porto da época, com 6 pontos perdidos em 3 jogos, numa fase que deveria estar num nivel altíssimo!

Sérgio Conceição, cresce e aprende com o mestre Mourinho, os picos de forma são para ser atingidos no último terço do campeonato, não no inicio, quando muitos ainda estão de férias!

Abraço.

Sérgio Santos disse...

Mesmo tendo em conta que nada está perdido, embora tenha sérias dúvidas na conquista do campeonato, penso que é mais que óbvio que o clube necessita de uma reflexão e reestruturação profunda que levará o seu tempo. Está na hora de olhar mais para dentro, apesar de reconhecer os problemas externos (vassalagem/ benefícios ao SLB; fraca qualidade do campeonato/arbitragem etc) está mais que na hora da direcção, esta ou uma nova, falar abertamente do estado do clube, reconhecer quais os erros que levaram ao estado financeiro em que nos encontramos e quais os métodos para dar a volta, quais os projectos futuros em todas as modalidades (se é que existem), formação etc.. chega de discursos de directores financeiros a atirar areia para os olhos dos adeptos querendo fazer crer que a culpa foi do treinador x ou y não ter deixado vender os jogadores, a imagem que passa é de uma direcção completamente estagnada e sem ideias.. com a agravante de parecerem não existir alternativas nem oposição

littbarski disse...

Exibição patética. Temos demasiados jogadores banais, sendo que o expoente máximo dessa banalidade é Ricardo, que recebe sempre muitos elogios, mas que defende mal, não sabe cruzar, bolas difíceis não apanha uma (e mesmo as fáceis...), portanto, o que é que ele faz bem? Correr. Corre muito e vê-se que dá tudo, justiça lhe seja feita, mas não chega, nem de longe nem de perto. Falta classe. Os únicos jogadores que verdadeiramente a têm, um está de rastos, por andar uma época inteira com a equipa às costas (Brahimi) e o outro esteve sentado no banco meia época, por teimosia do treinador (Casillas). Tal como Oliver, para jogar... Paulinho. Tiros nos pés. Se juntarmos a isto uma dupla de centrais nova e descoordenada a oferecer golos ao adversário e avançados que precisam de 6/7 oportunidades para fazerem 1 golo, está explicado o descalabro.

Infelizmente, suspeito que Benfica seja outra vez campeão, porque mesmo que ganhássemos na Luz, arranjaríamos maneira de estourar a vantagem com um Moreirense qualquer. Um campeão banal que (teste do algodão) fez ZERO pontos na Champions, mas que pelo menos tem avançados que sabem aproveitar as oportunidades que têm. E, pelos vistos, não é preciso mais...

Jorge Amador disse...

Vão sofrer que nem cães...

Vitorino Melo disse...

Por norma não costumo criticar neste fórum. Leio os post, respetivos comentários e revejo-me na grande maioria deles.
Mas hoje tenho a "alma" negra! Já há algum tempo que um treinador do FCP não me deixava envergonhado desta forma. Nem consigo argumentos para me defender e defender o meu clube dos ataques que invariavelmente estamos sujeitos de "amigos de outras cores". Passamos a ser a chacota nacional. E nem se atrevam a falar do Nuno, porque se é verdade que não ganhamos alguns jogos que devíamos ter ganho , também é verdade que não os perdíamos (pelo menos da forma miserável como o fizemos ontem), e também havia anti-jogo (não me esqueci do Setúbal e do Tondela).
Até consigo perceber que se diga que o plantel é curto (em algumas posições), mas de quem é a culpa? Quem é que o encurtou? Quem permitiu a saída de Mikel Agu (boa alternativa ao Danilo - depois de uma época excelente no Setúbal), o próprio Ruben Neves, que tão boas indicações dava sempre que jogava; de Rafa (boa alternativa ao Alex - depois de uma época excelente no R. Ave - já para não falar da excelente época do Inácio na B); a saída do Chidozie e mais tarde a do Jorge Fernandes (serão estes piores que o Osório ( e ainda por cima do Tondela- vamos encher os bolsos de um clube que nos tem tratado tão mal, não havia no mercado mais nenhum central que nos servisse?) O Boly era pior que o Osório?
Enviamos o Rui Pedro para o Boavista para quê? Para ser sistematicamente ostracizado pelo presunçoso do Jorge Simão? Um jogador que embora jogasse pouco tempo, sempre que lhe deram oportunidade lutou como se não houvesse amanhã! O Ismael Diaz (grandes jogos vi eu pela equipa B e nunca lhe deram uma real oportunidade - nunca percebi como se deixou ir embora este miúdo para ir buscar Danubios, Ezehs, ou manter Djims e outros que tais).
Em contrapartida lá mantivemos os Maxis, os Layuns, etc, (ah e fomos contratar mais um guarda-redes, porque os cinco ou seis que tínhamos no plantel eram poucos). Jogadores que embora não sejam maus (não esqueci a grande época feita pelo Layun), nada acrescentam quando são chamados à equipa.
Porque saiu o Dalot da equipa? Para entrar o Maxi? E depois ainda se vêm vangloriar de lançarem miúdos na equipa principal. O Dalot apenas apareceu porque não havia mais ninguém para lateral esquerdo, senão nunca lá tinha posto o pé. E acredito mesmo que no final da época vai ser mais um deitado fora para fazer os tais milhões que precisamos, porque já toda a gente percebeu que as nossas coqueluches (Herreras, Brahimis, Coronas e afins) ninguém lhes vai pegar, pelo menos pelo valor que a nossa exma. SAD acha que eles valem.
É triste, demasiado triste ver o estado de letargia a que deixaram chegar o nosso clube.
É triste verificar que mais um ano e vamos deixar que um clube de mancos, que foi ridicularizado por toda a europa seja novamente campeão.

