quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Vencer é o nosso destino


No último domingo fomos a Lisboa defrontar uma equipa que joga poucochinho e que, contra o FC Porto, joga quase sempre como equipa pequena.

Desta vez, os dragões estiveram ao nível da equipa da casa e também jogaram pouco. Criamos poucas oportunidades de golo e só nos últimos minutos tivemos um vislumbre do Fê-Cê-Pê entusiasmante da época passada.

E sim, é verdade que, esta época, as exibições dos campeões nacionais têm sido… desconsoladoras. Tipo comida sem tempero, aquecida no micro-ondas.
Razões para isso?
Bem, sendo o “cozinheiro” o mesmo e os “ingredientes” praticamente os mesmos (talvez um pouco menos frescos), não vejo qualquer razão para que não voltemos, brevemente, a saborear umas fantásticas “tripas à moda do Porto”.

E fazer das tripas coração é sempre o primeiro passo para jogar à Porto e para voltarmos a ter uma Equipa (com “E” grande).

O resto virá por acréscimo, de forma natural, com mais treinos, mais jogos, mais minutos nas pernas e mais vitórias. E o resto é…

A recuperação dos níveis físicos, ritmo competitivo e confiança (neles próprios) dos jogadores que estiveram lesionados – Danilo, Soares, Mbemba;

A integração plena de todos os reforços – João Pedro, Mbemba, Jorge, Bazoer, … - os quais, espero, não se venham a revelar apenas meras contratações para encher o… plantel;

Uma melhor mecanização entre os dois jogadores que constituem a dupla de centrais – Felipe e Militão ou, quem sabe, Felipe e Mbemba (com Militão a ser desviado para lateral direito);

Um entrosamento adequado entre o triângulo constituído pela dupla de centrais e o médio mais defensivo (Danilo);

E, claro, a recuperação da forma desportiva dos “três mosqueteiros” – Alex Teles, Herrera, Brahimi e Marega –, que foram os principais pilares da maior parte da época passada.

O capitão Herrera a mostrar a camisola e emblema, no SLB x FCP da época passada

É verdade que os sinais da pré-temporada, dentro e fora do campo, não foram os melhores.

É verdade que a maior parte das contratações efetuadas foram feitas tardiamente e, até agora, apenas o Éder Militão revelou ser um reforço.

É verdade que as exibições têm sido desconsoladoras e que, no “salão de festas”, jogamos pouco.

Tudo isto é verdade, mas eu estou optimista.

Estou optimista, porque apesar de tudo o que referi anteriormente, os nossos rivais também não impressionam e estamos a apenas dois pontos (um empate!) da liderança do campeonato.

Estou optimista, porque o nosso mister não é o Rui Vitória, nem o José Peseiro, é o Sérgio Conceição! Alguém que já mostrou o que vale – como treinador, como aglutinador, como líder – e que continua com fome de ganhar. Por isso, estou certo, não vai deixar os jogadores acomodarem-se ao título da época passada e espero que consiga renovar-lhes a ambição, metendo-lhes na cabeça que, até agora, ganharam quase nada e que há muito mais para ganhar.

Sérgio Conceição a mostrar o emblema, no final do último SLB x FCP

Estou optimista, porque faltam oito meses (outubro, novembro, dezembro, janeiro, ..., maio) e 27 jogos para terminar o campeonato, tempo mais do que suficiente para este Porto colheita 2018/19 amadurecer e melhorar o seu “sabor” (é inevitável).

Estou optimista, porque apesar de já termos perdido dois jogos (tantos como em todo o campeonato passado), tal como o nosso treinador, estou confiante que não iremos perder muitos mais (se é que iremos perder mais algum).

Estou optimista, porque já fizemos três das seis deslocações ao sul do país (Belém/Jamor, Setúbal, Luz) e, na 2ª volta, vamos receber o slb no Dragão (e haverá melhor motivação, do que o Sérgio Conceição fazer a palestra desse jogo ao som da música com que o slb terminou o jogo de domingo?).

Estou optimista, porque os Portistas não abandonaram a equipa e o mar azul continua a encher estádios.

E finalmente, estou optimista, porque temos a melhor equipa do campeonato português e vencer é mesmo o nosso destino.

2 comentários:

Vidente Mor disse...

sim tudo sao fatos, e verdade, nao jogamos nada, SC nao tem capacidade para integhrar novos atletas, tem aversao a jogadores da formaçao, taticamente esta a demonstrar ser quadrado e depois querer que jogadores que com outros treinadores ate seriam dispensados agora com o milagreiro SC passassem a ser craques, isso e impossivel, certo que marega e herrera beneficiaram com o tipo de futebol, a la CS mas as deficiencias tecnicas estao la. Agora ate agora so tivemos um percalço estupido que foi com o guimaraes porque perder por um a zero com os lampioes na luz pode ser chato mas nao e assim tao importante, o im portante foi estar a ganhar por dois e com as taticas a la SC ter perdido com o guimaraes. O EXITO DA EQUIPA TERA MUITO A VER COM A INTELIGENCIA DE SC, OU ELE PERCEBE QUE TEM DE JOGAR DE OUTRA MANEIRA E PRESCEINDIR DE JOGADORES EM ALTA E COM MERCADO MOMENTANEO E INTEGRAR OUTROS OU NAO SE VAI AGUENTAR.

Francisco Paulos disse...

Jogar com jogadores que têm a cabeça noutro lado não dá bom resultado. Herrera,teles,Brahimi???? Marega está uma nulidade. Ou há mudanças drásticas ou este ano vai ser um fracasso. Fazer rodinhas e apontar para o símbolo não chega,o que é importante é nos jogos mostrar raça e vontade de ganhar e isso não se tem visto. No domingo fizemos uma exibição sem crença própria de uma equipa acomodada e que não mostrou vontade de ganhar. Assim vai ser difícil.