Francisco Paulos disse...

Infelizmente demos o campeonato de bandeja aos corruptos. Eu sei que eles quando precisaram foram levados ao colo e nós pelo contrário fomos empurrados para baixo. Mas ter quase no final 5 pontos de avanço e desperdica-los desta forma é quase criminoso. O nosso plantel é o pior dos 3 grandes e a maioria dos jogadores não tem classe para jogar numa equipa que quer ser campeã. O treinador estourou fisicamente com a equipa pois nunca se viu tantas roturas como nesta época. Ostracisa jogadores enquanto outros jogam sempre por mais inuteis que sejam. Como exemplo cito sergio Oliveira em Belém que fez um jogo vergonhoso e jogou os 90 minutos. Falta-nos um verdadeiro matador e a mim irrita-me ver o Abou jogar pois a sua ineficácia é de bradar aos ceus. Extremos não temos pois Hernani e corona são nulidades abdolutas. Enfim mais um ano perdido e temos de ter atenção que podemos perder o segundo lugar.
O principal cancro do clube é a Sad e o ausente presidente que até mete dó. É inacreditável como os notáveis do clube o veem a afundar e nada fazem. Estamos na miséria desportiva e financeira mas os administradores ganham ordenados principescos. Para nós além da falta de respeito de que somos alvo resta-nos as noites mal dormidas depois de exibições miseráveis como a de Belém.

miguel.ca disse...

Pinto da Costa, o tal dos "allez" que ainda teimosamente se ouvem no Dragão em todos os jogos, será o único presidente do mundo a ganhar 2 penta campeonatos. Um pelo FCPorto na década de 90 e outro pelo Benfica entre 2013 e 18.
Parabéns Presidente.

pamacedo disse...

Há momentos que nos marcam. O ano passado estávamos a um ponto do Benfica e fomos jogar à Luz. Perto do fim estava 1-1 e o Casillas decidiu "empatar", perdendo tempo. O Benfica ainda ia jogar com o Sporting e tal e coisa... Nestes últimos 4 anos de deserto foi de longe o pior momento. Ver o meu clube atirar a toalha ao chão e "contente" com o segundo lugar. Nunca gostei particularmente do Casillas (isso seria outra história) mas nunca lhe irei perdoar esse momento e a vergonha de ouvir a surpresa do comentador "FC Porto parece mais satisfeito com o atual resultado do que o Benfica". Talvez tenham sido instruções do treinador, enfim. Agora, um ano depois, vamos outra vez jogar à Luz, outra vez a um ponto, e depois o Benfica ainda vai jogar contra o Sporting e tal e coisa... se a história se repete, que seja o momento do Kelvin por favor!

Ricardo Rocha disse...

Oliveira com grandes exibições nos últimos jogos... Conceição a ganhar na Luz... Pinto da Costa condecorado enquanto o Porto volta a festejar na câmara.

Grande artigo aqui se escreveu! :)